Espinossauro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaEspinossauro
Ocorrência: Cretáceo Superior
99–93,5 Ma
Esqueleto de um Espinossauro reconstruído em uma pose de nado
Esqueleto de um Espinossauro reconstruído em uma pose de nado
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Superordem: Dinosauria
Ordem: Saurischia
Subordem: Theropoda
Infraordem: Tetanurae
Família: Spinosauridae
Género: Spinosaurus
Stromer, 1915
Espécie-tipo
Spinosaurus aegyptiacus
Stromer, 1915
Sinónimos

O Espinossauro ( cujo nome significa Lagarto Espinho) foi um genero de dinossauro espinosaurideo que viveu durante o período Cretáceo entre 99 a 93.5 milhões de anos atras, principalmente na região que é hoje o Norte da África. Este gênero foi conhecido a partir de vestígios egípcios descobertos em 1912 e foi descrito em 1915, esses vestígios originais foram destruídos na Segunda Guerra Mundial, mas material adicional foi encontrado no início do século XXI. O S. aegyptiacus é a espécie tipo do genero, embora tenhamos o S. maroccanus como uma espécie em potencial. Sobre seus sinônimos, o gênero Sigilmassasaurus ja foi sinonimizado por alguns autores como um S. aegyptiacus embora outros pesquisadores proponham que seja um gênero distinto, outro possível sinônimo é o Oxalaia da Formação Alcântara no Brasil como um sinônimo não totalmente crescido de S. aegyptiacus. [1]

O Espinossauro foi um dos maiores dinossauros terópodes que já existiram, suas ultimas estimativas sugerem que adultos poderiam medir em torno de 15 metros de comprimento [2][3][4] e 6,4 a 7,5 toneladas de peso [3][4]. Possuíam grandes prolongações espinhais nas vértebras de suas costas, as maiores podendo chegar a 2 metros o que lhe conferiu o nome de "lagarto espinho". Esses prolongamentos são recobertos por uma pele fina. Os cientistas cogitam como possíveis funções (independentes, mas não mutuamente exclusivas) dessa vela dorsal, a termorregulação (armazenando o calor do sol, dando-lhe a vantagem de ser mais ágil que os outros répteis), exibição (sexual ou para intimidação de rivais) ou apenas um efeito visual durante o nado. Seus braços e sua mandíbula eram extremamente longos que serviam para pegar grandes peixes.

O espinossauro é conhecido por ter uma alimentação piscivora, e a maioria dos cientistas acredita que ele caçava presas tanto terrestres e tanto aquáticas. As evidências sugerem que era altamente semiaquático e vivindo tanto na terra quanto na água, como fazem os crocodilianos modernos. O espinossauro vivia em um ambiente úmido de planícies de maré e florestas de mangue ao lado de muitos outros dinossauros, bem como peixes, crocodilomorfos, lagartos, tartarugas, pterossauros e plesiossauros da sua região.

Gigante Perdido[editar | editar código-fonte]

Esqueleto reconstruído de um Espinossauro natação

Os primeiros restos de Espinossauros foram descobertos na Formação Bahariya por Richard Markgraf em 1912 e descritos pelo paleontólogo alemão Ernst Stromer em 1915, que publicou um artigo atribuindo o espécime a espécie Spinosaurus aegyptiacus. [5][6] Embora tenham sido destruídos durante Segunda Guerra Mundial, restos fragmentários adicionais foram achados em Bahariya.

Esses fragmentos incluíam vértebras e ossos dos membros posteriores, eles foram designados por Stromer em 1934 como "Spinosaurus B" por serem diferenças suficientes para pertencerem a uma outra espécie. [7] Mas futuramente é concluído que eles fragmentos pertencem a outros gêneros da região, como um Carcharodontosaurus ou um Sigilmassasaurus. [8][9]

Uma segunda espécie foi originalmente descrita por Dale Russell em 1996 como Spinosaurus maroccanus, com base no comprimento de suas vértebras cervicais, ele afirmou que a razão entre o comprimento central (corpo da vértebra) e a altura da faceta articular posterior foi de 1,1 em S. aegyptiacus e 1,5 em S. maroccanus. [9] No entanto autores futuros duvidaram neste tópico. Alguns autores observam que o comprimento das vértebras pode variar de indivíduo para indivíduo, que o espécime de holótipo foi destruído e, portanto, não pode ser comparado diretamente com o espécime de S. maroccanus, e que não se sabe quais vértebras cervicais os espécimes de S. maroccanus representam. Sendo assim, embora alguns tenham mantido a espécie como válida sem muitos comentário [10][11][12] a maioria dos pesquisadores consideram essa especie como nome duvidoso ( nomen dubium ) [13][14][15] Ou um sinomimo não totalmente crescido da espécie tipo. [16]

Em Setembro de 2014 foi encontrado no Marrocos um fóssil de Espinossauro bem conservado, que mostrou que ele tinha adaptações para viver bem na água.[17] Isso significa que o Espinossauro tinha uma vida semiaquática passando a maior parte de seu tempo na água.

Tamanho[editar | editar código-fonte]

Comparação do tamanho dos grandes dinossauros terópodes relacionados com o S. aegyptiacus.

Desde sua descoberta, o Espinossauro foi considerado como um dos mais longos e um dos maiores terópodes que ja existiram, Tanto que ambos Friedrich von Huene e Donald F. Glut em diferentes décadas, haviam listado o Espinossauro como um dos terópodes mais massivos em suas pesquisas, pesando mais de 6 toneladas de peso e 15 metros de comprimento. [18][19] Em 1988, Gregory S. Paul listou-o também como o terópode mais longo com tamanho estimado de 15 metros de comprimento, mas deu uma estimativa de peso inferior a 4 toneladas. [20]

Comparação de tamanho entre varios espinossauros com um humano

Em 2005, presumiram que o Espinossauro yinham as mesmo proporções corporais de um Sucomimo em relação ao tamanho do cranio, e com isso deram a estimativa de 16 a 18 metros de comprimento e 7 a 9 toneladas de peso para o Espinossauro. [21] Mas essas estimativas foram criticadas pelo comprimento do crânio ser incerto. [22]. Ja em 2007, François Therrien e Donald Henderson usando uma estimativa de tamanho baseada no comprimento do crânio, desafiaram estimativas anteriores, considerando o comprimento pequeno demais e o peso muito grande. Suas estimativas foram de 12,6 a 14,3 metros de comprimento e uma massa de 12 a 20,9 toneladas.[23] Esse estudo tem sido criticado pela escolha dos terópodes usados para a comparação (a maioria dos esqueletos de terópodes usados para definir as equações iniciais eram de tiranossaurídeos e carnossauros, que têm uma constituição diferente dos espinossaurídeos) e por questões relacionadas a reconstrução de sua vela dorsal. Esse estudo pode não ter fundamento, pois os espinossauros não tinham nenhuma semelhanças com os dinossauros comparados.[24] A resolução depende de vestígios mais completos.

Paleobiologia[editar | editar código-fonte]

Espinossauro na água
Reconstrução de um Espinossauro caçando dentro da agua.

Desde a descoberta em 1912, as vértebras dorsais chamaram mais atenção, pois eram diferentes das dos outros terópodes. As longas vértebras com suas espinhas neurais alongadas levaram Stromer a escolher o nome Spinosaurus, vindo do latim, significa "Lagarto Espinho", sendo que as várias vértebras alongadas eram dispostas verticalmente sobre o dorso e recobertas de pele formando uma espécie de "vela" ou "barbatana". Os dentes encontrados, 20 no total, eram lisos, cônicos e não possuíam serras como nos tiranossaurídeos ou carcarodontossaurídeos, além de serem mais finos e arredondados, algo incomum em um dinossauro predador. Os primeiros fósseis não deram uma noção precisa do formato do crânio do animal, por isso as primeiras ilustrações dele o mostravam com um crânio curto similar ao de outros terópodos e assim ele foi reconstruído por muitos anos.[25]

Depois que novos espinossaurídeos foram encontrados e alguns fósseis adicionais do próprio Espinossauro surgiram, nossa visão sobre seu crânio mudou. Passamos a vê-lo com um crânio alongado similar ao de um crocodilo. Até agora acreditávamos que sua estrutura corporal deveria ser similar à de outros terópodos, com a diferença do crânio alongado e vela dorsal. Sempre foi retratado com pernas longas adaptadas para caminhar em terra firme, braços longos para segurar as presas, fossem dinossauros ou peixes. Imaginávamos o Espinossauro andando em terra firme a maior parte do tempo e de vez em quando parado à beira de um lago ou rio, ou mesmo com as pernas na água rasa, procurando peixes descuidados.

Postura[editar | editar código-fonte]

Reconstrução de um Espinossauro com uma postura tradicional de pernas longas.

Embora, atualmente, a postura do Espinossauro seja como um bípede, inicialmente ele, como só era conhecido por material fragmentário, foi retratado em reconstruções se assemelhando a um Dimetrodon. Posteriormente ele ganhou uma pose ereta. [26] Depois ele ficou como um quadrúpede ocasional, [27] o que foi reforçado com a descoberta do Barionix, que possuia braços robustos. [28] Mais tarde, a ideia de um Espinossauro quadrúpede ficou cada vez mais caída; entretanto, espinossaurídeos poderiam ter ficado numa posição quadrúpede por questões biológicas e fisiológicas. [29]

Reconstrução de um S. aegyptiacus.

Todavia, em 2014, Ibrahim et al., com base em novos materiais, disseram que os membros posteriores do Espinossauro eram muito curtos e que o centro de massa estava numa posição em que era impossível ele ficar bípede em terra, fazendo do Espinossauro um quadrúpede obrigatório enquanto estivesse na terra. [30] No entanto, a reconstrução usada nesse artigo usou diferentes espécimes para montar 1 só (inclusive com partes restauradas sem evidências fósseis) dimensionados para o que se supôs serem as proporções corretas, resultando numa quimera, e essa junção pode dar resultados imprecisos, fazendo com que o Paleontólogo John Hutchinson expressasse ceticismo em relação a reconstrução. [31] Scott Hartman também expressou críticas por causa que o ílio reconstruído no artigo é pequeno em comparação com o comprimento corporal que foi dado, tendo que aumentar em 27% para que fique proporcional. [32] Mas Mark Witton concordou com as proporções relatadas no artigo [33] ( Embora tenha se corrigido anos depois [34]). Já em 2015, na re-descrição do Sigilmassasaurus, Evers e colegas argumentaram que o mesmo era de fato um gênero distinto do Espinossauro e com isso duvidaram se o material do Espinossauro por Ibrahim et. al. deve ser atribuído ao gênero Spinosaurus ou Sigilmassasaurus. [35] E por fim, em 2018, o Espinossauro, através de Donald M. Henderson, ganhou novamente uma postura bípede , uma vez que seu centro de massa foi recolocado perto dos quadris e mostrando que seus membros posteriores conseguiam sustentar o peso de seu corpo. [36]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

S. aegyptiacus com animais aquáticos de sua região

Há indícios de que os espinossauros se alimentavam de peixes. Esse animal possuía as tradicionais características dos outro predadores, a não ser os dentes que eram retos e não curvados e os braços um pouco maiores. Em 2004 a revista Nature anunciou a descoberta de um dente de espinossauro embebido numa vértebra de pterossauro, o que sugere a existência de uma relação predador-presa.
Espinossauro era na verdade um pescador, como indicado por suas maxilares alongadas, dentes cônicos e narinas levantadas. A evidência mais direta para sua dieta vem de uma espécie relacionada, o Baryonyx, que foi encontrado com os ossos de peixes e de um jovem Iguanodon em seu estômago. Quando um dente de um espinossauro foi encontrado nos restos de um pterossauro, foi sugerido que o espinossauro seria um predador generalizado e oportunista. Assemelhando-se aos grandes ursos polares, sendo inclinado para a pesca,embora nada realmente foi provado.

Um S. aegyptiacus caçando uma Mawsonia, um dos peixes que ele conviveu.

Estudos realizados pelo paleontólogo Thomas R. Holtz mostram o espinossauro como um super predador, extremamente bem adaptado ao seu ambiente de caça, munido de eficazes armas de caça, como seus poderosos antebraços, mais longos que os de qualquer outro predador da época, além de uma mordida fatal, garantindo que a presa não se soltasse de sua mandíbula.

Outro fato intrigante é de estarem presentes na ponta do focinho do espinossauro, orifícios que provavelmente eram conectados ao cérebro do animal, assim como os crocodilos de hoje, o que garante ao espinossauro: eficiência na caça em rios e lagos.

Os paleontologistas descobriram um fossil de espinossauro no Marrocos em 2014, ele mostrou que o espinossauro tinha adaptações para passar bastante tempo debaixo d'água e assim podia pescar os enormes peixes do cretáceo e também podia ir para a terra caçar outros dinossauros. Com essa descoberta ficou claro que o espinossauro alternava entre seus ambientes de caça, na água competindo com enormes crocodilianos e na terra competindo com outros enormes terópodes.

Cultura Popular[editar | editar código-fonte]

Cabeça de S.aegypticus baseado na reconstrução de Dal Sasso (2005).

O Espinossauro foi caracterizado como o antagonista principal no filme Jurassic Park III. Mostrado como maior e mais poderoso do que um tiranossauro. Em uma cena que descreve uma batalha entre os dois predadores ressuscitados, o Espinossauro emerge vitorioso após ter quebrado o pescoço do adversário, um tiranossauro jovem. Na realidade, tal batalha só poderia ter ocorrido mesmo na ficção, pois o Espinossauro e o Tiranossauro viveram em lugares diferentes, separados pelo oceano Atlântico e/ou o mar do Caribe(o Tyrannosaurus viveu na América do Norte; enquanto o Spinosaurus viveu no norte da África). No entanto, convém ressaltar que os animais (T-rex e Espinossauro) que habitavam a ilha no filme eram frutos de clonagem, e na obra de ficção não há nenhum laço de contemporaneidade entre os dinossauros reais.

Após aparecer em Jurassic Park III, o espinossauro foi caracterizado em uma grande variedade de mercadorias relacionadas ao filme. Também foi caracterizado no documentário de televisão Os Dinossauros perdidos do Egito, no qual era visto caminhando através dos pântanos do Egito no Cretáceo. Ele também foi mostrado no documentário Criaturas Titânicas como o maior, mais terrível e estranho dinossauro terópode. Embora muitos afirmarem que ele também aparece no filme Ice Age: Dawn of the Dinosaurs, o dinossauro que atacou a doninha Buck não é o Espinossauro, pois o mesmo não possuía a sua grande espinha. Talvez seja um Barionix, um "primo" do Espinossauro, parecido com um crocodilo, que não era tão grande quanto um T-rex como mostrado no filme.

Além destas aparições o Espinossauro também aparece no documentário Dinosaur Planet da BBC.

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Os Espinosaurideos são membros da familia Spinosauridae, mesma familia do Espinossauro, nesse grupo temos a subfamília Spinosaurinae nomeada por Sereno em 1998 e definida por Holtz e colegas em 2004 e a subfamília Baryonychinae nomeada por Charig e Milner em 1986, essas subfamílias servem para separar todos o gêneros mais próximos do Espinossauro dos generos mais proximos do Barionix e vise-versa, mas tambem serve como uma questão evolutiva, uma vez que o Spinosaurinaes possuem adaptações caudais melhores para o ambiente semi aquatico que Baryochinaes ( como visto no Espinossauro e Ichtyovenator [37][38] ). O cladograma abaixo descreve as analises filogeneticas dos espinosaurideos descobertos de Arden e colegas em 2018: [39]

Spinosauridae

Praia das Aguncheiras taxon


Baryonychinae

Baryonyx walkeri Baryonyx walkeri restoration.jpg



Suchomimus tenerensis Suchomimustenerensis (Flipped).png



Spinosaurinae

Siamosaurus suteethorni Siamosaurus Flipped.jpg




Eumeralla taxon?




Ichthyovenator laosensis Ichthyovenator laosensis life reconstruction by PaleoGeek (flipped).png




Irritator challengeri Irritator Life Reconstruction.jpg



Oxalaia quilombensis? Oxalaia quilombensis life reconstruction by PaleoGeek (flipped).png


Spinosaurini

Gara Samani taxon



Sigilmassasaurus brevicollis Sigilmassasaurus vertebra.png



Spinosaurus aegyptiacus Spinosaurus aegyptiacus.png








Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Symth, R. S. H.; Ibrahim, N. & Martilla, D. M. (2020). "Sigilmassasaurus is Spinosaurus: a reappraisal of African spinosaurines". Cretaceous Research. 114: 104520. doi:10.1016/j.cretres.2020.104520.
  2. Ibrahim, Nizar; Sereno, Paul C.; Dal Sasso, Cristiano; Maganuco, Simone; Fabri, Matteo; Martill, David M.; Zouhri, Samir; Myhrvold, Nathan; Lurino, Dawid A. (2014). "Semiaquatic adaptations in a giant predatory dinosaur". Science. 345 (6204): 1613–6. Bibcode:2014Sci...345.1613I. doi:10.1126/science.1258750. PMID 25213375. S2CID 34421257
  3. a b Henderson, D.M. (2018). "A buoyancy, balance and stability challenge to the hypothesis of a semi-aquatic Spinosaurus Stromer, 1915 (Dinosauria: Theropoda)". PeerJ. 6: e5409. doi:10.7717/peerj.5409. PMC 6098948. PMID 30128195.
  4. a b Molina-Pérez & Larramendi 2016. Récords y curiosidades de los dinosaurios Terópodos y otros dinosauromorfos, Larousse. Barcelona, Spain p. 259
  5. Stromer, E. (1915). "Ergebnisse der Forschungsreisen Prof. E. Stromers in den Wüsten Ägyptens. II. Wirbeltier-Reste der Baharije-Stufe (unterstes Cenoman). 3. Das Original des Theropoden Spinosaurus aegyptiacus nov. gen., nov. spec". Abhandlungen der Königlich Bayerischen Akademie der Wissenschaften, Mathematisch-physikalische Klasse (in German). 28 (3): 1–32
  6. Smith, J.B.; Lamanna, M.C.; Mayr, H.; and Lacovara, K.J. (2006). "New information regarding the holotype of Spinosaurus aegyptiacus Stromer, 1915". Journal of Paleontology. 80 (2): 400–406. doi:10.1666/0022-3360(2006)080[0400:NIRTHO]2.0.CO;2. ISSN 0022-3360.
  7. Stromer, E. (1934). "Ergebnisse der Forschungsreisen Prof. E. Stromers in den Wüsten Ägyptens. II. Wirbeltier-Reste der Baharije-Stufe (unterstes Cenoman). 13. Dinosauria". Abhandlungen der Bayerischen Akademie der Wissenschaften Mathematisch-naturwissenschaftliche Abteilung. Neue Folge (in German). 22: 1–79.
  8. Sereno, P.C.; Beck, A.L.; Dutheuil, D.B.; Gado, B.; Larsson, H.C.; Lyon, G.H.; Marcot, J.D.; Rauhut, O.W.M.; Sadleir, R.W.; Sidor, C.A.; Varricchio, D.J.; Wilson, G.P.; Wilson, J.A. (1998). "A long-snouted predatory dinosaur from Africa and the evolution of spinosaurids". Science. 282 (5392): 1298–1302. Bibcode:1998Sci...282.1298S. doi:10.1126/science.282.5392.1298. PMID 9812890.
  9. a b Russell, D.A. (1996). "Isolated dinosaur bones from the Middle Cretaceous of the Tafilalt, Morocco". Bulletin du Muséum National d'Histoire Naturelle, Paris, Section C. 4e série. 18 (2–3): 349–402.
  10. Holtz, T.R. Jr.; Molnar, R.E. & Currie, P.J. (2004). "Basal Tetanurae". In Weishampel, D.B.; Dodson, P. & Osmólska, H. (eds.). The Dinosauria (2nd ed.). University of California Press. pp. 71–110. ISBN 978-0-520-25408-4.
  11. Mahler, L. (2005). "Record of Abelisauridae (Dinosauria: Theropoda) from the Cenomanian of Morocco" (PDF). Journal of Vertebrate Paleontology. 25: 236–239. doi:10.1671/0272-4634(2005)025[0236:ROADTF]2.0.CO;2. ISSN 0272-4634. Archived from the original (PDF) on September 27, 2011.
  12. Mahler, L. (2005). "Record of Abelisauridae (Dinosauria: Theropoda) from the Cenomanian of Morocco" (PDF). Journal of Vertebrate Paleontology. 25: 236–239. doi:10.1671/0272-4634(2005)025[0236:ROADTF]2.0.CO;2. ISSN 0272-4634. Archived from the original (PDF) on September 27, 2011.
  13. Buffetaut, E. & Ouaja, M. (2002). "A new specimen ofSpinosaurus (Dinosauria, Theropoda) from the Lower Cretaceous of Tunisia, with remarks on the evolutionary history of the Spinosauridae" (PDF). Bulletin de la Société Géologique de France. 173 (5): 415–421. doi:10.2113/173.5.415.
  14. Rauhut, O.W.M. (2003). The interrelationships and evolution of basal theropod dinosaurs. Special Papers in Palaeontology. 69. pp. 1–213. ISBN 978-0-901702-79-1.
  15. dal Sasso, C.; Maganuco, S.; Buffetaut, E.; Mendez, M.A. (2005). "New information on the skull of the enigmatic theropod Spinosaurus, with remarks on its sizes and affinities". Journal of Vertebrate Paleontology. 25 (4): 888–896. doi:10.1671/0272-4634(2005)025[0888:NIOTSO]2.0.CO;2. ISSN 0272-4634.
  16. Sereno, P.C.; Beck, A.L.; Dutheuil, D.B.; Gado, B.; Larsson, H.C.; Lyon, G.H.; Marcot, J.D.; Rauhut, O.W.M.; Sadleir, R.W.; Sidor, C.A.; Varricchio, D.J.; Wilson, G.P.; Wilson, J.A. (1998). "A long-snouted predatory dinosaur from Africa and the evolution of spinosaurids". Science. 282 (5392): 1298–1302. Bibcode:1998Sci...282.1298S. doi:10.1126/science.282.5392.1298. PMID 9812890.
  17. «Case for 'river monster' Spinosaurus strengthened by new fossil teeth». Science (em inglês). 23 de setembro de 2020. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  18. von Huene, F.R. (1926). «The carnivorous saurischia in the Jura and Cretaceous formations principally in Europe». Rev. Mus. La Plata. 29: 35–167 
  19. Glut, D.F. (1982). The New Dinosaur Dictionary. Secaucus, NJ: Citadel Press. pp. 226–228. ISBN 0-8065-0782-9 
  20. Paul, G.S. (1988). "Family Spinosauridae". Predatory Dinosaurs of the World. New York: Simon & Schuster. pp. 271–274. ISBN 978-0-671-61946-6.
  21. dal Sasso, C.; Maganuco, S.; Buffetaut, E.; Mendez, M.A. (2005). "New information on the skull of the enigmatic theropod Spinosaurus, with remarks on its sizes and affinities". Journal of Vertebrate Paleontology. 25 (4): 888–896. doi:10.1671/0272-4634(2005)025[0888:NIOTSO]2.0.CO;2. ISSN 0272-4634.
  22. Therrien, F.; Henderson, D.M. (2007). "My theropod is bigger than yours...or not: estimating body size from skull length in theropods". Journal of Vertebrate Paleontology. 27 (1): 108–115. doi:10.1671/0272-4634(2007)27[108:MTIBTY]2.0.CO;2. ISSN 0272-4634.
  23. Therrien, F.; and Henderson, D.M. (2007). «My theropod is bigger than yours...or not: estimating body size from skull length in theropods». Journal of Vertebrate Paleontology. 27 (1): 108–115. doi:10.1671/0272-4634(2007)27[108:MTIBTY]2.0.CO;2 
  24. Mortimer, Mickey (25 de março de 2007). «Comments on Therrien and Henderson's new paper». Dinosaur Mailing List. Consultado em 4 de julho de 2007 
  25. Patrick Król Padilha (15 de setembro de 2014). «Espinossauro». 2014-09-15. Consultado em 7 de julho de 2015 
  26. WHEN DINOSAURS RULED THE MIND #8: DINOSAURS OVER THE YEARS: SPINOSAURUS https://whendinosaursruledthemind.wordpress.com/2014/08/25/when-dinosaurs-ruled-the-mind-8-dinosaurs-over-the-years-spinosaurus/
  27. The new dinosaur dictionary https://archive.org/details/newdinosaurdicti00glut
  28. Glut, D.F. (2000). "Spinosaurus". Dinosaurs: The Encyclopedia. 1st Supplement. Jefferson, North Carolina: McFarland & Company, Inc. pp. 329–333. ISBN 978-0-7864-0591-6.
  29. Forelimb biomechanics of nonavian theropod dinosaurs in predation https://link.springer.com/article/10.1007/BF03043773
  30. Semiaquatic adaptations in a giant predatory dinosaur https://researchportal.port.ac.uk/portal/en/publications/semiaquatic-adaptations-in-a-giant-predatory-dinosaur(8f11a1ce-3265-4b3b-8c81-6f576856a87f).html
  31. Swimming dinosaur found in Morocco https://www.nature.com/news/swimming-dinosaur-found-in-morocco-1.15901
  32. Scott Hartman (September 12, 2014) There's something fishy about the new Spinosaurus https://www.skeletaldrawing.com/home/theres-something-fishy-about-spinosaurus9112014
  33. Mark Witton (September 22, 2014). "The Spinosaurus hindlimb controversy: a detailed response from the authors". markwitton-com.blogspot.de. Retrieved September 22, 2014.
  34. Mark Witton (12 May, 2020). "Spinosaurus 2020: thoughts for artists". markwitton-com.blogspot.de. Retrieved 12 May, 2020.
  35. Evers, S. W.; Rauhut, O. W. M.; Milner, A. C.; McFeeters, B.; Allain, R. (2015). "A reappraisal of the morphology and systematic position of the theropod dinosaur Sigilmassasaurus from the "middle" Cretaceous of Morocco". PeerJ. 3: e1323. doi:10.7717/peerj.1323. PMC 4614847. PMID 26500829.
  36. A buoyancy, balance and stability challenge to the hypothesis of a semi-aquatic Spinosaurus Stromer, 1915 (Dinosauria: Theropoda) https://peerj.com/articles/5409/
  37. Ibrahim, Nizar; Maganuco, Simone; Dal Sasso, Cristiano; Fabbri, Matteo; Auditore, Marco; Bindellini, Gabriele; Martill, David M.; Zouhri, Samir; Mattarelli, Diego A.; Unwin, David M.; Wiemann, Jasmina (2020). "Tail-propelled aquatic locomotion in a theropod dinosaur". Nature. 581 (7806): 67–70. Bibcode:2020Natur.581...67I. doi:10.1038/s41586-020-2190-3. ISSN 1476-4687. PMID 32376955. S2CID 216650535.
  38. Arden, Thomas M. S.; Klein, Catherine G.; Zouhri, Samir; Longrich, Nicholas R. (2018). "Aquatic adaptation in the skull of carnivorous dinosaurs (Theropoda: Spinosauridae) and the evolution of aquatic habits in Spinosaurus". Cretaceous Research. 93: 275–284. doi:10.1016/j.cretres.2018.06.013.
  39. Arden, T.M.S.; Klein, C.G.; Zouhri, S.; Longrich, N.R. (2018). "Aquatic adaptation in the skull of carnivorous dinosaurs (Theropoda: Spinosauridae) and the evolution of aquatic habits in Spinosaurus". Cretaceous Research. 93: 275–284. doi:10.1016/j.cretres.2018.06.013.