Economia planificada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Economia planejada)

Economia planificada ou economia planejada, é um tipo de sistema econômico em que o investimento, a produção e a alocação de bens de capital ocorrem de acordo com os planos econômicos para toda a economia. Uma economia planificada pode utilizar formas de planejamento econômico centralizadas, descentralizadas, participativas ou do tipo soviético.[1][2][3] O nível de centralização ou descentralização na tomada de decisão e participação depende do tipo específico de mecanismo de planejamento empregado.[4] Os estados socialistas baseados no modelo soviético usaram o planejamento central, embora uma minoria, como a República Federal Socialista da Iugoslávia, tenha adotado algum grau de socialismo de mercado. O socialismo abolicionista de mercado substitui os mercados de fatores pelo cálculo direto como meio de coordenar as atividades das várias empresas econômicas de propriedade social que constituem a economia.[5][6][7] Abordagens mais recentes ao planejamento e alocação socialistas vieram de alguns economistas e cientistas da computação que propuseram mecanismos de planejamento baseados nos avanços da ciência da computação e da tecnologia da informação.[8]

Economias planejadas contrastam com economias não planejadas, especificamente economias de mercado, onde empresas autônomas que operam em mercados tomam decisões sobre produção, distribuição, preços e investimento. As economias de mercado que usam o planejamento indicativo são chamadas de economias de mercado planejadas, economias mistas e economias de mercado mistas. Uma economia de comando segue um sistema de comando administrativo e usa um planejamento econômico do tipo soviético, que era característico da antiga União Soviética e do Bloco de Leste antes que a maioria desses países se convertesse em economias de mercado.[9] Isso destaca o papel central da administração hierárquica e da propriedade pública da produção na orientação da alocação de recursos nesses sistemas econômicos.[10][11][12]

Nas mais modernas economias planificadas, um poder central fica encarregado de decidir a respeito dos investimentos a serem realizados pela sociedade, a distribuição dos recursos necessários à produção, consumo e as metas a serem atingidas pelas empresas. Exemplo dessa chamada economia planificada podemos identificar no processo desenvolvido durante o período de 1964 a 1985 no Brasil, quando houve "quatro chamados Planos Nacionais de Desenvolvimento, denominados PND I, II, III e IV"; cada um desses com duração de cinco anos, indicando os rumos que a economia deveria seguir para o crescimento harmônico nos períodos.[13]

Muitas das economias totalmente planificadas que existiram sobretudo no século XX acabaram perdendo credibilidade ao longo dos anos 1980 e 1990, devido ao aumento da burocratização e à ausência de incentivos a ganhos de produtividade e inovações. Houve, no Brasil, apesar de este país não ser totalmente planificado na época, um "Ministério da Desburocratização" para tornar o processo mais rápido e menos burocratizado, com vistas ao custo e qualidade do produto e sua competitividade, a nível internacional, entre o III e o IV Plano Nacional de Desenvolvimento; e também a criação de órgãos como o "Ministério da Ciência e Tecnologia", ligando as instituições escolares às empresariais, com o fito de modernizar o aparelho produtivo, na figura do operário e do estudante, ao nível do chamado então "Primeiro Mundo", como eram, na época, chamados, países como os Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Japão, França e outros. O Brasil se encontrava no nível dos países "em desenvolvimento", estando agora entre os principais emergentes do globo.

Visão Geral[editar | editar código-fonte]

No mundo helenístico e pós-helenístico, "o planejamento estatal obrigatório era a condição comercial mais característica para o interior do Egito, para a Índia helenística e, em menor grau, para as regiões mais bárbaras do Selêucida, do Pergameniano, do sul da Arábia e do Impérios partas".[14] Os estudiosos argumentaram que a economia inca era um tipo flexível de economia de comando, centrada no movimento e na utilização da mão-de-obra em vez de bens.[15] Uma visão do mercantilismo o vê como uma economia planejada.[16]

A economia planejada de estilo soviético evoluiu da continuação da economia de guerra existente na Primeira Guerra Mundial, bem como outras políticas, conhecidas como comunismo de guerra, para os requisitos da Guerra Civil Russa. Essas políticas começaram a ser formalmente consolidadas em um órgão oficial do governo em 1921, quando o governo soviético fundou a Gosplan. No entanto, o período da Nova Política Econômica interveio antes do início dos planos quinquenais em 1928. O dirigismo, ou direção governamental da economia por meios não coercitivos, foi praticado na França e na Grã-Bretanha após a Segunda Guerra Mundial. O governo sueco planejou modelos de habitação pública de maneira semelhante ao planejamento urbano em um projeto chamado Programa Milhões, implementado de 1965 a 1974. Alguma participação descentralizada no planejamento econômico foi implementada em toda a Espanha Revolucionária, principalmente na Catalunha, durante a Revolução Espanhola de 1936.[17][18]

Revolução de 1917[editar | editar código-fonte]

Poucos dias depois da vitória da Revolução de 1917, foi baixado um decreto de 26 de outubro, pelo qual as Autoridades Centrais aboliram o direito de propriedade sobre as terras. Esse ato foi ratificado pela Lei de Socialização da Terra, abrangendo a gestão da terra e dos rebanhos. Como resultado, houve um decréscimo da produção agrícola,a ponto de que, em 1921, "a produção agrícola representava cerca de 1/3 da alcançada em 1913". Nesse mesmo ano de 1921, foram implantadas algumas medidas liberalizantes, trocando por um imposto único o confisco da produção pelo Estado. Em 1922, foi expedido o Código Agrário, regulando certos tipos de propriedade rural. Em 1927/1928, houve o fim desse período liberalizante, com a introdução dos planos quinquenais. Ao fim do período do plano, em 1932 a agricultura recuara 25,7% em relação ao período 1927/1928.[19] Essa tendência seria observada em outras economias planificadas como a República Popular da China e a antiga Iugoslávia, impulsionando a troca dos modelos de fazendas coletivas para cooperativas agrícolas.

Relação com o socialismo[editar | editar código-fonte]

Embora o socialismo não seja equivalente ao planejamento econômico ou ao conceito de economia planejada, uma concepção influente do socialismo envolve a substituição dos mercados de capitais por alguma forma de planejamento econômico, a fim de alcançar uma coordenação da economia. O objetivo de tal sistema econômico seria alcançar o controle consciente da economia por parte da população, especificamente para que o uso do produto excedente fosse controlado pelos produtores.[20] As formas específicas de planejamento propostas para o socialismo e sua viabilidade são temas do debate do cálculo econômico.

Planejamento econômico computacional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Governo por algoritmo

Quando o desenvolvimento da tecnologia da computação ainda estava em seus estágios iniciais em 1971, o governo socialista Allende do Chile lançou o Projeto Cybersyn para instalar uma máquina de telex em todas as corporações e organizações da economia para a comunicação de dados econômicos entre as empresas e o governo. Os dados também foram alimentados em uma economia simulada por computador para previsão. Uma sala de controle foi construída para observação em tempo real e gerenciamento da economia geral. O estágio de protótipo do projeto mostrou-se promissor quando foi usado para redirecionar suprimentos em torno de uma greve de caminhoneiros,[21] mas depois que Augusto Pinochet liderou um golpe em 1973 que estabeleceu uma ditadura militar sob seu governo, o programa foi abolido e Pinochet levou o Chile a uma economia de mercado mais liberalizada.

Em seu livro Towards a New Socialism (1993), o cientista da computação Paul Cockshott da Universidade de Glasgow e o economista Allin Cottrell da Universidade Wake Forest afirmam demonstrar como uma economia democraticamente planejada baseada na moderna tecnologia da computação é possível e impulsiona a tese que seria economicamente mais estável do que as economias de livre mercado e também moralmente desejável.[22]

Cibernética[editar | editar código-fonte]

O uso de computadores para coordenar a produção de maneira ótima tem sido proposto de várias maneiras para as economias socialistas. O economista polonês Oskar Lange argumentou que o computador é mais eficiente do que o processo de mercado para resolver a multiplicidade de equações simultâneas necessárias para alocar insumos econômicos com eficiência (em termos de quantidades físicas ou preços monetários).[23]

O sistema distribuído de apoio à decisão chileno de 1970, Projeto Cybersyn, foi iniciado pelo governo socialista de Salvador Allende em uma tentativa de avançar em direção a uma economia planificada descentralizada utilizaram o experimento Cyberfolk, desenvolvido pela equipe do Cybersyn. Conceitualmente, o experimento consistia em dar ao povo a possibilidade de ter uma ligação em tempo real desde as suas casas com os grupos decisórios do Governo, podendo assim ter uma participação democrática nos processos de decisão.[24]

Planejamento Central[editar | editar código-fonte]

Vantagens[editar | editar código-fonte]

O governo pode aproveitar a terra, o trabalho e o capital para servir aos objetivos econômicos do estado. A demanda do consumidor pode ser contida em favor de um maior investimento de capital para o desenvolvimento econômico em um padrão desejado. Em comparações internacionais, as nações socialistas de estado se comparam favoravelmente às nações capitalistas em indicadores de saúde como mortalidade infantil e expectativa de vida.[25] No entanto, a realidade disso, pelo menos no que diz respeito à mortalidade infantil, variou dependendo se estatísticas oficiais soviéticas ou definições da OMS foram usadas.[26]

O estado pode começar a construir enormes indústrias pesadas de uma só vez em uma economia subdesenvolvida, sem esperar anos pelo acúmulo de capital por meio da expansão da indústria leve e sem depender de financiamento externo. Foi o que aconteceu na União Soviética durante a década de 1930, quando o governo obrigou a redução da parcela da renda nacional bruta dedicada ao consumo privado de 80% para 50%. Como resultado deste desenvolvimento, a União Soviética experimentou um crescimento maciço na indústria pesada, e simultaneamente, com uma contração maciça de seu setor agrícola devido à escassez de mão de obra.[27]

Desvantagens[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Economia de penúria

Instabilidade econômica[editar | editar código-fonte]

Estudos de economias de comando do Bloco de Leste nas décadas de 1950 e 1960 por economistas americanos e do Leste Europeu descobriram que, ao contrário das expectativas de ambos os grupos, eles mostraram maiores flutuações na produção do que as economias de mercado durante o mesmo período.[28]

Distribuição ineficiente de recursos[editar | editar código-fonte]

Os críticos das economias planejadas argumentam que os planejadores não podem detectar as preferências dos consumidores, escassez e excedentes com precisão e, portanto, não podem coordenar a produção de forma eficiente (em uma economia de mercado, um sistema de preços livres destina-se a atender a esse propósito). Essa dificuldade foi notadamente escrita pelos economistas Ludwig von Mises e Friedrich Hayek, que se referiram a aspectos sutilmente distintos do problema como o problema do cálculo econômico e o problema do conhecimento local, respectivamente.

Enquanto o primeiro enfatizou os fundamentos teóricos de uma economia de mercado para a teoria do valor subjetivo enquanto atacava a teoria do valor-trabalho, o último argumentou que a única maneira de satisfazer os indivíduos que têm uma hierarquia de necessidades em constante mudança e são os únicos a possuir suas circunstâncias individuais, é permitindo que aqueles com maior conhecimento de suas necessidades tenham o poder de usar seus recursos em um mercado competitivo para atender às necessidades da maioria dos consumidores de forma mais eficiente. Este fenômeno é reconhecido como ordem espontânea. Além disso, a má alocação de recursos naturalmente resultaria ao redirecionar o capital de indivíduos com conhecimento direto e contorná-lo para mercados onde um monopólio coercitivo influencia o comportamento, ignorando os sinais do mercado. De acordo com Tibor Machan, "sem um mercado em que as alocações possam ser feitas em obediência à lei da oferta e da demanda, é difícil ou impossível canalizar recursos com respeito às preferências e objetivos humanos reais".[29]

Supressão da democracia econômica e autogestão[editar | editar código-fonte]

O economista Robin Hahnel, que apóia a economia participativa, uma forma de economia socialista com planejamento descentralizado, observa que mesmo se o planejamento central superasse suas inibições inerentes de incentivos e inovação, não seria capaz de maximizar a democracia econômica e a autogestão, que ele acredita serem conceitos que são mais coerentes intelectualmente, consistentes e justos do que as noções convencionais de liberdade econômica.[30] Além disso, Hahnel afirma:

Combinado com um sistema político mais democrático, e refeito para se aproximar de uma versão do melhor caso, as economias de planejamento centralizado sem dúvida teriam um desempenho melhor. Mas eles nunca poderiam ter proporcionado autogestão econômica, sempre teriam sido lentos para inovar à medida que a apatia e a frustração cobravam seu preço inevitável, e sempre teriam sido suscetíveis a crescentes desigualdades e ineficiências à medida que aumentavam os efeitos do poder econômico diferencial. Sob o planejamento central, nem planejadores, gerentes ou trabalhadores tinham incentivos para promover o interesse socioeconômico. Nem impedir os mercados de bens finais para o sistema de planejamento emancipou os consumidores de maneiras significativas. Mas o planejamento central teria sido incompatível com a democracia econômica, mesmo que tivesse superado seus passivos de informação e incentivos. E a verdade é que ele sobreviveu tanto tempo apenas porque foi sustentado por um poder político totalitário sem precedentes.[30]

Economia de comando[editar | editar código-fonte]

As economias planejadas contrastam com as economias de comando, pois uma economia planejada é "um sistema econômico no qual o governo controla e regula a produção, distribuição, preços etc."[31][32] Em economias de comando, importantes decisões de alocação são tomadas por autoridades governamentais e impostas por lei.[33]

Isso vai contra a compreensão marxista de planejamento consciente.[34][35] O planejamento descentralizado foi proposto como base para o socialismo e tem sido defendido de várias maneiras por anarquistas, comunistas de conselhos, marxistas libertários e outros socialistas democráticos e libertários que defendem uma forma de socialismo não mercantil, em total rejeição ao tipo de planejamento adotado na economia da União Soviética.[36]

A maior parte de uma economia de comando é organizada em um modelo administrativo de cima para baixo por uma autoridade central, onde as decisões relativas aos requisitos de investimento e produção são decididas no topo da cadeia de comando, com pouca contribuição dos níveis inferiores. Os defensores do planejamento econômico às vezes têm sido críticos ferrenhos dessas economias de comando. Leon Trotsky acreditava que aqueles no topo da cadeia de comando, independentemente de sua capacidade intelectual, operavam sem a contribuição e participação dos milhões de pessoas que participam da economia e que entendem/respondem às condições locais e às mudanças na economia. Portanto, eles seriam incapazes de coordenar efetivamente toda a atividade econômica.[37]

Os historiadores associaram as economias planejadas aos estados marxista-leninistas e ao modelo econômico soviético. Desde a década de 1980, reconheceu-se que o modelo econômico soviético não constituía de fato uma economia planejada, pois um plano abrangente e vinculante não orientava a produção e o investimento.[38][39] A distinção adicional de um sistema de comando administrativo emergiu como uma nova designação em alguns círculos acadêmicos para o sistema econômico que existia na antiga União Soviética e no Bloco de Leste, destacando o papel da tomada de decisão hierárquica centralizada na ausência de controle popular sobre o economia.[40] A possibilidade de uma economia digital planejada foi explorada no Chile entre 1971 e 1973 com o desenvolvimento do Projeto Cybersyn e por Aleksandr Aleksandrovich Kharkevich, chefe do Departamento de Física Técnica de Kiev em 1962.[41][42]

Embora tanto o planejamento econômico quanto uma economia planejada possam ser autoritários ou democráticos e participativos, os críticos social-democráticos argumentam que as economias de comando têm sido autoritárias ou não democráticas na prática.[43] O planejamento indicativo é uma forma de planejamento econômico que direciona a economia por meio de métodos baseados em incentivos. O planejamento econômico pode ser praticado de forma descentralizada por meio de diferentes autoridades governamentais. Em algumas economias predominantemente orientadas para o mercado e ocidentais mistas, o estado utiliza o planejamento econômico em indústrias estratégicas, como a indústria aeroespacial. As economias mistas geralmente empregam planejamento macroeconômico, enquanto os assuntos microeconômicos são deixados para o mercado e o sistema de preços.[44]

Planejamento Descentralizado[editar | editar código-fonte]

Uma economia planejada descentralizada, ocasionalmente chamada de economia planejada horizontalmente devido ao seu horizontalismo, é um tipo de economia planejada em que o investimento e a alocação de bens de consumo e de capital são explicados de acordo com um plano de toda a economia construído e operacionalmente coordenado por meio de uma rede distribuída de agentes econômicos díspares ou mesmo unidades de produção. O planejamento descentralizado é geralmente colocado em contraste com o planejamento centralizado, em particular o planejamento econômico do tipo soviético, onde a informação econômica é agregada e usada para formular um plano de produção, investimento e alocação de recursos por uma única autoridade central. O planejamento descentralizado pode tomar forma tanto no contexto de uma economia mista quanto em um sistema econômico pós-capitalista. Esta forma de planejamento econômico implica algum processo de tomada de decisão democrática e participativa dentro da economia e dentro das próprias empresas na forma de democracia industrial. Formas computadorizadas de planejamento econômico democrático e coordenação entre empresas econômicas também foram propostas por vários cientistas da computação e economistas radicais.[23][45][46] Os proponentes apresentam o planejamento econômico descentralizado e participativo como uma alternativa ao socialismo de mercado para uma sociedade pós-capitalista.[47]

O planejamento descentralizado tem sido uma característica da economia anarquista e de outras economias socialistas. Variações de planejamento descentralizado, como democracia econômica, democracia industrial e economia participativa, foram promovidas por vários grupos políticos, principalmente anarquistas, socialistas democráticos, socialistas de corporações, marxistas libertários, socialistas libertários, sindicalistas revolucionários e trotskistas.[48] Durante a Revolução Espanhola, algumas áreas onde a influência anarquista e socialista-libertária foi extensa, particularmente as regiões rurais, foram administradas com base em um planejamento descentralizado semelhante aos princípios estabelecidos pelo anarcossindicalista Diego Abad de Santillan no livro "Depois da revolução".[49]

Modelos[editar | editar código-fonte]

Coordenação negociada[editar | editar código-fonte]

O economista Pat Devine criou um modelo de planejamento econômico descentralizado denominado "coordenação negociada" que se baseia na propriedade social dos meios de produção por aqueles afetados pelo uso dos ativos envolvidos, com a alocação de bens de consumo e de capital feita por meio de um sistema participativo forma de tomada de decisão por aqueles no nível de produção mais localizado.[50] Além disso, as organizações que utilizam a modularidade em seus processos de produção podem distribuir a resolução de problemas e a tomada de decisões.[51]

Planejamento participativo[editar | editar código-fonte]

A estrutura de planejamento de uma economia planejada descentralizada é geralmente baseada em um conselho de consumidores e um conselho de produtores (ou, em conjunto, uma cooperativa distributiva), às vezes chamada de cooperativa de consumidores. Produtores e consumidores, ou seus representantes, negociam a qualidade e a quantidade do que será produzido. Essa estrutura é central para o socialismo de guilda, a economia participativa e as teorias econômicas relacionadas ao anarquismo.

Implementações[editar | editar código-fonte]

Catalunha Revolucionária[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Anarquismo coletivista

Alguma participação descentralizada no planejamento econômico foi implementada em toda a Espanha Revolucionária, mais notavelmente na Catalunha, durante a Revolução Espanhola de 1936.[17][18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Economia planificada

Referências

  1. Alec Nove (1987). "Planned Economy". The New Palgrave: A Dictionary of Economics. vol. 3. p. 879.
  2. Devine, Pat (26 de julho de 2010). Democracy and Economic Planning. [S.l.]: Polity. ISBN 978-0745634791 
  3. command economy. Encyclopædia Britannica
  4. Gregory, Paul R.; Stuart, Robert C. (2003). Comparing Economic Systems in the Twenty-First Century. Boston: Houghton Mifflin. pp. 23–24. ISBN 978-0-618-26181-9 
  5. Prychito, David L. (31 de julho de 2002). Markets, Planning, and Democracy: Essays After the Collapse of Communism. [S.l.]: Edward Elgar Publishing. p. 72. ISBN 978-1840645194. Traditional socialism strives to plan all economic activities comprehensively, both within and between enterprises. As such, it seeks to integrate the economic activities of society (the coordination of socially owned property) into a single coherent plan, rather than to rely upon the spontaneous or anarchic ordering of the market system to coordinate plans. 
  6. Mandel, Ernest (1986). «In Defence of Socialist Planning» (PDF). New Left Review. 159: 5–37. Planning is not equivalent to 'perfect' allocation of resources, nor 'scientific' allocation, nor even 'more humane' allocation. It simply means 'direct' allocation, ex ante. As such, it is the opposite of market allocation, which is ex post. 
  7. Ellman, Michael (31 de março de 1989). Socialist Planning. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 327. ISBN 978-0521358668. '[S]ocialist planning', in the original sense of a national economy which replaced market relationships by direct calculation and direct product exchange, has nowhere been established [...]. 
  8. Cottrell, Allin; Cockshott, W. Paul (1993).
  9. OS MÉTODOS DE PLANEJAMENTO NA URSS ANNIBAL VILLELA
  10. Zimbalist, Sherman and Brown, Andrew, Howard J. and Stuart (outubro de 1988). Comparing Economic Systems: A Political-Economic Approach. [S.l.]: Harcourt College Pub. p. 4. ISBN 978-0-15-512403-5. Almost all industry in the Soviet Union is government owned and all production is directed, in theory, by a central plan (though in practice much is left for local discretion and much happens that is unplanned or not under government control). 
  11. Wilhelm, John Howard (1985). «The Soviet Union Has an Administered, Not a Planned, Economy». Soviet Studies. 37 (1): 118–130. doi:10.1080/09668138508411571 
  12. Ellman, Michael (2007). «The Rise and Fall of Socialist Planning». In: Estrin, Saul; Kołodko, Grzegorz W.; Uvalić, Milica. Transition and Beyond: Essays in Honour of Mario Nuti. New York: Palgrave Macmillan. p. 22. ISBN 978-0-230-54697-4. In the USSR in the late 1980s the system was normally referred to as the 'administrative-command' economy. What was fundamental to this system was not the plan but the role of administrative hierarchies at all levels of decision making; the absence of control over decision making by the population [...]. 
  13. «Wayback Machine» (PDF). web.archive.org. 2 de abril de 2016. Consultado em 18 de junho de 2021 
  14. Heichelheim, Friedrich Moritz (1949). «Commerce, Greek and Roman». In: Hammond, Nicholas G. L.; Scullard, H. H. The Oxford Classical Dictionary 2 ed. Oxford: Oxford University Press (publicado em 1970). p. 274. ISBN 0198691173 
  15. La Lone, Darrell E. «The Inca as a Nonmarket Economy: Supply on Command versus Supply and Demand». p. 292. Consultado em 17 de dezembro de 2018 
  16. Blaug, Mark, ed. (1991). The Early mercantilists: Thomas Mun (1571–1641), Edward Misselden (1608–1634), Gerard de Malynes (1586–1623). Col: Pioneers in economics, 4. [S.l.]: E. Elgar Pub. Co. p. 136. ISBN 9781852784669. Consultado em 7 de setembro de 2018. To this approach belongs at least in part an attempt to view mercantilism as economic dirigee, a planned economy with national economic objectives – 'wealth', 'plenty' or simply 'welfare' within the framework of the nation and at the expense of other nations. 
  17. a b Wetzel, Tom. "Workers Power and the Spanish Revolution".
  18. a b Dolgoff, Sam, ed. (1974). The Anarchist Collectives (1st ed.). Free Life Editions. p. 114. ISBN 9780914156024.
  19. ROSSETTI, José Paschoal - Política e Programação Econômica - 3ª Ed. - 1979 - Editora Atlas - pgs.129-132
  20. Feinstein, C. H. (1975). Socialism, Capitalism and Economic Growth: Essays Presented to Maurice Dobb. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 174. ISBN 0-521-29007-4. We have presented the view that planning and market mechanisms are instruments that can be used both in socialist and non-socialist societies. [...] It was important to explode the primitive identification of central planning and socialism and to stress the instrumental character of planning. 
  21. Eden Medina (2006). «Designing Freedom, Regulating a Nation: Socialist Cybernetics in Allende's Chile». Cambridge University Press. J. Lat. Am. Stud. 38 (38): 571–606. doi:10.1017/S0022216X06001179 
  22. Cockshott, Paul; Cottrell, Allin (1993). Towards a New Socialism. Spokesman Books. ISBN 978-0851245454.
  23. a b Lange, Oskar (1979). «The Computer and the Market». Calculemus.org. Consultado em 12 de setembro de 2012 
  24. "Cyberfolk". Project Cybersyn. Arquivado em 12 de Maio de 2011 no Wayback Machine.. Retrieved 6 August 2020.
  25. Ellman, Michael (2014). Socialist Planning. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 372. ISBN 978-1107427327 
  26. Ellman, Michael (2014). Socialist Planning. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 372. ISBN 978-1107427327. For the USSR, the official Soviet statistics of infant mortality give too favourable a picture. There are two reasons for this. First, the USSR used a definition of 'birth' different from the WHO one (Chapter 8, pp. 321-2). The percentage increase in the infant mortality rate caused by switching from the Soviet definition to the WHO one seems to have ranged from 13 per cent in Moldova to 40 per cent in Latvia. In Poland, which has a much larger population than the two previously mentioned countries, it was about 21 per cent. Secondly, there seems to have been significant under-registration of deaths, particularly in certain regions, such as Central Asia and Azerbaijan. Estimates of 'true' infant mortality in 1987-2000 show very high increases over the official figures in Central Asia, Azerbaijan, Albania, Romania, and Bulgaria. In Russia — which was supposed to have adopted the WHO definition of 'birth' by 1993 and where under-registration is much less than in Central Asia or Azerbaijan — in 1987-2000 the estimated increase of the official figures to measure 'true' infant mortality is 26.5 per cent. 
  27. Kennedy, Paul (1987). The Rise and Fall of the Great Powers. New York: Random House. pp. 322–323. ISBN 0-394-54674-1 
  28. Zielinski, J. G. (1973). Economic Reforms in Polish Industry. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-215323-4 
  29. Machan, Tibor (2002). «Some Skeptical Reflections on Research and Development» (PDF). Liberty and Research and Development: Science Funding in a Free Society. [S.l.]: Hoover Press. ISBN 0-8179-2942-8 
  30. a b Hahnel, Robin (2002). The ABC's of Political Economy. London: Pluto Press. p. 262. ISBN 0-7453-1858-4 
  31. "Planned economy". Dictionary.com. Unabridged (v. 1.1). Random House, Inc. Retrieved 11 May 2008).
  32. "Command economy". Merriam-Webster Online Dictionary. Retrieved 11 May 2008.
  33. Rosser, Mariana V.; Rosser, J. Barkley (23 de julho de 2003). Comparative Economics in a Transforming World Economy. [S.l.]: MIT Press. p. 7. ISBN 978-0-262-18234-8. In a command economy the most important allocation decisions are made by government authorities and are imposed by law. 
  34. Mandel, Ernest (setembro–outubro de 1986). «In defense of socialist planning». New Left Review. I (159): 5–37. Planning is not equivalent to 'perfect' allocation of resources, nor 'scientific' allocation, nor even 'more humane' allocation. It simply means 'direct' allocation, ex ante. As such, it is the opposite of market allocation, which is ex post.  See also the PDF version.
  35. Schweickart, David; Lawler, James; Ticktin, Hillel; Ollman, Bertell (1998). "Definitions of Market and Socialism". Market Socialism: The Debate Among Socialists. New York: Routledge. pp. 58–59. ISBN 978-0-415-91967-8. "For an Anti-Stalinist Marxist, socialism is defined by the degree to which the society is planned. Planning here is understood as the conscious regulation of society by the associated producers themselves. Put it differently, the control over the surplus product rests with the majority of the population through a resolutely democratic process. [...] The sale of labour power is abolished and labour necessarily becomes creative. Everyone participates in running their institutions and society as a whole. No one controls anyone else."
  36. Schweickart, David (2007). "Democratic Socialism". In Anderson, Gary L.; Herr, Kathryn G., eds. Encyclopedia of Activism and Social Justice. SAGE Publications. p. 448. ISBN 9781452265650. Arquivado em 2012-06-17 no Wayback Machine.. Retrieved 6 August 2020. "Virtually all socialists have distanced themselves from the economic model long synonymous with socialism (i.e., the Soviet model of a nonmarket, centrally planned economy. [...] Some have endorsed the concept of market socialism, a postcapitalist economy that retains market competition but socializes the means of production and, in some versions, extends democracy to the workplace. Some hold out for a nonmarket, participatory economy. All democratic socialists agree on the need for a democratic alternative to capitalism".
  37. Trotsky, Leon. Writings 1932–33. [S.l.: s.n.] p. 96 
  38. Wilhelm, John Howard (1985). «The Soviet Union Has an Administered, Not a Planned, Economy». Soviet Studies. 37 (1): 118–130. doi:10.1080/09668138508411571 
  39. Ellman, Michael (2007). «The Rise and Fall of Socialist Planning». In: Estrin, Saul; Kołodko, Grzegorz W.; Uvalić, Milica. Transition and Beyond: Essays in Honour of Mario Nuti. New York City: Palgrave Macmillan. p. 22. ISBN 978-0-230-54697-4. In the USSR in the late 1980s the system was normally referred to as the 'administrative-command' economy. What was fundamental to this system was not the plan but the role of administrative hierarchies at all levels of decision making; the absence of control over decision making by the population [...]. 
  40. Ellman, Michael (2007). «The Rise and Fall of Socialist Planning». In: Estrin, Saul; Kołodko, Grzegorz W.; Uvalić, Milica. Transition and Beyond: Essays in Honour of Mario Nuti. New York: Palgrave Macmillan. p. 22. ISBN 978-0-230-54697-4. Realization of these facts led in the 1970s and 1980s to the development of new terms to describe what had previously been (and still were in United Nations publications) referred to as the 'centrally planned economies'. In the USSR in the late 1980s the system was normally referred to as the 'administrative-command' economy. What was fundamental to this system was not the plan but the role of administrative hierarchies at all levels of decision making; the absence of control over decision making by the population [...]. 
  41. "Machine of communism. Why the USSR did not create the Internet".
  42. Kharkevich, Aleksandr Aleksandrovich (1973). Theory of information. The identification of the images. Selected works in three volumes. Volume 3. Information and technology: Moscow: Publishing House "Nauka", 1973. - Academy of Sciences of the USSR. Institute of information transmission problems. p. 524 
  43. Busky, Donald F. (2000). Democratic Socialism: A Global Survey. Praeger. pp. 7–8. ISBN 978-0275968861. "Sometimes simply called socialism, more often than not, the adjective democratic is added by democratic socialists to attempt to distinguish themselves from Communists who also call themselves socialists. All but communists, or more accurately, Marxist-Leninists, believe that modern-day communism is highly undemocratic and totalitarian in practice, and democratic socialists wish to emphasise by their name that they disagree strongly with the Marxist-Leninist brand of socialism."
  44. Prychito, David L. (2002). Markets, Planning, and Democracy: Essays After the Collapse of Communism. Edward Elgar Publishing. p. 72. ISBN 978-1840645194. "It is perhaps less clearly understood that advocates of democratic socialism (who are committed to socialism in the above sense but opposed to Stalinist-style command planning) advocate a decentralised socialism, whereby the planning process itself (the integration of all productive units into one huge organisation) would follow the workers' self-management principle."
  45. Cottrell, Allin; Cockshott, W. Paul (1993). Towards a New Socialism. (Nottingham, England: Spokesman. Retrieved 17 March 2012.
  46. Medina, Eden (2006). «Designing Freedom, Regulating a Nation: Socialist Cybernetics in Allende's Chile». Cambridge University Press. J. Lat. Am. Stud. 38 (38): 571–606. doi:10.1017/S0022216X06001179 
  47. Kotz, David (2008). «What Economic Structure for Socialism?» (PDF). Consultado em 12 de setembro de 2012 
  48. Writings, 1932–33 p. 96, Leon Trotsky.
  49. «After the Revolution». Membres.multimania.fr. 7 de janeiro de 1936. Consultado em 12 de setembro de 2012. Arquivado do original em 29 de agosto de 2012 
  50. «Participatory Planning Through Negotiated Coordination» (PDF). 1 de março de 2002. Consultado em 30 de outubro de 2011 
  51. Kostakis, Vasilis (2019). "How to Reap the Benefits of the 'Digital Revolution'? Modularity and the Commons". Halduskultuur: The Estonian Journal of Administrative Culture and Digital Governance. 20 (1): 4–19.