Estreito de Malaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Malaca e George Town, Cidades históricas do Estreito de Malaca *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO
O Estreito de Malaca separa Samatra a sudoeste da Península Malaia a nordeste
País  Malásia
Tipo Cultural
Critérios ii, iii, iv
Referência 1223
Região** Ásia e Oceania
Histórico de inscrição
Inscrição 2008  (32ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.
Map of the Strait of Malacca-de.jpg

O estreito de Malaca (em malaio Selat Melaka) é a principal passagem marítima entre os oceanos Índico e Pacífico e encontra-se entre a península Malaia e a ilha de Samatra.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Para a etimologia do topônimo, ver Malaca. No Brasil, o topônimo aparece por vezes com acentuação proparoxítona, "Málaca", forma como regra não registrada nas fontes prescritivas brasileiras.[1][2]

Descrição geográfica[editar | editar código-fonte]

O estreito liga o mar de Andamão, ao norte, ao mar da China Meridional, ao sul. Seu comprimento é de 805 km e sua largura, entre 50 e 180 km. Na extremidade meridional do estreito está o arquipélago de Riau, que integra a província indonésia das ilhas Riau.

O principal rio da península Malaia a desaguar no estreito é o Perak. Da ilha de Samatra desaguam os rios Bila, Barumun, Rokan, Siak e Kampar.

Os principais portos que se situam no estreito são Malaca, George Town e Singapura.

Navegação[editar | editar código-fonte]

O estreito é uma das mais antigas e importantes vias marítimas do mundo.[3] É a principal ligação marítima que interliga os oceanos Índico ao Pacífico. Nas proximidades de Singapura o estreito se restringe a uma largura mínima de 2,5 km, o que torna a navegação mais difícil, devido ao intenso tráfego. Às dimensões máximas dos navios que podem atravessar o estreito dá-se o nome Malaccamax.

Em suas águas ocorrem numerosos episódios de pirataria.[4] Outro problema para a navegação é a intensa fumaça, provocada pelas queimadas na ilha de Samatra, que reduz a visibilidade para até 200 metros e provoca a diminuição da velocidade do tráfego marítimo.

Mapas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Estreito de Málaca é recordista em casos de pirataria». JB Online. 4 de julho de 2001. Consultado em 12 de fevereiro de 2008 
  2. «EUA instalarão radares no Estreito de Makassar». UOL últimas Notícias. 23 de janeiro de 2008. Consultado em 12 de fevereiro de 2008 . Esta fonte também não emprega as formas vernáculas para Macáçar ("Makassar") e Celebes ("Célebes").
  3. Aljazeera.net (em inglês)
  4. Piracy down 3rd year in row: IMB report, Journal of Commerce Online, January 23, 2007