Fobos (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fobos
Satélite de Marte
Phobos moon (large).jpg
Fobos fotografado pela sonda Mars Global Surveyor, em 01 de Junho de 2003.
Características orbitaisSíncrôna
Semieixo maior 9,376 km
Periastro 9,234,42 km
Apoastro 9,517,58 km
Excentricidade 0,0151
Período orbital 7 h 39 m 12 s
Velocidade orbital média 2,138 km/s
Inclinação 1,093 °
Características físicas
Dimensões 27 × 22 × 18 km
Diâmetro médio 11,2667
Área da superfície 1,548,3 km²
Massa 1,08×1016 kg
Densidade média 1,876 g/cm³
Gravidade superficial 0,0057 m/s2
Velocidade de escape 11.39 m/s
(41 km/h)[1] km/s
Inclinação axial
Albedo 0,071±0,012
Temperatura média: -40,15 ºC
Magnitude aparente 11.8[2]
Composição da atmosfera
Pressão atmosférica inexistente

Fobos é um dos dois satélites naturais de Marte. É o maior e mais próximo satélite natural de Marte. Com um raio médio de 11,1 km, Fobos é 7,4 vezes mais massivo que que a outra lua marciana Deimos. Fobos foi descoberto por Asaph Hall em 18 de Agosto de 1877, justamente seis dias após a descoberta de seu parceiro Deimos. Seu nome vem da Grécia antiga e significa medo. Na mitologia grega, Fobos era filho de Ares (Marte na mitologia romana) e Afrodite.

Fobos é, em todo o Sistema Solar, o satélite que orbita mais próximo do planeta-mãe: menos de seis mil quilômetros acima da superfície marciana. Encontra-se, por isso, abaixo da órbita síncrona para Marte. Por esse motivo, a sua órbita vai descendo a um ritmo de 1,8 m por século. Assim, dentro de 50 milhões de anos pode ocorrer uma de duas coisas: ou Fobos se despenha sobre Marte ou, o que é mais provável, antes que isso aconteça as forças gravitacionais destruirão o satélite criando um anel à volta de Marte. Também por conta de sua proximidade, ela orbita mais rápido do que a rotação marciana, o que a fazer "nascer" e se pôr três vezes por dia.[3]

Fobos demora cerca de 7,65 horas a completar uma volta sobre si próprio, que corresponde ao mesmo tempo que leva a completar uma volta ao redor de Marte. Como consequência disso, Fobos tem sempre a mesma face voltado para Marte.[4]

Os astrônomos supõem que o satélite era provavelmente um asteroide que foi capturado pela força de gravidade do planeta.[5] A outra lua Deimos e também algumas luas de Netuno, acreditam-se também que eram asteroides que foram capturados.

Uma curiosidade a respeito de Fobos, é que não pode ser visto do extremo norte nem do extremo sul de Marte porque sua órbita é alinhada à Linha do Equador.[3]

Características Físicas[editar | editar código-fonte]

Temperaturas da superfície de Fobos. ( THEMIS; 29 de setembro de 2017)

Fobos tem dimensões de 27 km × 22 km × 18 km[6], e retém muito pouca massa para ser arredondado sob sua própria gravidade. Fobos não possui atmosfera, devido à pouca massa.[7] É um dos corpos menos refletivos do Sistema Solar, com um albedo de aproximadamente 0,071.

Análises de espectro Infravermelho mostram que a composição de sua superfície é semelhante à de Marte. Esses resultados levaram à sugestão de que Fobos poderia conter um reservatório de gelo. A densidade de Fobos é muito baixa para conter rocha sólida, e é conhecido por ter alta porosidade. O satélite possui um grande número de crateras. A maior delas é a Cratera Stickney, uma grande cratera de impacto com cerca de 9 km de diâmetro. Assim como na cratera de Mimas, Herschel, o impacto que criou Stickney deve ter quase destruído Fobos.

As rochas na superfície possuem muitas ranhuras e erosões, os pesquisadores suspeitam que elas tenham sido formadas por material ejetado no espaço por impactos na superfície de Marte. Foram feitas muitas tentativas para observar possíveis anéis de poeira em Fobos, mas até agora todas falharam. Imagens recentes da Mars Global Surveyor indicam que Fobos é coberto por uma camada de regolito com pelo menos 100 metros de espessura; supõe-se que tenha sido criada por impactos de outros corpos, mas não se sabe como o material ficou preso a um objeto quase sem gravidade.

Uma pessoa que pesa 68 kg na Terra pesaria cerca de 60 g em pé na superfície de Fobos. A gravidade superficial é de 0,0057 m/s2.

Formações geológicas[editar | editar código-fonte]

Imagem em cor realçada da cratera Stickney, obtida pela Mars Reconnaissance Orbiter.
Algumas das crateras com nome em Fobos. C = Clustril; D = Drunlo; F = Flimnap; L = Limtoc; R = Reldresal; S = Stickney; Sk = Skyresh. Grildrig pode ser vista no horizonte entre Skyresh e Flimnap.

As formações geológicas em Fobos recebem o nome de astrônomos que estudaram Fobos e pessoas e lugares fictícios da obra de Jonathan Swift - As Viagens de Gulliver.[8] Apenas um regio recebeu nome, Laputa Regio, e apenas uma planitia, Lagado Planitia; ambos receberam nomes de lugares de As Viagens de Gulliver.[9] O único tergo que recebeu nome em Fobos é Kepler Dorsum, em honra ao astrônomo Johannes Kepler. Várias crateras já possuem nome.[10]

Cratera Referência Coordenadas
Clustril Personagem de As Viagens de Gulliver 60°N 91°W
D'Arrest Heinrich Louis d'Arrest, astrônomo

39°S 179°W

Drunlo Personagem de As Viagens de Gulliver

36.5°N 92°W

Flimnap Personagem de As Viagens de Gulliver

60°N 350°W

Grildrig Personagem de As Viagens de Gulliver 81°N 195°W
Gulliver Personagem principal de As Viagens de Gulliver

62°N 163°W

Hall Asaph Hall, descobridor de Fobos

80°S 210°W

Limtoc Personagem de As Viagens de Gulliver

11°S 54°W

Öpik Ernst J. Öpik, astrônomo

7°S 297°W

Reldresal Personagem de As Viagens de Gulliver

41°N 39°W

Roche Édouard Roche, astrônomo

53°N 183°W

Sharpless Bevan Sharpless, astrônomo

27.5°S 154°W

Shklovsky Iosif Shklovsky, astrônomo

24°N 248°W

Skyresh Personagem de As Viagens de Gulliver

52.5°N 320°W

Stickney Angeline Stickney, esposa de Asaph Hall

1°N 49°W

Todd David Peck Todd, astrônomo

9°S 153°W

Wendell Oliver Wendell, astrônomo

1°S 132°W

Exploração[editar | editar código-fonte]

Fobos foi fotografada de perto por várias sondas espaciais cuja missão principal era fotografar Marte. A primeira foi a Mariner 9 em 1971, seguida da Viking 1 em 1977. Os programas Mars Global Surveyor, Mars Express e Mars Reconnaissance Orbiter também estudaram Fobos. A sonda rover Spirit também tirou fotografias de Fobos no céu Marciano em Agosto de 2005.

Algumas missões dedicadas à Fobos foram feitas pela União Soviética com o Programa Fobos. Duas sondas, Phobos 1 e 2, foram enviadas à Marte em 1988. Ambas enfrentaram problemas que encerraram prematuramente suas pesquisas. A Agência Espacial Russa planejou uma nova missão à Fobos em 2011 chamada Fobos-Grunt, com o objetivo de retornar amostras do solo de Fobos à Terra. Porém, a missão falhou na órbita terrestre.

Futuro[editar | editar código-fonte]

Phobos poderá desintegrar-se daqui a entre 20 e 40 milhões de anos e os seus detritos irão formar um anel em redor do planeta vermelho.

Phobos é constituída essencialmente por um amontoado de detritos, com grandes espaços entre os blocos rochosos que compõem o interior da lua. Cerca de um quarto a um terço da lua Phobos será composto por espaço vazio.

A lua Phobos está a aproximar-se lentamente (alguns centímetros por ano) de Marte, o que significa que, a longo prazo, os dois corpos irão colidir.

Com base em dados observacionais, Benjamin Black e Tushar Mittal (da universidade de Nova Iorque), o outro investigador, deduziram que os componentes menos densos de Phobos vão acabar por desintegrar-se daqui a 20 a 40 milhões de anos quando o efeito da força gravitacional de Marte se tornar demasiado forte. Os componentes irão dispersar-se em seguida para formar um anel.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:

Referências

  1. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome NASA
  2. http://jtg.sjrdesign.net/advanced/mars_moons.html
  3. a b super.abril.com.br/ 25 curiosidades sobre as luas do Sistema Solar
  4. Fobos e Deimos - Satélites de Marte siteastronomia.com
  5. «Martian Moon Phobos from Mars Express» (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2010. 
  6. «Mars Moons: Phobos». NASA Solar System Exploration. 30 de setembro de 2003. Consultado em 2 de dezembro de 2013. 
  7. «"Planetary Satellite Physical Parameters". JPL (Solar System Dynamics).». 13 de julho de 2006. Consultado em 29 de janeiro de 2008. 
  8. Gazetteer of Planetary Nomenclature USGS Astrogeology Research Program, Categories
  9. Gazetteer of Planetary Nomenclature USGS Astrogeology Research Program, Phobos
  10. Gazetteer of Planetary Nomenclature USGS Astrogeology Research Program, Craters
  11. «Marte terá um dia anéis como Saturno ou Júpiter» 
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço relacionado ao Projeto Astronomia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.