Francisco Seixas da Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Francisco Seixas da Costa
Francisco Seixas da Costa
Dados pessoais
Nome completo Francisco Manuel Seixas da Costa
Nascimento 28 de janeiro de 1948 (74 anos)
Vila Real Portugal Portugal
Alma mater Universidade de Lisboa
Profissão Consultor estratégico na área empresarial

Francisco Seixas da Costa CvCGCCOIHGOM (Vila Real, 28 de janeiro de 1948) é um diplomata português aposentado. É gestor e consultor estratégico, exerce funções docentes e de investigação no ensino superior privado e é comentador de assuntos internacionais na comunicação social. Na carreira diplomática, entre 1975 e 2013, foi embaixador nas Nações Unidas, na OSCE, no Brasil, em França e na UNESCO. Entre 1995 e 2001, desempenhou funções políticas como Secretário de Estado dos Assuntos Europeus.

Biografia. Atividade profissional[editar | editar código-fonte]

Francisco Manuel Seixas da Costa nasceu em 1948[1] em Vila Real, onde completou o ensino secundário.

Licenciou-se em Ciências Políticas e Sociais, no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Exerceu cargos como dirigente associativo universitário (duas vezes não homologado por decisão ministerial), entre 1968 e 1972.

Iniciou a sua vida profissional numa empresa de publicidade e no sector bancário.

Posteriormente ao movimento militar de 25 de Abril de 1974, em que participou como oficial miliciano, foi assessor da Junta de Salvação Nacional.

Em 1975, foi admitido, através de concurso público, no serviço diplomático português. Esteve inicialmente colocado nas Embaixadas em Oslo (1979-1982), Luanda (1982-1986) e Londres (1990-1994). Exerceu funções de assessoria e direção no quadro do Ministério dos Negócios Estrangeiros (1986-1990 e 1994-1995).

Entre 1995 e 2001, foi Secretário de Estado dos Assuntos Europeus, tendo integrado os XIII e XIV Governos Constitucionais. Nessa qualidade, foi o principal negociador português do Tratado de Amesterdão (1995-1997) e do Tratado de Nice (2000), tendo presidido ao Comité de Ministros do Acordo de Schengen (1997) e ao Conselho de Ministros do Mercado Interno da União Europeia (2000).

Tendo retomado a carreira diplomática, em 2001, foi nomeado embaixador representante permanente junto das Nações Unidas em Nova Iorque (2001-2002). Aí desempenhou os cargos de vice-presidente do Conselho Económico e Social - ECOSOC (2001), de presidente da Comissão de Economia e Finanças da 56.ª Assembleia Geral (2001/2002), de vice-presidente eleito da 57.ª Assembleia Geral (2002), tendo integrado, a convite do secretário-geral, Kofi Annan, o board do UNFIP - United Nations Fund for International Partnerships (2001-2002).

Em 2002, foi nomeado embaixador representante permanente junto da OSCE - Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (2002-2004), durante a presidência portuguesa da organização, tendo então chefiado o respetivo Conselho Permanente (2002).

Foi embaixador no Brasil (2005-2009) e em França (2009-2013).

A partir de 2010, foi nomeado, cumulativamente, como o primeiro embaixador não-residente de Portugal no Mónaco, com residência em Paris.

A partir de 2012, foi nomeado, cumulativamente, como embaixador representante permanente junto da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) e junto da União Latina, também em Paris.

Deixou o quadro diplomático externo, por ter atingido a idade limite para tal, em 28 de janeiro de 2013. Passou à situação de aposentação da função pública, a seu pedido, em 11 de março de 2013.

De 1 de fevereiro de 2013 a 31 de janeiro de 2014, dirigiu o Centro Norte-Sul do Conselho da Europa.

É membro do Conselho das Ordens de Mérito Civil, da Presidência da República, desde 9 de Junho de 2016.

Outras atividades[editar | editar código-fonte]

Desde 2013, exerce funções como gestor e consultor estratégico em diversas empresas, bem como junto da Fundação Calouste Gulbenkian.

Entre outros cargos, foi presidente do Conselho Geral da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (2009-2012), membro do Conselho Geral de Fundação Cidade de Guimarães (2011-2013), membro do Conselho de Faculdade da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (2013-2018), membro do Conselho Consultivo da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (2010-2018), presidente da Assembleia Geral da Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses (2013-2015), consultor da Fundação Bertelsmann e do Center for European Policy Studies (2019-2020), membro do Conselho Geral Independente (CGI) da Rádio e Televisão de Portugal SA (2018-2021) e membro do Conselho Consultivo para a participação portuguesa na Expo-Dubai 2020.

É presidente do Clube de Lisboa - Global Challenges (desde 2019), membro do GRES - Grupo de Reflexão Estratégica sobre Segurança (desde 2016) e do Forum Demos (desde 2019).

É membro do Conselho Cultural da Fundação Eça de Queiroz (desde 2021).

Foi colunista do jornal Diário Económico (2013-2015), do "Jornal de Notícias" (2015-2021), do "Jornal de Negócios" (2015-2021) e do “Jornal Económico” (2018-2021). Foi comentador residente no programa de relações internacionais “Observare”, da TVI 24 (2020-2021). É colaborador do jornal digital “A Mensagem de Lisboa” (desde 2021). É comentador de assuntos internacionais no podcast “A Arte da Guerra”, na plataforma digital do “Jornal Económico” (desde 2021), e na CNN Portugal (desde 2021).

Foi docente da Universidade Europeia (2015-2018) e professor convidado na Universidade Autónoma de Lisboa (2014-2018), sendo investigador associado na mesma universidade (desde 2020).

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • O Caso República, com António Pinto Rodrigues (Lisboa, ed. dos aut., 1975).
  • Diplomacia Europeia - Instituições, Alargamento e o Futuro da União (Lisboa, Dom Quixote, 2002).
  • Uma Segunda Opinião - Notas de Política Externa e Diplomacia (Lisboa, Dom Quixote, 2007).
  • As Vésperas e a Alvorada de Abril (Brasília, Thesaurus, 2007).
  • Tanto Mar? - Portugal, o Brasil e a Europa (Brasília, Thesaurus, 2008).
  • Apontamentos (Lisboa, Instituto Diplomático do Ministério dos Negócios Estrangeiros, 2009).
  • Saudades Nossas (Vila Real, ed. do aut., 2016).
  • A Cidade Imaginária (Vila Real, Biblioteca Municipal, 2021).

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Nacionais

Estrangeiras

Referências

  1. «Anuário Diplomático e Consular Português. Volume LXXV.» (PDF). Ministério dos Negócios Estrangeiros. 15 de outubro de 2007. p. 232. Consultado em 26 de maio de 2014. Cópia arquivada (PDF) em 26 de maio de 2014 
  2. a b c d «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Francisco Manuel Seixas da Costa". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 26 de maio de 2014 
  3. «Xutos & Pontapés vão ser comendadores por Mérito». Jornal de Notícias. 8 de junho de 2004. Consultado em 26 de maio de 2014. Cópia arquivada em 26 de maio de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Francisco Seixas da Costa
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) político(a) é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.