Gotalândia Oriental

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Em 19 de abril de 2019 foi proposta a renomeação deste artigo para Östergötland. Se não concorda, use a página de discussão.
Obs.: Östergötland é a forma correntemente usada em português, e respaldada por referências fiáveis. Gotalândia Oriental não é uma forma de uso corrente nem de longa tradição em português
Suécia Gotalândia Oriental

Östergötland

 
  Província  
Sverigekarta-Landskap Östergötland.svg
Bandeira de Gotalândia Oriental
Bandeira
Brasão de armas de Gotalândia Oriental
Brasão de armas
Região Gotalândia
Condado Gotalândia Oriental
Área
- Total 10 559 km²
População (2018)
 - Total 461 583
    • Densidade 43,7 hab./km²

Östergötland, Gotalândia Oriental ou Ostrogócia (em latim: Ostrogothia) é uma província (landskap) do sul da Suécia, na região histórica (landsdel) da Gotalândia. Ocupa 2,4% do território da Suécia (10559 quilômetros quadrados), e tem 461 583 habitantes (2018).[1][2][3][4][5] Como província, não tem hoje funções administrativas, nem significado político, mas está presente em âmbitos históricos, culturais, escolares, turísticos e desportivos.[6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O topônimo Gotalândia Oriental deriva provavelmente do nome dos Gotas (Götar), o povo que habitava a região nas cercanias do rio Gota, ao qual deu provavelmente o nome. A Gotalândia Oriental seria assim a "Terra dos Gotas Orientais". A província está registrada em sueco antigo como Østrægøtland no século XII, e como Østragøtland no século XIV.[7][8][9]

História[editar | editar código-fonte]

A província é habitada desde a Idade da Pedra, como o atestam mais de 50 000 vestígios arqueológicos, assim como restos de construções de madeira e rastros de atividade agrícola de 2 000 a.C.. Na Era das Migrações Nórdicas, por volta de 500 d.C., foi um reino independente que resistiu a ataques dos suíones. No dealbar da Idade Média, foi uma das unidades mais expressivas na formação da Suécia. Nos séculos XII e XIII, foi base de duas casas reais - Suérquero e Bialbo. Com a vinda do cristianismo, a Igreja Católica consolidou seu poder, manifestado na criação do Bispado de Lincopinga. Em Norcopinga nasceu a primeira cidade industrial do país, no século XVII, com fábricas de têxteis, utilizando a energia do rio Motala. Hoje em dia, é a cidade de Lincopinga que está na dianteira, com as suas indústrias de ponta, incluindo a fábrica de aviões da SAAB.[11][12][13][14]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A Gotalândia Oriental está situada no sul da Suécia, entre o lago Veter, a oeste, e o Mar Báltico, a leste. É limitada a norte por Nerícia e Sudermânia, a leste pelo Mar Báltico, a sul pela Esmolândia, e a oeste pelo lago Veter. Tem dimensão média - cerca de 3% do país, com uma população de 459 589 habitantes - cerca de 4% do país.[9][15]

É constituída por quatro regiões naturais: A parte central é a grande planície da Gotalândia Oriental, com enormes culturas de ervilha amarela. A norte e a sul, as terras altas são cobertas por imensas florestas de pinheiros e abetos, ocupando 60% de sua área, com numerosos lagos e animais selvagens, como p.ex. alces e corças. No encontro com o mar Báltico está o arquipélago costeiro com mais de 6 000 ilhas.[16][11][17] Ao todo possui 2 100 lagos[18] e 636 cursos d'água.[19]

Maiores cidades[editar | editar código-fonte]

As três maiores cidades da província são Lincopinga, Norcopinga e Motala.[20][21]

Nr Nome População
2018[21]
1 Lincopinga 111 267
2 Norcopinga 96 766
3 Motala 31 385
4 Mjölby 13 507
5 Finspång 13 279
5 Sodercopinga 7 611
5 Vadstena 5 764

Património histórico, cultural e turístico[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. CP 2018.
  2. VOG 2018.
  3. Rydstedt 1987, p. 104-106.
  4. Ernby 2001, p. 788.
  5. SCB 2018.
  6. Sporrong 2018.
  7. Wahlberg 2003, p. 39.
  8. Pamp 1988, p. 85.
  9. a b Sommar 2018.
  10. Arquivos Nacionais 2015.
  11. a b NU 2008, p. 1471-1472.
  12. Rydstedt 1987, p. 104.
  13. Miranda 2007, p. 1134.
  14. Thaning 1983, p. 162, 166.
  15. Editores 1998.
  16. Conselho 2018a.
  17. Söderström 1995, p. 11-12.
  18. Conselho 2018.
  19. Geografia 2019.
  20. Norlin 1999, p. 16.
  21. a b SCB 2018a.
  22. Ottosson 2008, p. 508.
  23. Ottosson 2008, p. 493.
  24. NU 2008, p. 365.
  25. Ottosson 2008, p. 490.
  26. Harrison 2015, p. 150-151.
  27. Söderström 1995, p. 42-43.
  28. Ernby 2001, p. 732.
  29. ENS 2019.
  30. Ottosson 2008, p. 497.
  31. Ottosson 2008, p. 499.
  32. NU 2008, p. 934.
  33. Miranda 2007, p. 843.
  34. Söderström 1995, p. 106-107.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ernby, Birgitta; Martin Gellerstam, Sven-Göran Malmgren, Per Axelsson, Thomas Fehrm (2001). «Östergötland». Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok. 793 páginas. ISBN 91-7227-186-8 
  • Harrison, Dick (2015). «Alvastra - Klosterruinen vid Omberg». Sveriges historia: 600-1350 (em sueco). Estocolmo: Norstedt. ISBN 978-91-1-302377-9 
  • Norlin, Arne (1999). «Östergötlands största städer». Östergötland (em sueco). Estocolmo: Natur och Kultur. 24 páginas. ISBN 9127507653 
  • Ottosson, Mats; Ottosson, Åsa (2008). «Vreta kloster och kyrka». Upplev Sverige. En guide till upplevelser i hela landet (em sueco). Estocolmo: Wahlström Widstrand. 527 páginas. ISBN 9789146215998 
  • Pamp, Bengt (1988). «Namn på länder och landskap – Västergötland». Ortnamnen i Sverige (Nomes de localidades da Suécia) (em sueco). Lunda: Studentlitteratur. 199 páginas. ISBN 91-44-01535-6 
  • Rydstedt, Bjarne; Andersson, Georg; Bladh, Torsten; Köhler, Per Olof; Thorén, Karl-Gustaf; Larsson, Mona (1987). «Östergötland». Land och liv 1 (em sueco). Estocolmo: Natur och kultur. 216 páginas. ISBN 91-27-62563-X 
  • Sommar, Carl Olov; et. all. (2018). «Östergötland - Ortnamn». Enciclopédia Nacional Sueca (em sueco). Gotemburgo: Universidade de Gotemburgo 
  • Sporrong, Ulf (2018). «Landskap». Enciclopédia Nacional Sueca (em sueco). Gotemburgo: Universidade de Gotemburgo 
  • Söderström, Svante; Berg, Stig (1995). «Allmäna fakta». Upptäck Östergötland (em sueco). Lincopinga: Turistbol. S. Söderström. 318 páginas. ISBN 91-630-3289-9 
  • Thaning, Olof (1983). «Norrköping». Sverigeboken (em sueco). Estocolmo: Det Bästa. 408 páginas. ISBN 91-7030-101-8 
  • Wahlberg, Mats (2003). «Östergötland». Svenskt ortnamnslexikon (Dicionário das localidades suecas) (em sueco). Upsália: Språk- och folkminnesinstitutet e Institutionen för nordiska språk vid Uppsala universitet. ISBN 91-7229-020-X