Grande Prêmio da Bélgica de 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grande Prêmio da Bélgica de F-1 2016
Spa-Francorchamps of Belgium.svg
Grande Prêmio da Bélgica de 2016.
Detalhes da corrida
Data 28 de agosto de 2016
Nome oficial 2016 Formula 1 Belgian Grand Prix
Local Spa-Francorchamps, Spa, Bélgica
Percurso 7.004 km
Total 44 voltas / 308.052 km
Pole
Piloto
Alemanha Nico Rosberg Mercedes
Tempo 1:46.744
Volta mais rápida
Piloto
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes
Tempo 1:51.583 (na volta 41)
Pódio
Primeiro
Alemanha Nico Rosberg Mercedes
Segundo
Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer
Terceiro
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes

Grande Prêmio da Bélgica de 2016 (formalmente denominado 2016 Formula 1 Belgian Grand Prix) foi a décima terceira etapa da temporada de 2016 da Fórmula 1. Foi disputado no dia 28 de agosto de 2016 no Circuito de Spa-Francorchamps, Spa, Bélgica.[1]

Relatório[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Substituição na MRT

A Manor anunciou no dia 10 de agosto de 2016 que encerrou o contrato do piloto indonésio Rio Haryanto, por falta de pagamento e contratou o piloto francês Esteban Ocon para formar dupla com Pascal Wehrlein. O time de Banbury alegou que o contrato de Haryanto foi encerrado uma vez que o piloto não conseguiu cumprir suas obrigações contratuais. Rio tinha levantado dinheiro apenas para disputar metade da temporada 2016, mas não conseguiu o restante do montante de que necessitava. A Manor, entretanto, não deixou Haryanto completamente de lado. A escuderia ofereceu ao piloto o posto de reserva nas próximas nove etapas do Mundial.[2]

Punição de Lewis Hamilton

Lewis Hamilton confirmou durante a coletiva de imprensa de quinta-feira que em conjunto com a Mercedes que ele será punido com perda de posições no grid por conta da troca de partes do motor na Bélgica. O líder do campeonato, desta forma, vai perder pelo menos dez posições no grid de largada em razão das mudanças, segundo diz o regulamento técnico do Mundial. Hamilton já usou cinco turbos e cinco MGU-H, que é o sistema de reaproveitamento de energia. O uso de novas peças do chamado sexto motor de Lewis no campeonato acaba sendo consequência de uma série de problemas enfrentados pelo tricampeão no começo do ano. Em Xangai e em Sóchi, por exemplo, Lewis teve problemas e precisou trocar sua unidade de potência, causando preocupação para a sequência do campeonato.[3]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Q1

Ciente de que, independentemente do resultado no treino classificatório, teria que largar das últimas posições em razão da punição pela troca de peças, Lewis Hamilton nem se preocupou em pisar fundo na sessão deste sábado. O britânico entrou na pista apenas para anotar uma volta cronometrada, requisito para poder largar do grid, não dos boxes, no domingo, e foi eliminado em 21º. Atrás dele ficou apenas Fernando Alonso, que também tem punição a cumprir. O espanhol sequer marcou tempo: teve um problema na McLaren logo após sair dos boxes e parou na área de escape da subida da Eau Rouge.

Destinos opostos para os pilotos brasileiros: Felipe Nasr não avançou ao Q2 por pouco. Foi empurrado para a zona de eliminação nos segundos finais do Q1 e terminou com o 17º tempo, se despedindo precocemente, assim como o estreante Esteban Ocon (Manor), o russo Daniil Kvyat (STR) e seu companheiro Marcus Ericsson (Sauber). Já Felipe Massa cravou a melhor volta desta parte da sessão e avançou em primeiro, seguido por Vettel, Raikkonen e Rosberg, o único destes a usar apenas pneus macios, enquanto os demais utilizaram os supermacios.

Q2

Nico Rosberg começou a dar as cartas somente no Q2. Mesmo com pneus macios, o alemão foi o primeiro a baixar da casa de 1m47s, passando para o Q3 na ponta, com 1m46s999. Usando os compostos supermacios, Verstappen, Hulkenberg e Pérez vieram na sequência. Massa se classificou para a superpole em sexto, à frente de Bottas, Vettel e Ricciardo e atrás de Raikkonen. Button conquistou a última vaga. Foram eliminados: Romain Grosjean (Haas), Esteban Gutiérrez (Haas), Jolyon Palmer (Renault), Carlos Sainz (STR) e Pascal Wehrlein (Manor).

Q3

Bottas foi o primeiro a fechar volta no Q3, 1m47s612, tempo ainda alto. Na sequência, Rosberg, Verstappen, Vettel, Pérez e Hulk fizeram melhores tempos e assumiram as primeiras posições. Ricciardo tirou o pé, enquanto Raikkonen escapou da pista e abortou a volta. Massa e Button preferiram ficar nos boxes na metade inicial para poupar pneus.

Em sua primeira volta rápida, Massa não fez um bom tempo e apareceu apenas em oitavo. Nos segundos finais, Ricciardo subiu para terceiro. Mas logo em seguida, Raikkonen e Vettel reagiram e assumiram o terceiro e o quarto postos, respectivamente. Rosberg e Verstappen não melhoraram seus tempos, mas se garantiram na primeira fila do grid. Superado por Bottas e Button, Massa terminou em 10º.[4]

Grid de Largada

Corrida[editar | editar código-fonte]

A apertada curva La Source é sempre um convite a uma largada tumultuada. O pole Rosberg conseguiu escapar na ponta, enquanto Verstappen, que partia em segundo, acabou engolido pela dupla da Ferrari. No entanto, Vettel foi otimista ao contornar a fechada curva, tocou em Raikkonen e acabou rodando. Sem espaço, o finlandês reduziu e acabou sendo tocado também pelo holandês da RBR, que retomou a segunda posição. Quem se aproveitou da confusão foi Massa, que pulou de 10º para 5º, e Grosjean, 11º para 6º. Outro que largou bem foi Nasr, partindo de 16º para 11º. Começando em 21º, Hamilton foi cauteloso e ganhou apenas duas posições. Último no grid, Alonso foi mais ousado e subiu de 22º para 17º.

Com o bico danificado pelo toque em Raikkonen, Verstappen ficou sem rendimento e começou a perder posições. O holandês precisou trocar a peça e voltou no fim do grid. Com um pneu furado pelo toque de Verstappen, Raikkonen também foi para os boxes. Seu carro teve um princípio de incêndio no assoalho e, além disso, os mecânicos tiveram dificuldades para retirar o bico. O finlandês perdeu uma volta e retornou à pista em último. Outro que precisou ir para os boxes por causa de um pneu furado foi Felipe Nasr. Por falar em pneu furado, o composto traseiro esquerdo de Carlos Sainz estourou. O espanhol saiu da pista e rodou ao retornar, por pouco não atingindo Hamilton. Na sequência, a bandagem do pneu começou a destruir a asa traseira, que ficou na perpendicular. Com o carro muito danificado, ele precisou abandonar.

Ainda na primeira volta, Pascal Wehrlein (Manor) acertou a traseira de Jenson Button (McLaren) e os dois deixaram a prova. Companheiro de Nasr na Sauber, Marcus Ericsson, que já havia largado dos boxes, recolheu para a garagem com problemas no carro e foi outro a abandonar. A série de incidentes nas primeiras voltas fez a direção de prova acionar o safety car virtual, onde todos os pilotos precisam respeitar um limite de velocidade. Em 4º, Felipe Massa aproveitou para fazer o primeiro pit stop e se livrar dos pneus supermacios.

Na 6ª volta, Kevin Magnussen perdeu o controle da Renault na desafiadora subida da Eau Rouge e bateu violentamente na barreira de proteção de localizada na saída da curva. O safety car foi acionado, mas os fiscais tiveram dificuldades para reconstruir a proteção de pneus, a bandeira vermelha precisou ser acionada e a corrida ficou paralisada por 20 minutos. O piloto não sofreu ferimentos graves, apenas um corte no tornozelo, e saiu mancando do carro. Ele foi para um hospital próximo ao autódromo para exames. O acidente de Magnussen, aliás, causou grande apreensão.[5]

A corrida foi retomada 20 minutos depois. Contrastando com as primeiras voltas, a relargada, sob safety car, não teve incidentes. Mas a prova logo esquentou novamente. Com o potente carro da Mercedes, Hamilton não teve dificuldades para passar Alonso e subiu para o quarto lugar. Fazendo corridas de recuperação, Raikkonen (15º) e Verstappen (14º) voltaram a se encontrar na pista após o toque na largada. O finlandês tentou passar o holandês por fora na Les Combes, mas foi espalhado e saiu da pista. O Homem de Gelo reclamou pelo rádio.

Uma volta depois, Kimi partiu para cima de Verstappen de novo na Les Combes e recebeu uma fechada de porta questionável do jovem da RBR. “Isso é ridículo!”, recamou.

Após 15 voltas, a classificação era: 1º Rosberg, 2º Ricciardo, 3º Hulkenberg, 4º Hamilton, 5º Alonso, 6º Massa, 7º Pérez, 8º, Kvyat, 9º Vettel e 10º Grosjean. Nasr aparecia em 16º. Com a faca nos dentes, Hamilton partiu para cima de Hulkenberg. E também não perdeu tempo. Colocou de lado na reta oposta e engoliu o alemão da Force India para subir para terceiro. A corrida de Raikkonen seguiu tumultuada. Ao passar Grosjean para assumir o 12º lugar, o finlandês tocou roda a roda com o franco-suíço da Haas.

Hamilton foi para os boxes trocar pneus e colocou um novo jogo de compostos macios. Mas o pit stop acabou sendo mais lento que o normal. Ele retornou à pista em oitavo. Alonso também trocou pneus e saiu no pitlane lado a lado com Hulkenberg. Os dois disputaram posição dentro dos boxes e chegaram a se tocar na saída.

Vettel deu um belo drible em Verstappen para passar o rival na saída do hairpin. Mas o encardido holandês deu o troco após a Eau Rouge e recuperou a 8ª posição. Duas voltas depois, o alemão deu novo bote e, enfim, conseguiu ganhar a colocação.

Líder com imensa margem sobre Ricciardo, Rosberg fez seu pit stop com tranquilidade e retornou com 10s de vantagem para o australiano da RBR. Em nova disputa encarniçada, Pérez e Massa chegam a se tocar e o mexicano leva a melhor, ganhando o 6º lugar. Hamilton fez mais um pit stop e trocou os pneus macios pelos médios e caiu para a quarta colocação, logo atrás de Hulkenberg. Em mais um bom duelo, valendo a 7º lugar, Vettel tentou passar Massa, mas acabou perdendo o ponto de freada da curva. O brasileiro colocou de lado e recuperou a posição. Na volta seguinte, o alemão acertou a manobra e conseguiu a ultrapassagem.

Hamilton rapidamente deixou Hulkenberg para trás e reassumiu o 3º lugar. A missão de alcançar o segundo colocado Ricciardo, porém, era muito difícil. O australiano da RBR estava mais de 15s à frente. Valtteri Bottas ultrapassou Felipe Massa e assumiu a 8ª colocação Com dificuldades para controlar o carro nas voltas finais, Massa também foi superado por Raikkonen e caiu para décimo. Sem se incomodar com o caos que acontecia na prova, Rosberg cruzou a linha de chegada com 14s de vantagem sobre Ricciardo. Hamilton fechou o pódio, a 13s do australiano da RBR.[6]

Resultado da Corrida

Pneus[editar | editar código-fonte]

Compostos de Pneus fornecidos pela Pirelli para a Temporada de 2016 da Fórmula 1[7]
Nome do Composto Cor Banda de Rolamento Condições de Condução Dry Type Aderência Longevidade
Super Macio Neumático F1 Súper blando.png Slick
(P Zero)
Seco Supersoft Mais aderência Menos durável
Macio Neumático F1 Blando.png Slick
(P Zero)
Seco Soft Médio Médio
Médio Neumático F1 Medio.png Slick
(P Zero)
Seco Medium Médio Médio

Resultados[editar | editar código-fonte]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Q1 Q2 Q3 Grid
1 6 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 1:48.019 1:46.999 1:46.744 1
2 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 1:48.407 1:47.163 1:46.893 2
3 7 Finlândia Kimi Raikkonen Ferrari 1:47.912 1:47.664 1:46.910 3
4 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 1:47.802 1:47.944 1:47.108 4
5 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 1:48.407 1:48.027 1:47.216 5
6 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 1:48.106 1:47.485 1:47.407 6
7 27 Alemanha Nico Hulkenberg Force India-Mercedes 1:48.080 1:47.317 1:47.543 7
8 77 Finlândia Valtteri Bottas Williams-Mercedes 1:48.655 1:47.918 1:47.612 8
9 22 Reino Unido Jenson Button McLaren-Honda 1:48.700 1:48.051 1:48.114 9
10 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 1:47.738 1:47.667 1:48.263 10
11 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 1:48.751 1:48.316 11
12 20 Dinamarca Kevin Magnussen Renault 1:48.800 1:48.485 12
13 21 México Esteban Gutierrez Haas-Ferrari 1:48.748 1:48.598 18 4
14 30 Reino Unido Jolyon Palmer Renault 1:48.901 1:48.888 13
15 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Toro Rosso-Ferrari 1:48.876 1:49.038 14
16 94 Alemanha Pascal Wehrlein MRT-Mercedes 1:48.554 1:49.320 15
17 12 Brasil Felipe Nasr Sauber-Ferrari 1:48.949 16
18 31 França Esteban Ocon MRT-Mercedes 1:49.050 17
19 26 Rússia Daniil Kvyat Toro Rosso-Ferrari 1:49.058 19
20 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 1:49.071 20 3
21 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 1:50.033 21 1
Tempo dos 107%: 1:55.279
22 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Honda S/Tempo 22 2
Fonte:[8][9]

↑1 - Lewis Hamilton (Mercedes) perdera 55 posições no grid por troca vários componentes do seu motor na temporada (MGU-H - Sistema de Reaproveitamento de Energia, Turbocompressor, ICE - Combustão Interna, MGU-K - Motor Gerador de Energia Cinética e o Turbo).[10]

↑2 - Fernando Alonso (McLaren) perdera 35 posições no grid por troca vários componentes do seu motor na temporada (MGU-H - Sistema de Reaproveitamento de Energia, ICE - Combustão Interna, MGU-K - Motor Gerador de Energia Cinética, Turbo, Sistema Eletrônico de Controle e Armazenamento de Energia). [11] Mas após falha na classificação faz McLaren trocar de novo motor e amplia punição de Alonso (de 35 para 70 posições do grid), que larga da última posição.[12]

↑3 - Marcus Ericsson (Sauber) perdera 10 posições no grid por troca o turbocompressor na temporada.

↑4 - Esteban Gutiérrez (Haas) perdera 5 posições do grid de largada por atrapalhar o piloto Pascal Wehrlein (MRT) no no terceiro treino livre.[13]

Corrida[editar | editar código-fonte]

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Grid Pontos
1 6 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 44 1:44:51.058 1 25
2 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 44 +14.113 5 18
3 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 44 +27.634 21 15
4 27 Alemanha Nico Hulkenberg Force India-Mercedes 44 +35.907 6 12
5 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 44 +40.660 7 10
6 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 44 +45.394 4 8
7 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Honda 44 +59.445 22 6
8 77 Finlândia Valtteri Bottas Williams-Mercedes 44 +60.151 8 4
9 7 Finlândia Kimi Raikkonen Ferrari 44 +61.109 3 2
10 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 44 +65.873 10 1
11 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 44 +71.138 2
12 21 México Esteban Gutierrez Haas-Ferrari 44 +73.877 18
13 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 44 +76.474 11
14 26 Rússia Daniil Kvyat Toro Rosso-Ferrari 44 +87.097 17
15 30 Reino Unido Jolyon Palmer Renault 44 +93.165 13
16 31 França Esteban Ocon MRT-Mercedes 43 +1 volta 17
17 12 Brasil Felipe Nasr Sauber-Ferrari 43 +1 volta 16
Ret 20 Dinamarca Kevin Magnussen Renault 5 Acidente 12
Ret 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 3 Caixa de Câmbio 20
Ret 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Toro Rosso-Ferrari 1 Punção 14
Ret 22 Reino Unido Jenson Button McLaren-Honda 1 Danos de Colisão 9
Ret 94 Alemanha Pascal Wehrlein MRT-Mercedes 0 Danos de Colisão 15
Fonte:[14][15]

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

Somente as cinco primeiras posições estão incluídas nas tabelas.

Referências

  1. «2016 Formula 1 Belgian Grand Prix» (em inglês). Formula 1.com 
  2. «Sem pagamento, Manor encerra vínculo de Haryanto e anuncia contratação de Ocon para formar dupla com Wehrlein». Grande Prêmio. 10 de Agosto de 2016. Consultado em 10 de Agosto de 2016 
  3. «Hamilton confirma punição com perda de posições no grid por conta da troca de partes do motor na Bélgica». Grande Prêmio. 25 de Agostto de 2016. Consultado em 25 de Agostto de 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  4. «Rosberg faz pole para GP da Bélgica. Punido, Hamilton fica em penúltimo». Globoesporte.com. 27 de Agosto de 2016. Consultado em 27 de Agosto de 2016 
  5. «Acidente forte na Eau Rouge paralisa GP da Bélgica com bandeira vermelha». Globoesporte.com. 28 de Agosto de 2016. Consultado em 28 de Agosto de 2016 
  6. «Nico vence na Bélgica, mas Hamilton vai da última fila ao pódio e segue líder». Globoesporte.com. 28 de Agosto de 2016. Consultado em 28 de Agosto de 2016 
  7. «Pirelli reveals tyre compounds for Belgium and Japan» (em inglês). Formula 1.com. 23 de junho de 2016 
  8. «Rosberg beats Verstappen to Spa pole» (em inglês). Formula 1. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  9. «Qualifying - Belgian» (em inglês). Formula 1. Consultado em 27 de agosto de 2016 
  10. «Hamilton confirms Spa engine penalty» (em inglês). Formula 1.com. 25 de agosto de 2016 
  11. «Alonso and Hamilton set to start from back of Spa grid» (em inglês). Formula 1.com. 26 de agosto de 2016 
  12. «Falha na classificação faz McLaren trocar de novo motor e amplia punição de Alonso, que larga da última posição na Bélgica». Grande Prêmio. 27 de Agosto de 2016. Consultado em 27 de Agosto de 2016 
  13. «Gutierrez penalised for impeding Wehrlein in FP3» (em inglês). Formula 1.com. 27 de agosto de 2016 
  14. «Rosberg wins frenetic Spa race, as Hamilton recovers to third» (em inglês). Formula 1. Consultado em 28 de agosto de 2016 
  15. «2016 FORMULA 1 BELGIAN GRAND PRIX - RACE RESULT» (em inglês). Formula 1. Consultado em 28 de agosto de 2016 
Prova Anterior:
GP da Alemanha de 2016
Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1
Temporada 2016
Próxima Prova:
GP da Itália de 2016

Prova Anterior:
GP da Bélgica de 2015
Grande Prêmio da Bélgica Próxima Prova:
GP da Bélgica de 2017