Grande Prêmio de Singapura de 2016

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde setembro de 2016).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Grande Prêmio de Singapura de F-1 de 2016
Singapore Street Circuit 2015.svg
Grande Prêmio de Singapura de 2016.
Detalhes da corrida
Data 18 de setembro de 2016
Nome oficial 2016 Formula 1 Singapore Airlines Singapore Grand Prix
Local Circuito Urbano de Marina Bay, Singapura
Percurso 5,065 km
Total 61 voltas / 308.828 km
Pole
Piloto
Alemanha Nico Rosberg Mercedes
Tempo 1:42.584
Volta mais rápida
Piloto
Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer
Tempo 1:47.187 (na volta 49)
Pódio
Primeiro
Alemanha Nico Rosberg Mercedes
Segundo
Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer
Terceiro
Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes

Grande Prêmio de Singapura de 2016 (formalmente denominado 2016 Formula 1 Singapore Airlines Singapore Grand Prix) foi a decima quarta etapa da temporada de 2016 da Fórmula 1. Foi disputado no dia 18 de setembro de 2016 no Circuito Urbano de Marina Bay, Singapura.[1]

Essa corrida foi vencida por Nico Rosberg, sendo este Grande Prêmio o número 200 da sua carreira.[2]

Relatório[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

A Venda

Foi confirmada nesta quarta-feira (7) a aquisição da Fórmula 1 pela Liberty Media Corporation. O conglomerado de telecomunicações dos Estados Unidos adquiriu a categoria principal do automobilismo mundial de um consórcio de acionistas liderados pela CVC Capital Partners. O negócio será feito em duas etapas. Neste primeiro momento, a empresa americana comprou 18,7% das ações da CVC por US$ 746 milhões em dinheiro. O restante das ações, que totalizam 35%, passarão para os novos donos apenas primeiro quadrimestre de 2017. A Liberty Media investirá US$ 4,4 bilhões no negócio e assumirá débitos de US$ 4,1 bilhões da F1, em um acordo que totaliza US$ 8,7 bilhões (cerca de R$ 27 bilhões).

A Liberty Media Corporation é um conglomerado de empresas americanas da área das telecomunicações comandada pelo milionário John Malone. A companhia, de sede no estado de Colorado, é uma das donas da Discovery Communications, dos canais de TV DirecTV Sports e Starz, da rádio SiriusXM e possui o time de beisebol Atlanta Braves. A empresa também detém pequenas porções de gigantes como Time Warner e Viacom.

O empresário americano Chase Carey, vice-presidente do estúdio de cinema 21st Century Fox, foi nomeado como Chairman, chefe do conselho de diretores, substituindo Peter Brabeck-Letmathe, que executou a função durante os últimos três anos. Diretor executivo da Fórmula 1 e responsável pelos direitos comerciais da categoria, Bernie Ecclestone segue com as mesmas funções, pelo menos pelos próximos três anos.

Após a conclusão da negociação, a Liberty Media assume controle do Formula One Group, porção de empresas responsáveis pela promoção do campeonato de F1 e pelos direitos comerciais da categoria. A empresa americana anunciou que renomeará o grupo. O consórcio liderado pela CVC continuará com 65% do Formula One Group, terá lugar no conselho de diretores, mas não terá mais o controle do capital votante, perdendo influência nas decisões. Na nova organização, o poder de decisão ficará concentrado nas mãos de Bernie Ecclestone e Chase Carey.[3]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Q1

O Q1 foi marcado pela queda precoce de Sebastian Vettel. Com um grave problema na suspensão, o alemão tirava uma das rodas dianteiras demasiadamente do chão a cada zebra que passava. Na última posição, o tetracampeão precisou recolher para os boxes e os mecânicos não conseguiram consertar o problema a tempo. Também caíram fora: Kevin Magnussen (Renault), Felipe Nasr (Sauber), Jolyon Palmer (Renault), Pascal Wehrlein (Manor) e Esteban Ocon (Manor). O mais veloz na primeira parte do treino foi Ricciardo, com 1m44s255, seguido por Raikkonen, Verstappen, Hamilton, Button, Kvyat e Rosberg. Massa avançou em 13º, Bottas em 15º. Ericsson ficou com a 16ª e última vaga no Q2.

Q2

O Q2 marcou as quedas dos dois pilotos da Williams, Felipe Massa e Valtteri Bottas. Eles estavam no top 10 nos minutos finais quando tiraram o pé em suas últimas tentativas de voltas rápidas por causa de uma bandeira amarela provocada pela batida de Romain Grosjean. Nesse meio tempo, Pérez e Alonso melhoraram seus tempos e empurraram a dupla para a zona de corte. A equipe inglesa reclamou com a direção de prova, afirmando que os pilotos haviam feito suas voltas rápidas sob bandeira amarela, mas não adiantou. Os demais eliminados foram: Jenson Button (McLaren), Esteban Gutiérrez (Haas), Grosjean (Haas) e Marcus Ericsson (Sauber). A Mercedes, com Rosberg e Hamilton, deram as cartas no Q2. A RBR veio a seguir com Ricciardo e Verstappen. A dupla, porém, usou apenas os pneus supermacios, poupando os ultramacios, ao contrário dos rivais da equipe alemã.

Q3

O Q3 atrasou em 10 minutos para a reparação da barreira de proteção, danificada pela batida de Grosjean, e para os comissários analisarem a reclamação da Williams. Nico Hulkenberg e Fernando Alonso foram os primeiros a completarem volta, mas logo foram batidos por Daniel Ricciardo, que anotou 1m43s741. Nico Rosberg veio na sequência e cravou 1m42s584, assumindo a primeira posição. Lewis Hamilton apareceu logo depois e marcou o segundo tempo, 1m43s288, sete décimos mais lento que o companheiro. Kimi Raikkonen foi outro a passar Ricciardo, que caiu para quarto, à frente do parceiro Max Verstappen, o quinto.[4]

Grid de Largada

Corrida[editar | editar código-fonte]

O pole position Nico Rosberg largou com segurança e segurou a ponta, seguido por Ricciardo e Hamilton, que também mantiveram-se em suas posições. Partindo de 4º, Verstappen demorou a arrancar e caiu para 8º, sendo superado por Raikkonen, Alonso, Sainz e Kvyat. Ao desviar da RBR do holandês, o espanhol da STR acabou imprensando e tocando em Hulkenberg, que rodou em plena reta e bateu no muro. Felipe Massa aproveitou a confusão e subiu de 11º para 9º. Nasr ganhou uma posição e foi para 17º. Na confusão da largada, Bottas furou um pneu e Button quebrou a asa dianteira, ambos precisando ir para os boxes.

O acidente de Hulkenberg provocou a entrada do safety car. Após o carro da Force India ser retirado, a corrida foi retomada na 3ª volta. A direção de prova se precipitou e autorizou a relargada enquanto um fiscal tirava detritos da pista, colocando a segurança do funcionário em risco. O homem saiu correndo enquanto os carros se aproximavam em alta velocidade.

Partindo da 21ª e última colocação e de pneus macios (faixa amarela), Vettel vinha escalando o pelotão e, em poucas voltas, já aparecia em 15º. Em 7º, Carlos Sainz recebeu uma bandeira preta e laranja da direção de prova, sendo obrigado a ir aos boxes para retirar um pedaço do defletor lateral de seu carro, que estava pendurado. Em dez voltas, o líder Rosberg abriu 5s de vantagem para Ricciardo que, por sua vez, abriu 2s5 para Hamilton. Em 4º, Raikkonen tentava não perder contado com o britânico da Mercedes. Esteban Ocon foi punido com 5s (possível de ser cumprido após um pit stop) por fazer ultrapassagem durante safety car. Vettel passou Nasr e subiu para 11º. E com o início dos pit stops, na 15ª volta, o alemão entrou na zona de pontuação. Na primeira rodada de pit stops, Rosberg perdeu tempo nos boxes, devido a demora na fixação do pneu direito. Mesmo assim, o alemão se manteve na liderança, seguido por Ricciardo, Hamilton e Raikkonen. As equipes de ponta adotaram estratégias diferentes. Enquanto a dupla da Mercedes trocou os ultramacios (roxos) pelos macios (amarelos), os pilotos da RBR colocaram mais um jogo de supermacios (vermelhos). Raikkonen trocou os ultramacios (roxos) pelos supermacios (vermelhos). Com estratégias diferentes de corridas, Pérez e Vettel não haviam parado nos boxes ainda, e apareciam em quinto e sexto. Massa era o 10º e Nasr, o 12º. Kvyat e Verstappen, que trocaram de equipe no meio da temporada, passaram a protagonizar um duelo de tirar o fôlego. A disputa valia muito mais que a 8ª colocação. Rebaixado da RBR para a STR para dar lugar ao holandês, o russo não queria, de jeito nenhum, deixar seu algoz passá-lo na pista. Verstappen tentou diversas vezes, mas Kvyat fez jogo duro - e limpo - e segurou a posição.

Quinto colocado, Vettel, enfim, parou nos boxes, e retornou exatamente ao lado de Felipe Nasr, o 13º. Os dois fizeram várias curvas lado a lado e o alemão ganhou a posição. Bela briga entre Sainz, Vettel e Gutiérrez pelo 10º lugar. Alemão levou a melhor.

Nono colocado, Massa é um dos primeiros a fazer a segunda parada nos boxes e retorna em 13º, atrás de Nasr. A briga do momento passou a ser entre Gutiérrez, Pérez e Verstappen. Com direito a “drible”, holandês da RBR tomou o 10º lugar do mexicano da Force India.

Com pneus supermacios, Raikkonen se aproximou de Hamilton, que usava compostos macios. O “Homem de Gelo” deu o bote, chegou a tocar rodas com o britânico e ganhou a 3ª colocação.

Na segunda rodada de pist stops, todos os primeiros colocados optaram por pneus macios (faixa amarela), com exceção de Verstappen, que optou pelos supermacios (faixa vermelha). Rosberg manteve-se na ponta, seguido por Ricciardo e Raikkonen. Hamilton foi o último dos quatro a parar e perdeu contato com o finlandês, ficando com 5s de desvantagem. Felipe Massa ultrapassou Esteban Gutiérrez e subiu para 11º. Valtteri Bottas recolheu para a garagem e abandonou. Voltas antes, o finlandês havia precisado ter o cinto de segurança arrumado pelos mecânicos durante o pit stop e caiu para 19º e penúltimo lugar.

Em 4º lugar, Hamilton apertou o ritmo para tentar tirar os 5s de desvantagem para Raikkonen. Com estratégia diferente dos demais, Vettel fez seu segundo pit stop, colocou um novo jogo de pneus supermacios (faixa vermelha) e retornou em sexto. Quinze voltas depois de sua segunda parada, Massa voltou aos boxes e colocou mais um jogo de pneus ultramacios (faixa roxa). Jenson Button recolheu para os boxes e foi mais um a abandonar. Com dificuldades de alcançar Raikkonen, Hamilton optou por um plano B, de três paradas e colocou um jogo de pneus supermacios (faixa vermelha). A mudança de tática da Mercedes forçou a Ferrari a mudar de planos e chamar o finlandês para os boxes. Só que a equipe alemã levou a melhor no jogo de estratégias e Kimi voltou atrás do britânico. Para evitar também ser surpreendido por Hamilton, a RBR também chamou Ricciardo para os boxes para o terceiro pit stop. O australiano colocou um novo jogo de compostos macios e manteve a segunda posição. Com Ricciardo, Hamilton e Raikkonen tendo feito um pit stop a mais, os holofotes se viraram para Rosberg. Com 28s de frente, o líder da prova faria mais uma parada também? A Mercedes chegou a pensar em chamar o alemão para os boxes, mas no fim decidiu mantê-lo na pista. Porém, ele começou a virar 3s mais lento que os rivais e, em poucas voltas, sua vantagem despencou para menos de 20s. Um safety car, a essa hora, significaria que o alemão não teria pneus para segurar os rivais.

Restando sete voltas para o fim, a diferença entre Rosberg e Ricciardo caiu para menos de 10s. A vantagem de Rosberg para Ricciardo continuava caindo. Faltando cinco voltas para o fim, o australiano estava a apenas 5s do alemão. No entanto, o piloto da RBR perdeu tempo com Massa e Gutiérrez, retardatários, o que atrapalhou sua caça ao líder. Ricciardo chegou de vez na última volta. Pressionado, Rosberg não podia cometer um erro senão a vitória lhe escaparia. Mas o alemão manteve a frieza e conseguiu cruzar a linha de chegada com menos de meio segundo de vantagem para o australiano e Hamilton completou o pódio em terceiro.[5]

Resultado da Corrida

Pneus[editar | editar código-fonte]

Compostos de Pneus fornecidos pela Pirelli para a Temporada de 2016 da Fórmula 1[6]
Nome do Composto Cor Banda de Rolamento Condições de Condução Dry Type Aderência Longevidade
Ultra Macio Neumático F1 Ultra blando.png Slick
(P Zero)
Seco Ultrasoft Mais Aderência Menos Durável
Super Macio Neumático F1 Súper blando.png Slick
(P Zero)
Seco Supersoft Mais aderência Menos durável
Macio Neumático F1 Blando.png Slick
(P Zero)
Seco Soft Médio Médio

Resultados[editar | editar código-fonte]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Q1 Q2 Q3 Grid
1 6 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 1:45.316 1:43.020 1:42.584 1
2 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 1:44.255 1:43.933 1:43.115 2
3 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 1:45.167 1:43.471 1:43.288 3
4 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 1:45.036 1:44.112 1:43.328 4
5 7 Finlândia Kimi Raikkonen Ferrari 1:44.964 1:44.159 1:43.540 5
6 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Toro Rosso-Ferrari 1:45.499 1:44.493 1:44.197 6
7 26 Rússia Daniil Kvyat Toro Rosso-Ferrari 1:45.291 1:44.475 1:44.469 7
8 27 Alemanha Nico Hulkenberg Force India-Mercedes 1:46.081 1:44.737 1:44.479 8
9 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Honda 1:45.373 1:44.653 1:44.553 9
10 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 1:45.204 1:44.703 1:44.582 18 1
11 77 Finlândia Valtteri Bottas Williams-Mercedes 1:46.086 1:44.740 10
12 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 1:46.056 1:44.991 11
13 22 Reino Unido Jenson Button McLaren-Honda 1:45.262 1:45.144 12
14 21 México Esteban Gutierrez Haas-Ferrari 1:45.465 1:45.593 13
15 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 1:45.609 1:45.723 20 2
16 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 1:46.427 1:47.827 14
17 20 Dinamarca Kevin Magnussen Renault 1:46.825 15
18 12 Brasil Felipe Nasr Sauber-Ferrari 1:46.860 16
19 30 Reino Unido Jolyon Palmer Renault 1:46.960 17
20 94 Alemanha Pascal Wehrlein MRT-Mercedes 1:47.667 19
21 31 França Esteban Ocon MRT-Mercedes 1:48.296 21
22 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 1:49.116 22
Tempo dos 107%: 1:51.552
Fonte:[7][8]
Notas

↑1 - Sergio Pérez (Force India) perdera oito posições no grid por ignorar duas bandeiras amarelas.[9]

↑2 - Romain Grosjean (Haas) perdera cinco posições no grid por troca de caixa de câmbio. [10]

↑3 - Sebastian Vettel (Ferrari) perdera 25 posições no grid por uma nova troca de caixa de câmbio, motor e elementos associados no carro.

Corrida[editar | editar código-fonte]

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Grid Pontos
1 6 Alemanha Nico Rosberg Mercedes 61 1:55:48.950 1 25
2 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 61 +0.488 2 18
3 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 61 +8.038 3 15
4 7 Finlândia Kimi Raikkonen Ferrari 61 +10.219 4 12
5 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 61 +27.694 22 10
6 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 61 +1:11.197 4 8
7 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Honda 61 +1:29.198 9 6
8 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 61 +1:51.062 10 4
9 26 Rússia Daniil Kvyat Toro Rosso-Ferrari 61 +1:51.557 7 2
10 20 Dinamarca Kevin Magnussen Renault 61 +1:59.952 16 1
11 21 México Esteban Gutierrez Haas-Ferrari 60 +1 volta 13
12 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 60 +1 volta 11
13 12 Brasil Felipe Nasr Sauber-Ferrari 60 +1 volta 16
14 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Toro Rosso-Ferrari 60 +1 volta 6
15 30 Reino Unido Jolyon Palmer Renault 60 +1 volta 18
16 94 Alemanha Pascal Wehrlein MRT-Mercedes 60 +1 volta 19
17 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 60 +1 volta 14
18 31 França Esteban Ocon MRT-Mercedes 59 +2 voltas 21
Ret 22 Reino Unido Jenson Button McLaren-Honda 43 Freio 12
Ret 77 Finlândia Valtteri Bottas Williams-Mercedes 35 Superaquecimento 10
Ret 27 Alemanha Nico Hulkenberg Force India-Mercedes 0 Colisão 8
NL 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 0 Não Largou 15
Fonte:[11][12]

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

Somente as cinco primeiras posições estão incluídas nas tabelas.

Referências

  1. «2016 Formula 1 Singapore Airlines Singapore Grand Prix» (em inglês). Formula 1.com 
  2. «200 up - the illustrious club Rosberg is set to join» (em inglês). Formula 1.com. 15 de Setembro de 2016 
  3. «Venda da Fórmula 1 para o grupo americano Liberty Media é confirmada». Globoesporte.com. 07 de Setembro de 2016. Consultado em 07 de Setembro de 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  4. «Rosberg sobra e é pole em Cingapura. Ricciardo toma o 2º lugar de Hamilton». Globoesporte.com. 17 de Setembro de 2016. Consultado em 17 de Setembro de 2016 
  5. «Ricciardo ameaça, mas Nico vence em Cingapura e tira Hamilton da liderança». Globoesporte.com. 18 de Setembro de 2016. Consultado em 18 de Setembro de 2016 
  6. «Ultrasoft tyres confirmed for Singapore» (em inglês). Formula 1.com. 2 de junho de 2016 
  7. «Rosberg storms to Singapore pole, Vettel to start last» (em inglês). Formula 1. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  8. «Qualifying - Singapore» (em inglês). Formula 1. Consultado em 17 de setembro de 2016 
  9. «Perez handed grid drop for yellow flag offences» (em inglês). Formula 1. Consultado em 03 de setembro de 2016  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  10. «Gearbox penalty drops Grosjean five grid places» (em inglês). Formula 1. Consultado em 18 de setembro de 2016 
  11. «Rosberg beats Ricciardo in Singapore to retake title lead» (em inglês). Formula 1. Consultado em 18 de setembro de 2016 
  12. «2016 FORMULA 1 SINGAPORE AIRLINES SINGAPORE GRAND PRIX - RACE RESULT» (em inglês). Formula 1. Consultado em 18 de setembro de 2016 
Prova Anterior:
GP da Itália de 2016
Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1
Temporada 2016
Próxima Prova:
GP da Malásia de 2016

Prova Anterior:
GP de Singapura de 2015
Grande Prêmio de Singapura Próxima Prova:
GP de Singapura de 2017