Grande Prêmio do México de 2017

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grande Prêmio do México de F-1 2017
Autódromo Hermanos Rodríguez 2015.svg
Grande Prêmio do México de 2017.
Detalhes da corrida
Data 29 de outubro de 2017
Nome oficial Formula 1 Gran Premio de México 2017
Local Autódromo Hermanos Rodríguez, Cidade do México, México
Percurso 4.304 km
Total 71 voltas / 305.354 km
Pole
Piloto
Alemanha Sebastian Vettel Ferrari
Tempo 1:16.488
Volta mais rápida
Piloto
Alemanha Sebastian Vettel Ferrari
Tempo 1:18.785 (na volta 68)
Pódio
Primeiro
Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer
Segundo
Finlândia Valtteri Bottas Mercedes
Terceiro
Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari

Grande Prêmio do México de 2017 (formalmente denominado Formula 1 Gran Premio de México 2017) é a décima oitava etapa da temporada de 2017 da Fórmula 1. Foi disputada em 29 de outubro de 2017 no Autódromo Hermanos Rodríguez, Cidade do México, México.[1]

Relatório[editar | editar código-fonte]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Q1

Treino classificatório iniciado, e vantagem para a dupla da Mercedes, sendo Hamilton o primeiro com 1m17s518, seguido de Bottas, apenas 0s060 atrás do companheiro de equipe. Líder da primeira sessão, Verstappen fechou em terceiro com a RBR, enquanto o tetracampeão Vettel foi o quarto na Ferrari #5. Repetindo o bom desempenho dos treinos livres, Alonso fechou o Q1 em uma excelente quinta colocação no cockpit da McLaren. Com problemas no carro, Gasly sequer saiu dos boxes, e largará em último com a STR.

Eliminados:

Q2

Pela primeira vez no Q2, Hartley teve que abandonar a segunda parte do treino graças a uma quebra do motor na STR. Na parte de cima da classificação, Verstappen pulverizou o recorde da pista com uma volta em 1m16s524, colocando a RBR #33 na primeira colocação. Na briga pelo título, Vettel foi o segundo, 0s346 atrás do holandês, com Hamilton na cola, em terceiro. Em uma final de semana ruim, a Williams não conseguiu colocar nenhum dos pilotos no Q3, sendo Massa o 11º e Stroll o 12º. Já a dupla da McLaren sequer saiu dos boxes.

Eliminados:

Q3

Verstappen tratou de iniciar a última fase do treino dando as cartas: 1m16s574. Atrás dele, Vettel com 1m16s833, seguido de Hamilton. O alemão da Ferrari, porém não quis deixar passar a oportunidade de largar na frente do rival inglês, e voou na última volta rápida para anotar a pole position no México com 1m16s488. O holandês da RBR manteve a segunda colocação, enquanto o líder do campeonato sairá em terceiro. Na briga interna da Renault, melhor para Hulkenberg que fechou em oitavo, uma posição à frente do companheiro de equipe Sainz, o nono.

Grid de Largada

Corrida[editar | editar código-fonte]

A decisão do título em favor de Hamilton começou empolgante. Poucas curvas após a largada, Max Verstappen conseguiu tomar a ponta de Sebastian Vettel após leve toque do piloto da Ferrari. Lewis tentou passar o alemão, que não cedeu, e os dois tocaram. Seb teve a asa dianteira avariada, enquanto o britânico teve o pneu traseiro furado. Os dois postulantes ao título foram aos boxes e despencaram para a última posição. Os incidentes foram considerados de corrida, não sendo necessária qualquer investigação. Cenário perfeito para Verstappen, na dianteira da prova.

Tanto Vettel como Hamilton trocaram pneus após a parada nos boxes, mudando os ultramacios para os macios, talvez indicando uma estratégia diferente. Lá na frente, Bottas vinha em segundo, seguido por Esteban Ocon, Nico Hülkenberg, Sergio Pérez e Felipe Massa. Daniel Ricciardo, que largou em 16º, já estava em oitavo após tantas confusões. Com forte ritmo de prova, Verstappen já abria vantagem confortável para Bottas e vinha bem na frente. Em contrapartida, Ricciardo encerrava de forma melancólica um fim de semana que lhe parecia muito bom, abandonando a prova ainda no começo. Pouco antes, pilotos como Massa — após um problema no seu pneu, identificado pela Williams — e Sainz também entravam nos boxes para fazer suas respectivas paradas, colocando pneus macios. A grande surpresa era a presença de Marcus Ericsson em nono.

Na volta 13, Massa vendeu caro a 15ª posição para Vettel, que fez a ultrapassagem após quase tocar no carro do brasileiro. O tetracampeão se irritou e disse que Felipe o jogou pra fora da pista. Ainda assim, Seb conseguiu ganhar a posição, enquanto Hamilton continuava no fundo do pelotão, em 19º e último. Instantes depois, Romain Grosjean sofria uma punição de 5s por ter excedido os limites da pista. Enquanto Verstappen sobrava na frente, Vettel continuava abrindo caminho lá atrás e subia para 13º após passar Grosjean no fim da reta dos boxes. Até que, na volta 19, todo o público se levantou e, com os punhos cerrados, lembrou as vítimas na tragédia ocorrida no último dia 19 de setembro com o terremoto em várias cidades ao redor do país. Sem dúvidas, o momento mais tocante de todo o domingo.

Ocon, que vinha bem na prova em terceiro lugar, entrava nos boxes para efetuar sua troca de pneus, com a Force India colocando os pneus macios para ir até o fim. Em seguida, a prova teve um momento dos mais curiosos do ano: Hamilton estava logo à frente de Verstappen como retardatário. A direção de prova cumpriu a regra e acenou bandeira azul ao virtual tetracampeão, pedindo que ele abrisse passagem ao holandês. A última vez que tal situação ocorreu foi no GP da Espanha de 2013, também o último vencido por Fernando Alonso na F1. Lewis seguia na última posição e não conseguia passar Sainz, o 18º. Mesmo com a falta de ritmo de Hamilton e Vettel escalando o pelotão, havia apenas uma chance ao alemão: terminar a prova pelo menos em segundo lugar. Caso finalizasse em terceiro, Lewis teria tudo definido no México. Quem também tinha tudo definido era Nico Hülkenberg, que abandonava a prova na volta 27 por conta de um problema elétrico na sua Renault. Eis que finalmente, na volta seguinte, Hamilton conseguia passar Sainz e subia para 18º. Muito longe de Vettel, que já estava em décimo. Porém, cada vez mais perto do título, considerando que Seb precisava ganhar ainda uma infinidade de posições. O alemão subia para oitavo três voltas depois ao conseguir passar Stoffel Vandoorne e Fernando Alonso.

Na volta 32, outro motor Renault abria o bico no fim de semana. Brendon Hartley ficava novamente no caminho com sua Toro Rosso. Como parou numa posição perigosa, a direção de prova acionou o safety-car virtual, o que levou todo mundo a ir para os boxes. Hamilton resolveu trocar os macios pelos supermacios. Vettel ousou e arriscou com os ultramacios. Restavam ainda 37 voltas para o fim da prova.

Verstappen continuava soberano na frente, com Bottas em segundo e Räikkönen em terceiro. Vettel, a quem só interessava terminar pelo menos em segundo, vinha em oitavo, enquanto Hamilton era o 15º. Massa surgia em décimo. Poucos avanços entre os dois postulantes ao título a partir da volta 40. Vettel ocupava a sétima posição, bem atrás do ídolo local Sergio Pérez. Hamilton vinha tranquilo, em 13º lugar, só esperando pelo momento da consagração.

Na volta 51, Vettel passava 'Checo' Pérez para tomar o sexto lugar, ficando atrás de Lance Stroll, o anniversariante do dia — que, diga-se, fazia uma grande corrida. Ocon, em quarto, estava bem mais à frente. O mexicano arriscou e entrou nos boxes para fazer nova parada e colocar pneus ultramacios para seu stint final, enquanto Hamilton aparecia em 12º, sem se arriscar, logo atrás da McLaren de Vandoorne e da Williams de Massa. Mas não demorou muito para Lewis entrar na zona de pontuação e fazer as duas ultrapassagens para subir ao décimo lugar. Vettel também abria caminho e chegava ao quarto lugar na volta 58, com Räikkönen à frente, 24s031 faltando 11 voltas para o fim. Ao ser informado pela Ferrari sobre a diferença para Ferrari, Vettel brincou: "Mamma mia!".

Nas voltas finais, Hamilton só escoltava Alonso, nono colocado, e Kevin Magnussen, oitavo. Se bem que Lewis tentou passar seu primeiro grande rival na F1. Foi um duelo empolgante entre dois dos grandes nomes da história do esporte. O britânico fez a ultrapassagem na raça e subiu para nono lugar. Um brilho final em uma jornada com drama e emoção para confirmar o tetracampeonato duas voltas depois.

Resultado da corrida

Pneus[editar | editar código-fonte]

Os compostos de pneus fornecidos pela Pirelli para este Grande Prêmio[2]
Nome do composto Cor Banda de rolamento Condições de Tempo Dry Type Aderência Longevidade
Ultra Macio Neumático F1 Ultra blando.png Slick
(P Zero)
Seco Ultrasoft Mais aderência Menos durável
Super Macio Neumático F1 Súper blando.png Slick
(P Zero)
Seco Supersoft Mais aderência Menos durável
Macio Neumático F1 Blando.png Slick
(P Zero)
Seco Soft Médio Médio

Resultados[editar | editar código-fonte]

Treino Classificatório[editar | editar código-fonte]

Pos. Piloto Construtor Q1 Q2 Q3 Grid
1 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 1:17.665 1:16.870 1:16.488 1
2 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 1:17.630 1:16.524 1:16.574 2
3 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 1:17.518 1:17.035 1:16.934 3
4 77 Finlândia Valtteri Bottas Mercedes 1:17.578 1:17.161 1:16.958 4
5 7 Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari 1:18.148 1:17.534 1:17.238 5
6 31 França Esteban Ocon Force India-Mercedes 1:18.336 1:17.827 1:17.437 6
7 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 1:18.208 1:17.631 1:17.447 165
8 27 Alemanha Nico Hülkenberg Renault 1:18.322 1:17.792 1:17.433 7
9 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Renault 1:18.405 1:17.753 1:17.794 8
10 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 1:18.020 1:17.868 1:17.807 9
11 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 1:18.570 1:18.099 10
12 18 Canadá Lance Stroll Williams-Mercedes 1:18.902 1:19.159 11
13 28 Nova Zelândia Brendon Hartley Toro Rosso-Renault 1:18.683 S/Tempo 176
14 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Honda 1:17.170 S/Tempo 183
15 2 Bélgica Stoffel Vandoorne McLaren-Honda 1:18.578 S/Tempo 192
16 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 1:19.176 12
17 94 Alemanha Pascal Wehrlein Sauber-Ferrari 1:19.333 13
18 20 Dinamarca Kevin Magnussen Haas-Ferrari 1:19.443 14
19 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 1:19.473 15
Tempo dos 107%: 1:22.944
20 10 França Pierre Gasly Toro Rosso-Renault S/Tempo 2014
Fonte:[3]
Notas

↑1 - Pierre Gasly (Toro Rosso) não conseguiu definir o tempo, dentro do requisito de 107%, mas recebeu a permissão dos comissários de correr na prova.

↑2 - Stoffel Vandoorne (McLaren) perdeu 35 posições do grid por uso adicional de um elemento da unidade de potência.

↑3 - Fernando Alonso (McLaren) perdeu 20 posições do grid por uso adicional de um elemento da unidade de potência.

↑4 - Pierre Gasly (Toro Rosso) perdeu 15 posições do grid por uso adicional de um elemento da unidade de potência.

↑5 - Daniel Ricciardo (Red Bull) perdeu 20 posições do grid por uso adicional de um elemento da unidade de potência.

↑6 - Brendon Hartley (Toro Rosso) perdeu 20 posições do grid por uso adicional de um elemento da unidade de potência.

Corrida[editar | editar código-fonte]

Pos. Nu. Piloto Construtor Voltas Tempo/Retirado Grid Pontos
1 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 71 1:36:26.552 2 25
2 77 Finlândia Valtteri Bottas Mercedes 71 +19.678 4 18
3 7 Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari 71 +54.007 5 15
4 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 71 +1:10.078 1 12
5 31 França Esteban Ocon Force India-Mercedes 70 +1 Volta 6 10
6 18 Canadá Lance Stroll Williams-Mercedes 70 +1 Volta 11 8
7 11 México Sergio Pérez Force India-Mercedes 70 +1 Volta 9 6
8 20 Dinamarca Kevin Magnussen Haas-Ferrari 70 +1 Volta 14 4
9 44 Reino Unido Lewis Hamilton Mercedes 70 +1 Volta 3 2
10 14 Espanha Fernando Alonso McLaren-Honda 70 +1 Volta 18 1
11 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 70 +1 Volta 10
12 2 Bélgica Stoffel Vandoorne McLaren-Honda 70 +1 Volta 19
13 10 França Pierre Gasly Toro Rosso-Renault 70 +1 Volta 20
14 94 Alemanha Pascal Wehrlein Sauber-Ferrari 69 +2 Voltas 13
15 8 França Romain Grosjean Haas-Ferrari 69 +2 Voltas 15
Ret 55 Espanha Carlos Sainz Jr. Renault 59 8
Ret 9 Suécia Marcus Ericsson Sauber-Ferrari 55 12
Ret 28 Nova Zelândia Brendon Hartley Toro Rosso-Renault 30 17
Ret 27 Alemanha Nico Hülkenberg Renault 24 7
Ret 3 Austrália Daniel Ricciardo Red Bull-TAG Heuer 5 16
Fonte:

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

Voltas na Liderança[editar | editar código-fonte]

Nº de Voltas Piloto Voltas
71 Países Baixos Max Verstappen (1-71)

2017 DHL Fastest Pit Stop Award[editar | editar código-fonte]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Pos. Nu. Piloto Construtor Tempo Pontos
1 77 Finlândia Valtteri Bottas Mercedes 2.19 25
2 18 Canadá Lance Stroll Williams-Mercedes 2.21 18
3 19 Brasil Felipe Massa Williams-Mercedes 2.45 15
4 7 Finlândia Kimi Räikkönen Ferrari 2.68 12
5 10 França Pierre Gasly Toro Rosso-Renault 2.70 10
6 5 Alemanha Sebastian Vettel Ferrari 2.75 8
7 33 Países Baixos Max Verstappen Red Bull-TAG Heuer 2.75 6
8 31 França Esteban Ocon Force India-Mercedes 2.77 4
9 55 Espanha Carlos Sainz Renault 2.84 2
10 20 Dinamarca Kevin Magnussen Haas-Ferrari 2.87 1
Fonte: [4]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Tabela do campeonato após a corrida[editar | editar código-fonte]

Somente as cinco primeiras posições estão incluídas nas tabelas.

Campeão
Vice-Campeão
3º Colocado


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons

Referências

  1. «Formula 1 Gran Premio de México 2017» (em inglês). Formula 1.com 
  2. «Pirelli announces compound choices and mandatory sets for the 2017 Mexico Grand Prix» (em inglês). Pirelli.com. 13 de julho de 2017 
  3. «Results - Qualifying» (em inglês). Fórmula 1. 28 de outubro de 2017. Consultado em 28 de outubro de 2017 
  4. «2017 DHL Fastest Pit Stop Award» (em inglês). Formula1.com. 26 de março de 2017 
Prova Anterior:
GP dos Estados Unidos de 2017
Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1
Temporada 2017
Próxima Prova:
GP do Brasil de 2017

Prova Anterior:
GP do México de 2016
Grande Prêmio do México Próxima Prova:
GP do México de 2018