Gurue (distrito)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Gurué (distrito))
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
localização do distrito do Gurué em Moçambique

Gurue[1] (alternativamente também Gurué, Gúruè ou Gurúè e oficialmente em Moçambique Guruè[2]) é um distrito da província da Zambézia, em Moçambique, com sede na cidade de Gurue. Tem limite a norte com o distrito de Malema da província de Nampula, a noroeste com o distrito de Cuamba da província de Niassa, a sudoeste com o distrito de Milange, a sul com os distritos de Namarroi e Ile e a leste com o distrito de Alto Molócue.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o Censo indicou uma população de 297 935 residentes. Com uma área de 5606  km², a densidade populacional rondava os 53,15 habitantes por km².[3]

De acordo com o Censo de 1997, o distrito tinha 197 179 habitantes, daqui resultando uma densidade populacional de 35,2 habitantes por km².

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do Gurue é considerado temperado. Os verões têm temperaturas entre os 30  °C e 40 °C. Os invernos têm temperaturas na ordem de 17 °C a 20 °C. Tal como para os climas tropicais, consideram-se somente duas estações: a época das chuvas para a estação mais quente e a época seca para a estação mais fria.

Divisão administrativa[editar | editar código-fonte]

O distrito está dividido em dois postos administrativos (Lioma e Mepuagiua), compostos pelas seguintes localidades:

De notar que em 1998 a cidade de Gurue, até então uma divisão administrativa que compreendia vários postos administrativos, foi elevada à categoria de município.

A localidade de Tetete foi transferida para o distrito de Molumbo em 2013.[4]


Economia[editar | editar código-fonte]

A economia do Gurue depende principalmente, 90%, das plantações de chá, mas também se podem encontrar plantações de outros tipos: café, fruta, etc.

Espécies animais[editar | editar código-fonte]

Em 1998, uma expedição de ornitologia ao Gurue redescobriu a única espécie endémica do país, o Namuli Apalis, um pássaro que não era visto desde a sua descoberta em 1932. Sabe-se agora que existe em grande quantidade destas aves nas florestas daquela zona.

De acordo com uma expedição científíca recente da Cidade do Cabo "numa terra de tantos tesouros nacionais, o Monte Namuli, uma elevação próxima do Gurue, com 2419 m e a segunda montanha mais alta em Moçambique, é a jóia da corôa" e "um sítio de alta prioridade para observação de pássaros em África".[carece de fontes?]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Paulo, Correia; Mendes, Jorge Madeira (Outono de 2017). «Notas sobre povos, línguas, topónimos e ortografia de Moçambique» (PDF). Bruxelas: a folha — Boletim da língua portuguesa nas instituições europeias. p. 33. ISSN 1830-7809. Consultado em 15 de setembro de 2020 
  2. Lei 26/2013, de 18 de Dezembro, Artigo 3 (Distritos por província), Boletim da República, 1ª Série, Número 101
  3. Instituto Nacional de Estatística Acesso 2011 outubro 1
  4. Lei nº 28/2013, publicada no Boletim da República nº 101, I Série, de 18 de Dezembro de 2013, pág. 1062
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Moçambique, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.