Instituto Ludwig von Mises Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
IMB
IMBlogo2015.png
Razão social Instituto Ludwig von Mises Brasil
Tipo Organização não governamental
Fundação novembro de 2007
Fundador(es) Helio Coutinho Beltrão
Sede Itaim Bibi, São Paulo
Presidente Helio Coutinho Beltrão
Pessoas-chave Ubiratan Jorge Iorio; Fabio Barbieri; Bruno Garschagen; Rodrigo Saraiva Marinho; Fernando Ulrich; Geanluca Lorenzon.
Website oficial mises.org.br

Instituto Ludwig von Mises Brasil,[1] simplesmente Instituto Mises Brasil,[2] ou abreviado IMB,[1] é um think-tank[3] libertário[4][5][6] brasileiro voltado à "produção e à disseminação de estudos econômicos e de ciências sociais que promovam os princípios de livre mercado e de uma sociedade livre".[7] Segundo a revista Forbes,[8][9] seria um think tank destinado a advogar a adoção do liberalismo econômico no mundo.

Oficialmente o instituto possui como método de ação a divulgação do pensamento da Escola Austríaca, à qual pertence o economista Ludwig von Mises, que lhe dá nome. No entanto, alguns apontam que o instituto tende a "uma perspectiva mais radical" das ideias liberais, "tendendo mais para as ideias do filósofo anarco-capitalista americano Murray Rothbard do que propriamente para a obra do economista austríaco que dá nome à instituição".[10]

Apesar da existência do Instituto Ludwig von Mises nos Estados Unidos, o IMB não está subordinado a ele. Em fevereiro de 2016, o Instituto Mises Brasil foi considerado pelo segundo ano seguido pela Forbes como o think-tank liberal de maior influência digital do mundo fora dos EUA.[11]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O IMB é sediado em São Paulo, no Itaim Bibi.[1] A estrutura é formada por dois conselhos soberanos, sendo um de Administração e um Fiscal, sendo que aquele elege a Diretoria.[7] A Diretoria é presidida por Helio Coutinho Beltrão.[12]

Eventos[editar | editar código-fonte]

I Conferência de Escola Austríaca (2010)[editar | editar código-fonte]

Em 2010, o IMB organizou o I Seminário de Economia Austríaca. As palestras ocorreram nos dias 11 e 12 de abril, em Porto Alegre.[13] Entre os palestrantes havia economistas estrangeiros, tais como Lew Rockwell, Joseph Salerno, Mark Thornton e Thomas Woods, além de David Friedman (filho de Milton Friedman) e Patri Friedman, filho de David. Entre os representantes brasileiros encontravam-se Ubiratan Iorio, Rodrigo Constantino, Fábio Barbieri e Antony Mueller.[14] A mídia classificou o seminário como "uma visão ainda mais liberal"[15] e uma "defesa do ultraliberalismo".[16]

II Conferência de Escola Austríaca (2011)[editar | editar código-fonte]

O II Seminário de Economia Austríaca ocorreu em abril de 2011, também na cidade de Porto Alegre, tendo como figura principal o pensador libertário norte-americano Hans-Hermann Hoppe.

III Conferência de Escola Austríaca (2012)[editar | editar código-fonte]

O III Seminário de Economia Austríaca ocorreu nos dias 12 e 13 de maio de 2012 na cidade de São Paulo, no prédio da Fecomércio. O evento foi renomeado para Conferência da Escola Austríaca pelos seus organizadores. Importantes figuras internacionais participaram do evento, como Peter Schiff e Walter Block.[17]

IV Conferência de Escola Austríaca (2014)[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 2014, o Instituto trouxe ao Brasil o ex-candidato republicano Ron Paul, para sua Conferência Bianual de Escola Austríaca.[18]

V Conferência de Escola Austríaca (2017)[editar | editar código-fonte]

Durante o Fórum da Liberdade de 2016, promovido pelo IEE, o Presidente Helio Marcos Coutinho Beltrão anunciou a realização V Conferência de Escola Austríaca, prevista para o primeiro semestre de 2017.[19]

Ensino[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2016, o novo COO do Instituto, Geanluca Lorenzon, anunciou publicamente que o novo foco estratégico do Instituto seria educação e atuação acadêmica.[20] Desde então o Instituto lançou um curso de pós-graduação em Escola Austríaca, cursos de extensão e um Summer School ao estilo norte-americano. O Presidente do Instituto, Helio Marcos Coutinho Beltrão, mencionou em mais de uma possibilidade a intenção de um dia ver o IMB se tornar uma Universidade.

Pós-Graduação em Escola Austríaca[editar | editar código-fonte]

Em março de 2016 teve início a primeira turma de Pós-Graduação em Escola Austríaca do Instituto Mises Brasil.[21]

Cursos de Extensão[editar | editar código-fonte]

O Instituto Mises Brasil já realizou duas edições do Curso de Extensão em Ação Empresarial e Investimentos sob a Escola Austríaca em parceria com o Mackenzie, em São Paulo.[22] O curso foi anunciado também para a cidade do Rio de Janeiro para uma edição em 2017, em parceria com o Ibmec.

Em 2011 ocorreu o 1º Curso de Escola Austríaca do Brasil, com aulas ministradas na UERJ. Entre os professores estavam Ubiratan Iorio, Hélio Beltrão Filho, André Azevedo Alves e Alex Catharino.

Summer School Mises Brasil[editar | editar código-fonte]

Mises Brasil Summer School é um projeto do Instituto Mises Brasil que consiste em um seminário de 4 (quatro) dias de duração, com aulas e discussões em grupo sob a luz da Escola Austríaca, realizado na cidade de Espírito Santo do Pinhal.[23]

Revista Acadêmica[editar | editar código-fonte]

MISES: Revista Interdisciplinar de Filosofia, Direito e Economia (ISSN 2318-0811) é um periódico que tem por objetivo introduzir no debate acadêmico, em linguagem apropriada, as importantes reflexões de autores clássicos da Escola Austríaca.[24] De acordo com o Instituto, a revista é uma publicação científica interdisciplinar do Instituto Ludwig von Mises Brasil, estritamente acadêmica e com periodicidade semestral.[25] A revista encontra-se em sua sexta edição.[26]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Lançamentos Principais[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Oferecidos[editar | editar código-fonte]

Em 2009, foi criado o I Prêmio IMB de artigos. As premiaçãos foram cursos promovidos pelo Mises Institute. As categorias de premiação foram: Melhor Artigo e Maior Contribuição, ganhadas respectivamente por Joel Pinheiro da Fonseca e Juliano Torres[27].

Recebidos[editar | editar código-fonte]

Durante o XXIII Fórum da Liberdade, foi entregue o Prêmio Libertas para o presidente do Instituto Ludwig von Mises Brasil, Hélio Beltrão Filho[28].

Posicionamento Político[editar | editar código-fonte]

O Instituto nega oficialmente ter qualquer posicionamento político, rejeitando o pensamento tanto de direita quanto de esquerda. [29] De qualquer forma, uma parte da imprensa o identifica com um posicionamento político de direita, seja por conta de seu posicionamento em relação à defesa do liberalismo econômico, seja porque grande parte de defensores do pensamento político da direita brasileira tem alguma admiração, seja pelo Instituto, seja pela figura do homem que inspirou seu nome. [30][31][32][33]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Disputa pela marca Mises Brasil[editar | editar código-fonte]

Atualmente a marca Mises Brasil está em disputa entre os atuais mantenedores do Instituto e um grupo de fundadores discordantes da atuação daqueles. A marca aguarda registro junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial[34] e um endereço alternativo aponta para o suposto novo site do Instituto[35][36][37][38] que publicou nota sobre a mudança na diretoria do Instituto[39]. A diretoria do Instituto, em nota, nega a mudanças proclamadas[40][41].

Disputa com fundadores[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2016, o ex-diretor, Fernando Fiori Chiocca, processou o Instituto Mises Brasil com o fim de se distanciar da nova atuação imposta pela administração do Presidente após sua saída no final de 2014.[42] Fernando Chiocca, junto com seus irmãos, fundou após sair do IMB o Instituto Rothbard Brasil.[43]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Dados de Empresa» 
  2. «A refutação definitiva de Mises ao historicismo marxista» 
  3. Chafuen, Alejandro. «Ludwig von Mises: Inspiring Think Tanks Across The Globe». Forbes 
  4. «Em defesa do Ultraliberal». Mises Brasil. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  5. MAMIGONIAN, BEATRIZ G (2016). HISTORIADORES PELA DEMOCRACIA. [S.l.]: ALAMEDA. 265 páginas 
  6. «Negócios e Carreira - NOTÍCIAS - Em defesa do ultraliberalismo». revistaepoca.globo.com. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  7. a b IMB - Sobre nós
  8. «Ludwig von Mises: Inspiring Think Tanks Across The Globe». Consultado em 26 de abril de 2015 
  9. «Publicação norte-americana cita Instituto Millenium como um dos mais relevantes think tanks da América Latina». Consultado em 26 de abril de 2015 
  10. OSTERMAN, F. M.. OS LIBERAIS E O ESPECTRO POLÍTICO UNIDIMENSIONAL: DIREITA, ESQUERDA OU ALGO MAIS? Dissertação de mestrado (Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. PUC-RS: Porto Alegre, 2014. p. 53. Disponível em: <http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/7555/3/474518%20-%20Texto%20Completo.pdf>. Acesso em: set. 2016.
  11. Chafuen, Alejandro. «Free Market Think Tanks: 2016 Website And Social Media Leaders». Forbes 
  12. «Autor: Helio Beltrão» 
  13. Seminário EA
  14. Idem.
  15. Blog Reinaldo Azevedo - Veja
  16. Época - negócios & carreira
  17. Conferência da Escola Austríaca - Site
  18. «Estranho no ninho: um repórter de Opera Mundi no encontro ultraliberal de Ron Paul e Danilo Gentili» 
  19. «AO VIVO do Fórum da Liberdade, nossa... - Instituto Mises Brasil | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  20. «Première Mises Brasil». Mises Brasil. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  21. «Pós-Graduação em Escola Austríaca | Mises Brasil - PGEA». www.pgea.com.br. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  22. «Curso de Extensão em Ação Empresarial e Investimentos». Mises Brasil. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  23. «Mises Brasil». www.mises.org.br. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  24. «Mises Brasil». www.mises.org.br. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  25. «Revista Mises». www.revistamises.org.br. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  26. «EDIÇÃO ATUAL | Revista Mises». revistamisesteste.limaochu.com.br (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  27. Instituto Mises Brasil divulga o resultado do I Prêmio IMB
  28. XXIII Fórum da Liberdade inicia com defesa do capitalismo
  29. «Nem esquerda, nem direita». Consultado em 26 de abril de 2015 
  30. «Vanguarda popular: a direita sai do armário (com roupas de esquerda)». Consultado em 26 de abril de 2015 
  31. «A direita está na moda?». Consultado em 26 de abril de 2015 
  32. «Quando a direita reage nas universidades...». Consultado em 26 de abril de 2015 
  33. «Mises, o teórico da nova direita redescoberto nas manifestações». Consultado em 26 de abril de 2015 
  34. Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (03 de Setembro de 2015). «Consulta à Base de Dados do INPI». Instituto Nacional da Propriedade Intelectual. Consultado em 03 de Setembro de 2015  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  35. «Principal». Consultado em 3 de setembro de 2015 
  36. Colocando o IMB de volta nos trilhos – Uma entrevista esclarecedora com o presidente Cristiano Chiocca
  37. IMB sob nova direção
  38. Nota sobre a saída de Helio Beltrão do IMB
  39. «IMB sob nova direção». Consultado em 3 de setembro de 2015 
  40. «O Instituto Mises Brasil (IMB) vem... - Instituto Mises Brasil | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 3 de setembro de 2015 
  41. «O Instituto Mises Brasil vem a público... - Instituto Mises Brasil | Facebook». www.facebook.com. Consultado em 3 de setembro de 2015 
  42. «A Capitulação de Atlas? Um ideólogo anarcocapitalista entrou na justiça trabalhista contra o líber Instituto Mises - VICE». Vice. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  43. «Principal». Instituto Rothbard