Língua yanesha'

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amuesha (Yaneshac̈h/Yanešač̣ janeʃaˀt͡ʂʰ)
Falado em: Peru
Total de falantes: 9.830 (2000)
Família: Aruaque
 Meridional
  Ocidental ?
   Amuesha
Escrita: Latina
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: ame

Yanesha' (Yaneshac̈h/Yanešač̣; literalmente 'nós o povo'), também chamada Amuesha ou Amoesha é uma língua falada pelos Amueshas do Peru na região central e oriental Pasco.

Devido à influência e dominação do Império Inca, Yanesha 'tem muitos empréstimos da língua quíchua, incluindo algum vocabulário básico. Yanesha também pode ter sido influenciado pelo sistema de vogais de Queíchua, de modo que, hoje, tem um sistema de três vogais, em vez de um de quatro vogais, que é típico das línguas aruaques relacionadas.

Escrita[editar | editar código-fonte]

A língua Yanesha usa o alfabeto latino sem as letras D, F, K, I, U, V, W, S. Usam-se as formas b̃, ̃ c̃, Ch, C̈h, ë, Hu, M̃, Ñ, p̃, Rr, Sh, T̃, Ts.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Yanesha' tem 22 fonemas consoantes e 9 ]vogais. As consoantes têm um certo grau de variação alofônica, enquanto a das vogais é mais considerável.

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Bilabial Alveolar Retroflexa Palatal Velar
plana Palatalizada
Nasal m m n n ñ (ŋ) 2
Oclusiva p p t t / 1 c/qu k
Africada ts t͡s c̈h t͡ʂ ch t͡ʃ
Fricativa Lenis s s sh ʃ j x
Fortis b β βʲ   rr ʐ   g ɣ
Vibrante r ɾ
Aproximante Central y j hu/u w
lateral ll

SOBRE CONSOANTES

  1. As africadas e / tʲ / são aspiradas foneticamente
  2. [ŋ] é um alofone de / n / quando antes de / k /

Yanesha', semelhante a línguas como russo, irlandês e marshallês, faz contrastes entre certos pares de palatalizadas e consoantes simples:

  • anap̃ / aˈnax 'pʲ' / ('ele respondeu-lhe') vs. anap / aˈnax 'p' / ('ele respondeu')
  • esho'ta netsorram̃o / eˈʃota netsoˈʐa 'mʲ' o / ('entrou na minha vista') vs. esho'ta nenamo / eˈʃota neˈna 'm' o / ('entrou na minha boca')
  • ña / 'n' ʲa / ('he') vs. na / 'n' a / ('EU')

As duas consoantes palatalizadas restantes, / lʲ / e / tʲ /, não oferecem um contraste um-para-um com consoantes simples; a primeira, porque é a única consoante lateral e, portanto, não contrasta com nenhum outro fonema com base apenas na palatalização; O / tʲ /, ao contrastar com / t /, também contrasta com / ts /, / tʃ / e / tʂ /. As consoantes palatalizadas bilabiais têm um offglide palatino mais perceptível que as alveolares. Quando no final da palavra, este offglide é surdo para / pʲ / e / lʲ / enquanto está ausente de / mʲ /.

Outra característica geral de Yanesha' é a dessonorização em certos contextos. Além da dessonorização dos offglides palatais acima, a fricativa retroflexa / ʐ / não tem voz quando a palavra final é a última surda ou antes de uma consoante sonora (regressiva assimilação): arrpa / ˈaʐpa / ('aqui está') → [ˈaʂpa]. As aproximantes / w / e / j / são surdas antes de oclusivas surdas, como em huautena / wawˈteːna / ( 'latir') e neytarr / nejˈtaʐ / ('minha porta'); / j / também surdas antes de africadas de final de palavra: ahuey / aˈwej / ('vamos lá').

Da mesma forma, as oclusivas / p /, t / e / k / são aspiradas no final de palavra - ellap / eˈlʲap / ('tiro de arma') → [eˈlʲapʰ]; precedendo outra oclusiva ou africada, uma oclusiva pode ser aspirada ou inédita de modo que "etquëll" / eːtˈkelʲ / ('um peixe') seja percebida como eetʰkelʲ] ou [eetkelʲ]. A velar fricativa / x / é debocalizada para [h] antes de outra consoante.

Vogais[editar | editar código-fonte]

Yanesha' tem três qualidades básicas de vogal, / a /, / e / e / o /. Cada um deles contrasta fonemicamente entre formas curtas, longas e "larngeais" ou glotalizadas. A laringealização geralmente consiste na glotalização da vogal em questão, criando uma espécie de voz rangente. Em contextos pré-finais, ocorre uma variação - especialmente antes de consoantes sonoras - que vão desde a fonação num chiado em toda a vogal até a sequência de uma vogal, batida glotal e uma vogal ligeiramente rearticulada: "ma'ñorr" { {IPA | / maˀˈnʲoʐ /}} ('veado') → [maʔa̯ˈnʲoʂ]. Antes de uma nasal final na palavra, essa vogal rearticulada pode ser percebida como uma qualidade silábica da referida nasal. Além disso, embora não tanto quanto uma vogal fonemicamente longa, as vogais laringeais são geralmente mais longas que as curtas. Quando absolutamente como palavra-final, as vogais laringeais diferem das curtas somente pela presença de uma ocluiiva glotal seguinte.

Cada vogal varia em suas qualidades fonéticas, tendo alofones contextuais e fonéticos em variação livre entre si:

/ e / é o fonema curto que consiste em fonemas que são frontais e de fechados para meio fechados. Geralmente, é percebido como próximo a [i] ao seguir uma consoante bilabial. Caso contrário, os fonemas [e] e [ɪ] estão em livre variação um com o outro para que / nexˈse / ('meu irmão') possa ser percebido como [nehˈse] ou [nehˈsɪ].

/ eː / é a contrapartida longa para / e /. Ela difere quase exclusivamente em seu comprimento, embora quando segue / k / torna-se uma espécie de ditongo com o primeiro elemento sendo idêntico em abertura da vogal sendo mais retraída]] para que quë ' / keː / (' tipo grande de papagaio ') seja percebido como [ke̠e].

A laringeal / eˀ / consiste na mesma variação e alofonia do fonema curto, com a pequena exceção de que é mais provável que seja percebido como próximo a / p / como em "pe". 'sherr' ' / peˀˈʃeːʐ / (' periquito ') → [piˀˈʃeeʂ]' periquito '

/ a / é o fonema curto que consiste em fonema central. Sua percepção mais frequente é a de uma vogal central aberta não-arredondada [ä] (representada daqui em diante sem a centralização diacrítica). Antes do / k /, há uma variação livre entre este e o [ə] para que nanac / naˈnakʰ / ('excessivamente') possa ser percebido como [naˈnakʰ] ou [nanˈəkʰ]. Enquanto a contrapartida laringeal é qualitativamente idêntica à curta, a contrapartida longa, / aː /, difere apenas porque [ə] não é uma percepção potencial.

Fonotáticas[editar | editar código-fonte]

Todas as consoantes aparecem inicialmente, medialmente e também finalmente, com a exceção de que / ɣ / e / w / que não ocorrem no no final de palavras. Com duas exceções ( / tsʐ / e / mw /), os encontros consonantais iniciais incluem pelo menos uma oclusiva. Os outros possíveis encontros consonantais iniciais são:

  • / pw /, / pr /, / tr /, / kj /
  • / tʃp /, / ʐp /, / tʃt /, / ʃt /

Os encontros consonantais em final de palavra consistem em uma ou / x / nasal, seguida de uma plosiva ou africada:

  • / mp /, / nt /, / nk /, / ntʲ /, / ntʃ / , / ntʂ /

Os aglomerados mediais podem ser de duas ou três consoantes.

Tonicidade[editar | editar código-fonte]

Embora aparentemente fonêmico, a tonicidade tende a ocorrer na penúltima sílaba, mas também no final. Menos freqüentemente, é na antepenúltima. Algumas palavras, como oc'hen / ˈotʂen / ~ / oˈtʂen / ('comb'), têm ênfase na variação livre.

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Coyanesha'ñapa ahuo' e'nan amar. Allñapa' allo entan epa ror, pat̃rro' tsama't̃ pat̃rro' ñam̃a rranquec̈h. Ñañapa' ahuo' yore ahuo' seto'ch po'cashe'mo. Allempoñapa' ahuo' natsetan amar perco allo'ch amran pohuaser.

Português

A menina foi então procurar a liteira da folhas. Lá viu então duas flores: uma vermelha e uma laranja. Ela os pegou então e os colocou em sua almofada. Ela então levou a liteira de volta para a barragem onde ela iria colocá-lo nas covas.

Empréstimos[editar | editar código-fonte]

Pano e quéchua[editar | editar código-fonte]

Algumas palavras amuesha emprestadas das línguas pano e quéchua (Ramirez 2019: 659):[1]

Português Amuesha Pano
chuva oʔ + wa oi + uahi / ue
canoa nonjtj nonti
arco kanotj kanoti
tamanduá ɻah ʂaʔi
capivara amo amin
rato tʃoʔs ʂoja
ariranha neʔno niino
onça maʔjaɻ(o) maʃaro
macaco-de-cheiro wasa wasa
jacu wepo kibo
tocandira (formiga) pona bona
pimenta tjots jotʃi
Português Amuesha Quéchua
barba ʃoʔp ʃapra
pata, pé -tak atakaʃ
esófago -tonkr tunquri
carne etʃ ajtʃa
chifre wokor waqra
nome -sotʃenj suti
árvore tsatʃ satʃa
terra pats patʃa
cabana karpatʃet karpa
carvão keʎmeʃ kiʎimsa
escuro tʃek- tʃaka
lamber ʎaʔw- ʎaqwa-
olhar kow- qawa
morrer koʎ- quʎu-
aassado kankaʔ kanka-
assar (milho) kasp- qaʃpa-
não ama ama
tatu-galinha aʃoʔʃ atʃo
cervo taroʃ taruka / taruʃ
gato silvestre oʃkoʎ usquʎu
galinha atoʎop atawaʎpa
camarão jokor jukra
cana brava ʃokoʃ ʃuquʃ
colher βeʃʎat wiʃʎa
dinheiro keʎe q’iʎaj
espelho rerop rirpu
espingarda eʎap iʎapa
flauta penkoʎ pinkuʎu
trapo ʎetʃap ʎatʃapa
escolher akr- akra
perder-se tʃenk- tʃinka
escrever keʎk- qiʎq
aprender jetʂ- jatʂa
ajudar jenp- janapa
seguir kotj- qati
salvar-se keʃpj- qiʃpi-

Kampa[editar | editar código-fonte]

A influência lexical kampa (nomatsiguenga, asháninka, e outras línguas) em amuesha (Ramirez 2019: 660):[1]

Português Amuesha Kampa
fígado -opan -pana
bonito anj ari
beber -oɻ -ogi
morder -atʂ -atsik
palavra -enj -nia
uma patjeɻ patiro
tamanduá ʃanjeʔ ʃaa-ni, ʃia-ni
tamanduá wantan pantana / wantana
esquilo poʃoʔʎ posari
cuandu tonteʎ tontori
veado manjoɻ maniro
cão otʃek otsiti
guariba jaɲeʎ janiri
macaco-coatá ʃetoʔ oseto / oʃeto
macaco-barrigudo kamwenar komainari
garça sananjtʃ sana, sanantsi
aracuã moɻatj marati
cujubim anaɻ kanari
andorinha etʂ etsani, etsoni, etho
japiim tseɻoʔtj tsiroti
pica-pau tʃekontj tsikonti
arara-cabeção kjematʃ kimaro
arara-amarela kasant kasanto
maracanã saβetoʔ saweto
inambu sonkor jonkiri / ʃonkiri
jacaré sanjereʔ (ko)saniri
tartaruga ʃemjper sempiri
surubim omanjeʔ omani
acari kemjpetj kempiti / kimiti
tambaqui komwereʔ komairi
piaba sankwatj sankowatsi
formiga se jai
mel pets pitsi
lagarta sarom-pe soro-mai
larva -enj -keni
barata ʃopwet tʃompita
cipó-titica tapetsa-tʃ tape-tsa
jarina kompreʃ kompiro-si
paxiúba komon kamona
murumuru tjeɻotj tiroti
patauá ʃeke-tʃ seka
assacu kamana-tʃ kamana
cana-de-açúcar empokoʔ ompoko
figueira potoke-tʃ poto-ki
cesto kantjer kantiri
pilão potset pasanta
vassoura -taɻ (o)taro

Outras semelhanças lexicais entre o amuesha e o kampa (cognatos e/ou empréstimos) (Ramirez 2019: 661):[1]

Português Amuesha Kampa
cabeça -Vtoʔ -kito
testa -toʔm -tamako
cabelo -etʃ -kiʃi
barba -ʃoʔp -siVpato-na
pena petʃ -piti
orelha -et -keN-pita
olho -ko-ʎeʔ -oki
dente -as -ahi-ki
língua -nenj -nene
unha -ʃetʃep -ʃeta
coxa -poʔtʃ -pori
pescoço -tʂenopj -tsano
seio -senj -tene
seio -somap -tsomi
fígado -opan -pana
sangue -eɻas -ira(h)a
casca -taʎ -taki
folha -pan -pana
pessoa atʃenj aʃeni
jacaré sanjereʔ (ko)saniri
larva -enj -keni
árvore tsatʃ ant(ʃ)a-
céu/alto eno heno
lua aɻoɻ kaʃiri
água onj nia
casa poko-ʎ -paNko
pedra mapeʔ mapi
areia menj omani-ki
terra pats kipatsi
fogo tsoʔ-m tsima
noite -aʔn -anink
noite tsap tʃapi-niri
quente atse-ɻ katsirinka
grande ata-ɻ anta-
molhado -asa(t) aʃe(t)
beber -oɻ -ir
engolir -aniɣj -nika
chupar -tsomu -tʃomi
morder -atʂ -atsik
ver -ent -nia
ouvir -ema -kema
saber -enjot -ijot
dormir -ma -mak
matar -mots -matsa
vir -apw -pok
dar -ap -p-
falar -enj -nia
banhar-se ap- -kaa [< *kawa]
lavar -eʔp -kip
voar -an -ar
1sg (eu) no- n(o)-
2sg (você) pj- p(i)-
não -ma- -ma
um patje-ɻ patiro
dois epa apite
três maʔpa mawa

Notas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fast, Peter W. (1953). «Amuesha (Arawak) Phonemes». International Journal of American Linguistics. 19 (3): 191–194. doi:10.1086/464218 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]