Nacional Atlético Clube (Patos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura por outros clubes de futebol com o mesmo nome, veja Nacional Atlético Clube.
Nacional de Patos
NacionalPatos.png
Nome Nacional Atlético Clube (Patos)
Alcunhas Canarinho do Sertão, Naça, Verdão Maravilha
Torcedor/Adepto Nacionalino
Mascote Canário
Fundação 23 de dezembro de 1961 (55 anos)
Estádio José Cavalcanti
Capacidade 5.170 Pessoas
Localização Patos, PB
Presidente Brasil Alisson Nunes
Treinador Brasil Marcos Nascimento
Patrocinador Paraíba Armazém Paraíba

Brasil Patos Shopping

Brasil Prefeitura de Patos

Brasil Carreiro

Brasil FIP

Brasil Patoense

Competição Paraíba Campeonato Paraibano
Divisão 2012 Paraíba Campeonato Paraibano, Eliminado nas Quartas de Final
Website http://www.nacionaldepatos.com.br/
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
editar

Nacional Atlético Clube é uma agremiação esportiva de Patos, no estado da Paraíba, fundada a 23 de dezembro de 1961.

História[editar | editar código-fonte]

Foi fundado por funcionários federais da cidade, notadamente dos Correios e Telégrafos. Suas cores iniciais eram o verde e o amarelo, posteriormente mudando para os atuais verde e branco, devido então às normas da CBF.

Os primeiros times do Nacional foram amadores e compostos por funcionários federais, sob a liderança de José Geraldo Dinoá Medeiros, considerado seu fundador e que foi seu primeiro Presidente; depois houve a abertura para atletas não funcionários, embora amadores. Profissionais só começaram a ter vez quando surgiu a possibilidade do clube de ingressar no Campeonato Paraibano. Os atletas, embora sem registro, passaram a receber salários e cumprir programação sistemática de treinamento.

Os primeiros jogos do Nacional foram realizados no velho campo do Colégio Estadual (a 1ª partida oficial foi contra o Botafogo de João Pessoa e o resultado foi uma derrota de 5 a 1 com o primeiro gol da história do Nacional marcado pelo atacante Espedito do Correio). Logo, passou a jogar no Estádio "Zé Cavalcanti", que registrou, em sua inauguração em 1964, a vitória do Nacional sobre o Esporte de Patos pelo placar de 2 a 1.[1]

Em 1965, o Nacional participa pela primeira vez do Campeonato Paraibano junto com seu rival Esporte que também disputou o certame pela primeira vez. [2] Em 1970, abandonou o campeonato no meio e foi punido com multa alta e um ano de suspensão. Ficou de fora em 1971 e voltou em 1972, com um plantel caseiro, barato e homogêneo: foi o tempo dos famosos "moleques da Rua da Baixa". De lá pra cá, alguns Títulos foram conquistados, foi cinco vezes consecutivas campeão do Torneio Incentivo promovido pela CBF de 1977 a 1981 e vice campeão paraibano também por cinco vezes (1978, 1989, 1990, 1991 e 2005), foi o primeiro Clube Sertanejo a disputar uma competição à nível nacional, a Série C 1989.

No final dos anos 70 e 80 e início dos anos 90, o Nacional esteve prestes a ocupar o pódio por quatro oportunidades até então, com elenco competitivo e forte disputou o Campeonato Brasileiro Serie B em 1989, além de chegar perto de conquistar o tão cobiçado Título Estadual, o mais próximo em 1991 quando perdeu de virada no Estádio O Amigão em Campina Grande para o Campinense, naquela ocasião, houve queixas diversas, pois com a vitória na mão além de precisar apenas de um empate, entrou com apenas 7 jogares em campo no segundo tempo, o que causou dúvidas de suposto suborno então, resultado, derrota por 3X1.

Depois de estar no auge, veio anos negros para o Clube, agora com um plantel mais simples, fez campanhas regulares nos Campeonatos, lutou para não ser rebaixado, o que não conseguiu evitar em duas oportunidades 1998 e 2002, perdeu a crença de sua torcida, seu rival o Esporte também esteve junto. Até então dividia o Clássico Sertanejo com o Atlético de Cajazeiras, e passou a contar o Sousa, que há pouco tempo até então consagrou-se Campeão, ficou fora do Campeonato em duas ocasiões, 1996 e 2003. Passou um bom tempo sendo o único representante da cidade.

Em 2004 após mais uma campanha regular no Campeonato, em meados de outubro, o Clube realiza uma Eleição para a nova Diretoria, surge então a estrela, José Ivan dos Santos "Zé Ivan", que assumira a Presidência do Clube, em um discurso simples e de incentivo, teve a paciência de contar com o descrédito do time e a descrença de sua torcida. Em 2005 investindo pesado, o time realiza uma campanha ótima, 7 vitórias consecutivas alcançando a liderança geral e chegando assim a mais um vice-campeonato e ainda disputando a Série C do Brasileiro, foi eliminado no Tapetão, no ano seguinte, outra campanha boa, aos poucos o time foi recuperando a crença de sua torcida que estava sempre lotando o Estádio.

Em 2007, após ser vice-campeão cinco vezes e uma campanha impecável, faturou seu principal título [3] ao ser Campeão Paraibano pela primeira vez em sua história. No 1º Turno, faturou contra o Sousa em uma dramática partida. Na final, derrotou o Atlético Cajazeirense de Desportos de Cajazeiras. Após perder fora de casa por 2x1 de virada, deu a volta por cima goleando o adversário no JC em Patos por 3x0, título histórico também para a cidade. Terminou com o artilheiro da competição, Edmundo, com um total de 18 gols. [4]Ainda no mesmo ano, fez uma ótima campanha na Série C 2008 [5], quebrando a invencibilidade do Bahia, vencendo por 2x1 [6], e no final terminou em 8º Lugar, jogou a Fase Final no Estádio O Amigão em Campina Grande. [7]

Antigo escudo

No ano seguinte, disputou a Copa do Brasil pela primeira vez, sendo eliminado na primeira partida pelo Internacional por 4x0. Depois de uma campanha regular no Campeonato Estadual 2008 e ainda no mesmo ano, conquistou o Titulo da Copa Paraíba no segundo semestre, garantindo a vaga para a Copa do Brasil pela segunda vez. Em 2009, em uma outra oportunidade no torneio e pela segunda vez consecutiva, jogou contra o Fluminense, desta vez no Estádio O Almeidão em João Pessoa, perdendo por 1X0 em casa e 3X0 fora, jogando pela primeira vez no Maracanã. [8]

Nos anos seguintes não teve a relevância como nos anos anteriores[9] , em 2014 abandonou a disputa de Campeonato Paraibano alegando motivos financeiros[10] , em 2015 com a nova diretoria comandada pelo Presidente Alisson Nunes até teve um bom começo, goleando por 6 x 0 o selecionado de Monteiro no JC, mas para a disputa inédita da Segunda Divisão do Paraibano teve uma campanha regular sendo eliminado nos pênaltis pelo Paraíba ganhando o primeiro jogo por 1 x 0 no JC e perdendo por 1 x 0 no Perpetão perdendo em 4 x 2 nos pênaltis. [11]

Em 2016, a equipe disputará a Segunda Divisão estadual. [12][13]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Estaduais[editar | editar código-fonte]

Torneios amistosos[editar | editar código-fonte]

  • Torneio Incentivo: 5 vezes (1977, 1978, 1979, 1980 e 1981);
  • Outras Conquistas: Vice-campeão Paraibano 5 vezes (1978, 1989/90/91 e 2005)

Ídolos[editar | editar código-fonte]

  • Brasil Dissôr (atacante)
  • Brasil Bastinho (zagueiro, depois atacante)
  • Brasil Gonzaga
  • Brasil Lulu (atacante)
  • Brasil Manoel Messias (meia)
  • Brasil Mário Moura
  • Brasil Oliveira
  • Brasil Kronix (zagueiro)
  • Brasil Zito
  • Brasil Clóvis (atacante)
  • Brasil Menon (meia atacante)
  • Brasil Carlão (atacante)
  • Brasil Alisson Bahia
  • Brasil Edmundo (atacante)
  • Brasil Weqsley (zagueiro)
  • Brasil Nilson Paraiba (zagueiro)
  • Brasil Dinho
  • Brasil Lamar (atacante)
  • Brasil Carlinhos Paraiba (meia)
  • Brasil João Grilo (meia)
  • Brasil Pistola (zagueiro)
  • Brasil Perequeté (zagueiro)
  • Brasil Chiquinho (atacante)
  • Brasil Espedito do Correio (atacante)
  • Brasil Canário (goleiro)
  • Brasil Totinha (atacante)
  • Brasil Dinaldo (meia)
  • Brasil Silva Diouro (meia)
  • Brasil Côco (zagueiro)
  • Brasil Pedrinho (lateral esquerdo)
  • Brasil Didi (meia)
  • Brasil Teomar (Zagueiro)
  • BrasilEdilson (Goleiro)

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

JOGADOR ÚLTIMO CLUBE HISTÓRICO
GOLEIROS
- Brasil Jefferson Bahia-BA Bahia-BA, Nacional-PB
- Brasil Érico Cavalcante Baraúnas-RN Baraúnas-RN, Campinense-PB, Treze-PB, Remo-PA
LATERAIS
- Brasil Cássio Diego Campinense-PB Campinense-PB, CSP-PB
- Brasil Messias - Categorias de Base/Nacional-PB
- Brasil Júnior Borracha - Categorias de Base/Nacional-PB
ZAGUEIROS
- Brasil Messinho Globo-RN Globo-RN, Corintians-RN, Botafogo-PB, Nacional-PB
- Brasil Joanderson - Categorias de Base/Nacional-PB
- Brasil Ítalo CSP-PB CSP-PB, Auto Esporte-PB
- Brasil Erivelton Náutico-PE Náutico-PE, Ceará-CE, Sport Recife-PE, Baraúnas-RN
- Brasil Alenilson Sport Recife-PE Sport Recife-PE, Sousa-PB, Paraíba-PB
MEIO-CAMPISTAS
- Brasil Felipe Ramom - Categorias de Base/Nacional-PB
- Brasil Maranhão Belo Jardim Belo Jardim, Imperatriz-PE, Sport Recife-PE
- Brasil Válber Sousa-PB Sousa-PB, CSP-PB, Auto Esporte-PB
- Brasil Jonathan Lucena - Categorias de Base/Nacional-PB
- Brasil Josicley Globo-RN Globo-RN, Tiradentes-MG
- Brasil Xuxa - Categorias de Base/Nacional-PB
- Brasil Ribinha - Nacional-PB, Sousa-PB, Atlético-PB, (...)
- Brasil Leandro - Categorias de Base/Nacional-PB
- Brasil Tomaz - Revelação no Campeonato Pernambucano 2016
- Brasil Téssio Campinense-PB Treze-PB, Santa Cruz-RN, Metropolitano-SC e Campinense-PB
Atacantes
- Brasil Dudu A Vitória-BA
- Brasil Rondynelli A Vitória-BA
- Brasil Eduardo Rato A Clube do Porto-Portugal
- Brasil Toninho Lima A Nacional de Patos
Treinador
- Brasil Givanildo Sales Baraúnas-RN Baraúnas-RN, América-PE, Imperatriz-PE

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 193º
  • Pontuação: 18 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Nacional Atlético Clube (Patos)
Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre clubes brasileiros de futebol é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.