Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Parque Estadual da Serra do Tabuleiro
Categoria II da IUCN (Parque Nacional)
Serra do Tabuleiro, porção nordeste, em Santo Amaro da Imperatriz, próxima ao Rio Cubatão do Sul e vista desde o Morro do Cambirela.
Dados
Área 84 130 ha
Criação 1 de novembro de 1975[1]
Gestão FATMA
Sítio oficial Serra do Tabuleiro
Coordenadas 27° 52' 27" S 48° 49' 26" O
Parque Estadual da Serra do Tabuleiro está localizado em: Brasil
Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro é uma unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza, com território distribuído pelos municípios catarinenses de Florianópolis, Palhoça, Santo Amaro da Imperatriz, Águas Mornas, São Bonifácio, São Martinho, Imaruí e Paulo Lopes.[2]

Com uma área de 84 130 ha, Serra do Tabuleiro é a maior unidade de conservação de proteção integral do estado de Santa Catarina.

Dados Gerais[editar | editar código-fonte]

O Parque Estadual da Serra do Tabuleiro foi criado em 1 de novembro de 1975, por iniciativa dos botânicos Pe. Raulino Reitz e Roberto Miguel Klein, através do Decreto Estadual 1.260/75[3]. Com uma área de 84 130 ha, corresponde a aproximadamente 1% do território de Santa Catarina. A gestão do parque está a cargo da Fundação do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (FATMA)[4].

Importância[editar | editar código-fonte]

O Parque protege uma grande biodiversidade e abundância de recursos naturais, sendo o local onde nascem vários rios que abastecem de água potável a região da Grande Florianópolis, entre eles o Rio Cubatão do Sul, e rios que abastecem cidades de outras regiões, como Paulo Lopes e Imbituba[4].

Rio Massiambu que nasce no Parque, prestes a desaguar na sua foz, próxima da BR 101 no município de Palhoça.

A beleza das paisagens preservadas, entre elas rios, vales e morros como o Morro do Cambirela, movimenta o turismo e a economia da região, sendo também fonte de diversas pesquisas científicas e atividades educativas nos centros de visitantes do Parque[4]. Hotéis e instâncias turísticas têm florescido gradativamente na região graças à sua preservação[4].

O Parque também protege, além de várias espécies ameaçadas de extinção, um dos maiores e mais importantes criadouros naturais de aves marinhas do Brasil, o arquipélago de Moleques do Sul[3][5].

Apesar disso, o parque sofre desde sua criação, em determinadas áreas registrando crimes ambientais como incêndios criminosos para favorecer construções irregulares, contaminação dos rios por agrotóxicos, esgotos e caça ilegal[4].

Centro de Visitantes[editar | editar código-fonte]

Rafting no Rio Cubatão do Sul, cujas nascentes se encontram na Serra do Tabuleiro.

O Parque do Tabuleiro possui três Centros de Visitantes: o primeiro fica localizado na sede do Parque, às margens da BR-101, a aproximadamente 40 km de Florianópolis - no município de Palhoça. Há ainda o Centro Temático das Águas, em Imaruí, e o Centro Temático da Terra, no município de São Bonifácio.

Ecossistemas[editar | editar código-fonte]

Campos de altitude no topo do Parque: ecossistemas únicos preservados nas áreas mais altas da serra

O Parque protege cinco dos seis ecossistemas encontrados no Estado de Santa Catarina: na planície costeira são encontrados os ecossistemas de Restinga e Manguezal. As encostas da Serra do Mar são o domínio dos ecossistemas de Floresta de Encosta, Floresta de araucária, e dos Campos de Altitude.

Além disso, também abarca o arquipélago de Moleques do Sul, o maior criadouro natural de aves marinhas de Santa Catarina, e um dos mais importantes do Brasil[5]. Outras pequenas ilhas da região também estão incluídas dentro de sua área[3].

Todos esses ecossistemas pertencem ao bioma Mata Atlântica, um dos mais biodiversos do mundo e também dos mais ameaçados. O Parque é considerado zona núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, instituído pela UNESCO.

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Ilhas Moleques do Sul, área marinha preservada do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro

Entre os animais registrados e protegidos no Parque estão animais de grande e médio porte ameaçados de extinção, como o puma, anta, jacaré-de-papo-amarelo, macaco bugio, gato-do-mato-pequeno e gato-maracajá.

Também há muitos outros animais de médio porte, como a jaguatirica, capivara,macaco-prego, cachorro-do-mato, cateto e a paca[6].

Puma, grande felino em risco de extinção, ainda presente no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro.

Um dos mamíferos mais raros do planta, o preá das Ilhas Moleques do Sul, também está protegido graças à criação do Parque. Além deles, entre os pequenos mamíferos protegidos nesta Unidade de Conservação estão o macaco-prego, a cutia, tamanduá-mirim e gambás. Cabe ainda destacar que mamíferos exóticos, como o sagui-de-tufos-brancos e o sagui-de-tufos-pretos também estão presentes no Parque.

A avifauna é outro destaque do Parque, composta por vários tipos de tucanos, varios tipos de papagaios, periquitos e araras, falcões, bens-te-vi, dentre outros.

Aves marinhas das mais diversas, residentes ou migratórias, também utilizam as Ilhas Moleques do Sul como local de descanso e nidificação[5].

Referências

  1. «PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO». Cadastro Nacional de Unidades de Conservação. 9 de junho de 2012  Texto "http://www.fatma.sc.gov.br/conteudo/parque-estadual-da-serra-do-tabuleiro" ignorado (ajuda);
  2. «FATMA - Unidade de Conservação > Parque Estadual da Serra do Tabuleiro». Consultado em 9 de junho de 2012 
  3. a b c Bittencourt, Luciane Rodrigues (1999). «O uso das séries históricas de fotografias aéreas para o monitoramento físico-espacial no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro - SC». Dissertação de Mestrado em Engenharia Civíl pela UFSC. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  4. a b c d e Potter, Hyury (8 de novembro de 2015). «40 Anos do Tabuleiro - Reportagem Especial sobre os 40 anos do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro». DC - Diário Catarinense Online. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  5. a b c Branco, J. O. (2003). Reprodução das aves marinhas nas ilhas costeiras de Santa Catarina. Revista Brasileira de Zoologia, Curitiba, 20 (4): 619-623. Consultado em 14 de setembro de 2018.
  6. Cherem, J.J.; et al. (2011). «Mastofauna terrestre do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, Estado de Santa Catarina, sul do Brasil.». Biotemas, 24 (3): 73-84, setembro de 2011. Consultado em 14 de setembro de 2018 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Unidades de Conservação da Natureza é um esboço relacionado ao Projeto Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.