Ribeira de Pena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ribeira de Pena
Brasão de Ribeira de Pena Bandeira de Ribeira de Pena
Brasão Bandeira
Localização de Ribeira de Pena
Área 217,46 km2
População 6 544 hab. (2011)
Densidade populacional 30,09 hab./km2
N.º de freguesias 5
Presidente da
Câmara Municipal
Rui Alves (PS)
Fundação do município
(ou foral)
1331
Região (NUTS II) Norte
Sub-região (NUTS III) Alto Trás-os-Montes
Distrito Vila Real
Antiga província Trás-os-Montes
e Alto Douro
Orago Nossa Senhora da Guia
Feriado municipal 16 de agosto
Código postal 4870 Ribeira de Pena
Sítio oficial www.cm-rpena.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg
Paços do Concelho

Ribeira de Pena é um concelho pertencente ao Distrito de Vila Real, à região Norte, à sub-região do Alto Trás-os-Montes e à antiga província de Trás-os-Montes e Alto Douro.

A vila do Salvador é sede do município com 217,46 km² de área[1] e 6544 habitantes (2011[2] ), subdividido em 5 freguesias.[3] O município é limitado a norte pelo município de Boticas, a leste por Vila Pouca de Aguiar, a sul por Vila Real, a sudoeste por Mondim de Basto e a oeste por Cabeceiras de Basto.

História[editar | editar código-fonte]

O concelho de Ribeira de Pena, tal como é agora constituído, só existe a partir de meados do século XIX. Antes de 1855, o concelho de Ribeira de Pena limitava-se à freguesias do Salvador, Santa Marinha e Santo Aleixo d' Além Tâmega, estando a sede do concelho no lugar da Venda Nova. Só a partir dessa data passou a englobar o antigo concelho de Cerva, composto pelas freguesias de Cerva, Limões e Alvadia.

Já no dealbar do século XIX, em 1895, foi-lhe anexada a freguesia de Canedo, anteriormente pertença de Boticas. A Terra de Pena, como inicialmente foi designada, constitui, desde a reconquista cristã aos árabes, um núcleo municipal cuja sede teve origem, segundo se crê, na povoação do Concelho.

D. Afonso IV rei de Castela fez doação da Terra de Pena, entre outras a D. Guêdo-o-Velho, progenitor das famílias dos Barrosos, Bastos e Aguiares. O primeiro foral concedido aos habitantes da Terra de Pena foi outorgado, por D. Afonso IV, em Tentúgal, a 29 de Setembro de 1331.

No séc. XV, o domínio da Terra de Pena aparece na casa dos Azevedos, senhores de S. João de Rei.

Em 1517, D. Manuel I atribuiu-lhe novo foral, segundo reforma conhecida pelos "Forais Novos".[4]

Em 1841, transferiu-se para Ribeira de Pena Camilo Castelo Branco, onde obteve um lugar de escrevente de notário[5] e onde passou alguns anos da sua adolescência. Aqui estudou latim, com o Pe Manuel da Lixa, no lugar da Granja Velha. A 18 de Agosto de 1841[6] casou, com Joaquina Pereira de França, uma jovem de apenas 15 anos, na igreja do Salvador. Deste casamento nasce,em 1943, uma filha, Rosa Pereira de França Botelho Castelo Branco, que morreria em 10 de Março de 1948.

Heráldica[editar | editar código-fonte]

As armas - com a cruz da Ordem de Cristo, acompanhada de dois ramos de laranjeira de verde, frutados de ouro, com os pés passados em aspa e atados de vermelho; em campanha, monte de penhascos de negro, realçados de ouro e cortado por três burelas ondadas de prata e azul. Coroa mural de prata de quatro torres. Listel branco, com a legenda a negro: “RIBEIRA DE PENA”

O selo - é circular, tendo ao centro as peças das armas sem indicação dos esmaltes. Em volta, dentro de círculos concêntricos, os dizeres “Câmara Municipal de Ribeira de Pena”.

A bandeira - é amarela, por serem de ouro as laranjas, haste e lança douradas, cordão e bolas de ouro e prata.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Ribeira de Pena é um concelho tipicamente do interior e está na transição do Minho para os Trás-os-Montes. Dominado pela bacia hidrográfica do Tâmega, no seu curso médio, o município possui uma grande riqueza e variedade paisagística. Os vales profundos definidos pelo Tâmega e pelos seus afluentes, com o seu verde intenso, têm uma expressão agrícola, cultural e de povoamento tipicamente minhota. Acima da cota dos 400 metros, predominam as encostas e os maciços rochosos tipicamente transmontanos, com o Barroso, a norte e a sul o Alvão.[7]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do concelho de Ribeira de Pena (1801 – 2011)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
2 347 2 898 9 606 10 806 13 309 10 796 8 504 7 412 6 544
Igreja Matriz do Salvador

Mais informação em:

A Evolução da População do Distrito de Vila Real de 1864 a 2011 A Evolução da População Portuguesa de 1864 a 2011

Administração municipal[editar | editar código-fonte]

O município de Ribeira de Pena é administrado por uma Câmara Municipal composta por um presidente e quatro vereadores. Existe uma Assembleia Municipal, que é o órgão legislativo do município, constituída por 20 deputados municipais.

Infra-estruturas[editar | editar código-fonte]

Educação[editar | editar código-fonte]

O concelho de Ribeira de Pena possui escolas e jardins-de-infância, de ensino primário, básico e secundário, num total de 4 estabelecimentos.

O concelho dispõe de um Agrupamento Vertical de Escolas que é constituído por dois núcleos: Ribeira de Pena e Cerva, com área de intervenção prioritária no concelho de Ribeira de Pena e com uma oferta educativa ao nível da educação pré-escolar , 1º, 2º e 3º ciclo de ensino básico e ensino secundário. Para além disso, existe em cada uma das vilas, Salvador e Cerva, um jardim-de-infância.

O concelho está equipado com uma biblioteca, na vila do salvador, sede do concelho.

Saúde[editar | editar código-fonte]

Casa de Camilo Castelo Branco

Em Ribeira de Pena existe um centro de saúde na vila do Salvador, sede do concelho, e um pólo deste na vila de Cerva.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Ribeira de Pena é um concelho com vida cultural.

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

A gastronomia de Ribeira de Pena é influenciada pela sua interioridade e actividade maioritariamente agrícola. Especialidades tipicamente ribeirapenenses são os Milhos, que podem ser "esfuçados" (quando acompanhados com carnes de porco), "escornados" (quando acompanhados com carne de vitela), "esgravatados" (quando acompanhados com carne de galinha) ou "ricos" (quando acompanhados por carnes de vitela, porco e galinha). Também se pode desfrutar das saborosas postas de carne maronesa, das famosas couves com feijões ou do cabrito assado. Na sobremesa destacam-se a "Chila no Forno" e a "Maçãs Pipo de Basto".

Salas de espectáculos[editar | editar código-fonte]

Nas salas de espectáculos destacam-se o Auditório Municipal, para além dos salões da Casa do Povo de Ribeira de Pena, Bombeiros Voluntários de Ribeira de Pena e paroquial de Cerva.

Datas comemorativas[editar | editar código-fonte]

Capela da Senhora da Guia

Ribeira de Pena possuí um feriado municipal, o 16 de Agosto. A padroeira do concelho é Nossa Senhora da Guia. As festas em honra de Nossa Senhora da Guia, acontecem no lugar da Fonte do Mouro, freguesia de Santa Marinha. O Carnaval em Ribeira de Pena é festejado um pouco por todo o concelho. Algumas escolas organizam desfiles, que percorrem algumas ruas das vilas. O mais antigo é o desfile da Venda Nova, junto aos antigos Paços do Concelho.

Monumentos e sítios de interesse[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Matriz do Salvador - de traça barroca, situa-se na vila do Salvador e foi mandada construir, em 1793, pelo benemérito, Manuel José de Carvalho, natural do Ruival, e que quando era ainda quase uma criança tinha ido para o Brasil.[8]
  • Pelourinho de Cerva - único monumento nacional de todo o concelho, situa-se no centro da Vila de Cerva. Sabe-se que este monumento data de 1917. [8]
  • Ponte de Arame - sobre o Rio Tâmega liga as freguesias de Ribeira de Pena e Santo Aleixo d’Além Tâmega. É uma construção do século XX, datada de 1913, e deveu-se à necessidade de ligação entre as duas margens ao longo do Inverno, quando o caudal do Tâmega encobre as diversas poldras e açudes e torna a travessia por barca perigosa. Quando esta ponte foi construída, apenas existia nas proximidades um pontão entre Balteiro e Viela, o Ponderado, que facilmente fica submerso impedindo a ligação entre os habitantes das duas margens.[9]
  • Solar de Santa Marinha - é uma bela mansão senhorial cuja edificação remonta à primeira metade do século XVI[8] .
  • Casa de Camilo Castelo Branco - situa da na aldeia de Friúme, esta é a habitação onde viveu o escritor Camilo Castelo Branco aquando da sua passagem por Ribeira de Pena, onde conheceu os primeiros anos de liberdade e o seu primeiro casamento. Esta acolhe uma exposição permanente, Camilo e Ribeira de Pena, que inclui a reconstituição dos aposentos de Camilo e Joaquina, sua primeira esposa, e possui espaço para exposições temporárias.[10]
  • Capela da Senhora da Guia
  • Casa de Senra de Cima
  • Ponte de Arame
    Casa da Temporã - situada na Venda Nova. Pertencia, juntamente com a quinta que lhe estava adstrita, ao dote de D. Beatriz, filha de D. Nuno Álvares Pereira, quando aquela se consorciou com o filho legitimado de D. João I e se constituiu a Casa e Ducado de Bragança. [8]
  • Bateria de Espigueiros de Penalonga
  • Casa da Fecha
  • Igreja Matriz de Santa Marinha - embora tenha sofrido obras de recuperação e de conservação, data, na sua actual configuração, já no século XVII. (...) um dos aspectos mais interessantes é a capela anexa, de S. Francisco Xavier que pertence ao Solar de Santa Marinha. [8]
  • Capela da Granja Velha
  • Santuário rupestre de Lamelas - é um rochedo de grandes dimensões situado numa zona aplanada do pinhal de Lamelas, na freguesia de Ribeira de Pena, que possui toda a sua extensão coberta de símbolos gravados na rocha. Estas gravuras rupestres, compostas por cruzes, formas geométricas, linhas e covinhas, terão sido gravadas em épocas diferentes desde o Neolítico, há cerca de 5000 anos, e dão um significado místico e religioso a este local. Os símbolos apresentados remetem-nos para o culto do Sol e das estrelas associado aos cultos grários pré-cristãos, numa época em que o Homem começa a praticar a agricultura e desenvolve um culto ligado à fertilidade.[9]
  • Castro do Lesenho - este castro situa-se em pleno planalto Barrosão, na zona mais elevada da freguesia de Canedo. Dividido administrativamente com o concelho de Boticas, este povoado de grandes dimensões apresenta ainda visíveis vestígios das cinco linhas de muralha que possuiu, duas das quais circundantes. Com ocupação provável ainda na Idade do Cobre, há cerca de 5000 anos, terá sido um grande povoado na Idade do Ferro, há cerca de 3000 anos, e conhecido ainda ocupação na época Romana. O Castro do Lesenho está classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 29/90, DR, I Série, n.º 163, de 17-07-1990. A gestão administrativa é dividida entre os concelhos de Ribeira de Pena, a Sul, e de Boticas, a Norte.[9]
  • Azenha das Casas Novas
    Menir de Pedra d'Anta - localiza-se na freguesia de Alvadia numa zona denominada de Veiga de Anta, próximo da estrada entre Alvadia e Macieira. Trata-se de um menir de grandes dimensões, com 4,30 metros de comprimento. Apresenta uma base rectangular desenvolvendo depois um corpo de duas faces que termina em forma elíptica. Encontra-se fora da sua posição original, vertical, tendo sido retirado há uns anos com vista à reutilização da sua pedra. Actualmente apresenta-se deitado junto ao seu local de implantação original. Na face visível possui duas cruzes gravadas que não serão únicas no monumento.[9]
  • Ponte de Lourêdo
  • Ponte de Alvite
  • Necrópole da Póvoa - situada na periferia Norte da aldeia da Póvoa, na freguesia de Ribeira de Pena, localiza-se um conjunto de sepulturas escavadas na rocha granítica que terá constituído parte de um antigo cemitério de provável origem medieval. Num total de quatro exemplares visíveis, dois possuem ainda forma antropomórfica, ou humana, encontrando-se os restantes apenas parcialmente visíveis. Localiza-se junto a um caminho com marcas de rodados de carroças que foi parte da antiga estrada real de ligação entre o Minho a Trás-os-Montes pela Ponte de Cavês, rumo a Gouvães da Serra e ao Castelo de Aguiar. Este caminho foi a principal ligação da região, pelo menos desde a Idade Média até ao final do século XIX, altura em que se constrói a actual E.N 206. As sepulturas comprovam a importância do caminho, pois era caracteristicamente junto às principais vias que se desenvolviam as necrópoles das épocas Romana e Medieval.[9]
  • Praia Fluvial das Meadas
  • Conjunto arquitectónico da Aldeia de Agunchos
  • Bateria de espigueiros em Penalonga
    Azenha das Casas Novas

Desporto[editar | editar código-fonte]

O futebol é o desporto mais popular de Ribeira de Pena. Existem dois clubes de futebol, são o Grupo Desportivo de Ribeira de Pena (GDRP) e o Grupo Desportivo de Cerva (GDC). Estes clubes jogam nos escalões distritais: o Grupo desportivo de Ribeira de Pena joga no Estádio Municipal do Cavalinho. Já jogou uma na 3ª Divisão Nacional. O Grupo desportivo de Cerva joga no Estádio Municipal das Baraças. Vencedor, por uma ocasião, da Taça da AFRV.

O futebol de salão é provavelmente o segundo desporto mais popular da capital, havendo uma equipa: "Os amigos de Cerva".

Museus[editar | editar código-fonte]

Ribeira de Pena dispõe de três museus: Museu da Escola (Salvador), Museu do Volfrâmio (Cerva); Museu do Linho

Outros espaços museológicos: Casa de Camilo em Friúme e antigos Paços do Concelho da Venda Nova.

Geminações[editar | editar código-fonte]

O concelho de Ribeira de Pena é geminado com as seguintes cidades:

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Freguesias do concelho de Ribeira de Pena.

O concelho de Ribeira de Pena está dividido em 5 freguesias:

Notas e referências

  1. Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013 (ficheiro Excel zipado)
  2. INE (2012) – "Censos 2011 (Dados Definitivos)", "Quadros de apuramento por freguesia" (tabelas anexas ao documento).
  3. Diário da República, Reorganização administrativa do território das freguesias, Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, Anexo I.
  4. Anuário do distrito de Vila Real. [S.l.: s.n.], 1996.
  5. Aníbal Pinto de Castro e José Manuel de Oliveira. Viajar com... Camilo Castelo Branco. [S.l.: s.n.], 2012. ISBN 978-989-8309-71-6
  6. Revista GPS n.º 4, 26 a 31 de Março de 2015, página 66
  7. Revista GPS n.º 4, 26 a 31 de Março de 2015, página 66
  8. a b c d e Cruz, Maria do Carmo. Ribeira de Pena Monografia do Concelho. [S.l.: s.n.], 1995. ISBN 972-8317-00-X
  9. a b c d e Tesouros de Ribeira de Pena - roteiro (2014).
  10. Casa de Camilo.
  11. [1].
  12. [2].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ribeira de Pena


Concelhos do Distrito de Vila Real Localização do distrito de Vila Real
Alijó
Boticas
Chaves
Mesão Frio
Mondim de Basto
Montalegre
Murça
Peso da Régua
Ribeira de Pena
Sabrosa
Santa Marta de Penaguião
Valpaços
Vila Pouca de Aguiar
Vila Real
Alijó
Boticas
Chaves
Mesão Frio
Mondim de Basto
Montalegre
Murça
Peso da Régua
Ribeira de Pena
Sabrosa
Santa Marta de Penaguião
Valpaços
Vila Pouca de Aguiar
Vila Real