Série convergente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Em matemática, uma série é o somatório dos termos de uma sequência de números.

Dada uma sequência infinita , a -ésima soma parcial é a soma dos primeiros termos da sequência, isto é,

Uma série é convergente se a sequência de suas somas parciais tende a um limite. Isto quer dizer que as somas parciais se tornam cada vez mais próximas de um dado número quando o número de seus termos aumenta. Em uma linguagem mais formal, uma série converge se existe um limite tal que para qualquer número positivo arbitrariamente pequeno , existe um inteiro tal que para todo ,

Qualquer série que não é convergente é chamada de divergente.[1]

Exemplos de séries convergentes e divergentes[editar | editar código-fonte]

  • Os inversos dos inteiros positivos produzem uma série divergente (série harmônica):

  • Alternar os sinais dos inversos dos inteiros positivos produz uma série convergente:

  • Alternar os sinais dos inversos dos inteiros ímpares produz uma série convergente (a Fórmula de Leibniz para ):

  • Os inversos dos números primos produzem uma série divergente (assim sendo, o conjunto dos primos é "grande"):

  • Os inversos dos números triangulares produzem uma série convergente:

  • Os inversos dos fatoriais produzem uma série convergente (ver número de Euler ):

  • Os inversos dos números quadrados produzem uma série convergente (o Problema de Basileia):

  • Os inversos das potências de 2 produzem uma série convergente (assim sendo, o conjunto das potências de 2 é "pequeno"):

  • Os inversos das potências de qualquer produzem uma série convergente:

  • Alternar os sinais dos inversos das potências de 2 também produz uma série convergente:

  • Alternar os sinais dos inversos das potências de qualquer produz uma série convergente:

  • Os inversos dos números de Fibonacci produzem uma série convergente, sendo a constante dos inversos de Fibonacci:

    [2]

Testes de convergência[editar | editar código-fonte]

Se for possível provar que a série azul converge, então a série menor deve convergir. Por contraposição, se for possível provar que a série vermelha diverge, então também deve divergir.

Existem alguns métodos para determinar se uma série converge ou diverge.

  • Teste da comparação: Os termos da sequência são comparados àqueles de outra sequência . Se,

para todo , e converge, então o mesmo acontece com Contudo, se, para todo , e diverge, então o mesmo acontece com

  • Teste da razão: Assuma que para todo , . Suponha que existe tal que:

Se , então a série converge. Se , então a série diverge. Se , o teste da razão é inconclusivo e a série pode convergir ou divergir.


  • Teste da raiz ou teste da raiz -ésima: Suponha que os termos da sequência em questão são números não negativos. Defina como se segue:

em que denota o limite superior (possivelmente ; se o limite existir, é o mesmo valor).

Se , então a série converge. Se , então a série diverge. Se , o teste da raiz é inconclusivo e a série pode convergir ou divergir.

O teste da razão e o teste da raiz são ambos baseados na comparação com uma série geométrica e, como tal, funcionam em situações similares. De fato, se o teste da razão funcionar (significando que o limite existe e não é igual a 1), então o mesmo acontece com o teste da raiz. O inverso, porém, não é verdadeiro. Por isso, o teste da raiz é de aplicação mais geral, mas, em termos práticos, é frequentemente difícil computar o limite para tipos de séries comumente encontrados.

  • Teste da P-Séries : Uma importante classe de séries numéricas é quando são constituída da série da seguinte forma
    este tipo de série é conhecido com p-séries e que são bastante utilizado com série de prova nos critérios de comparação. Observe que o termo geral tem limite 1, quando p = 0 , e limite é infinito quando p < 0 e em ambos os casos a série é divergente. Se p = 1 temos então a série harmônica, que neste caso também é divergente. Nos demais casos a convergência das p-séries será analisado pelo critério de Integral. Quando a função e p >0 e x é maior ou igual a 1, temos então duas condições:

Se 0<p<1,

Se p>1,

A integral impropria quando p>1 é convergente, consequentemente é o único caso que p-série é também converge.

Exemplos :

Convergentes e

Divergentes e

  • Teste da integral: A série pode ser comparada com uma integral para estabelecer convergência ou divergência. Considere uma função positiva e monotonicamente decrescente. Se

então a série converge. No entanto, se a integral diverge, o mesmo acontece com a série.

  • Teste da comparação do limite: Se , o limite existir e for diferente de zero, então converge se e somente se convergir.
  • Teste da série alternada: Também conhecido como critério de Leibniz, o teste da série alternada estabelece que para uma série alternada da forma , se for monotonicamente decrescente e tiver um limite zero no infinito, então a série converge.
  • Teste da condensação de Cauchy: Se for uma sequência monotonicamente decrescente positiva, então converge se e somente se convergir.

Outros exemplos incluem o teste de Dirichlet, o teste de Abel e o teste de Raabe.[3]

Convergência condicional e absoluta[editar | editar código-fonte]

Ilustração da convergência condicional da série de potência de em torno de 0 avaliado em . O comprimento da linha é infinito.

Para qualquer sequência , para todo . Por isso,

Isto significa que, se convergir, então também converge (mas não vice-versa).

Se a série convergir, então, a série é absolutamente convergente. Um sequência absolutamente convergente é uma sequência na qual a linha criada ao juntar todos os incrementos à soma parcial é finitamente longa. A série das potências da função exponencial é absolutamente convergente em todo lugar.

Se a série convergir, mas a série divergir, então a série é condicionalmente convergente. O caminho formado ao conectar as somas parciais de uma série condicionalmente convergente é infinitamente longo. A série das potências do logaritmo é condicionalmente convergente.

O teorema das séries de Riemann afirma que, se uma série convergir condicionalmente, é possível rearranjar os termos da série de tal maneira que a série converge a qualquer valor ou até mesmo diverge.[4]

Convergência uniforme[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Convergência uniforme

Considere uma sequência de funções. Diz-se que a série converge uniformemente a se a sequência de somas parciais definida por:

convergir uniformemente a .

Há um análogo do teste de comparação para séries infinitas de funções chamado teste M de Weierstrass.[5]

Critério de convergência de Cauchy[editar | editar código-fonte]

O critério de convergência de Cauchy afirma que uma série converge se e apenas se a sequência de somas parciais for uma sequência de Cauchy.

Isto significa que, para todo , há um número inteiro positivo tal que, para , temos:

que é equivalente a:

[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Series - Encyclopedia of Mathematics». www.encyclopediaofmath.org (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  2. W., Weisstein, Eric. «Convergent Series». mathworld.wolfram.com (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  3. Michael., Spivak, (1980). Calculus 2d ed. Berkeley, CA: Publish or Perish. ISBN 0914098896. OCLC 6918648 
  4. W., Weisstein, Eric. «Riemann Series Theorem». mathworld.wolfram.com (em inglês). Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  5. 1921-2010,, Rudin, Walter,. Principles of mathematical analysis Third ed. New York: [s.n.] ISBN 9780070856134. OCLC 1502474 
  6. 1927-2005., Lang, Serge, (1993). Algebra 3rd ed. Reading, Mass.: Addison-Wesley Pub. Co. ISBN 9780201555400. OCLC 24501992 

[1]

  1. Matos, Marivaldo. Séries e equações diferenciais. [S.l.]: Revista e ampliada