Avenged Sevenfold

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Avenged Sevenfold
Avenged Sevenfold em 2007.
Informação geral
Origem Huntington Beach, Califórnia
País  Estados Unidos
Gênero(s) Heavy metal, [1] hard rock, [2] , [3] [4] metalcore [5]
Período em atividade 1999 – atualmente
Gravadora(s) Good Life Recordings, Hopeless Records, Warner Brothers Records (EUA), Warner Music Group (Internacional)
Afiliação(ões) Pinkly Smooth, Suburban Legends, Steel Panther, Good Charlotte, Burn Halo
Página oficial AvengedSevenfold.com
Integrantes M. Shadows
Zacky Vengeance
Synyster Gates
Johnny Christ
Arin Ilejay
Ex-integrantes The Rev
Matt Wendt
Justin Sane
Dameon Ash

Avenged Sevenfold (também conhecida como A7X) é uma banda norte-americana de metal de Huntington Beach, Califórnia. Formada em 1999, a banda consiste em M. Shadows (vocais), Zacky Vengeance (guitarrista rítmico e backing vocals), Synyster Gates (guitarrista solo e backing vocals), Johnny Christ (baixista) e Arin Ilejay (baterista) que é o subistituto de Jimmy Owen Sullivan (The Rev) que Morreu em 2009..

O Avenged Sevenfold começou tocando metalcore em seus dois primeiros álbuns, mas após alguns anos a banda mudou seu estilo musical no álbum City of Evil e hoje é considerada uma revelação do heavy metal na década.

História[editar | editar código-fonte]

Formação (1999-2000)[editar | editar código-fonte]

Ventura Theater, em 2008: local onde o Avenged Sevenfold fez shows importantes antes de fazer sucesso no mainstream.[6]

A banda foi formada por M.Shadows e Zacky Vengeance. Eles eram amigos e estudavam na mesma escola,suas bandas anteriores, Successful Failure e Mad Action respectivamente não tinha dado certo. Logo depois de sairem do bronze, investiram em sua nova banda, convidandoThe Rev e Matt Wendt para completar a formação.  

Sounding the Seventh Trumpet e Waking the Fallen (2001-2004)[editar | editar código-fonte]

Durante os anos de 1999 e 2000, inúmeras demos foram gravadas como The Art Of Subconscious Illusion e We Come Out At Night. O primeiro álbum do Avenged Sevenfold, Sounding the Seventh Trumpet foi gravado quando os integrantes tinham apenas dezoito anos em 2000 e originalmente foi lançado pela sua primeira gravadora, Good Life Recordings em 2001. inicialmente seguindo um metalcore, que tinha suas primeiras cenas nessa época. [7] Sendo que a música Streets foi escrita por M.Shadows e a banda da qual ele participou antes do Avenged Sevenfold, a Successful Failure.[8] Após o guitarrista solo, Synyster Gates ter se juntado à banda, a faixa To End the Rapture foi regravada com Gates tocando e o álbum foi relançado pela Hopeless Records em 2002. Nessa época fizeram vários shows importantes, com bandas como Shadows Fall e Mushroomhead e tocaram na Take Action Tour.[9] Após isso, Johnny Christ se juntou à banda substituindo Justin Sane, sendo o seu quarto baixista e lançaram o álbum seguinte Waking The Fallen pela Hopeless Records em agosto de 2003. Este disco teve um bom reconhecimento pela revista Rolling Stone [10] e pela Billboard e é considerado um dos melhores álbuns de metalcore da história,[11] além de ter vendido três mil cópias na primeira semana de lançamento.[12] Ganharam ainda mais reconhecimento tocando na famosa turnê, Vans Warped Tour de 2003.[13] Em 2004 voltaram a tocar na Warped Tour [14] e com o contrato para assinar com a Warner Bros. Records, o Avenged Sevenfold decidiu lançar o clipe de Unholy Confessions no mesmo ano, com intuito de promover a banda para trabalhos futuros. Este clipe foi destaque na MTV2's Headbanger's Ball.

City of Evil (2005-2006)[editar | editar código-fonte]

Após algum tempo, o Avenged Sevenfold assinou contrato definitivo com a Warner Bros. Records. City of Evil, o terceiro álbum da banda foi lançado em 7 de Junho de 2005, já pela Warner e os levou ao mainstream do rock mundial com singles como Bat Country e Seize The Day e vendeu 30.000 cópias em sua primeira semana de lançamento.[15] O sucesso da banda também foi impulsionado por músicas como Blinded In Chains e Chapter Four presentes em jogos [16] [17] assim como Beast and the Harlot no famoso jogo Guitar Hero.[18] A música Betrayed foi dedicada ao Dimebag Darrel, ex-guitarrista do Pantera e a música M.I.A. foi escrita após o vocalista M.Shadows falar com seus amigos que estavam lutando na guerra do Iraque. No City Of Evil, o vocalista M.Shadows deixou os vocais gritados de lado e alguns boatos diziam que M.Shadows não poderia mais gritar, mas segundo ele isso é mentira, confirmando-se isso nas declarações de Mudrock, produtor do segundo e do terceiro álbum do Avenged Sevenfold no DVD All Excess. Mesmo após alguns danos em suas cordas vocais em decorrência dos muitos gritos e da cirurgia para corrigir alguns problemas em 2004, M.Shadows afirma que ainda pode gritar, até melhor que antes. Matt trabalhou com Ron Anderson para melhorar a voz e aprender novas técnicas, profissional que já trabalhou com Axl Rose e Chris Cornell.[19]

Em janeiro de 2006, o City Of Evil ganhou o disco de ouro em decorrência dos singles Burn It Down e Bat Country, ambos lançados em 2005. Em 6 de fevereiro de 2006 lançaram o clipe de Beast and the Harlot e pouco depois, o clipe de Seize The Day que levou a banda a alcançar o topo de muitas paradas mundiais. O riff da música Beast And the Harlot foi eleito um dos melhores riffs da história pela revista Total Guitar naquele ano. O A7X completou sua primeira turnê mundial em 2006 passando por diversos lugares indo dos Estados Unidos e Europa até Japão, Austrália e Nova Zelândia. Também se apresentaram no Ozzfest [20] ao lado de bandas como Dragonforce, Disturbed, System of a Down e fizeram turnê com Metallica e Guns N' Roses. O A7X ganhou o prêmio de Melhor Novo Artista no MTV Music Awards com o clipe de Bat Country, desbancando artistas como Panic! At The Disco, Rihanna e Chris Brown.[21] O disco City Of Evil ficou entre os cem melhores álbuns com guitarras da história, eleito pela revista Guitar World Magazine em outubro de 2006, ocupando a posição de número 63.[22]

O A7X voltou à Warped Tour, dessa vez como atração principal e continuou sua própria turnê, a Cities Of Evil Tour.[23] O álbum City Of Evil vendeu um milhão de cópias até os dias atuais.[24]

Self-Titled e morte de Jimmy "The Rev" Sullivan (2007-2009)[editar | editar código-fonte]

Zacky Vengeance e Synyster Gates se apresentando com a banda em 2011.

Após cancelar alguns shows, inclusive na Inglaterra com a banda Bleeding Through, o A7X anunciou que estava planejando seu quarto álbum, o Avenged Sevenfold. Matt. Shadows em entrevista disse que não queriam fazer um Waking The Fallen Parte 2 ou um City Of Evil Parte 2, queriam fazer um álbum diferente, que os antigos fãs gostassem e que pudesse ainda conquistar milhares de novos fãs.[25] Antes do novo álbum, foi lançado o DVD All Excess no dia 17 de Julho de 2007.[26] Fizeram shows em Singapura, onde a música Almost Easy foi tocada pela primeira vez na SingFest 2007, na Indonésia e no Japão, suas primeiras datas em 2007. O Self-Titled foi lançado no dia 30 de Outubro de 2007 e foi um sucesso imediato, vendendo 94.000 cópias em apenas uma semana de lançamento.[27] Lançaram dois singles naquele ano, Critical Acclaim e Almost Easy. Lançaram ainda o clipe da canção Almost Easy e uma versão ao vivo da mesma.

Em 2008, a banda começou com chave de ouro anunciando sua participação na turnê Taste Of Chaos 2008 como atração principal e ao lado de bandas como Bullet For My Valentine, Atreyu e Blessthefall.[28] Além disso, o Avenged Sevenfold lançou A Little Piece Of Heaven como clipe em janeiro e lançaram pela primeira vez uma b-side (música que não está em nenhum álbum); Crossroads foi lançada no dia 17 de Janeiro de 2008 e que mais tarde foi re-lançada no álbum Diamonds In The Rough. A música Afterlife se tornou o terceiro clipe do álbum Avenged Sevenfold saindo oficialmente no dia 4 de fevereiro de 2008 e conquistando milhões de novos fãs, abrindo uma nova era para a banda. Afterlife é hoje um dos maiores singles do A7X, ficando no Top de dezenas de paradas como Billboard e sendo sucesso na MTV. O Avenged Sevenfold passou pela primeira vez na América do Sul, indo ao Chile e vindo ao Brasil no dia 29 de maio de 2008.[29] Também foram pela primeira vez ao México e também a Portugal no Super Bock Super Rock no dia 9 de Julho de 2008 sendo uma das paradas da turnê que fizeram com o Iron Maiden na Somewhere Back In Time Tour entre junho e julho de 2008.[30] O álbum homônimo vendeu mais de quinhentos mil exemplares até hoje.

No dia 16 de setembro de 2008 foi lançado o DVD Live in The LBC e o CD Diamonds in the Rough. O "pacote" vendeu vinte mil cópias em sua primeira semana de lançamento e até hoje foram vendidas mais de cem mil cópias.[31] Além disso, ganharam o prêmio de Álbum do Ano da revista Kerrang.[32] Dear God, o quarto clipe do disco Avenged Sevenfold foi lançado no dia 28 de outubro de 2008. Uma parte da turnê Fall Tour com a banda Buckcherry foi cancelada devido á fadiga vocal do vocalista M.Shadows.[33] A turnê voltou no dia 15 de Outubro de 2008 em Osaka no Japão, onde o A7X se apresentou com diversas bandas importantes como Slipknot, Bullet For My Valentine e Machine Head. Na passagem do Avenged Sevenfold por Cingapura, eles tocaram uma música nova apenas para se divertir, no estilo Reggae e com influências de músicas da região. A música não tem nome oficial. O Avenged Sevenfold ganhou outras votações na Kerrang! Readers Poll onde os leitores da revista escolheram o A7X como melhor banda e melhor banda ao vivo de 2008, além de Synyster Gates ter ganho como homem mais sexy do ano.[34] O Avenged Sevenfold apareceu nos agradecimentos de Axl Rose, no álbum Chinese Democracy. Em entrevista para a Popular Underground Magazine, Synyster Gates praticamente descartou a volta dos vocais rasgados na banda dizendo, "Você avança e eu não penso que nós realmente fomos ruins, mas bem perto e estamos melhorando e melhorando. Isso é tudo que eu quero como músico, compositor e performer. Só quero melhorar e minha ideia de melhor talvez não seja a mesma ideia de melhor de um fã…",[35] quando questionado inúmeras vezes por fãs que pediam a volta dos vocais gritados.

M.Shadows teve paralisia facial num show em Baltimore no dia 9 de Dezembro durante a Fall Tour. O problema foi na articulação temporomandibular causado por fazer muitos shows e cantar excessivamente, fazendo com que a mandíbula saísse um pouco do lugar. Mas logo depois o problema foi resolvido.[36] Scream foi anunciado como quinto single do Self-Titled e o clipe, feito por fãs, foi lançado no dia 16 de Dezembro de 2008.

Em 28 de dezembro de 2009, o baterista James "The Rev" Sullivan foi encontrado morto em sua casa aos 28 anos. A polícia foi avisada por bombeiros e chegaram na casa por volta das 13 horas.[37]

A banda postou uma nota no site oficial confirmando a morte de The Rev:

Cquote1.svg "É com uma enorme tristeza e corações pesados que nós falamos pra vocês sobre o falecimento do Jimmy "The Rev" Sullivan hoje. Jimmy não foi somente um dos melhores bateristas do mundo, como mais importante, ele foi nosso melhor amigo e irmão. Nossos pensamentos e rezas vão pra família do Jimmy, e esperamos que vocês vão respeitar a privacidade deles durante esse momento difícil. Jimmy, você está pra sempre em nossos corações. Nós te amamos". Cquote2.svg
A banda confirmando a morte de The Rev em seu site oficial.

A autópsia feita logo após sua morte se mostrou inconclusiva e os peritos pediram testes toxicológicos e testes de laboratório para encontrar a causa da morte. Entretanto, os resultados poderiam levar semanas.[38]

No dia 5 de Janeiro de 2010, um funeral particular foi feito para The Rev e no dia seguinte 6 de Janeiro, seu corpo foi cremado. Syn Gates fez homenagens a ele, e aos seus pais.[39]

Mais de 50 artistas falaram sobre a morte de Sullivan [40] e na edição da revista Kerrang! de 13 de janeiro de 2010, fãs e artistas falaram sobre The Rev em um artigo.[41] Simultaneamente, Zacky Vengeance postou uma nota sobre o falecimento de Jimmy em seu twitter:

Cquote1.svg "Jimmy estará sempre comigo em tudo que faço. Exceto estar em casa triste, então hoje vou tentar começar a viver novamente." [42] Cquote2.svg
Z. Vengeance, falando sobre Sullivan no twitter.

Após quase 6 meses da morte de The Rev, em 9 de junho de 2010, os resultados da necrópsia vieram ao público e foi constatado que Jimmy morreu por uma overdose acidental de drogas prescritas e álcool. Relatórios toxicológicos indicam que Sullivan sofreu “intoxicação aguda por múltiplas drogas, devido aos efeitos combinados de oxicodona, oximorfona, Diazepam/nordiazepam e etanol. Sullivan tinha cardiomegalia (um coração mais dilatado), que foi marcado no relatório judicial como “condição significativa” que pode ter desempenhado um papel na morte do baterista. Foram realizados “cinco ou seis” diferentes testes para verificar a causa da morte.[43]

Nightmare (2010-2011)[editar | editar código-fonte]

M. Shadows, vocalista da banda.

Após quase um mês da morte de The Rev, M. Shadows e Zacky Vengeance fizeram sua primeira aparição pública. Os dois participaram de um jogo de golfe beneficente para ajudar entidades que fazem caridades.[44] . Em fevereiro de 2010, o álbum Avenged Sevenfold foi eleito um dos melhores álbuns da década pelo site Room Thirteen [45] e o A7X foi eleito uma das melhores bandas de Metal de 2009 no OC Music Awards.[46]

O Avenged Sevenfold anunciou oficialmente que Mike Portnoy, até então baterista do Dream Theater gravaria as linhas de bateria para o novo álbum da banda.[47] "Eu queria que nossos fãs soubessem que, com Jimmy em nossos corações, nossa jornada para gravar o disco novo oficialmente começou. Jimmy ajudou antes de deixar esse mundo, um presente maravilhoso, e agora é nosso trabalho ter certeza em entregar esse presente aos nossos fãs. Nós convidamos o baterista preferido do Jimmy, Mike Portnoy, para gravar em seu lugar. Mike disse que seria uma honra e sem dúvida era o que Jimmy queria. É confortante para nós que alguém como Mike, que é sem dúvida um dos melhores bateristas do mundo, sustentar tanto respeito e adoração pelas habilidades do Rev." Poucos dias depois, as gravações já estavam completas e para finalizar, Mike Portnoy disse que os fãs do Avenged Sevenfold são incríveis e tatuou o Deathbat em seu braço esquerdo, em homenagem ao The Rev e ao tempo que passou com o A7X. Synyster Gates, Zacky Vengeance, Johnny Christ e M. Shadows também fizeram tatuagens em homenagem a Jimmy.[48]

O novo álbum da banda chamado Nightmare, já tem suas composições prontas. Em entrevista à revista Kerrang! de dezembro de 2009, M. Shadows disse que tem ao todo 13 músicas completas e que o álbum terá um estilo mais parecido com Metal Clássico.

Cquote1.svg Nós temos umas 20 ideias com 13 músicas completas. Agora, nós estamos escrevendo duas músicas por semana, trabalhando muito. Anteriormente nós colocamos 10 músicas, mas agora teremos muitos mais - serão provavelmente como o City of Evil, 75 minutos. Até agora, soa como Metal Clássico; é old-school, thrash e mais pesado e com mais solos. Liricamente e musicalmente tem um sentimento conceitual. Estamos conversando para ver se cada faixa entrará em compasso com as outras por exemplo, fazer reprises e interlúdios, coisas pequenas como essas. Estamos tentando fazer algo realmente divertido e legal. É um álbum obscuro. A música é emocional. Nosso objetivo é fazer cada parte ser memorável, queremos provocar reações ao vivo e escutando em casa. Terá grandes baladas, coisas muito divertidas, piano, coro, orquestra e muitas coisas visuais que vocês esperam mas com um humor diferente. Liricamente, estive inspirado por tudo desde como os jovens estão crescendo hoje em dia, até educação, economia, religião, guerra e o comportamento do nosso governo. Tudo se liga à como os jovens hoje em dia estão tão distantes do mundo real. Cquote2.svg
M. Shadows, falando sobre o novo álbum.[49]

Em 16 de dezembro de 2010, via Facebook, Mike Portnoy anunciou que ele deixaria de estar trabalhando com o Avenged Sevenfold. A banda publicou um comunicado em seu site em 17 de dezembro de 2010 afirmando que Mike Portnoy não continuará com a banda.

O Avenged Sevenfold anunciou em seu site oficial o novo baterista, Arin Ilejay, ex-Confide, que participou com a banda da turnê Nightmare After Christmas, que teve início em janeiro de 2011. "Recentemente pedimos a vários amigos que conheceram Jimmy e seu estilo, e que também conheciam nossa música e cada uma de nossas personalidades, que sugerissem bateristas para fazer turnê conosco começando esse ano. Nosso técnico de bateria em estúdio há muito tempo, Mike Fasano, indicou Arin Ilejay. Nós ensaiamos com Arin e nos impressionamos com sua habilidade técnica, atitude e ética de trabalho. Estamos muito animados para sair em turnê com Arin e esperamos que vocês dêem a ele boas vindas à família que temos. Obrigado pelo seu apoio sem fim. Significa tudo para nós. Vemos vocês na turnê Nightmare After Christmas." No dia 21 de janeiro de 2011 aconteceu o primeiro show do ano do Avenged Sevenfold da Nightmare After Christmas Tour[50] . Nessa ocasião, o Avenged Sevenfold tocou pela primeira vez a música Fiction - feita por The Rev apenas três dias antes de sua morte. Fiction inicialmente se chamava Death, mas M. Shadows trocou o nome da música em homenagem ao amigo, que possuía uma tatuagem que ia do peito até a barriga onde se lia "Fiction". Eles usaram a voz de The Rev nos backing vocals, gravados no estúdio no momento da produção dos CDs da banda anteriores ao Nightmare, podendo assim voltar a tocar músicas como Afterlife, Critical Acclaim e A Little Piece Of Heaven, nas quais as partes em que The Rev cantava eram bastante extensas e indispensáveis.

Hail to the King (2013)[editar | editar código-fonte]

No dia 24 de setembro de 2012, Avenged Sevenfold lançou a segunda single chamado "Carry On", uma faixa feita especialmente para o jogo de tiro de primeira pessoa "Call of Duty: Black Ops II (Call Of Duty: Black Ops II - Zombies)". E a primeira faixa lançada com Arin Ilejay, foi a "Not Ready to Die" em 2011 para o jogo "Call of Duty: Black Ops (Call Of Duty: Call Of The Dead)".

Em 22 de Setembro de 2013, a banda tocou na 5° edição do Rock in Rio que é o maior festival de música no Brasil. Os californianos se apresentaram no dia 22 de setembro de 2013, último dia do evento, junto com Iron Maiden e Slayer [51] .

O novo álbum se chama Hail to the King e foi lançado no dia 27 de agosto de 2013.[52] Este álbum possui uma sonoridade mais Hard Rock do que Heavy Metal o vocalista M. Shadows diz que, o álbum tem músicas com influências de Led Zeppelin e Black Sabbath. O álbum vendeu 159 mil cópias nos Estados Unidos em sua primeira semana de lançamento para estrear em 1º lugar na parada Billboard 200.[53] Isto marca o Avenged Sevenfold do segundo álbum no topo da parada da Billboard, bem como sua primeiro a alcançar o número 1 no Reino Unido, no topo da UK Albums Chart. Ele também liderou as paradas de álbuns Canadenses, Brasileiros, Finlandês e Irlandeses.

Características[editar | editar código-fonte]

Estilo[editar | editar código-fonte]

O Avenged Sevenfold é caracterizado como uma banda ligada ao heavy metal. Mas suas músicas apresentam as mais diferenciadas características. Por exemplo, seu primeiro álbum, em que a banda foi rotulada como metalcore, pode-se perceber a música Streets, que tem uma sonoridade mais ao estilo do punk rock, enquanto a música To End The Rapture apresenta com características Heavy Metal e Warmness On The Soul, em piano, em uma linha mais Soft Rock. Também em seu álbum homônimo, as músicas Dear God e o início de Gunslinger tem uma sonoridade country, enquanto A Little Piece Of Heaven apresenta elementos teatrais, num estilo diferente de qualquer outra música da banda, usando orquestra e instrumentos pouco comuns no heavy metal, em uma sonoridade que se assemelha ao estilo da banda System of a Down, o que confirma influências de metal alternativo. Os integrantes do Avenged Sevenfold não se consideram com um estilo específico apesar de serem um dos maiores expoentes do New Wave of American Metal.[54] [55] Eles mudaram muito desde seu primeiro álbum, passando de um metalcore para algo mais heavy metal/hard rock. O Avenged Sevenfold possui muitas influências diferentes, e hoje é uma banda de um estilo próprio, que mescla algo entre heavy metal e hard rock com diversos gêneros musicais.

Nome da banda, letras[editar | editar código-fonte]

O nome Avenged Sevenfold (vingado sete vezes, em português) é uma referência ao livro do Gênesis na Bíblia, quando Caim é sentenciado a viver em exílio por matar seu irmão. Deus o marcou e ninguém poderia matá-lo pelo seu pecado. Quem matasse Caim seria "castigado sete vezes" e assim, Caim seria vingado sete vezes. O título da canção Chapter Four se refere ao Gênesis 4:15, o capítulo da Bíblia onde a história de Abel e Caim se passa. Beast and the Harlot é outra canção derivada de assuntos bíblicos, que vem do Livro da Revelação, escrito em primeira pessoa e que tem como enredo a punição da Grande Babilônia, império mundial e centro de falsas religiões. Outra referência bíblica está em The Wicked End; a canção aborda o tema de Adão e Eva afirmando que Adão não estava certo ao comer o fruto proibido. A banda também possui letras políticas como Critical Acclaim, Blinded In Chains e M.I.A, letras melancólicas como Seize The Day, Warmness On the Soul e I Won't See You Tonight (Part:1) . O A7X também se caracteriza por ser uma banda rica liricamente tratando de diversos assuntos em suas letras.


Sobre a mudança de estilo e as acusações de se vender, M.Shadows disse:

Cquote1.svg "Essas pessoas me lembram a mim mesmo quando eu tinha treze anos e chamava as bandas de vendidas. Nós apenas escrevemos o que está em nossos corações e fazemos o melhor possível. Nós não somos a Microsoft, não estamos tentando fazer IPod's e fornecê-los para as pessoas. Nós vamos escrever o que está em nossos corações, em nossas almas para as pessoas escutarem e gostarem. É para isso que estamos aqui. Nós somos apenas uma banda, somos apenas cinco garotos tendo um bom momento e colocando nossos corações na linha. E jamais lançaríamos, nem em um milhão de anos, algo que não viesse de nossos corações, apenas por lançar. Quando os garotos nos chamam de vendidos, geralmente são jovens ou estão confusos ou furiosos por que não é o mesmo som do álbum anterior. Talvez um dia eles fiquem mais velhos e pensem que nós estamos longe de ser vendidos. Nós sempre fizemos o que queríamos e a gravadora jamais nos dirá o que colocar em um álbum. Então, um dia eles crescerão e perceberão que eles não gostaram do álbum mas não precisam nos chamar de vendidos. Acho que, hoje em dia, ser chamado de vendido é normal. As pessoas chamarão você de vendido, não importando o que faça." Cquote2.svg
M. Shadows, falando sobre a mudança de estilo e as acusações de se vender.[56]

Sobre a origem do sentimento para compor letras políticas como Critical Acclaim, M.Shadows disse:

Cquote1.svg "Acho que vem das muitas queixas sobre o nosso país ultimamente. A mídia é muito unilateral. É, uma mídia muito liberal que está sempre reclamando, achando que todos estão contra eles e eles meio que perdem a visão da natureza humana e do elemento humano. Atualmente, há pessoas lutando e defendendo nosso país, há pessoas em nosso país fazendo crescer nossa comida… frutas e vegetais. Eles estão pegando nossa comida e levando-as por todo país em caminhões para que as pessoas possam comer. Em todo o lugar desse país, e acho que as pessoas esquecem desse elemento humano e chega a um ponto em que fico suficientemente irritado. Tenho amigos suficiente nas forças armadas, lutando por este país e isso me deixou irritado suficiente para que eu quisesse escrever uma música sobre isso." Cquote2.svg
M. Shadows, falando sobre a composição de Critical Acclaim.[57]

O Deathbat[editar | editar código-fonte]

Deathbat

O logo oficial da banda é o Deathbat, uma caveira com asas de morcego. Foi originalmente criado por um amigo de escola dos integrantes, Micah Montague. Cam Rackam, outro amigo, também fez diversos tipos de Deathbats e algumas pinturas como o single da música Beast and the Harlot assim como Casey Howard que fez o design do logo para a Fall Tour com a banda Buckcherry em 2008, o Abraham Deathbat. C.Howard também fez os desenhos interiores do encarte do álbum Avenged Sevenfold de 2007.

O símbolo aparece em diversos álbuns como Waking The Fallen, Avenged Sevenfold e Hail to The King e em singles como Critical Acclaim e Bat Country. O Deathbat está sempre presente nos shows, nas palhetas e fundos de palcos e também é a tatuagem mais comum entre os fãs da banda.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

Membros da banda[editar | editar código-fonte]