Cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jogos Olímpicos
de Verão de 2008
COI • COC • BOCOG
2008 Summer Olympics Opening Ceremony 2.jpg
Estádio Nacional de Pequim
durante a cerimônia de abertura.

A Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Verão de 2008 ocorreu no Estádio Nacional de Pequim, o "Ninho de Pássaro", no dia 8 de agosto às oito horas da noite no horário local (UTC+8),[1] em virtude de crença chinesa de que o número oito traz boa sorte.[2] Segundo os organizadores, 91000 pessoas assistiram à cerimônia no estádio.[3]

O evento foi dirigido pelo cineasta Zhang Yimou, assessorado por especialistas em dança, música e fogos de artifício.[4] A cerimônia, focada na cultura da China e considerada a melhor da história olímpica,[5] custou 100 milhões de dólares e foi assistida por quatro bilhões de pessoas em todo o mundo.[6]

Mais de cem chefes de Estado estiveram presentes no Ninho de Pássaro[7] (entre eles, George W. Bush, dos Estados Unidos,[8] e Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil[9] ). Para produzir o espetáculo, foram usados dez mil metros de fibra ótica e 44000 lâmpadas no palco de 400 toneladas.[10] 14000 atores e bailarinos e 2488 voluntários estiveram envolvidos com o evento.[11]

Antes da cerimônia, um "pré-show" de uma hora de quinze minutos trouxe para Pequim artistas de vinte e oito grupos do país.[1] O espetáculo principal foi dividido em quatro partes: na Cerimônia de Boas-Vindas, ocorreu a chegada do presidente Hu Jintao e a entrada de dois mil e oito percussionistas com fous, instrumento tradicional do país.[12] Após a contagem regressiva final, teve início a Parte Artística, com apresentações relacionadas a pintura, escrita e música, exaltando a civilização chinesa.[13] O Desfile das Delegações contou com a presença de 204 países.[14] Na última parte da cerimônia, ocorreram os discursos oficiais e o protocolo de abertura. Encerrando o evento, o ex-ginasta Li Ning, preso por cabos, percorreu a lateral interna do estádio antes de acender a pira olímpica, encerrando a cerimônia com cerca de quarenta minutos de atraso.[15]

Preparação[editar | editar código-fonte]

Estádio Nacional de Pequim em construção.

A cerimônia começou a ser preparada em 2005, ano em que o Comitê Organizador recebeu diversas propostas de todo o mundo. No ano seguinte, treze projetos foram selecionados para a segunda fase, de onde foram escolhidos os três vencedores, que seriam mesclados para formar a cerimônia.[16] Zhang Yimou foi escolhido diretor geral, com Zhang Jigang como diretor de coreografia, Chen Weiya como especialista em cerimônias de abertura, Cai Guoqiang como especialista em fogos de artifício, Chen Qigang como compositor e Yu Jianping como diretor técnico.[4]

Como forma de integrar os elementos que seriam apresentados na cerimônia, os diretores imaginaram uma aquarela para o evento, com o conceito de "apresentar o mundo num pequeno quadrado".[16] Na primeira versão do programa, a equipe pensou em usar as ideias do papel, dos caracteres chineses e da própria aquarela, bem como a Rota da Seda e as viagens de Zheng He. Para os diretores, a Terra deveria aparecer na cerimônia, em conformidade com o slogan dos Jogos, "Um Mundo, Um Sonho".[16]

Em abril de 2007, a equipe de direção decidiu dividir a parte artística da cerimônia em dois atos, "Brilhante Civilização", que iria contar os 5000 anos de história chinesa, e "Era Gloriosa", que exibiria as conquistas da China moderna. Com isso, estava pronta a estrutura básica do projeto.[16]

Cai Guoqiang deu sua contribuição para a cerimônia com sua especialidade, a "pintura com fogos de artifício". A ideia original era representar a tela Guernica, de Pablo Picasso, com fogos de artifício. O Comitê Olímpico Internacional, entretanto, não aprovou o projeto, por acreditar que a representação da tela trazia aos espectadores tristes lembranças da Segunda Guerra Mundial. Isso, aliado à falta de confiança no sucesso e na segurança do projeto, fez a equipe de direção abandonar a ideia.[16]

No início de 2008, a equipe de produção da cerimônia sofreu uma baixa: o cineasta americano Steven Spielberg, que era conselheiro da equipe,[17] decidiu abandonar o posto, em protesto à atuação do governo chinês no conflito de Darfur, no Sudão.[18]

Pela primeira vez na história olímpica, os atletas seriam agentes ativos numa cerimônia de abertura, pois, durante o desfile, deixariam pegadas e formariam um arco-íris numa aquarela, que faria parte de toda a cerimônia.[16] A revoada de pombas, uma antiga tradição nas cerimônias de abertura, deixada de lado após o fiasco em Seul 1988 (em que várias pombas voaram para a pira olímpica e foram queimadas vivas[19] ), seria resgatada nos Jogos de Pequim de uma forma artística, com mímica. O projeto foi finalizado em abril de 2008, quando deu-se início à fase de produção, com ensaios, aquisição de equipamentos e testes.[16]

O evento[editar | editar código-fonte]

Cerimônia de Boas Vindas[editar | editar código-fonte]

Percussionistas com fous deram início à cerimônia.

A cerimônia de abertura propriamente dita começou com a apresentação de dois mil e oito percussionistas do Exército de Liberação Popular da China com fous, instrumentos de bronze tradicionais do país.[20] A contagem regressiva, em algarismos arábicos e chineses, foi feita pelos próprios instrumentistas.[21] Após a apresentação oficial dos presidentes do Comitê Olímpico Internacional e da República Popular da China,[22] os percussionistas executaram uma performance em que repetiam uma conhecida frase de Confúcio, "Amigos vieram de longe, como estamos felizes."[22]

Na sequência, vinte e nove fogos de artifício em formato de pegadas representaram uma marcha vinda do centro da cidade em direção ao estádio, numa referência à primeira das quatro grandes invenções chinesas, a pólvora.[23]

Com a explosão da última pegada sendo feita próximo ao Ninho de Pássaro, fadas (apsarás, na mitologia budista) voaram pelo estádio,[24] representando beleza e romantismo.[22] Os anéis olímpicos foram formados por centenas de pontos luminosos no centro do estádio.[25] A Cerimônia de Boas Vindas terminou com a entrada da bandeira da China, trazida por crianças vestidas com trajes típicos das cinquenta e seis etnias do país, e a execução do hino nacional do país.[22]

As principais polêmicas relacionadas à cerimônia tiveram relação com este segmento. Os fogos de artifício em formato de pegadas não foram executados ao vivo;[26] a música cantada na entrada da bandeira foi dublada;[27] e as crianças que levaram a bandeira até o mastro não eram nativas das minorias do país.[28]

Performances artísticas[editar | editar código-fonte]

Os tipos móveis de impressão estiveram representados na cerimônia de abertura.

Logo após o hino, foi exibido um vídeo artístico sobre a fabricação do papel, outra das grandes invenções chinesas.[13] Em seguida, uma tela de LED em formato de pergaminho foi desenrolada no centro do estádio. Enquanto a tela exibia imagens da arte chinesa, bailarinos criavam uma aquarela numa lona,[29] ao som do guqin, um dos mais antigos instrumentos de corda do mundo.

Após a aquarela ficar pronta, artistas representando os 3000 Discípulos de Confúcio recitaram trechos dos Analetos: "Todos, nos quatro mares, podem ser considerados irmãos".[13] O chão do estádio se abriu e surgiram blocos representando os tipos móveis de impressão, a terceira das grandes invenções chinesas.[30] Os blocos se moveram para formar três variantes do caractere 和 (he - harmonia) e a Grande Muralha da China.[23] Ao final do segmento, foi revelado que os movimentos dos blocos não eram controlados por equipamentos eletrônicos, mas sim por 897 pessoas.[31]

Performance com bonecos.

O próximo segmento trouxe para o estádio a Ópera de Pequim e uma performance com bonecos.[32] Em seguida, a representação da Rota da Seda e da rota marítima usada por Zheng He. Este segmento representou a quarta e última grande invenção chinesa apresentada na cerimônia, a bússola.[33] Uma das mais antigas óperas chinesas, a de Kunqu, foi apresentada. Ainda neste segmento, torres vermelhas e laranja emergiram,[34] enquanto dançarinas representando as dinastias que governaram o país passaram pelo palco.[13]

O pianista Lang Lang se apresentou na cerimônia de abertura.

A cerimônia seguiu com a apresentação do pianista Lang Lang, acompanhado de Li Muzi, uma menina de cinco anos.[35] Ao redor dos pianistas, dançarinos com lâmpadas na roupa representaram a China moderna, formando o desenho de um pássaro e recriando a estrutura do Estádio Olímpico.[36]

Dois mil e oito mestres de Tai Chi Chuan se apresentaram ao redor de uma sala de aula, representando as relações homem-natureza.[37] As crianças no centro do estádio simbolizaram a proteção ao meio ambiente e o respeito à natureza.[33]

O último segmento se iniciou com a chegada de astronautas, simbolizando a exploração espacial chinesa, que levou Yang Liwei ao espaço em 2006.[38] Do centro do estádio surgiu uma alegoria representando o globo terrestre. Na estrutura de dezesseis toneladas,[32] foram apresentadas projeções da Terra e do Sol.[39] No alto, surgiram os cantores Liu Huan e Sarah Brightman, que executaram a canção oficial dos Jogos, You and Me.

Pessoas trazendo guarda-chuvas estampados com imagens de crianças sorrindo entraram no estádio,[40] a mesmo tempo em que fogos de artifício no formato de rostos sorridentes eram lançados.[23] A parte artística se encerrou com um show pirotécnico e com a passagem de artistas das cinquenta e seis etnias do país.[33]

Desfile das delegações[editar | editar código-fonte]

A delegação dos Estados Unidos foi a 139ª a desfilar.

De acordo com a tradição olímpica, a Grécia foi a primeira delegação a desfilar, e o país-sede veio por último.[41] Os outros países desfilariam pela ordem alfabética do idioma do país anfitrião, mas, como a escrita chinesa não possui alfabeto, as equipes se ordenaram pelo número de traços do primeiro caractere do nome do país no chinês simplificado.[1]

Com isso, a Guiné (几内亚) foi o primeiro país (após a Grécia) a desfilar,[42] por ter apenas dois traços no primeiro caractere. A Austrália (澳大利亚) entrou na 202ª posição, logo à frente da Zâmbia (赞比亚), o último país a desfilar seguindo a ordem determinada.[43] Os primeiros caracteres dos nomes destes países ( e ) possuem dezesseis traços cada.

A delegação chinesa encerrou o desfile.

Ao entrar no estádio, as delegações foram anunciadas pelos locutores em francês, inglês e chinês.[44] À frente dos atletas, uma jovem trazia uma placa com o nome do país escrito nos três idiomas.[45] Após dar uma volta no estádio, os atletas deixaram suas pegadas na gravura que começou a ser desenhada no início da cerimônia. Ao final do desfile, um arco-íris estava formado no palco.[46]

Ao contrário do que havia acontecido nas duas cerimônias de abertura anteriores, as Coreias, que até planejaram enviar apenas uma delegação aos Jogos,[47] não desfilaram juntas; os atletas se dividiram nas delegações da República Democrática e Popular da Coreia (a Coreia do Norte) e da República da Coreia (a Coreia do Sul).[48] A República da China (Taiwan) desfilou sob a denominação Taipé Chinês, devido a um acordo com o Comitê Olímpico Chinês e com o COI (os atletas ameaçaram abandonar os Jogos se a imprensa local continuasse a se referir ao país como "China Taipei").[49]

Três delegações desfilaram pela primeira vez nesta cerimônia de abertura: Montenegro se separou da Sérvia e enviou delegação própria.[50] Ilhas Marshall e Tuvalu foram reconhecidos pelo COI em 2007 e fizeram sua estreia olímpica.[51] Em relação aos países participantes dos Jogos de Atenas, além de Sérvia e Montenegro, Brunei não esteve presente em Pequim, levando o total de delegações de 202 para 204.[52]

O Brasil enviou a maior delegação da história, com 277 atletas.[53] Portugal enviou uma delegação menor que a dos Jogos de Atenas, mas registrou um aumento na participação em esportes individuais.[54] Outros países lusófonos que registraram recorde de participação foram Angola[55] e São Tomé e Príncipe.[56]

A delegação do país anfitrião, composta por 1099 membros, sendo 639 atletas, foi a última a entrar no estádio. O porta-bandeira foi o jogador de basquetebol Yao Ming, acompanhado de Lin Hao, um menino de nove anos que sobreviveu ao terremoto da província de Sichuan.[57]

Discursos e protocolo de abertura[editar | editar código-fonte]

Liu Qi, presidente do Comitê Organizador dos Jogos, fez um discurso dando as boas-vindas aos atletas.[58] Em seguida, o presidente do COI Jacques Rogge fez o discurso de abertura, parabenizando a China pela realização dos Jogos, agradecendo aos voluntários e pedindo aos atletas que rejeitem o doping.[59] Finalizando seu discurso, Rogge convidou o presidente da China Hu Jintao a declarar abertos os Jogos.[60]

Em seguida, entrou no estádio a Bandeira Olímpica, trazida por oito atletas: Zhang Xielin (tênis de mesa), Pan Duo (montanhismo), Zheng Fengrong (atletismo), Yang Yang (A) (patinação de velocidade em pista curta), Yang Ling (tiro), Mu Xiangxiong (natação), Xiong Ni (saltos ornamentais) and Li Lingwei (badminton).[61] O hino olímpico foi, então, executado por crianças chinesas, que cantaram em grego.[61] Após o hino, foram feitos os juramentos dos atletas, pela mesa-tenista Zhang Yining, e dos árbitros, por Huang Liping.[61] Encerrando a parte protocolar, cem moças apresentaram uma dança com movimentos mímicos representando pombas.[58]

Acendimento da pira[editar | editar código-fonte]

Li Ning acendeu a pira olímpica, encerrando a cerimônia de abertura.

Após a apresentação artística, o atirador Xu Haifeng trouxe a tocha olímpica para dentro do estádio e iniciou o trecho final do revezamento.[62] Em seguida, conduziram a chama olímpica pelo Ninho de Pássaro Gao Min, dos saltos ornamentais, Li Xiaoshuang, ginasta, Zhan Xugang, halterofilista, Zhang Jun, jogadora de badminton, Chen Zhong, do taekwondo, e Sun Jinfang, do voleibol, que entregou a tocha ao ex-ginasta Li Ning, responsável por acender a pira.[62]

Li Ning, ao acender sua tocha, foi suspenso por cabos de aço até o teto do estádio. Começou, então, a dar uma volta pela parede interna da cobertura, enquanto nela eram projetadas imagens do revezamento pelo mundo.[15] Encerrando a volta, a tocha foi encostada numa estrutura que levou a chama até a pira.[63] Com a pira acesa, seguiu-se um show pirotécnico, que encerrou a cerimônia com cerca de quarenta minutos de atraso.[15]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Acidente nos ensaios[editar | editar código-fonte]

Liu Yan, uma das principais dançarinas da China, caiu de uma plataforma de três metros de altura em 27 de julho, durante os ensaios para a cerimônia.[64] Ela faria a única apresentação solo da cerimônia, no segmento que retrataria a Rota da Seda. Devido aos sérios danos à coluna vertebral, os médicos que a operaram constataram sua paraplegia, após seis horas de cirugia.[65] Liu ficou seis meses em tratamento no hospital.[66]

Ameaças de boicote[editar | editar código-fonte]

A atuação do governo chinês em diversas áreas, como o conflito de Darfur, as relações com o Tibete e o cerceamento de direitos humanos provocaram pedidos de boicote à cerimônia de abertura.[67] Alguns políticos reforçaram a ideia, como a então pré-candidata à presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton[68] e o presidente da França Nicolas Sarkozy.[69] Diversos órgãos, entretanto, fizeram campanha contra o ato, como a Anistia Internacional[70] e o próprio Comitê Olímpico Internacional.[71] Finalmente, os presidentes dos Estados Unidos, George W. Bush, e da França confirmaram presença no evento, desistindo do boicote.[72] [73]

Vazamento de cenas dos ensaios[editar | editar código-fonte]

A emissora sul-coreana Seoul Broadcasting System (SBS) filmou secretamente um dos ensaios e veiculou as imagens em 30 de julho, violando uma proibição do Comitê Olímpico Internacional.[74] O vídeo rapidamente foi carregado no YouTube, mas eliminado logo depois.[75] Como punição, o COI decidiu, em 6 de agosto, banir câmeras da SBS dos Jogos de Pequim.[76]

Fogos de artifício simulados por computador[editar | editar código-fonte]

No início da cerimônia, vinte e nove fogos de artifício representaram uma marcha vinda do centro da cidade em direção ao estádio olímpico. Esse segmento gerou suspeitas de que os fogos tivessem sido simulados por computador, o que foi confirmado pelos organizadores.[26] Na verdade, os fogos realmente foram soltos na noite de 8 de agosto (ou seja, quem passou pelos locais naquele momento viu),[77] mas o que foi apresentado na transmissão oficial foi simulado em computador. A razão foi a dificuldade e o risco de um piloto de helicóptero acompanhar uma sequência de fogos feita dessa forma.[78]

Crianças representantes das minorias[editar | editar código-fonte]

56 crianças trouxeram a bandeira do país.

Em 15 de agosto, o porta-voz do comitê organizador dos Jogos, Wang Wei, confirmou que as crianças que levaram a bandeira chinesa não eram de todas as minorias étnicas do país, embora estivessem vestidas como tal.[28] Todas as crianças eram da etnia Han, a maior do país. Wang disse ainda que era comum atores chineses vestirem trajes típicos de outras regiões.[79]

Dublagem[editar | editar código-fonte]

A canção "Ode à Terra Mãe", interpretada na cerimônia por Lin Miaoke, na verdade foi gravada por Yang Peiyi, que venceu o concurso realizado para escolher a intérprete.[27] A decisão de última hora foi tomada porque os organizadores consideraram Lin mais bonita, enquanto Yang tinha uma voz melhor.[80]

Apesar do escândalo, dublagens em cerimônias olímpicas não são novidade. Em Turim 2006, o tenor Luciano Pavarotti dublou sua apresentação na cerimônia de abertura, devido ao seu câncer pancreático.[81] Na mesma cerimônia, o hino nacional da Itália, cantado por Eleonora Benetti, de nove anos, também foi dublado.[82] Em ambos os casos, entretanto, as vozes eram dos próprios intérpretes. Seis anos antes, nos Jogos de Sydney, a apresentação da Orquestra Sinfônica de Sydney foi totalmente gravada, sendo que a maior parte foi feita pela Orquestra Sinfônica de Melbourne.[83]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Jacques Rogge, presidente do Comitê Olímpico Internacional, descreveu a cerimônia como inesquecível, um evento que "celebrou a imaginação, a originalidade e a energia dos Jogos de Pequim".[84] Hein Verbruggen, chefe da Comissão Coordenadora dos Jogos da XXIX Olimpíada do COI, classificou a noite de 8 de agosto de 2008 como "uma noite para ser relembrada - pelo povo chinês e pelo mundo".[85]

"Espetacular" e "ostentoso" foram dois adjetivos usados para descrever aquela que foi considerada por diversos veículos do mundo a melhor cerimônia de todos os tempos.[86] A rede de televisão dos Estados Unidos CNN declarou que os Jogos apresentaram um "nível de ostentação jamais visto nos Jogos Olímpicos",[87] mesmo elogio dado pelo jornal USA Today.[88] A Agence France-Presse disse que os Jogos, envolvidos por controvérsias e com custo de quarenta bilhões de dólares, vieram à vida com uma cerimônia espetacular.[89] A rede britânica BBC classificou a cerimônia como "deslumbrante".[90] Outros veículos britânicos, como o jornal The Times, alertaram para a dificuldade que Londres, sede dos próximos Jogos Olímpicos, teria para fazer uma cerimônia melhor que a de Pequim.[91]

Apesar de a recepção ter sido, de modo geral, positiva, diversos veículos de imprensa criticaram a cerimônia.[92] O jornal canadense The Globe and Mail destacou a cerimônia como "a mão de ferro por trás do show mágico".[92] A Reuters destacou que a presença do Exército de Liberação Popular da China na cerimônia dava sinais de que os militares seriam uma constante nos Jogos, apesar da promessa de respeito aos direitos humanos e à liberdade de imprensa.[93] O jornal tailandês Asia Times, apesar de elogiar a cerimônia, criticou a falta de emoção nas apresentações.[94] A mesma crítica foi feita pela carnavalesca brasileira Rosa Magalhães, diretora da cerimônia de abertura dos Jogos Pan-Americanos de 2007.[95]

O diretor Steven Spielberg, que chegou a ser conselheiro da cerimônia,[96] classificou-a como "um espetáculo inesquecível".[97] O jornalista Roger Ebert, do Chicago Sun-Times, elogiou o diretor Zhang Yimou, dando a ele uma medalha de ouro simbólica.[98] O trabalho do diretor o levou a ser indicado a Pessoa do Ano de 2008 pela revista Time.[97]

Os números acerca da quantidade de pessoas que assistiram à cerimônia são incertos. O site oficial dos Jogos anunciou quatro bilhões de telespectadores,[99] enquanto a Bloomberg divulgou o número de 2,3 bilhões[100] e o The Wall Street Journal noticiou que cerca de dois bilhões de pessoas haviam assistido ao evento.[101] Em Portugal, a RTP2 teve a maior audiência da década com a transmissão da abertura dos Jogos, vista por mais de 500 mil pessoas.[102] No Brasil, a Rede Globo obteve dezenove pontos no índice IBOPE, bem acima do padrão para o horário. Cada ponto representa 55,5 mil televisores ligados na Grande São Paulo.[103]

Referências

  1. a b c Beijing2008.cn (6 de agosto de 2008). Opening Ceremony plan released (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  2. Afgen.com. The Number Eight And The Chinese (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  3. BBC.co.uk (8 de agosto de 2008). Spectators awed as Games begin (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  4. a b Beijing2008.cn (23 de agosto de 2008). Zhang Yimou and his five creative generals (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  5. AFP (8 de agosto de 2008). Press hails 'greatest ever' Olympic opening show (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  6. Globoesporte.com (8 de agosto de 2008). Cerimônia de beleza exuberante e tom nacionalista inaugura as Olimpíadas (em português). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  7. CNN.com (9 de agosto de 2008). Emotion kicks off China's Olympics (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  8. Terra Esportes (8 de agosto de 2008). Rivais dos chineses, EUA desfilam sob olhar de Bush (em português). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  9. Terra Esportes (8 de agosto de 2008). Desfile de delegação brasileira emociona Lula (em português). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  10. Terra Esportes (8 de agosto de 2008). China abre Jogos com megaespetáculo de tecnologia e luzes (em português). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  11. Reuters (8 de agosto de 2008). Saiba Mais - Grandiosidade da cerimônia de abertura em números (em português). Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  12. Beijing2008.cn/Ceremonies. Welcoming Ceremony (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  13. a b c d Beijing2008.cn/Ceremonies. Performances (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  14. Beijing2008.cn/Ceremonies. Parade of Athletes (em inglês). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  15. a b c Terra Esportes (8 de agosto de 2008). Ex-ginasta "flutua" e acende tocha gigante (em português). Página visitada em 23 de junho de 2009.
  16. a b c d e f g Beijing2008.cn (4 de agosto de 2009). How the Opening Ceremony was born (em inglês).
  17. BBC.co.uk (16 de abril de 2006). Spielberg e Yimou dirigem cerimônia em Pequim 2008 (em inglês). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  18. O Público (4 de junho de 2008). Steven Spielberg despede-se das Olimpíadas de Pequim8 (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  19. Deccan Herald (12 de agosto de 2004). When messengers of peace were burnt alive (em inglês). Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  20. Denver Post (8 de agosto de 2008). Opening ceremonies wow crowd (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  21. Karma Drums. Beijing 2008 opening ceremony: 2008 ancient fou drums countdown and welcome friends section (audio & video) (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  22. a b c d Beijing2008.cn/Ceremonies. Live coverage: Welcoming Ceremony (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  23. a b c Times On Line (9 de agosto de 2008). Olympics: the power and the glory - China leaves world awestruck (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  24. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo : Apsaras volantes – 02 (em francês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  25. Terra Esportes (8 de agosto de 2008). Arcos olímpicos são projetados no estádio (em português). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  26. a b Telegraph.co.uk (10 de agosto de 2008). Beijing Olympic 2008 opening ceremony giant firework footprints 'faked' (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  27. a b BBC.co.uk (12 de agosto de 2008). China Olympic ceremony star mimed (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  28. a b Telegraph.co.uk (15 de agosto de 2008). Beijing Olympics: 'Ethnic' children exposed as fakes in opening ceremony (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  29. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Dancers perform on a scroll (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  30. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Movable-type printing (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  31. Herald Sun (10 de agosto de 2008). How the Opening Ceremony went like a dream (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  32. a b CBC Sports (8 de agosto de 2008). Beijing dazzles: Chinese history, athletes on parade as Olympics begin (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  33. a b c Beijing2008.cn/Cerimonies (8 de agosto de 2008). Live Coverage: Performances (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  34. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Movable columns at the art performance of the 'Beautiful Olympics' (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  35. China Daily (9 de agosto de 2008). Lang delights the crowd with moving performance (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  36. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Performers float high above a human Bird's Nest (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  37. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Martial artists perform Tai Chi (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  38. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Art performance of the opening ceremony (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  39. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: A bird's-eye view of the National Stadium (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  40. Beijing2008.cn (8 de agosto de 2008). Photo: Pictures of children are displayed (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  41. Comitê Olímpico Internacional. List of flagbearers - Bejing 2008 (sic) (em inglês). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  42. O Globo (8 de agosto de 2008). Grécia abre o desfile das delegações na cerimônia (em português). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  43. The Australian (29 de julho de 2008). Australia to be one of last nations to march in Opening Ceremony of Beijing Olympics (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  44. Kabul Press (8 de agosto de 2008). Show de abertura dos Jogos Olímpicos 2008 (em português). Página visitada em 25 de junho de 2009.
  45. UOL Esportes (8 de agosto de 2008). Cerimônia de abertura: desfile dos atletas (em português). Página visitada em 27 de agosto de 2009.
  46. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Speech by IOC President Rogge on Opening Ceremony (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  47. Times On Line (8 de agosto de 2008). North and South Korea to march separately in Olympics opening ceremony (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  48. Terra Esportes (8 de agosto de 2008). Coréias desfilam separadas na abertura em Pequim (em português). Página visitada em 29 de junho de 2009.
  49. Taipei Times (25 de julho de 2008). Taiwan’s Olympic title fuels controversy. Página visitada em 26 de junho de 2009.
  50. Comitê Olímpico Internacional. Montenegro to become the 204th National Olympic Committee (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  51. Rádio Renascença. Dos 204 países participantes nos Jogos de Pequim 2008, 79 nunca ganharam uma medalha olímpica (em português). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  52. Reuters (8 de agosto de 2008). Brunei excluded from Beijing Games (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  53. Comitê Olímpico Brasileiro (15 de setembro de 2008). Confira o resumo da participação brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 (em português). Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  54. Comitê Olímpico de Portugal (24 de julho de 2008). Missão de Portugal fecha com 78 atletas (em português). Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  55. Sports-Reference.com. Angola (em inglês). Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  56. Sports-Reference.com. Sao Tome and Principe (em inglês). Página visitada em 4 de agosto de 2009.
  57. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Yao Ming and boy from quake zone lead Team China into opening ceremony (em inglês). Página visitada em 26 de junho de 2009.
  58. a b Beijing2008.cn/Ceremonies. Live Coverage - Parade of Athletes (em inglês). Página visitada em 28 de junho de 2009.
  59. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Speech by IOC President Rogge on Opening Ceremony (em inglês). Página visitada em 28 de junho de 2009.
  60. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Chinese President Hu Jintao declares open Beijing Olympic Games (em inglês). Página visitada em 28 de junho de 2009.
  61. a b c Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Beijing welcomes world to 2008 Olympic Games (em inglês). Página visitada em 28 de junho de 2009.
  62. a b Beijing2008.cn/Ceremonies. Live Coverage - Lightning of the Cauldron (em inglês). Página visitada em 29 de junho de 2009.
  63. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Photo: Li Ning makes his way to the cauldron (em inglês). Página visitada em 29 de junho de 2009.
  64. The New York Times (14 de agosto de 2008). Behind the Opening Ceremony, a Paralyzing Fall (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  65. China.org.cn (13 de agosto de 2008). Tragedy of paralyzed Olympic dancer (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  66. The New York Times (17 de abril de 2009). Still Dancing in Her Dreams (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  67. Globoesporte.com (4 de abril de 2008). RSF pede boicote da abertura dos Jogos (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  68. Terra Esportes (7 de abril de 2008). Hillary pede que Bush boicote a abertura da Olimpíada (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  69. O Público (25 de março de 2008). Sarkozy admite boicote à cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  70. Terra Esportes (25 de março de 2008). Anistia Internacional é contra boicote a Jogos (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  71. Estadão (11 de abril de 2008). Boicotes políticos prejudicariam atletas, não os Jogos, diz COI (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  72. BBC Brasil (4 de julho de 2008). Bush confirma presença na abertura dos Jogos de Pequim (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  73. O Público (9 de julho de 2008). Sarkozy vai à cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos (em português). Página visitada em 13 de agosto de 2009.
  74. Stuff.co.nz (31 de julho de 2008). Beijing opening ceremony leaked (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  75. BBC Brasil (31 de julho de 2008). Ensaio da cerimônia de Pequim 2008 vaza na Internet (em português). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  76. MSNBC (6 de agosto de 2008). Broadcaster banned for Olympic breach (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  77. NPR (12 de agosto de 2008). Live From Beijing: Computer-Enhanced Fireworks (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  78. MSNBC (11 de agosto de 2008). Part of Olympic display altered in broadcast (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  79. Irish Times (16 de agosto de 2008). Minority ethnic groups used in Games' opening were fake (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  80. Telegraph (12 de agosto de 2008). Beijing Olympics: Faking scandal over girl who 'sang' in opening ceremony (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  81. CBC (7 de abril de 2008). Pavarotti lip-synced final Torino Olympics gig, book reveals (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  82. BNet. Minor singing flaw (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  83. Sydney Morning Herald (26 de agosto de 2008). Revealed: Sydney Olympics faked it too (em inglês). Página visitada em 1 de julho de 2009.
  84. Comitê Olímpico Internacional. Opening Ceremonies: IOC Quotes (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  85. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Verbruggen: Opening Ceremony a grand success (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  86. AFP (8 de agosto de 2008). Press hails 'greatest ever' Olympic opening show (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  87. CNN.com (9 de agosto de 2008). Emotion kicks off China's Olympics. Página visitada em 3 de julho de 2009.
  88. USA Today (9 de agosto de 2008). China opens Olympics with fireworks, pageantry (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  89. AFP (8 de agosto de 2008). Beijing's Games kick off with spectacular opening ceremony (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  90. BBC (8 de agosto de 2008). Games begin with spectacular show (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  91. Times On Line (8 de agosto de 2008). Olympic Opening Ceremony spectacular sets the bar high for London 2012 (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  92. a b The Straits Times. Great show, but... (em inglês). Página visitada em 5 de agosto de 2009.
  93. Reuters (9 de agosto de 2008). Olympic opening gala wins raves, raises questions (em inglês). Página visitada em 5 de agosto de 2009.
  94. Asia Times (12 de agosto de 2008). Awe (but no laughter) in Beijing (em inglês). Página visitada em 5 de agosto de 2009.
  95. Globoesporte.com (8 de agosto de 2008). Rosa Magalhães elogia cerimônia de abertura das Olimpíadas de Pequim (em português). Página visitada em 5 de agosto de 2009.
  96. Último Segundo/IG (12 de março de 2007). Saída de Spielberg não prejudica cerimônia em Pequim, diz Zhang Yimou (em português). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  97. a b TIME (17 de dezembro de 2008). Zhang Yimou (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  98. Roger Ebert (9 de agosto de 2008). Zhang Yimou's gold medal (em inglês) Chicago Sun-Times. Página visitada em 3 de julho de 2009.
  99. Beijing2008.cn (9 de agosto de 2008). Beijing Olympics opening ceremony hailed all over world (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  100. Bloomberg (9 de agosto de 2008). China's Hu Opens Beijing Games to Global Audience of Billions (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  101. The Wall Street Journal (9 de agosto de 2008). Opening Ceremonies Aim To Illustrate Rise to Global Power (em inglês). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  102. IOL Portugal Diário (11 de agosto de 2008). Abertura dos Jogos Olímpicos dá recorde de audiência à RTP2 (em português). Página visitada em 3 de julho de 2009.
  103. Folha Online (8 de agosto de 2008). Cerimônia de abertura de Olimpíada alavanca audiência da Globo (em português). Página visitada em 3 de julho de 2009.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]