Conflito na Irlanda do Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Conflito na Irlanda do Norte
Irlande-capitales-fr.PNG
Data 1968–1998
Local Irlanda do Norte.
Violência estendida para a Inglaterra, a República da Irlanda e a Europa continental.
Desfecho impasse militar[1] e cessar-fogo dos paramilitares
Acordo de Belfast
Acordo de St Andrews

O conflito na Irlanda do Norte (também conhecido em inglês como The Troubles ou o problema) foi um conflito de grande violência pelo estatuto político da Irlanda do Norte, que causou grande perda de vidas durante a segunda metade do século XX. Tratava-se, em primeiro lugar, da população protestante (maioria), em favor de preservar os laços com a Grã-Bretanha, e do outro lado a população católica (minoria), em favor da independência ou a integração da província com a República da Irlanda, ao sul, país predominantemente católico. Ambas as partes recorreram às armas, e a província mergulhou em uma espiral de violência que durou desde o final da década de 1960 até a assinatura do Acordo de Belfast ou Acordo de Sexta-Feira Santa em 10 de Abril de 1998, que estabeleceu as bases para um novo governo, em que católicos e protestantes compartilhassem o poder. [2] [3] [4] [5] [6] No entanto, a violência continuou após essa data e ainda continua de forma ocasional e em pequena escala [7] .

O conflito começou na segunda metade dos anos 60 pelo movimento dos direitos civis contra a segregação religiosa vivida pelos católicos. A oposição entre os republicanos (principalmente o Exército Republicano Irlandês), lealistas e unionistas sobre o futuro da Irlanda do Norte resultou em um aumento da violência durante trinta anos pelos grupos paramilitares de oposição de cada lado, a Policia Real do Ulster, diferentes seções do exército britânico, mas também grande parte da população civil. As campanhas de violência acompanhada pela incapacidade do poder político na Irlanda do Norte, levou a Grã-Bretanha e a República da Irlanda para estabelecer uma solução pacífica no Acordo de Belfast, apesar da pressão da comunidade internacional.

The Troubles têm sido repetidamente descrito como o terrorismo [8] , conflito étnico [9] , guerra de guerrilha [10] , conflito de baixa intensidade e até mesmo guerra civil. .[11] A violência do conflito muitas vezes ultrapassou as fronteiras da Irlanda do Norte, estendendo-se à República da Irlanda e ao Reino Unido. The Troubles tinha tanto dimensões políticas e militares (ou paramilitares). Seus participantes incluíam políticos e ativistas políticos de ambos os lados, republicanos e lealistas paramilitares, e as forças de segurança do Reino Unido e da República da Irlanda. Enquanto que o conflito nunca foi uma guerra declarada, o grande número de baixas sofridas pelas forças britânicas (725 mortos e milhares de feridos), os recursos utilizados pelo governo britânico por mais de 25 anos, a destruição causada em muitas cidades e ao povo da Irlanda do Norte e a Inglaterra e o complexo arsenal utilizado pelos grupos paramilitares sugerem que o conflito foi uma guerra de facto.

Referências

  1. Taylor, Peter, Behind the mask: The IRA and Sinn Féin, Chapter 21: Stalemate, pp. 246–261.
  2. The Politics of Northern Ireland: Beyond the Belfast Agreement by Arthur Aughey (ISBN 978-0-415-32788-6), page 7
  3. Holland, Jack: Hope against History: The Course of Conflict in Northern Ireland. Henry Holt & Company, 1999, page 221. ISBN 0-8050-6087-1
  4. Historical Dictionary of the Northern Ireland Conflict by Gordon Gillespie (ISBN 978-0-8108-5583-0), page 250
  5. Elliot, Marianne: The Long Road to Peace in Northern Ireland: Peace Lectures from the Institute of Irish Studies at Liverpool University. University of Liverpool Institute of Irish Studies, Liverpool University Press, 2007, page 2. ISBN 1-84631-065-2
  6. Goodspeed, Michael: When reason fails: portraits of armies at war : America, Britain, Israel, and the future. Greenwood Publishing Group, 2002, pp. 44 and 61. ISBN 0-275-97378-6
  7. Draft List of Deaths Related to the Conflict. 2002-. Página visitada em 31-07-2008.
  8. Northern Ireland. MI5. Página visitada em 02-10-2007.
  9. Coakley, John. Ethnic Conflict and the Two-state Solution: The Irish Experience of Partition. Página visitada em 02-10-2007.
  10. Knickerbocker, Brad (20-09-2004). Classic Guerrilla war forming in Iraq. Christian Science Monitor. Página visitada em 02-10-2007.
  11. Guerra civil en Irlanda del Norte 1968-1994 On War, 16 de diciembre de 2000

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • McKittrick, David y McVea, David; Making Sense of the Troubles; Penguin Books Ltd, 2001; ISBN 0-14-100305-7

Ver Também[editar | editar código-fonte]