Domingos Olímpio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde maio de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

Domingos Olímpio Braga Cavalcanti ou Domingos Olympio Braga Cavalcanti, como se grafava seu nome na ortografia do século XIX, (Sobral), 18 de setembro de 1851Rio de Janeiro, 7 de outubro de 1906) foi um advogado, diplomata, jornalista, parlamentar e romancista brasileiro. É patrono da cadeira nº 8 da Academia Cearense de Letras.

Exerceu a atividade jornalística no Rio de Janeiro, em periódicos como O Comércio, Jornal do Comércio, Correio do Povo, Cidade do Rio, Gazeta de Notícias e O País. Dirigiu o periódico Os Annaes, semanário que contou com a colaboração de muitos escritores brasileiros e portugueses. Em Os Annaes publicou o romance O Almirante e deixou incompleto O Uirapuru.

Deixou diversos trabalhos, entre romances e peças, a maioria inédita em livro.

Apresentou candidatura para a Academia Brasileira de Letras, mas foi derrotado pelo poeta Mário de Alencar, filho do romancista cearense José de Alencar, tendo contado apenas com o apoio de Olavo Bilac, que faria um elogioso necrológio de Domingos Olímpio, ou Pojucan, um de seus pseudônimos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Domingos Olímpio cearense,nascido em Sobral, advogado, graduado em Direito pela Faculdade de Direito do Recife, onde foi se bacharelar, após fazer os preparatórios em Fortaleza, 1866 . Colou grau em 1873. Foi contemporâneo de Castro Alves.


Obra jurídica: advocacia, ministério público e diplomacia[editar | editar código-fonte]

Voltou ao seu torrão e exerceu a atividade de advogado e promotor público, em Sobral, no Ceará, quando fundou o Teatro Apolo e, em 1875, colaborou com a fundação do Teatro São João, que ainda é um dos principais centros culturais da Região e se encontra restaurado.

Todavia, teve de emigrar definitivamente da sua cidade natal, para alguns por divergências políticas com a família Accyoli, segundo sua viúva, para buscar novos horizontes ( cf. HORA, Mário, op. cit.), mas, ao que se sabe, nunca mais retornou ao Ceará.

Em 1879, atuou como parlamentar Provincial, eleito na legenda do Partido Conservador, em Belém do Pará, em que se firmou como abolicionista e republicano.

Manteve a profissão jurídica após mudar-se para o Rio de Janeiro, onde se fixou, quando venceu a ação que pacificou os limites geográficos entre o Estado do Amazonas e o Estado do Mato Grosso, na qual representou os interesses amazonenses. Advogava junto ao Supremo Tribunal Federal.

Também foi Fiscal da Companhia de Loteria Federal, no Governo de Campos Salles.

Foi viver e trabalhar, como diplomata, em Washington, nos Estados Unidos da América, onde secretariou a missão diplomática chefiada pelo Ministro das Relações Exteriores General Dionísio Evangelista de Castro Cerqueira, que defendeu os interesses brasileiros na arbitragem da Questão das Missões, ou Questão de Palmas quando foram definidos os limites fronteiriços entre Brasil e Argentina, levada a efeito pelo Presidente norte-americano Grover Cleveland.

Obra literária: crônica, cinema, romance e teatro[editar | editar código-fonte]

Desenvolveu intensa atividade jornalística, desde os tempos acadêmicos no (Recife), com o "Movimento", em Belém do Pará, foi redator do "Diário do Grão Pará" e da "Província", por fim, após 1891, no Rio de Janeiro, em periódicos como O Comércio, Jornal do Comércio, Correio do Povo, Cidade do Rio, Gazeta de Notícias e O País. Dirigiu e editou o periódico Os Annaes, semanário que contou com a colaboração de muitos escritores brasileiros e portugueses.


Em 1903 publicou o romance Luzia-Homem, sua obra prima, que é reeditada até hoje e está em domínio público. Mereceu dezenas de críticas favoráveis, como as dos Acadêmicos Afrânio Coutinho e Gustavo Barroso, bem como edições e re-edições, das mais populares e econômicas às mais luxuosas e ilustradas, uma das quais por Clóvis Graciano, raríssima e esgotada, a qual foi impressa sob os auspícios da Sociedade Cem Bibliófilos Brasileiros, um dos seus exemplares permanece exposto no Museu da Chácara do Céu, no Rio de Janeiro.

Esta obra trata do drama das secas, das migrações internas dos sertanejos nordestinos para as regiões do norte e sudeste do Brasil, da exploração política da miséria popular em troca do trabalho em condições análogas à da escravidão, do assédio sexual e moral, da violência policial, da desagregação e do desamparo familiar, em face da luta pela sobrevivência e por um futuro mais feliz.

O drama é totalmente focado em Sobral, cidade à época muito próspera, certamente, das principais da região do agreste nordestino, primorosamente descrita. Repentinamente os sobralenses, estrategicamente posicionados entre a região sertaneja e a litorânea, se vêem em convulsão social, causada por uma das maiores estiagens que o polígono das sêcas brasileiro havia sofrido.

No momento de sua publicação, no Rio de Janeiro, fez um grande sucesso entre os leitores, ainda impactados com outra saga sertaneja: a revolta e o extermínio do Arraial de Canudos, narrado em Os Sertões.

Sua obra-prima inspirou livremente o roteiro de Cacá Diegues para a película Luzia Homem, estrelada pela atriz Claudia Ohana no papel principal; Thales Pan Chacon, que interpretou "Alexandre"; Chico Díaz e José de Abreu. Esta película, dirigida por Fábio Barreto obteve grande sucesso de bilheteria LUZIA HOMEM e a indicação ao prêmio de melhor filme no Festival de Gramado de 1987.

Iniciou a publicação da crítica de costumes O Almirante e deixou inéditos: "História da Missão Especial de Washington", "A questão do Acre", "A loucura na política", "Domitila" (comédia) e "O negro" (romance). Deixou incompleto O Uirapuru.

Produziu diversos trabalhos para peças tais como os dramas: "Túnica de Nessus", "Júlia", "Tântalo", e "Rochedos que choram", "A perdição", e as comédias "Um par de galhetas" e "Os maçons e o bispo", sendo todos representados no Teatro Santa Isabel, no Recife, em Pernambuco; no Teatro São João em Sobral e em Fortaleza, no Ceará e no Teatro São Pedro de Alcântara, atual Teatro João Caetano , no Rio de Janeiro, à época Capital da República do Brasil, a maioria inédita em livro.

=== Agremiações Literárias ===

É patrono da cadeira número 8 da Academia Cearense de Letras.

Apresentou candidatura para a Academia Brasileira de Letras, na vaga aberta com a morte de José do Patrocínio, mas foi derrotado pelo poeta Mário de Alencar, filho do romancista e senador cearense José de Alencar, que contou com o apoio do Barão do Rio Branco e de Machado de Assis, o qual - hoje se suspeita - seria o verdadeiro pai do candidato vitorioso.

Contou com o único apoio de Olavo Bilac, que faria um elogioso necrológio de Domingos Olímpio, ou Pojucan, um de seus pseudônimos. Segundo HORA (op. cit.) Euclides da Cunha declarou à família ter sido iludido, pois sua intenção era ter votado no candidato derrotado e não o inverso.

Morte e Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter falecido muito cedo, de mal súbito, aos 56 (cinquenta e seis anos) de idade, na sua residência na antiga Rua Dona Luíza, atual Cândido Mendes, antigo número 12, que liga os bairros da Glória (bairro do Rio de Janeiro) a Santa Teresa (bairro do Rio de Janeiro) na cidade do Rio de Janeiro, de onde saiu o féretro para sua sepultura no Cemitério São João Batista, deixou numerosa família, a qual se refere o Padre João Mendes LIRA (op cit.).

Era o mais velho de quatro irmãos,(Antonio Raymundo Braga Cavalcanti, Felinto Alcino Braga Cavalcanti, José Leandro Braga Cavalcanti e Maria Jacintha Braga Cavalcanti) Domingos Olímpio somou grande prole, sobrinhos e primos: "...Os seus sete filhos, deram-lhe trinta e quatro bisnetos, 50 trinetos e 5 tetranetos, num total de 109 descendentes", computados em 1977 (p.32).

Era neto do Capitão José de Holanda Cavalcanti, e de Anna Francisca do Carmo, pais de seu pai Antonio Raymundo de Holanda Cavalcanti, que nasceu em Aracaty-Assú, no litoral do Ceará. A ascendência do lado materno proveio de Rita de Cássia Pinto Braga Cavalcanti, filha de Domingos José Pinto Braga e Maria Antonia Ferreira Braga.

Casou-se duas vezes, a primeira vez em 1875, em Sobral, com Dona Adelaide Ribeiro Braga Cavalcanti, falecida em 1878, com quem gerou duas filhas: a primeira filha, Albertina, lhe deu duas netas; Maria de Souza Cavalcanti, casada com o Engenheiro Raymundo Cavalcanti e Adelaide Cavalcanti de Oliveira casada com o sr. José Segio Mário de Oliveira; a segunda filha, Guiomar (que casou-se com um dos seus quatro irmãos o Marechal Felinto Alcino Braga Cavalcanti), lhe deu cinco netos: Comandante Antonio Pojucan Ribeiro Cavalcanti , Major Domingos Kyribao Cavalcanti, Coronel Filinto Abaeté Cavalcanti, pai de Lia e avó de Roberto Cavalcanti Landau e Elena Landau, e o Joaquim Mory Cavalcanti, o qual casou-se com Yolanda.

Do segundo consórcio, em 1892, no Rio de Janeiro, RJ, com Dona Anna Augusta Braga Torres, neta do Governador Francisco Xavier Torres e filha do Brigadeiro Francisco Xavier Torres Junior e de Maria Pinto Braga Torres, e nascida no Maranhão, registrou mais cinco, do total de sete filhos: o terceiro, engenheiro Domingos Olympio Braga Cavalcanti Filho, casado com Noemia Brito Cavalcanti e que lhe deu o neto Engenheiro Domingos Olympio Brito Cavalcanti casado com Carmen Viveiros de Castro Cavalcanti, que tiveram duas filhas: Maria Beatriz Cavalcanti Landau e Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti, professora tiular do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, da UFRJ.

A quarta filha, Martha Washington Cavalcanti Cruz, viúva do Juiz Eurico Cruz. Após se casar, em segundas núpcias, e novamente enviuvar, desta feita, do General Benjamim Liberato Barroso-o qual foi governador do Ceará por 3, três, oportunidades- ela passou a assinar Martha Washington Cavalcanti Barroso.

Esta gerou o neto Benjamin Eurico Cruz,(*1915/+1992)- que também foi advogado, Procurador da União junto à Justiça do Trabalho e Ministro do antigo Ministério do Trabalho e Previdência Social (1962/3), o qual hoje se subdivide em Ministério do Trabalho e Ministério da Previdência Social e que lhe deu seis bisnetos: Desembargador Federal, aposentado, e ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 15a. Região, Eurico Cruz Neto, Stela-Cristina Silveira Cruz, Benjamin Filho, Marta-Cristina Silveira Cruz, Luís Silveira Cruz e Laura-Christina Silveira Cruz e nove trinetos Thaís Prates de Macedo Cruz, Liana Prates de Macedo Cruz,Anna Bernardes da Cunha, Ana L. Cruz Mantovani, Daniel Simon, Rodrigo Y. Eurico Cruz, Nicolás M. Avellaneda, Bruno Caraffa e Andrés Avellaneda), e dois tetranetos: Henrique Spagnol e Helena Cruz Mantovani.

Seu quinto filho foi o Engenheiro Alberto Cavalcanti, que fundou e dirigiu a Construtora Cavalcanti & Junqueira, com sede no (Rio de Janeiro) e obras em diversos locais do Brasil, inclusive o Estádio Mário Filho, ou Maracanã e em Brasília, Distrito Federal, o qual deixou viúva, Alejandrina Jacques, mas não deixou descendentes.

A sexta filha foi Ana Violeta Cavalcanti Durão, casada com o Engenheiro Hermano Durão, e também mãe de cinco filhos: Hermano Alberto , "Betô", Haroldo, Roberto, Sônia Maria e Otávio Cavalcanti Durão, o único de seus netos ainda vivo- todos, com exceção de Betô, deixaram prole.

A sétima filha, a caçula, foi Laura Cavalcanti Amaral, viúva de Heitor Amaral, também sem descendentes.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em sua honra nomearam-se logradouros públicos em diversos lugares do Brasil:

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Luzia-Homem (1903), romance
  • O Almirante, romance
  • O Uirapuru, romance inacabado
  • A Perdição (1874), teatro
  • Rochedos que Choram, teatro
  • Túnica Nessus, teatro
  • Tântalo, teatro
  • Um Par de Galhetas, teatro
  • Os Maçons e o Bispo, teatro
  • História da Missão Especial de Washington, relato
  • A Questão do Acre, história
  • A Loucura na Política, biografia
  • Domitila, teatro

Referências[editar | editar código-fonte]

  • BARROSO, Gustavo. Prefácio à 2a. ed. de "LUZIA HOMEM", Rio de Janeiro, RJ, 326 pp., ed. 1929: Livraria Castilho .
  • BEVILÁQUA, Clóvis. "História da Faculdade de Direito do Recife", verbete 309, pág. 140, 2a. ed. 1977 Recife, PE:464 pp. . Universidade Federal de Pernambuco, Faculdade de Direito.
  • BRASIL, Jornal do. Edição de 7 de outubro de 1906. Rio de Janeiro, RJ: Jornal do Brasil .
  • COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo, SP: Global.
  • HORA, Mário. "Foi o primeiro a fixar no romance o drama das secas", artigo publicado na edição de 18 de setembro de 1950, primeira e segunda página. Rio de Janeiro, RJ: Jornal O Globo.
  • LIRA, Padre João Mendes. "A VIDA E OBRA DE DOMINGOS OLIMPIO", 70pp. Sobral, CE: Ed.1977.
  • MANHÃ, Correio da. Edição de 24 de setembro de 1950. Rio de Janeiro, RJ: Correio da Manhã.
  • SILVA NOBRE, Francisco da - "1001 Cearenses Notáveis" - Impressso pela Casa do Ceará Editora - Rio de Janeiro - 1996
  • STUDART, Guilherme Barão de Studart, "Diccionario Bio-Bibliographico Cearense de 1910,1913,1915"-Imprensa Universitária da U.F.C .,Universidade Federal do Ceará- 1980.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
O Wikisource possui obras de
Domingos Olímpio