Enrique Dussel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido (desde março de 2008). Ajude e colabore com a tradução.
Enrique Dussel na Facultad de Filosofía y Letras UNAM Março 2009


Enrique Dussel, (Mendoza, Argentina, 24 de dezembro de 1934-) é um filósofo argentino radicado (exilado) desde 1975 no México. É um dos maiores expoentes da Filosofia da Libertação e do pensamento latino-americano em geral. Autor de uma grande quantidade de obras, seu pensamento discorre sobre temas como: filosofia, política, ética e teologia. Tem se colocado como crítico da pós-modernidade chamando por um novo momento denominado transmodernidade. Tem mantido diálogos com filósofos como Apel, Gianni Vattimo, Jürgen Habermas, Richard Rorty, Lévinas. É um crítico do pensamento eurocêntrico contemporâneo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em La Paz,(Mendoza, Argentina), em 1934.

Entre 1953 e 1957 estuda filosofia na Universidade Nacional de Cuyo. Sua tese de licenciatura trata da noção de bem comum entre os gregos.

Radicado Espanhol, segue seus estudos filosóficos na Universidad Complutense de Madrid. Em 1959 apresenta sua tese (em que segue investigando o bem comum) e obtém o doutorado.

Desde 1959 e até 1961 vive em Nazareth, Israel, junto ao sacerdote Paul Gauthier, trabalhando como carpinteiro. Esta experiência no Oriente Médio determinará sua futura reflexão, porque lá teve a oportunidade de vivenciar a pobreza e a exclusão.

Radicado na França em 1961, estuda Teologia e História na Sorbonne . Em uma viagem à Alemanha, em 1963 conhece a sua futura esposa, Johanna Peters. Mantém contato com Joseph Lortz, e entre 1964 e 1966 estuda no Arquivo de Indias de Sevilla. Obtem um título em estudos de Religião no Instituto Católico de Paris, em 1965. Seus conhecimentos e interesses pela história da igreja no período da conquista e colonização da América motivaram sua tese Les Evêques hispano-americains, defenseurs et evangelisateurs de l' indien (1504-1620), pela qual obtém o Doutorado em História.

Em 1968 regresa a Mendoza para lecionar Ética na Universidad Nacional de Cuyo. Entre 1969 e 1973 começa uma importante etapa de sua reflexão, cujo resultado são publicações relevantes pela originalidade. Formula pela primeira vez a possibilidade de uma filosofia da libertação. Vai de encontro aos pensamentos de Heidegger e Husserl, sua leitura de Emmanuel Levinas produz, segundo suas palavras, o "despertar do sonho ontológico".

A ditadura militar começa a lhe ser hostil. Sofre um atentado a bomba, em sua casa, em 1973. Acusam-no de ser marxista e começam a ser freqüentes as ameaças de morte por grupos paramilitares. É expulso da Universidade Nacional de Cuyo em 1975. Seus livros são proibidos e as publicações que dirigia são censuradas. Nesse mesmo ano se exila no México.

Lá trabalha como professor no Departamento de Filosofia da Universidad Autónoma Metropolitana, unidade de Iztapalapa (1975) e na Universidad Nacional Autónoma de México (1976).

Enrique Dussel recebeu dois títulos Doutor Honoris Causa: pela Universidade de Friburgo, Suiza em Teologia (1981), e pela Universidad Mayor de San Andrés, Bolívia (1995).

Fundou ou presidiu conhecidas associações, como a Comissão de Estudos de História da Igreja na América Latina (CEHILA), a Ecumenical Association of Third World Theologians e a Asociación de Filosofía y Liberación (AFYL). Foi fundador da Revista de Filosofía Latinoamericana, de Buenos Aires

Obras filosóficas[editar | editar código-fonte]

Sua maior contribuição é a filosofia da libertação, onde critica o método filosófico clássico e propõe a Analética como um novo método de pensamento crítico integral sobre a realidade humana. A partir de sua metodologia filosófica, produz uma série de obras, dentre as quais:

  • Introducción a la Filosofía de la Liberación.
  • Filosofía de la liberación.
  • Método para una Filosofía de la Liberación.
  • Para una Ética de la Liberación Latinoamericana.
  • Liberación de la Mujer y Erótica Latinoamericana.
  • La Pedagógica Latinoamericana.
  • Liberación Latinoamericana y Emmanuel Levinas.
  • Filosofía de la Producción Praxis Latinoamericana
  • Filosofía de La Liberación.
  • La Producción Teórica de Marx, Hacia un Marx desconocido,
  • El último Marx.
  • Las Metáforas Teológicas de Marx
  • Nueva edición: Las Metáforas Teológicas de Marx, Editorial El perro y la rana, Caracas, 2007.
  • 1492: El Encubrimiento del Otro.
  • Apel, Ricoeur, Rorty y la Filosofía de la Liberación.
  • Ética de la Liberación ante Apel, Taylor y Vattimo
  • Historia de la Filosofía y Filosofía de la Liberación
  • Ética de la Liberación en la edad de la globalización y la exlusión
  • Hacia una Filosofía Política Crítica.
  • Filosofía de la cultura y la liberación.
  • 20 tesis de política.
  • Política de la liberación. Historia mundial y crítica.

Em português:

  • De Medellin a Puebla: uma Década de Sangue (1982). São Paulo: Loyola
  • Método para uma Filosofia da Libertação (1986). São Paulo: Loyola.
  • História da Igreja Latino-Americana: 1930 a 1985 (1989). São Paulo: Editora Paulus. ISBN 8534903808
  • História Liberationis:500 Anos de História da Igreja na América Latina (1992). São Paulo: Editora Paulus. ISBN 8505014162
  • Filosofia da Libertação: Crítica à Ideologia da Exclusão (1995). São Paulo:Editora Paulus.2a edição. ISBN 8534902968
  • Teologia da Libertação - Um panorama do seu desenvolvimento (1999). Petrópolis:Vozes. ISBN 8532622046
  • Ética da Libertação - Na idade de globalização e da exclusão (2002). Petrópolis: Vozes. 2a edição. ISBN 8532621430
  • Por um mundo diferente- Alternativas para o Mercado Global, em co-autoria (2003). Petrópolis: Vozes. ISBN 8532628931
  • 20 Teses de Política (2003). Editora: Expressão Popular. ISBN 9789871183685

Suas obras completas podem ser encontradas nos sites CLACSO ou IFIL

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Sítio do autor AFYL NEFILAM IFIL

Trabalhos sobre o autor
Conferências do filósofo