Sidi Kacem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marrocos Sidi Kacem
سيدي قاسم , Sīdī Qāssim
 
—  Município  —
Sidi Kacem está localizado em: Marrocos
Sidi Kacem
Localização de Sidi Kacem em Marrocos
34° 13' N 5° 42' O
Região Gharb-Chrarda-Beni Hssen
Província Sidi Kacem
Administração
 - Váli Chakib Bourkia
 - Prefeito Benaïssa Ben Zéroual (2009, PI)
Altitude 194 m (636 pés)
População (2004)[1] [2]
 - Total 74 036
 - Estimativa (2012) 78 709
Gentílico: Kacemis
Zoco semanal quinta-feira e domingo
Sítio www.sidika.co.ma

Sidi Kacem (em árabe: سيدي قاسم; transl.: Sīdī Qāssim), chamada Petitjean durante o período colonial francês, é uma cidade do noroeste de Marrocos, capital da província homónima, que faz parte da região de Gharb-Chrarda-Beni Hssen. Em 2004 tinha 74 036 habitantes[1] e estimava-se que em 2012 tivesse 78 709 habitantes.[2]

Situada nos eixos Meknès-Tânger e Fez-Rabat, de que dista, respetivamente, 45, 210, 85 e 120 km, Sidi Kacem encontra-se no local onde o rio Rdom deixa o planalto de Meknès e entra na planície fértil do Gharb (gharb significa oeste em árabe, ou seja, a oeste de Fez, a antiga capital do reino). A cidade é um centro de coleta de cereais produzidos nas colinas situadas a leste e a norte. Os grossistas de trigo são chamados localmente "cerealistas". A cidade é também um centro comércio importante para a zona sudeste da rica planície do Gharb, que produz citrinos, azeite, algodão, beterraba e arroz. Há dois zocos (souks; mercados) semanais importantes, um às quintas-feiras, realizado no centro urbano, frequentado pelos camponeses da região, e outro aos domingos, mais recente, realizado a norte da cidade, que é frequentado principalmente por habitantes da cidade.

Zaouïa de Sidi Kacem[editar | editar código-fonte]

O nome dado à cidade depois da independência deve-se a este monumento religioso, o mausoléu dum sábio e santo muçulmano, que também é sede (zaouïa) duma confraria religiosa que se acolhe os peregrinos do santo. A zaouïa encontra-se na zona mais alta, que se ergue acima da margem esquerda do rio Rdom. O marabuto Sidi Qāsim bou 'Asriya, também chamado Sidi Qāsim Moulāl-Héri atrai peregrinos desde há quatro séculos e é o centro religioso da tribo guich dos Chérardas, originários do Iémen e que se instalaram em Marrocos durante a dinastia saadiana (séculos XVI e XVII). À volta da zaouïa, em ambas as margens do rio, há bairros habitados por operários agrícolas que trabalham nas grandes explorações agrícolas da planície.

História[editar | editar código-fonte]

A existência da zaouïa deve ter contribuído para o sucesso do zoco das quintas-feiras (souk al-Khmis) que se realizava na planície. Perto do local do zoco foi criada em 1912 uma aldeia de colonos franceses e espanhóis, muitos deles vindos da Argélia. A intenção principal destes colonos era a exploração das ricas terras agrícolas, que nesse tempo eram terrenos pantanosos e insalubres usadas para criação de gado. A nova povoação foi dotada duma igreja e dum cemitério. Os 169 corpos sepulatdos neste cemitério foram transladados para o cemitério europeu de Kenitra em novembro de 1994.

À povoação foi dado o nome dum capitão do exército francês que se notabilizou na região (perto de Kenitra) durante a chamada "pacificação", Petitjean. O nome foi escolhido pelo coronel Henri Gouraud. A comuna de Petitjean foi criada como centro colonial agrícola e centro comercial e industrial.

Em 1919 foi descoberto petróleo perto dali, em Tselfat, o que contribuiu para que cerca de 1920 começasse a ser construída uma estação ferroviária para a nova linha ferroviária de para substituir a de existente, de via estreita, que passava em Dar Blhamri, perto de Sidi Slimane. A nova linha ligou Petitjean a Fez a partir de 1923 e a Tânger a partir de 1927. Na estação de Petitjean encontravam-se três linhas, uma para Tânger, outra para Meknès, Fez e Oujda, e outra para Kenitra, Rabat, Casablanca e Marraquexe.

Junto à estação foi construída uma refinaria de petróleo, que contribuiu ainda mais para o desenvolvimento da cidade, criando centenas de postos de trabalho. No período colonial, só existia outra refinaria em Marrocos para além da de Sidi Kacem: a de Mohammedia, a norte de Casablanca. A refinaria de Sidi Kacem já se encontra encerrada.

Outras unidades industriais instaladas em Sidi Kacem são, por exemplo, uma fábrica de reparação de garrafas da Afriquia Gaz, a líder marroquina em distribuição de gás liquefeito e em combustíveis, e uma fábrica de tijolos, um centre de armazenamento de combustíveis. Mais recentemente, foi construída uma zona industrial moderna, perto do local do zoco de domingo.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Recensement général de la population et de l'habitat 2004 (em francês). www.hcp.ma. Royaume du Maroc - Haut-Comissariat au Plan. Página visitada em 15 de fevereiro de 2012.
  2. a b Maroc: Les villes les plus grandes avec des statistiques de la population (em francês). gazetteer.de. World Gazeteer. Página visitada em 15 de fevereiro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Marrocos, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.