Silent Hill

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Silent Hill
サイレントヒル
Logo principal da série
Criador Team Silent
Trabalho original Silent Hill
Publicações impressas
Livros Lost Memories
Drawing Block: Silent Hill 3 Program
Silent Hill
Romances Silent Hill: Play Novel
Art of Silent Hill
Lost Memories: The Art and Music of Silent Hill
Inescapable rain in Yoshiwara
Silent Hill Experience
The Silent Hill: Cage of Cradle
Silent Hill: The Arcade
Silent Hill: Double Under Dusk
Silent Hill: The Escape
Silent Hill: Mobile/Orphan
Silent Hill Mobile 2/Orphan 2
Quadrinhos Silent Hill
Filmes e televisão
Filmes Silent Hill
Silent Hill: Revelation 3D
Lazer
Jogos eletrônicos Silent Hill
Silent Hill 2
Silent Hill 3
Silent Hill 4: The Room
Silent Hill: Origins
Silent Hill: Homecoming
Silent Hill: Shattered Memories
Silent Hill: Downpour
Silent Hills

Silent Hill (サイレントヒル, Sairento Hiru?) é uma série de jogos eletrônicos produzida pela Konami. É comumente classificada como um survival horror, gênero que inclui entre outros jogos Alone in the Dark, Resident Evil, Siren e Fatal Frame, porém, do tipo psicológico. Desenvolvido pela Konami, foi lançado originalmente para o PlayStation, possuindo também versões para Xbox, PlayStation 2, Xbox 360, Wii, Playstation 3, PlayStation Portable, Game Boy Advance, arcade e computador. A série compreende oito jogos principais que não seguem uma cronologia fixa, dois filmes e sete jogos de estilos que fogem ao gênero de survival horror.

Características e jogabilidade[editar | editar código-fonte]

A série se baseia principalmente no clima de terror, tendendo, não raramente, ao bizarro e ao grotesco, mas, sempre voltado ao psicológico, buscando criar um ambiente de medo e tensão por meio da ambientação, tanto gráfica quanto musical. A principal diferença entre o Survival Horror psicológico, criado por Silent Hill, e outros jogos semelhantes, é a quase ausência de sustos. Uma característica típica da série é o design dos monstros: em todos os jogos, há criaturas humanoides ou animalescas, o que leva a uma tendência visualmente bizarra. Ele possui diversos enigmas (puzzles) ao longo do jogo, característica própria do gênero. O jogador controla o protagonista na perspectiva de terceira pessoa, com exceção do jogo Silent Hill 4: The Room, em que, enquanto você está na casa do personagem principal, a visão se dá em primeira pessoa, sendo o restante em terceira pessoa. Cada jogo se inicia com um filme introduzindo a história e, ao longo do jogo, pequenos vídeos, chamados de cutscenes, são apresentados.

Outra característica dos jogos são os vários finais possíveis, determinados pelas diversas escolhas do jogador, aumentando sua longevidade. Geralmente, os finais são classificados como Good (bons, felizes) e Bad (ruins, tristes) e contém informações complementares do enredo, além de finais alternativos sem ligação direta com a série, chamados de easter eggs, como os finais UFO.

Fundamentos para a história[editar | editar código-fonte]

A trama de Silent Hill é criada tendo várias inspirações em filmes, livros e séries de horror. Tem, também, por base, teorias da parapsicologia e da filosofia.[1] Considera-se que o pensamento humano tem uma certa energia psíquica que é forte de acordo com o poder do pensamento. Essa energia é capaz de se manifestar no ambiente em volta da pessoa, em geral, ou em outras pessoas, em particular. Uma experiência[2] feita por Masaru Emoto, apesar de não comprovada cientificamente, mostra que cristais de água pura tinham estruturas que se apresentavam diferentemente de acordo com o pensamento a que era submetida. A forma dos cristais era bela ou feia, dependendo se o pensamento era positivo ou negativo, respectivamente. Em outras palavras, as consequências da atividade psíquica de uma pessoa não são limitadas apenas a si, podendo haver efeitos externos. Essa força psíquica pode ser acumulada num ambiente e alterá-lo psicologicamente de acordo com o caráter do pensamento.[3] Baseado nisso, cria-se o "mundo alternativo" ou "das sombras" dos jogos. Esses mundos são reflexos dos pensamentos e emoções do personagem ou personagens em questão no jogo. Mas, além do "mundo alternativo", os monstros também são reflexos do estado emocional dos protagonistas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

O título, por si só, "Silent Hill" (Colina Silenciosa), insinua uma cidade muda, sem habitantes. É uma cidade isolada que fica ao lado do Lago Toluca, em um Estado dos Estados Unidos, que, como em muitas cidades pequenas de histórias de terror e filmes, é permeada por um antigo mal demoníaco e tem criaturas rondando as ruas e os prédios, que só podem ser vistos por pessoas "especiais". Como uma descrição, na capa do próprio disco do jogo, dizia: "Toda cidade tem seus segredos. Alguns são apenas mais nefastos do que outros". A cidade, continuamente, troca entre a nossa realidade e a decadência do "outro mundo", sempre criado pela mente perturbada de um dos personagens do jogo. No primeiro jogo, os protagonistas, que possuem uma ligação preliminar com o local, vão até o que parece ser uma cidade abandonada; no segundo, terceiro e quarto jogos, a cidade atrai pessoas que tem alguma conexão prévia com ela.

A localização exata da cidade de Silent Hill é complexa. O jogo retrata a cidade como pequena, segmentada, envolta em névoa, que, no filme de 2006, tem como explicação uma intensa e eterna chuva de cinzas devido ao incêndio de uma mina de carvão no subsolo da cidade. Cercada por grandes montanhas e flanqueada por um lago, poderia ser qualquer uma de cem cidades nos Estados Unidos. O manual do primeiro jogo descreve Silent Hill como uma pequena cidade de férias na Nova Inglaterra, e o que cerca a cidade, particularmente a neblina, é similar à região. A cidade pode estar localizada no norte da Nova Inglaterra, possivelmente no estado de Maine (cenário de muitos dos livros de terror de Stephen King). No terceiro jogo, é citada a cidade de Portland como uma cidade próxima a Silent Hill. Portland é uma região metropolitana de Maine, além de ser terra natal de Stephen King. No segundo jogo, o número das placas em todos os carros são de Michigan. O quarto jogo se passa numa cidade chamada Ashfield, que relembra Fall River, Massachusetts, cidade da famosa assassina Lizzie Borden.

Evidências da localização de Silent Hill podem ser vistas no primeiro jogo, quando Harry procura a escola. Afixado às paredes há algo que parece "Chicago News", escrito em negrito. Com os rochedos próximos, é possível que a cidade esteja próxima do Lago Michigan. É certo, porém, que Silent Hill possa estar situada no meio do nada (os sinais das placas em Silent Hill 2 indicam longa distância entre Silent Hill e as cidades vizinhas).

A cidade de Silent Hill é, também, localizada próximo a um grande lago chamado Toluca, o que sugere que esteja localizada ao sudeste da Califórnia, onde também há um lago chamado Toluca. Isso é reforçado pelo fato de que o carro de Douglas Cartland, em Silent Hill 3, tem marcas da Califórnia. E, somado a isso, Silent Hill 3 não começa em lugar nenhum da cidade, na qual só é visitada na segunda metade do jogo quando Douglas e a protagonista do jogo, Heather Mason, entram, depois de uma longa viagem de carro, à noite. Novamente, isso dá muita ambigüidade sobre onde está Silent Hill.

No entanto, a trilha sonora da versão japonesa de Silent Hill 4: The Room dá o endereço para o Heaven's Night, um clube de striptease, em Silent Hill, e o estado é listado como Maine. Então, muitos fãs decidiram que Silent Hill está em Maine. A adaptação para filme, que foi lançado no dia 21 de Abril de 2006, coloca Silent Hill no condado fictício Toluca, Virgínia Ocidental.

Ao mesmo tempo, enquanto Silent Hill é uma cidade turística e de passeio, o "outro mundo" que os protagonistas encontram (com as paredes pulsando e criaturas a espreita), pode ser entendida como sendo manifestações físicas da escuridão das mentes deles, de outros personagens e de pessoas há muito tempo mortas. Simplificando, a cidade pode possivelmente estar na mente dessas pessoas.

Origem[editar | editar código-fonte]

A origem de Silent Hill data do século XVII. Antes da chegada dos colonizadores ingleses, a área era um lugar sagrado, onde os nativos indígenas americanos conduziam rituais religiosos e referenciavam o lugar como "O local dos espíritos silenciados". Por volta de 1600, começa a colonização dos EUA, mas, só em meados de 1607 os colonos ocupam o território de Silent Hill. No começo do século XVIII acontece uma terrível epidemia na cidade e os habitantes a abandonam. Nesse século, os EUA declaram independência e George Washington é eleito o primeiro presidente.

Quando estoura a Guerra de 1812, a cidade é repovoada como uma colônia de prisão; então a Prisão Silent Hill (um dos locais do segundo jogo) é construída e só então a cidade recebe o nome de Silent Hill. Muitas pessoas morreram nessa terra e por causa dos pensamentos e sentimentos dos prisioneiros, a energia original da cidade foi gradualmente aumentada e distorcida.

Uma nova epidemia ocorre e o Hospital Brookhaven é construído para contê-la. Em 1830, começa a remoção forçada dos índios nativos. Por volta de 1840, a Prisão Silent Hill é fechada e, sobre esse terreno, é construída a Sociedade Histórica de Silent Hill, que reúne documentos e obras de artes da origem da cidade. Em torno de 1850, é descoberto uma mina de carvão, posteriormente chamada de Wiltse, revitalizando a cidade.

Em 1861 começa a Guerra Civil Americana (Guerra de Secessão) e Patrick Chester (que é homenageado com uma estátua no Lago) participa na guerra junto com seu filho. Em 1862 o campo de prisão Toluca foi construído para prisioneiros de guerra. Entre 1865 e 1866 é o ponto máximo da Guerra Civil e o Campo de prisão é transformado na Prisão Toluca. Em torno de 1890 a resistência dos nativos americanos termina e, em Silent Hill, pessoas começam a desaparecer. No começo do Século XX a Prisão Toluca é fechada e a mina de carvão Wiltse pega fogo. Com isso, Silent Hill se torna uma cidade turística, em decadência.

Em Novembro de 1918, num dia nublado, um barco chamado Pequena Baronesa desaparece no lago e, desde então, nunca mais se teve pistas nem da embarcação, nem dos catorze tripulantes e turistas. A partir de 1939, estranhos incidentes ocorreram no Lago Toluca e algumas pessoas diziam ver mãos esqueléticas saindo da água para tentar agarrar os barcos que passavam e depois voltando para o fundo do lago. Durante uma data desconhecida, o prefeito de Silent Hill morre de repente e os integrantes da equipe de desenvolvimento turístico da cidade morrem um a um de acidente.[4]

Série[editar | editar código-fonte]

Jogos principais[editar | editar código-fonte]

Silent Hill: Downpour Silent Hill: Shattered Memories Silent Hill: Homecoming Silent Hill: Origins Silent Hill 4: The Room Silent Hill 3 Silent Hill 2 Silent Hill (jogo eletrônico)

Silent Hill (1999)[editar | editar código-fonte]

Concebido pelo projetista de jogos Keiichiro Toyama, em 1999, o primeiro Silent Hill foi lançado para o PlayStation. A história do jogo se baseia na chegada de Harry Mason a Silent Hill e, consequentemente, na procura por sua filha, Cheryl. Durante o progresso do jogo, Harry descobre que a sua filha adotada tem uma relação com a cidade nunca revelada.

Silent Hill 2 (2001)[editar | editar código-fonte]

O segundo jogo da série, Silent Hill 2, foi lançado em 2001 para o PlayStation 2, Xbox e computador. As versões expandidas para o Xbox e para computador são conhecidas como Silent Hill 2: Restless Dreams e continham um cenário extra, que foi incluído na lista da Sony de maiores sucessos para o PlayStation 2. A história tinha como personagem principal James Sunderland, que recebeu uma carta da sua falecida esposa, que dizia estar esperando em seu "lugar especial", o que o levou à Silent Hill.

Silent Hill 3 (2003)[editar | editar código-fonte]

O terceiro jogo da série, Silent Hill 3, foi lançado, em 2003, para PlayStation 2 e para computador. Como uma sequência direta aos eventos do primeiro jogo, a história se baseia numa adolescente chamada Heather Mason, filha de Harry Mason, que acaba descobrindo tudo sobre o seu passado sombrio na cidade assombrada de Silent Hill.

Silent Hill 4: The Room (2004)[editar | editar código-fonte]

Silent Hill 4: The Room foi lançado, em 2004, para o PlayStation 2, Xbox e computador. Com algumas relações ao Silent Hill 2, a história segue o protagonista Henry Townshend, que se vê trancado em seu próprio apartamento até que um buraco repentinamente aparece na parede de seu banheiro. Um dos personagens mencionados nos jogos anteriores é o principal inimigo, Walter Sullivan. Originalmente, Silent Hill 4: The Room não seria mais um jogo da série Silent Hill, mas a Konami decidiu mudar o nome para este por não querer começar outra serie de jogos visto que a serie Silent Hill ainda não estava acabada.[5]

Silent Hill: Ørigins (2007)[editar | editar código-fonte]

Primeiramente anunciado na E3 de 2006 para o PlayStation Portable, foi lançado para os Estados Unidos no dia 6 de Novembro de 2007. O jogo conta a história antes do primeiro Silent Hill. O personagem principal, Travis Grady, chega à cidade logo após quase atropelar uma garota avistada no meio da estrada. Ele tenta voltar ao caminhão, mas um vulto o assombra e o único meio que o resta é correr pela única estrada que existe. Essa estrada o leva à Silent Hill. O protagonista tenta achar um meio de sair do local, mas, consequentemente, ele descobre os detalhes mais sombrios da pacata cidade. Esse é um dos títulos que não foram criados pelo Team Silent, mas sim pela Climax Studios. Após várias especulações, Silent Hill: Ørigins foi finalmente lançado para PlayStation 2 no dia 4 de Março de 2008.[6]

Silent Hill: Homecoming (2008)[editar | editar código-fonte]

O sexto jogo oficial da série foi confirmado no dia 11 de Julho de 2008, durante a E3 do mesmo ano para o PlayStation 3 e Xbox 360. O jogo conta a história de Alex Shepherd, um soldado que acabou de retornar de uma guerra. Shepherd descobre, na sua chegada, que seu pai havia partido e sua mãe ficou paranóica. Joshua, seu irmão, é o único que continua normal, mas, depois de um tempo, ele desaparece. O jogo contará a história de Shepherd em busca de seu irmão. Assim como Silent Hill: Ørigins, o Team Silent não produziu esse jogo, porém, ainda com a participação da The Collective, da Foundation 9 Entertainment.

Silent Hill: Shattered Memories (2010)[editar | editar código-fonte]

O sétimo jogo oficial da série é produzido pela Climax Studios. O jogo é uma releitura do primeiro jogo da série, mas é um jogo totalmente novo, segundo Tomm Hulett. Você ainda controlará Harry Mason em busca de sua filha Cheryl na cidade de Silent Hill. Algumas mudanças já podem ser notadas desde o começo: o design dos personagens é diferente, e suas escolhas também afetarão este design. O acidente de carro ocorre em uma rua diferente, mas antes de tudo isso, você está em uma clínica psiquiátrica. Tudo é visto em primeira pessoa nesta cena, e pode ser controlado. Em 8 de dezembro de 2009 foi lançada a versão do jogo para Wii, e no dia 19 de janeiro de 2010, para Playstation 2 e Playstation Portable.

Silent Hill: Downpour (2012)[editar | editar código-fonte]

O oitavo jogo, lançado no dia 13 de março de 2012,[7] conta a história de Murphy Pendleton, um prisioneiro que após um acidente com o ônibus que o transportava, escapa, e na tentativa de fugir dos policiais, acaba entrando em Silent Hill. Para repassar ainda mais a idéia de sobrevivência, o jogador utilizará objetos cotidianos como cadeiras e barras de ferro. Shinji Hirano se refere a ele como uma homenagem a história original, tentando recuperar os antigos players. Foi anunciado pela Konami na E3 2010.[7] A desenvolvedora comenta que quer oferecer aos fãs de Silent Hill uma experiência de horror que eles realmente merecem, aspecto que ficou defasado nos últimos capítulos da série. Foi lançado para Playstation 3 e XBOX 360 no dia 13 de março de 2012.[7]

Silent Hills (Sem data de estréia prevista)[editar | editar código-fonte]

Um novo game da série de terror "Silent Hill" está sendo produzido por Hideo Kojima, criador da franquia "Metal Gear Solid", e pelo cineasta Guillermo del Toro ("Círculo de Fogo", "Labirinto do Fauno"). O ator Norman Reedus, o Daryl Dixon da série de TV "The Walking Dead", interpreta um dos personagens.

Chamado de "Silent Hills", o jogo teve uma revelação às avessas. Durante sua conferência na feira Gamescom, na Alemanha, a Sony anunciou o game de terror "P.T." e disse que uma demonstração do título já estava disponível para ser baixada na loja on-line do PlayStation. No entanto, ao chegar ao final do teste, os jogadores descobrem um vídeo que confirma o novo "Silent Hill". A "demo", portanto, era um aperitivo do novo jogo da Konami.

De acordo com o teaser, "Silent Hills" irá usar o motor gráfico Fox Engine, o mesmo de "Metal Gear Solid V: The Phantom Pain". Não foram anunciadas quais plataformas irão receber o game ou sua data de lançamento.

Jogos paralelos e outras mídias[editar | editar código-fonte]

Silent Hill: Play Novel (2001)[editar | editar código-fonte]

Lançado para Game Boy Advance, somente no Japão, o jogo oferece um relato de fatos não revelados em Silent Hill. Uma incompleta tradução visual pode ser encontrada no site Silent Hill Heaven.[8] Um guia completo detalhando o "Boy Spring Scenario", onde você joga com Andy, que vive na casa próxima à de Harry e Cheryl Mason, pode ser encontrado no GameFAQs.

Silent Hill: Orphan (2008)[editar | editar código-fonte]

Lançado para celular em 2008, o jogo conta a história de três personagens diferentes que se vêem presos num orfanato. O jogo é no estilo apontar-e-clicar em primeira pessoa.

Art of Silent Hill (2002)[editar | editar código-fonte]

Primeiro DVD multimídia com foco no material de Silent Hill 2, como desenhos, etc. Ele contém exclusividades, como o vídeo musical "Caramel Mix", "Ki-no-ko" e "Fukuro" (os dois últimos também estão no segundo DVD).

Lost Memories: The Art and Music of Silent Hill (2003)[editar | editar código-fonte]

Lançado apenas no Japão, este é o segundo e mais popular DVD multimídia. A maior parte do conteúdo achado em Art of Silent Hill está incluída aqui com adição do conteúdo citado a baixo. Ele se divide em sete sessões, que contém as trilhas sonoras completas, coleção de trailers, desenhos e galeria das criaturas dos três primeiros jogos. E também três vídeos musicais: "Ki-no-ko", "Fukuru", "Usagimu" e um vídeo com a Heather cantando a música "You're Not Here" do Silent Hill 3 Original Soundtrack.

Inescapable rain in Yoshiwara (2004)[editar | editar código-fonte]

Uma espécie de drama em áudio adicionado à versão japonesa de Silent Hill 4 Original Soundtrack. Ela foi feita por Akira Yamaoka e Teisui Ichiryûsai, e durava 57 minutos. Entretanto, mais tarde foram adicionados mais dezesseis minutos de capítulo à história. De qualquer forma, a história não está ligada a série Silent Hill.

The Silent Hill Experience (2006)[editar | editar código-fonte]

Este UMD foi lançado no dia 6 de Abril de 2006 para o PlayStation Portable como um item promocional para filme Silent Hill. Este é o terceiro disco multimídia relacionado à série Silent Hill.

The Silent Hill: Cage of Cradle (2006)[editar | editar código-fonte]

Mangá interativo escrito por Hiroyuki Owaku e ilustrado por Masahiro Ito. Atualmente, ele só é disponível nos celulares do Japão. Não há muita coisa a se saber sobre a história, e que a maioria das imagens foi cancelada. O que é conhecido, entretanto, é que a história foca Lisa Garland antes dos eventos do primeiro jogo da série. Imagens promocionais revelam que o Doutor Kauffman aparece, assim como Pyramid Head e Alessa Gillespie. Estas imagens foram claramente influenciadas pelo visual do filme de Owaku !

Silent Hill Collection (2006)[editar | editar código-fonte]

Silent Hill Collection é um DVD que inclui três jogos da série: Silent Hill 2, Silent Hill 3 e Silent Hill 4: The Room. Foi lançado, em Abril de 2006, para o PlayStation 2, para coincidir com o lançamento do filme nos Estados Unidos. É apenas disponível na Europa, Austrália e Japão.

Silent Hill: The Arcade (2007)[editar | editar código-fonte]

Lançado apenas para os arcades do Japão, a Konami revelou um jogo baseado nos anteriores da série. O jogo conta com dois personagens, Eric e Tina, que entraram em Silent Hill e devem batalhar contra diversos inimigos, incluindo as enfermeiras e o Pyramid Head do Silent Hill 2. O arcade se parece muito com o jogo The House of the Dead (A Casa dos mortos).

Silent Hill: Double Under Dusk (2007)[editar | editar código-fonte]

Este é o segundo mangá de Silent Hill lançado exclusivamente para a rede de celulares da Konami.

Silent Hill: Orphan (2007)[editar | editar código-fonte]

Silent Hill: Orphan é o primeiro jogo da série a ser lançado para telefones celulares. Este jogo é baseado em três pessoas que vão para o orfanato de Silent Hill para descobrir mais sobre o seu passado.

Silent Hill: The Escape (2008)[editar | editar código-fonte]

Silent Hill: The Escape (não confundir com Silent Hill: No Escape, um filme em animação criado por fãs da série) é o primeiro jogo da série a ser lançado para telefones celulares no formato em 3D. O jogo é baseado na perspectiva em primeira pessoa num ambiente parecido com um labirinto, e usa a câmera do próprio telefone para monitorar os movimentos do jogador, para que seja possível mirar e recarregar a sua arma. O jogador irá deparar-se com vários monstros conhecidos neste jogo, como as enfermeiras.

Silent Hill Chapter 1 (2009)[editar | editar código-fonte]

Silent Hill Chapter 1 é o terceiro jogo da série para celular,o jogo é totalmente em 1ª pessoa,é similar ao Silent Hill Play Novel,pois relata os acontecimentos de Harry.

Silent Hill Mobile 2 (2009)[editar | editar código-fonte]

Silent Hill Mobile 2 é o segundo jogo de celular da série com mais de um personagem jogável. Assim como Silent Hill Orphan, esse também é jogado em 1ª pessoa.

Silent Hill Book of memories (2012)e (2013)[editar | editar código-fonte]

É o último Silent Hill lançado para PSV no estilo ação, com um personagem novo Barry Scott Mandy Sinewy.

Filmes[editar | editar código-fonte]

Silent Hill (2006)[editar | editar código-fonte]

O filme Terror em Silent Hill (português brasileiro) foi inspirado no primeiro Silent Hill e conta a história de Rose, que parte para a cidade de Silent Hill em busca de uma solução para o problema psíquico da filha Sharon, que em suas crises falava "casa" e "Silent Hill' enquanto dormia. O filme contém várias cenas fidedignas as do jogo. A produção teve o cuidado especial fazer os monstros com atores verdadeiros para ter um resultado mais próximo da realidade.

Silent Hill: Revelation 3D[editar | editar código-fonte]

Lançado em 2012,[9] personagem principal é Heather Mason, protagonista do jogo Silent Hill 3, junto com seu pai, ambos fugindo de forças que ela desconhece. À véspera de seu aniversário de 18 anos, Heather começa a ter pesadelos e seu pai desaparece, e ela acaba descobrindo que não é quem pensa que é. A tal "revelação" a leva a um mundo demoníaco que ameaça prendê-la em Silent Hill para sempre.[10]

Livros[editar | editar código-fonte]

Todos os livros são oficiais e disponíveis apenas no Japão.

Lost Memories (2003)[editar | editar código-fonte]

Um guia que detalha vários aspectos dos primeiros três jogos com simbolismo e ideias por trás dos jogos e durante o processo de produção. Originalmente lançado junto com a versão original de Silent Hill 3, o livro ganhou versões não oficiais traduzidas em diversas línguas fora do Japão.

Drawing Block: Silent Hill 3 Program (2003)[editar | editar código-fonte]

Livro de imagens vendido junto com as edições limitadas do Silent Hill 3, ela vinha junto com o DVD Lost Memories e dois pôsteres.

Silent Hill (2006)[editar | editar código-fonte]

Adaptação do primeiro jogo da série em forma de novela por Sadamu Yamashita. Ela é dividida em três capítulos: Névoa, Escuridão e Pesadelo.

Silent Hill comic[editar | editar código-fonte]

São bandas desenhadas (português europeu) ou histórias em quadrinhos (português brasileiro) escritas por Scott Ciencin com desenhos de Ben Templesmith (Dying Inside #1 e 2), Aadi Salman (Dying Inside #3, 4 e 5), Shaun Thomas (Paint It Black e Among The Damned) e Nick Stakal (Grinning Man, Dead/Alive #1 até 5),Steph Stamb (Sinner's Reward), elas foram publicadas pela IDW Publishing.

Influências e curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.

A história de Silent Hill é densa com referências a outros trabalhos. Os designers do jogo claramente se inspiraram em muitas fontes de ficção científica e horror.

Os criadores acharam maneiras interessantes de integrar suas referências ao jogo. O folclore norte-americano é uma das influências, assim como também o japonês que pode ser percebido em todos os jogos, já que, de acordo com uma crença nipônica, nos jogos os pensamentos e emoções de indivíduos que morreram ainda permanecem amaldiçoando a cidade (filmes como The Ring, The Grudge e Dark Water mostram claramente essa ideia), isso somado ao "poder" do criador do "outro mundo", cria a realidade alternativa vista em diversos lugares da cidade.

  • Todos os quatro títulos de Silent Hill contém referências do filme Jacob's Ladder. Silent Hill gradualmente declina da normalidade estilizada e decai para o que parece uma lembrança próxima da estética visual do filme. E os monstros de Silent Hill, a maioria das vezes, aparecem com a cabeça tremendo rapidamente de lado a lado, de um jeito antinatural e bizarro, uma ligação direta com o estilo visual de Jacob's Ladder. Silent Hill 2 implica a noção da cidade ganhar aspecto de purgatório pessoal, outra similaridade com o tema do filme. Outra referência forte é no jogo Silent Hill 3, no qual usa o nome Bergen Street para a estação de metrô onde Heather se encontra. A estação de Bergen Street é uma parte significante em Jacob's Ladder e o cenário se parece muito. Similarmente, o "Mundo do Metrô" em Silent Hill 4: The Room, que é surreal e tem saídas bloqueadas, parece muito com o filme.
  • O livro House of Leaves e seu uso da física dos espaços impossíveis pode ter influenciado na série, principalmente no Silent Hill 2, que tem corredores praticamente intermináveis e buracos no chão onde não se sabe onde vão acabar e nem o quanto James desceu até chegar ao lago Toluca.
  • Dizem que a série de TV cult Twin Peaks influenciou muitos aspectos dos jogos. Tanto o jogo quanto a série se passam numa cidade de veraneio. As sequências de sonho de David Lynch na série são muito parecidas com o surrealismo que percorre o jogo todo. Uma das casas de Silent Hill tem uma grande figura de coruja, usada com destaque nas imagens de Twin Peaks.
  • O Incubus de Silent Hill no final do jogo é visualmente baseado em Baphomet. Silent Hill 3 também contém referências à Sandalphon e seu irmão gêmeo Metatron, um anjo detalhado na Cabala. Dahlia Gillespie menciona o nome Samael, um arcanjo Hebreu, conhecido na religião cristã como o anjo da morte, ou a décima praga do Egito. Samael é mencionado como "O Torah" que barganha com Yaweh se poderia ou não comer a alma de Moisés. Samael significa "Veneno de Deus", em hebraico.
  • Cadeiras de rodas são figuras que sempre aparecem na série. Em Silent Hill um chefe, Cybil, é encontrada sentada numa cadeira de rodas, e muitas outras são vistas no decorrer do jogo. Em certo ponto de Silent Hill 3, Heather passa por uma parede de vidro. Do outro lado tem uma cadeira de rodas vazia do lado de fora de uma sala que parece ser um instituto de doenças mentais. Isso fortemente relembra uma proeminente imagem do filme Session 9. Outra cadeira de rodas pode ser encontrada jogada no piso, sua roda ainda girando relembrando uma cena de Jacob's Ladder. Em Silent Hill 4: The Room, o jogador é atacado por cadeiras de rodas que não podem ser combatidas. Uma cadeira de rodas vazia é também uma imagem recorrente do filme The Changeling.
  • Através da série, é percebido claramente que tem três níveis de realidade. O "Nível Superior" é onde as pessoas vivem suas vidas normais, tendo dificilmente algumas possíveis diferenças com cidades desse tipo. O segundo nível é chamado de Silent Hill "Neblina" (ou "Alternativa" Silent Hill), onde todas as coisas estão sob quase nenhuma visibilidade, similar a The Mist, de Stephen King (a história favorita do desenvolvedor da série)[carece de fontes?]. Alguns monstros são visíveis nesse ponto, mas a cidade em sua maioria está praticamente imutável. A terceira camada, onde a real corrupção da realidade permanece, pode ser chamada de "outro mundo", ou como é comumente chamada Silent Hill escura. Essa escuridão não é somente física, mas também é usada para colocar o jogador no caminho, mas corresponde também ao tipo de monstros encontrados ali. Esse Outro Mundo é o centro podre da cidade. No entanto, recentes adaptações para revistas em quadrinhos somente tem trazido duas camadas, onde Silent Hill está de fato abandonada e monstros infestam a cidade fantasma. Paint It Black aponta que os cabos, a energia e os telefones funcionam no limite da cidade e que os estoques de comida são renovados.
  • Apesar da cidade de Silent Hill ser oficialmente localizada em algum lugar da Nova Inglaterra, tem um lago na cidade chamado Toluca, nomeado depois do real lago Toluka no sul da Califórnia, próximo de Burbank, norte de Hollywood, e Studio City. O diretor David Lynch historicamente comeu um lanche no restaurante Bob's Big Boy todo dia, por aproximadamente sete anos seguidos. Esse particular Bob's Big Boy é localizado no lago Toluca, CA na Riverside Drive, rua abaixo do Warner Bros. Studios e Universal Studios.
  • Uma versão cinematográfica de "Silent Hill" foi lançada em 21 de Abril de 2006 nos cinemas americanos, chegando apenas em 18 de Agosto no Brasil com o título de Terror em Silent Hill. O filme foi produzido com muito esmero pela equipe de produção, pois seguiu os aspectos técnicos do jogo, porém com certas adaptações bruscas no roteiro.
  • Tanto os jogos quanto o filme mostram, também, influências do giallo, estilo de cinema de terror e suspense produzido na Itália desde os anos 60 até os 80 e defendido com maestria por gênios da cinematografia italiana como Dario Argento, Mario Bava, Lucio Fulci, dentre outros.
  • A cidade Centralia, localizada na Pensilvânia, também foi usada como inspiração na produção de Silent Hill. Em 1962 houve um acidente em uma mina de carvão subterrânea. Devido a grande quantidade de carvão mineral encontrada na região, causou um enorme incêndio, e deixou toda a cidade coberta de fumaça. Apesar da semelhança entre a cidade fictícia e a cidade Centralia, a neblina densa que persiste em atrapalhar a visão do jogador foi elaborada para fins estratégicos na produção do jogo, uma vez que o jogo explora toda a capacidade gráfica conhecida da plataforma em que rodava, PlayStation. Como o console tem recursos gráficos limitados, a neblina foi feita para evitar que os efeitos building do jogo fossem notados, ou seja, os efeitos que denotavam a construção do cenário em função da distância da "câmera", sendo que seria impossível que todos os gráficos estivessem carregados simultaneamente, assim só a pequena área visível pelo jogador estaria em processamento evitando slowdowns.[11]

Referências

  1. Plot Analysis by SilentPyramid (em inglês) GameFAQs. Visitado em 20 de Outubro de 2007. "1-1. Power of the Mind."
  2. Welcome to the World of Water (em inglês) Hadolife. Visitado em 6 de dezembro de 2007.
  3. Plot Analysis by SilentPyramid (em inglês) GameFAQs. Visitado em 20 de Outubro de 2007. "1-2. Accumulation"
  4. Hystory of Silent Hill (em inglês) Book of Lost Memories. Konami, 2003 Translated Memories. Visitado em 30 de setembro de 2007. "Pág. 6-7, "Hystory of Silent Hill""
  5. Game Informer. Visitado em 14 de Outubro de 2007.
  6. Silent Hill Origins sairá para PS2 em março Game Vício. Visitado em 28 de março de 2008.
  7. a b c Confira os primeiros detalhes de Silent Hill: Downpour GamesBrasil.com.br (8 de Janeiro de 2011). Visitado em 10 de Janeiro de 2011.
  8. Silent Hill: Play Novel (em inglês) Silent Hill Heaven. Visitado em 25 de setembro de 2007.
  9. Release dates for Silent Hill 2 (em inglês) Internet Movie Database.
  10. AFM '10: BREAKING NEWS: 'Silent Hill: Revelation 3D' Director!!!! (em inglês) Bloody-Disgusting! (3 de novembro de 2010). Visitado em 21 de novembro de 2010.
  11. Visual Concept (em inglês) Book of Lost Memories. Konami, 2003 Translated Memories. Visitado em 15 de dezembro de 2007. "Pág. 90-91, "Visual Concept""

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Sites Oficiais[editar | editar código-fonte]

Sites em Portugal[editar | editar código-fonte]

Sites no Brasil[editar | editar código-fonte]