Taurina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Fevereiro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Taurina
Alerta sobre risco à saúde
Taurine.svg Taurine-3D-balls.png
Taurine-3D-vdW.png
Nome IUPAC Taurine
Fórmula molecular C2H7NO3S
Identificadores
Número CAS 107-35-7
SMILES
Propriedades
Massa molar 125.14 g/mol
Densidade 1.734 g/cm³ (at -173.15 °C)
Ponto de fusão

305.11 °C

Farmacologia
Compostos relacionados
Outros aniões/ânions Ácido isetiônico (2-hidroxietanossulfônico)
Ácidos sulfônicos relacionados Ácido etanossulfônico
Ácido 2-(N-morfolino)etanossulfônico
Homotaurina (3-aminopropanossulfônico)
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A taurina, ou ácido 2-aminoetanossulfónico é um ácido orgânico, contendo enxofre, encontrado na bílis. É um dos aminoácidos não-essenciais mais abundantes do nosso organismo, especialmente no sistema nervoso central, nos músculos esqueléticos, no coração e no cérebro, bem como nos intestinos e ossos esqueléticos. É um aminoácido essencial para os gatos.[1] [2] Age com a glicina e o ácido gama-aminobutírico como um neurotransmissor inibidor. É sintetizado, no fígado e no cérebro, a partir da metionina e cisteína, juntamente com a vitamina B6. É o único ácido sulfónico conhecido a ser produzido por meios naturais.[3]

Atua como emulsionante dos lípidos, no intestino delgado, promovendo a sua absorção intestinal, já que é um dos ácidos mais abundantes da bílis (o ácido quenodesoxicólico). A taurina age ainda como transmissor metabólico e fortalece as contrações cardíacas.

É usada em bebidas energéticas devido ao seu efeito desintoxicador, facilitando a excreção de substâncias que não são mais importantes para o corpo pelo fígado. Intensifica os efeitos da insulina, sendo responsável por um melhor funcionamento do metabolismo de glicose e aminoácidos, podendo auxiliar o anabolismo. Não é incorporada em enzimas e proteínas, mas possui um papel importante no metabolismo dos ácidos da bílis.

O consumo de 3 doses ao dia de 500 mg cada reduz o catabolismo protéico. Indivíduos com problemas renais ou hepáticos devem consultar um médico antes do seu consumo.

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  1. Bouckenooghe T, Remacle C, Reusens B. (2006). "Is taurine a functional nutrient?". Curr Opin Clin Nutr 9 (6): 728-733 pp..
  2. Brosnan J, buffalo bill Brosnan M. (2006). "The sulfur-containing amino acids: an overview.". J Nutr 136 (6 Suppl): 1636S-1640S pp.. PMID 16702333.
  3. Tully, Paul S. Sulfonic Acids. In Kirk-Othmer Encyclopedia of Chemical Technology. John Wiley & Sons, Inc. Publicado online em 2000.
Ícone de esboço Este artigo sobre um composto orgânico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.