Feniletilamina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Feniletilamina
Alerta sobre risco à saúde[1]
Fenyloetyloamina.svg
Nome IUPAC 2-feniletilamina
Outros nomes β-feniletilamina
1-amino-2-fenil-etano
Identificadores
Número CAS 64-04-0
SMILES
Propriedades
Fórmula química C8H11N
Massa molar 121.18 g mol-1
Densidade 0.964 g/cm³
Ponto de fusão

-60 °C

Ponto de ebulição

194.5-195 °C

Farmacologia
Via(s) de administração Oral
Metabolismo MAO-A, MAO-B, ALDH, DBH, CYP2D6
Meia-vida biológica ~5-10 minutes
Classificação legal



{{{legal_status}}}

Riscos associados
NFPA 704
NFPA 704.svg
2
2
2
 
Compostos relacionados
Outros aniões/ânions 1-Fenil-2-nitro-etano
Álcool fenetílico (2-fenil-etanol)
Aminas relacionados Benzilamina
N,N-Dimetilanilina
1-fenil-etilamina
Anfetamina (1-fenil-2-amino-propano)
Metilfenetilamina (N-Metil-2-fenil-1-amino-etano)
Compostos relacionados Fenilalanina (ácido 2-amino-3-fenil-propanoico)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Feniletilamina A Feniletilamina, também conhecida como "hormônio da paixão", é um neurotransmissor cuja molécula se parece muito com a anfetamina, e cuja produção no cérebro suspeita-se possa ser desencadeada por eventos simples como uma troca de olhares ou um aperto de mãos.  A relação da feniletilamina com o Amor teve início com uma teoria proposta pelos médicos Donald F. Klein e Michael Lebowitz, do Instituto Psiquiátrico Estadual de Nova Iorque. Eles sugeriram que o cérebro de uma pessoa apaixonada continha grandes quantidades de feniletilamina e que esta substância poderia responder, em grande parte, pelas sensações e modificações fisiológicas que experimentamos quando estamos apaixonados. 
Alguns pesquisadores afirmam que exalamos continuamente, pelos bilhões de poros na pele e até mesmo pelo hálito, produtos químicos voláteis chamados Feromônios. Atualmente, existem evidências intrigantes e controvertidas de que os seres humanos podem se comunicar com sinais bioquímicos inconscientes. Os que defendem a existência dos feromônios baseiam-se em evidências mostrando a presença e a utilização de feromônios por espécies tão diversas como borboletas, formigas, lobos, elefantes e pequenos símios. Os feromônios podem sinalizar interesses sexuais, situações de perigo e outros. 
Os defensores da Teoria dos Feromônios dizem que o "amor à primeira vista" é a maior prova da existência destas substâncias controvertidas. Os feromônios – atestam – produzem reações químicas que resultam em sensações prazerosas. À medida em que vamos nos tornando dependentes, a cada ausência mais prolongada nos dizemos "apaixonados" – a ansiedade da paixão, então, seria o sintoma mais pertinente da Síndrome de Abstinência de Feromônios. 

Com ou sem feromônios, é fato que a sensação de "amor à primeira vista" relaciona-se significativamente a grandes quantidades de feniletilamina, dopamina e norepinefrina no organismo.

Referências

  1. Merck Index, 12th Edition, 7371.
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.

Fenetilamina também estrar ligada ao amor esse hormônio é responsável pela sensação de bem-estar e desligamento dos apaixonados, pode ser encontrada também no chocolate.