A Última Ceia (Leonardo da Vinci)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Última Ceia
Autor Leonardo da Vinci
Data 1495-1498
Técnica da têmpera e óleo sobre duas camadas de gesso aplicadas em estuque
Dimensões 460 cm  × 880 cm 
Localização Refeitório de Santa Maria delle Grazie (Milão)

A Última Ceia (em italiano: L'Ultima Cena e também Il Cenacolo) é um afresco de Leonardo da Vinci para a igreja de Santa Maria delle Grazie em Milão, Itália, mandada construir pelo seu protetor, o duque Francisco Sforza. Representa o episódio bíblico da Última Ceia de Jesus com os Apóstolos antes de ser preso e crucificado. É um dos bens culturais mais conhecidos e estimados do mundo.

Estudo de Leonardo para a "Santa Ceia", contendo o nome de cada um dos Apóstolos.

O trabalho mantém-se no convento que o sucessor Ludovico Sforza destinou a local de sepultura de seus familiares. O tema da Última Ceia era tradicional em refeitórios monásticos, mas a interpretação de Leonardo deu um maior realismo e profundidade à cena representada e ao lugar.

Leonardo da Vinci passou grande parte destes três anos dando atenção integral a esta pintura o que era fato raro para um pintor versátil e do seu quilate.

Sofreu agressões ao longo do tempo desde a abertura de uma porta pelos padres até ao bombardeio aéreo na Segunda Guerra Mundial.

Técnicas[editar | editar código-fonte]

Esboço a carvão para a pintura da Última Ceia, por Leonardo.

Parcialmente pintada na forma tradicional de um afresco com pigmentos misturados com gema de ovo ao reboco úmido incluindo também um veículo de óleo ou verniz. Da Vinci testou uma nova técnica à solução das tintas com predominância da têmpera. Também foi usado uma linha do horizonte, que é uma linha horizontal traçada ao nível do olhar do pintor, fazendo com que o rosto de Jesus fique, tanto verticalmente como horizontalmente, no centro.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Jesus profetiza sua traição

Quando Leonardo escolheu esta pintura, que está baseada em João 13:21, no qual Jesus anuncia aos doze apóstolos que alguém, entre eles, o trairia. Esta pintura, na história evangélica,[carece de fontes?] é considerada a mais dramática de todas.

Ao centro, Cristo é representado com os braços abertos, num gesto de resignação tranquila, formando o eixo central da composição e as figuras dos discípulos estão representadas num ambiente definido do ponto de vista da perspectiva.

Os apóstolos se agrupam em quatro grupos de três, deixando Cristo relativamente isolado ao centro. Da esquerda para a direita (do ponto de vista de quem está diante da pintura), segundo as cabeças, estão: no primeiro grupo, Bartolomeu, Tiago Menor e André; no segundo grupo, Judas Iscariote, Pedro (cabelo branco) e João (imberbe); Cristo ao centro; no terceiro grupo, Tomé, Tiago Maior e Filipe (também imberbe); e no quarto grupo, Mateus (aparentemente com barba rala), Judas Tadeu e Simão Cananeu também chamado de Simão, o Zelote, por último. Estas identificações provêm de um manuscrito autógrafo de Leonardo encontrado no século XIX.[1]

Cogita-se que o rosto de Judas representado na pintura retrataria Girolamo Savonarola, padre Dominicano que governou Florença e que foi executado por ordem do Papa Alexandre VI em 1498.[2][3]

Desenhos preparatórios[editar | editar código-fonte]

Outras Últimas Ceias da época[editar | editar código-fonte]

Última Ceia, de Andrea del Castagno, 1445-1450, afresco, 453 × 975 cm, Cenáculo de Santa Apolônia, Florença.

É possível fazer a comparação da versão de Leonardo com outras renascentistas imediatamente anteriores, para observar as inovações que Leonardo introduz no tema. Em ambas se verifica a postura tradicional de Judas Iscariotes de costas e separado do resto.

Nos desenhos preparatórios Leonardo copiou inclusive a posição de um dos apóstolos debruçado sobre a mesa, possivelmente triste ou abatido ou, na descrição da cena nos Evangelhos, recostado sobre o colo ou ombro de Cristo que segundo exegetas seria João e que foi também o primeiro a saber da futura traição de Judas.

Referências

  1. Manuscrito de Leonardo
  2. "A rainha que virou pizza" - Autor: José Antônio Vargas Dias Lopes - Cia. Editora Nacional - 2007
  3. «Leonardo DaVinci». Consultado em 26 de julho de 2010. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Leonardo, Los grandes genios del arte, n.º 17, Eileen Romano (dir.), Unidad Editorial, S.A., 2005, ISBN 84-89780-69-2
  • Pijoán, J., "Los últimos cuatrocentistas", en Summa Artis, Antología, V, Espasa, pág. 62; ISBN 84-670-1356-7
  • Walther, I.F. (dir.), Los maestros de la pintura occidental, Taschen, 2005. ISBN 3-8228-4744-5, pág. 161

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre A Última Ceia (Leonardo da Vinci)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]