Ambrósio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ambrósio de Milão)
Ir para: navegação, pesquisa
Santo Ambrósio de Milão
Mosaico na Basílica de Santo Ambrósio em Milão
Bispo de Milão; Doutor da Igreja
Nascimento ca. 340 em Augusta Treveroro, Gália Bélgica
Morte 4 de abril de 397 (57 anos) em Mediolano, Itália Anonária
Veneração por Igreja Católica
Igreja Anglicana
Igreja Ortodoxa
Igrejas não-calcedonianas
Igreja Luterana
Igreja Presbiteriana
Principal templo Basílica de Santo Ambrósio, em Milão
Festa litúrgica 7 de dezembro[1]
Atribuições Colmeia; uma criança; um chicote; ossos
Padroeiro Abelhas; Apicultores; Fabricantes de velas; animais domésticos; Milão
Gloriole.svg Portal dos Santos

Aurélio Ambrósio (em latim: Aurelius Ambrosius), melhor conhecido como Ambrósio, foi um arcebispo de Mediolano (moderna Milão) que se tornou um dos mais influentes membros do clero no século IV. Ele era prefeito consular da Ligúria e Emília, cuja capital era Mediolano, antes de tornar-se bispo da cidade por aclamação popular em 374. Ambrósio era um fervoroso adversário do arianismo.

Tradicionalmente atribui-se a Ambrósio a promoção do canto antifonal, um estilo no qual um lado do coro responde de forma alternada ao canto do outro, e também a composição do Veni redemptor gentium, um hino natalino.

Ambrósio é um dos quatro doutores da Igreja originais e é notável por sua influência sobre o pensamento de Santo Agostinho.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Ambrósio nasceu numa família romana cristã por volta de 340 e foi criado em Augusta Treveroro (moderna Trier, Alemanha), a capital da Gália Bélgica[2] . Seu pai também chamava-se Aurélio Ambrósio[3] [4] , o prefeito pretoriano da Gália[1] [falta página]; sua mãe é descrita como sendo inteligente e piedosa. Os irmãos de Ambrósio, Sátiro (que foi o tema de sua De excessu fratris Satyri) e Marcelina, são também venerados como santos[5] . Conta a lenda que, quando criança, um enxame de abelhas pousou no seu resto enquanto dormia no berço e deixou para trás uma gota de mel. Seu pai considerou o fato um sinal de sua futura eloquência, sua "língua de mel". É por conta desta tradição que abelhas e colmeias geralmente aparecem junto ao santo na arte cristã.

Depois da morte prematura de seu pai, Ambrósio seguiu-o na profissão. Ele foi educado em Roma, estudando literatura, direito e retórica[6] . O prefeito pretoriano da Itália, Sexto Cláudio Petrônio Probo, primeiro deu-lhe uma posição em seu conselho e, por volta de 372, fê-lo prefeito consular (o governador) da Ligúria e Emília, cuja capital era Mediolano[1] [falta página].

Ele permaneceu na função até 374, quando foi aclamado bispo da cidade. Ambrósio era muito popular e, como havia sido governador da principal cidade do ocidente romano, estava sempre junto da corte do imperador romano Valentiniano I. Ambrósio jamais se casou.

Bispo de Mediolano[editar | editar código-fonte]

No fim do século IV, havia uma profunda divisão entre os fieis na diocese de Mediolano, colocando de um lado os católicos (como eram chamados todos os cristãos na época) e os arianos[7] [8] . Em 374, o bispo Auxêncio de Milão, um ariano, morreu e seus partidários rapidamente tentaram eleger um sucessor. Ambrósio correu para a igreja onde a eleição seria realizada com o objetivo de evitar um escândalo, o que era provável. Seu discurso foi interrompido por um grito de "Ambrósio, bispo!", acompanhado logo por toda a assembleia[8] .

Ambrósio era conhecido por ser católico, mas era também tolerável para os arianos por conta da forma caridosa com que ele tratava os temas teológicos envolvidos na disputa. A princípio, ele recusou energicamente o cargo, pois ele não estava de forma alguma preparado: ele não era nem batizado e nem estudara teologia[1] . Ao ser nomeado, Ambrósio fugiu para a casa de um colega tentando se esconder. Ao receber um carta do imperador Graciano elogiando a conveniência de Roma nomear indivíduos evidentemente merecedores de funções sagradas, o partido de Ambrósio o entregou. No espaço de uma semana, ele foi batizado, ordenado e consagrado bispo de Mediolano.

Como bispo, Ambrósio imediatamente adotou um estilo de vida asceta, dedicando seu dinheiro para os pobres, doando todas suas terras - apenas uma parte foi reservada para Marcelina (que tornar-se-ia freira), sua irmã[2] - e entregou sua família aos cuidados de Sátiro. Foi nesta época que Ambrósio escreveu "A Bondade da Morte".

Arianismo[editar | editar código-fonte]

Ambrósio estudou teologia com Simpliciano, um presbítero de Roma. Fazendo bom uso de seu excelente conhecimento do grego, o que era raro no ocidente, estudou o Antigo Testamento e autores gregos como Fílon, Orígenes, Atanásio e Basílio de Cesareia, com quem ele também passou a se corresponder[9] . Ele aplicou este conhecimento como pregador, concentrando-se especialmente na exegese do Antigo Testamento, e suas habilidades retóricas impressionaram Agostinho de Hipona, ainda um pagão na época, que até então fazia pouco dos pregadores cristãos.

No confronto com os arianos, Ambrósio buscou refutar teologicamente suas proposições, que eram contrárias ao Credo de Niceia, a ortodoxia oficial. Os arianos apelaram a muitos líderes e membros do clero em altos postos tanto no ocidente quanto no oriente para se proteger. Embora o imperador ocidental, Graciano, fosse um ortodoxo, o jovem Valentiniano II, que se tornou seu colega, aderiu ao credo ariano[10] . No oriente, Teodósio I era também um niceno, mas havia arianos espalhados por todo o seu império, especialmente no alto clero.

Neste conflitivo ambiente religioso, dois dos principais bispos arianos, Paládio de Raciária (Ratiaria) e Segundiano de Singiduno (moderna Belgrado, na Sérvia), confiantes no poder de seus partidários, convenceram Graciano a convocar um concílio ecumênico. O pedido pareceu-lhe tão justo que foi atendido sem hesitação. Porém, Ambrósio, temendo as consequências, convenceu-o a convocar um concílio apenas com os bispos ocidentais para decidir a questão. O Concílio de Aquileia (381) reuniu trinta e dois bispos, que elegeram Ambrósio presidente e convocaram Paládio para defender suas posições, o que ele se recusou a fazer. Uma votação decidiu então que ele e seu companheiro Segundiano seriam depostos.

Mesmo assim, o crescente poderio ariano mostrou-se uma tarefa formidável para Ambrósio. Em 385[10] ou 386, o imperador e sua mãe, Justina, juntamente com um considerável contingente do clero e dos poderes seculares (especialmente militares), professavam o arianismo abertamente. Eles exigiam que duas igrejas em Mediolano, uma na cidade (a Basílica dos Apóstolos) e outra nos subúrbios (São Vítor), fossem entregues aos arianos[10] . Ambrósio obviamente se recusou e foi chamado a se explicar perante um concílio[1] [falta página]. Ele foi e sua eloquência em defesa da Igreja teria supostamente impressionado tanto os ministros de Valentiniano que ele conseguiu sair de lá sem ter que entregar as igrejas. No dia seguinte, enquanto realizava a liturgia das horas na basílica, o prefeito urbano da cidade o interrompeu para tentar convencê-lo a ceder pelo menos a basílica pórcia aos arianos. Como ele ainda assim se recusou, alguns oficiais da corte foram enviados para lá para tomá-la à força, o que foi sinalizado pelo hasteamento do brasão imperial[10] para prepará-la para a chegada do imperador e da mãe para o festival da Páscoa.

Apesar da oposição imperial, Ambrósio declarou na ocasião:

Se você quiser a minha pessoa, estou pronto para me entregar: leve-me para a prisão ou para a morte, não resistirei; mas jamais trairei a Igreja de Cristo. Não clamarei ao povo que me socorra; morrerei ao pé do altar antes de desertá-lo. O tumulto entre o povo não encorajarei, mas apenas Deus será capaz de apaziguá-lo.
 
Ambrósio de Milão,

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

Um discurso de Ambrósio aos jovens cristãos alertou-os sobre os perigos do casamento com judeus[11] . Porém, sua oposição aos judeus assumiu um caráter muito mais ativo na questão do bispo de Callinicum, na Mesopotâmia. Conta-se que, em 388, uma multidão liderada pelo bispo local e diversos monges teriam destruído uma sinagoga na cidade. O imperador Teodósio, o Grande, ordenou que ela fosse reconstruída às custas dos rebeldes, incluindo o bispo. Ambrósio imediatamente enviou um furioso protesto ao imperador[12] afirmando que a "glória de Deus" está envolvida na questão e que, portanto, ele não poderia ficar calado. "Deve o bispo ser compelido a reerguer uma sinagoga? É possível que ele o faça religiosamente? Se ele obedever ao imperador, tornar-se-á um traidor de sua fé; se ele desobedecê-lo, um mártir. Que mal real houve, afinal de contas, ao destruir uma sinagoga, um 'casa de perfídia', uma casa de ímpios', na qual Cristo é diariamente blasfemado. De fato, ele deve se achar não menos culpado que o pobre bispo; pelo menos na medida que ele não esconde seu desejo de que todas as sinagogas sejam destruídas, que nenhum destes lugares de blasfêmia recebam permissão para existir". No final, ele conseguiu de Teodósio uma promessa de que a sentença seria completamente revogada, uma decisão cuja consequência natural foi que, dali pra diante, o prospecto da imunidade abriu espaço para outras destruições de sinagogas por todo o império. Por outro lado, Ambrósio ocasionalmente dizia algo de bom sobre os judeus, como numa passagem de sua "Enarratio in Psalmos" (i. 41, xiv. 943), na qual ele lembra que "alguns judeus demonstram uma vida pura e muita diligência e amor pelo estudo".

Relações imperiais[editar | editar código-fonte]

Ambrósio proíbe o imperador Teodósio I de entrar na igrejaPor van Dyck, óleo na National Gallery, em Londres.

Apesar de descontente com os princípios religiosos de Ambrósio, a corte e o imperial logo pediram a ajuda de Ambrósio. Quando Magno Máximo usurpou o trono na Gália e pensava invadir a Itália, Valentiniano enviou Ambrósio para dissuadi-lo. A embaixada teve sucesso e Magno recuou.

Uma segunda embaixada teve menos sucesso, a Itália foi invadida e Milão, tomada. Justina e o filho fugiram, mas Ambrósio permaneceu firme em seu posto de bispo da cidade, mandando derreter a prataria de sua igreja para diminuir o sofrimento da população da cidade.

Em 385, Ambrósio, apoiado pela população, recusou-se a atender um pedido de Valentiniano II para entregar a Basílica Pórcia para que fosse utilizada pelas tropas arianas. No ano seguinte, Justina e Valentiniano receberam o bispo ariano Auxêncio de Durostoro (moderna Silistra, na Bulgária), e Ambrósio novamente recebeu ordens de entregar uma igreja em Milão aos arianos. Ambrósio e sua congregação se entrincheiraram na igreja preparando-se para o pior e a ordem acabou sendo revogada[13] .

Teodósio I foi excomungado por Ambrósio pelo massacre de 7 000 pessoas, em Tessalônica (390) depois que do assassinato de um governador romano pela população[1] [falta página]. Ambrósio admoestou Teodósio afirmando que ele deveria imitar David em sua penitência na mesma medida que o imitou em sua culpa - Ambrósio readmitiu o imperador apenas depois de diversos meses de penitência.

Ambrósio também forçou Teodósio a não reembolsar a comunidade judaica da Mesopotâmia depois que uma sinagoga foi destruída por uma horda cristã[14] [15] . Estes incidentes demonstram a força do bispo na porção ocidental do império, mesmo quando enfrentava um imperador poderoso - a controvérsia de João Crisóstomo com um imperador muito mais fraco uns anos depois em Constantinopla terminou numa fragorosa derrota do bispo.

Em 392, depois da morte de Valentiniano II e da aclamação de Eugênio, Ambrósio foi obrigado a suplicar com Teodósio, que no final derrotou o usurpador, pela vida dos que o haviam apoiado.

Perseguição ao paganismo[editar | editar código-fonte]

Sob a influência de Ambrósio, os imperadores Graciano, Valentiniano II e Teodósio I passaram a perseguir o paganismo[16] [17] [18] [19] . Foi também pela influência dele que Teodósio emitiu os 391 "decretos de Teodósio" que, com intensidade cada vez maior, foram tornando ilegais as práticas pagãs[17] [20] , culminando na remoção do altar da Vitória do Senado Romano por ordem de Graciano.

Morte e legado[editar | editar código-fonte]

Logo depois de tornar-se o imperador incontestável de todo o Império Romano, Teodósio morreu em Mediolano em 395 e, dois anos depois, em 4 de abril de 397, morreu também Ambrósio. Ele foi sucedido por Simpliciano. O corpo de Ambrósio ainda hoje pode ser visto na Basílica de Santo Ambrósio em Milão, onde ele tem sido continuamente venerado desde então. Estão ali também os corpos, segundo tradição da época de Ambrósio, dos mártires Gervásio e Protásio.

Teologia[editar | editar código-fonte]

Ambrósio é um dos Doutores da Igreja latinos juntamente com Santo Agostinho, São Jerônimo e São Gregório, o Grande. A intensa consciência episcopal de Ambrósio ampliou a crescente doutrina da Igreja e seu ministério sacerdotal ao mesmo tempo que o prevalente ascetismo da época, em consonância com o treinamento ciceroniano e estóico que recebeu em sua infância, permitiu que Ambrósio promulgasse um alto padrão para a ética cristã. Desta verve nasceram De officiis ministrorum, De viduis, De virginitate e De paenitentia.

Ele demonstrava um tipo de flexibilidade litúrgica que tinha em mente que a liturgia era uma ferramenta para servir ao povo em sua adoração a Deus e não deveria tornar-se uma entidade rígida e invariável onde aparecesse. Seu conselho para Agostinho de Hipona sobre este tema era que seguisse o costume litúrgico local. "Quando estou em Roma, jejuo aos sábados; quando estou em Mediolano, não. Siga o costume da igreja onde está."[21] [22] . Desta forma, Ambrósio recusou-se a ser tragado para um falso conflito sobre qual seria a forma litúrgica "correta" quando na verdade nada havia a ser discutido. Este conselho entrou para a língua portuguesa na forma do dito "Em Roma, faça como os romanos".

Mariologia[editar | editar código-fonte]

A poderosa mariologia de Ambrósio influenciou os papas da época como Dâmaso e Sirício e, posteriormente, Leão Magno. Central para Ambrósio era a virgindade de Maria e o papel dela como mãe de Deus:

  • "O nascimento virginal é digno de Deus. Que nascimento humano poderia ser mais digno de Deus que aquele no qual o imaculado filho de Deus manteve a pureza de sua origem imaculada ao se tornar humano?"[23] .
  • "Nós confessamos que Cristo, nosso Senhor, nasceu de uma virgem e, portanto, rejeitamos a ordem natural das coisas. Pois não foi através de um homem que ela concebeu, mas através do Espírito Santo"[24] .
  • "Cristo não está divido, é um. Se o adoramos como o Filho de Deus, não negamos seu nascimento através da virgem. Mas ninguém deve ampliar este entendimento a Maria. Maria era o templo de Deus, mas não Deus no templo. Portanto, apenas Aquele que estava no templo deve ser adorado."[25] .
  • "Sim, verdadeiramente abençoada por ter superado o sacerdote (Zacarias). Enquanto ele negou, a Virgem retificou o erro. Não admira que o Senhor, desejando resgatar o mundo, tenha começado sua obra com Maria. Assim, ela, através da qual a salvação estava sendo preparada para todos os povos, tenha sido a primeira a receber o prometido fruto da salvação[26] .

Ambrósio via a virgindade como superior ao matrimônio e via Maria como um modelo de virgindade[27] .

Obras[editar | editar código-fonte]

Santo AmbrósioPor Goya, no Cleveland Museum of Art

.

Em sua exegese, Ambrósio, assim como Hilário, era um alexandrino. No dogma, ele seguia Basílio de Cesareia e outros autores gregos, mas, seja como for, Ambrósio lança uma luz claramente ocidental às suas especulações, o que é particularmente verdadeiro em sua ênfase sobre o pecado e à graça divina assim como no lugar que ele atribuiu para a fé na vida cristã.

  • De fide ad Gratianum Augustum ("Sobre a Fé", para Graciano)
  • De Officiis Ministrorum ("Sobre o Ofício dos Ministros", um manual eclesiástico modelado no De Officiis de Cícero[28] .)
  • De Spiritu Sancto ("Sobre o Espirito Santo")
  • De incarnationis Dominicae sacramento ("Sobre o Sacramento da Encaranção do Senhor")
  • De mysteriis ("Sobre os Mistérios")
  • Expositio evangelii secundum Lucam ("Comentário sobre o Evangelho segundo Lucas")
  • Obras éticas: De bono mortis ("Sobre a Boa Morte"); De fuga saeculi ("Sobre a Fuga do Mundo"); De institutione virginis et sanctae Mariae virginitate perpetua ad Eusebium ("Sobre o Nascimento da Virgem e a Perpétua Virgindade de Maria"); De Nabuthae ("Sobre Naboth"); De paenitentia ("Sobre a Penitência"); De paradiso ("Sobre o Paraíso"); De sacramentis ("Sobre os Sacramentos"); De viduis ("Sobre as Viúvas"); De virginibus ("Sobre as Virgens"); De virginitate ("Sobre a Virgindade"); Exhortatio virginitatis ("Exortação à Virgindade"); De sacramento regenerationis sive de philosophia ("Sobre o Sacramento do Renascimento ou Sobre a Filosofia" [fragmentos])
  • Comentários homiléticos sobre o Antigo Testamento: o "Hexamerão" ("Seis Dias"); De Helia et ieiunio ("Sobre Elias e o Jejum"); De Iacob et vita beata ("Sobre Jacó e a Vida Feliz"); De Abraham; De Cain et Abel; De Ioseph; De Isaac vel anima ("Sobre Isaac ou Sobre a Alma"); De Noe; De interpellatione Iob et David ("Sobre a Oração de Jó e David"); De patriarchis ("Sobre os Patriarcas"); De Tobia; Explanatio psalmorum; Explanatio symboli ("Comentário sobre o Símbolo").
  • Orações funerais: De obitu Theodosii; De obitu Valentiniani; De excessu fratris Satyri
  • 91 epístolas
  • Uma coleção de hinos
  • Fragmentos de sermões

Música[editar | editar código-fonte]

Atribui-se tradicionalmente a Ambrósio a composição do chamado canto ambrosiano, conhecido também como "canto antifonal", embora não se saiba na verdade se ele teve algum papel nisso.

Além disso, aproveitando-se do impulso inicial dado por Hilário e certo em seu objetivo de combater a salmódia ariana, Ambrósio compôs vários hinos, quatro dos quais sobreviveram juntamente com a música que os acompanha, que não deve ser muito diferente das melodias originais. Cada um deles é composto de oito stanza de quatro linhas num estrito dimetro iâmbico (iambos de 2x2):

  • Deus Creator Omnium
  • Aeterne rerum conditor
  • Jam surgit hora tertia
  • Jam Christus astra ascendante"
  • Veni redemptor gentium (um hino cristão)

Ambrósio também é tradicionalmente identificado como sendo o autor do Te Deum, que, diz-se, teria sido composto quando ele batizou Santo Agostinho, seu mais famoso convertido.

Agostinho[editar | editar código-fonte]

Ambrósio era bispo em Mião na época da conversão de Agostinho e foi mencionado por este nas "Confissões".

Numa passagem das "Confissões" na qual Agostinho pondera o motivo pelo qual ele não conseguia partilhar do fardo de Ambrósio e faz um comentário que foi importante na história da doutrina do celibato:

O próprio Ambrósio eu estimo como tendo sido um homem feliz como o mundo considera a felicidade, pois grandes pessoas o honravam. Apenas seu celibato parecia, para mim, como um fardo doloroso[29]

Nesta mesma passagem aparece uma curiosa anedota que viria a ser importante na história da leitura:

Quando [Ambrósio] lê, seus olhos rastreiam a página e seu coração busca o significado, mas sua voz permanece em silêncio e sua língua estava quieta. Qualquer um podia aproximar-se dele e convidados não eram geralmente anunciados, de forma que, geralmente, quando íamos visitá-lo, encontrávamos-lo lendo assim, em silêncio, pois ele jamais lia em voz alta[29]

Esta é uma passagem famosa na discussão acadêmica contemporânea. A prática de ler para si sem vocalizar o texto era menos comum na Antiguidade do que é hoje. Numa cultura que atribuía um alto valor à oratória e às performances públicas e na qual a a produção dos livros era muito trabalhosa, a maioria da população era analfabeta e era na qual os que podiam tinham escravos à disposição para que lhes fossem recitadas as principais obras, textos escritos eram geralmente vistos como "scripts" para recitação e não obras para a meditação silenciosa. Porém, há também evidências de que a leitura silenciosa de fato ocorria na Antiguidade e não era considerada rara[30] [31] [32] .

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Cripta do bispo Ambrósio e dos mártires cristãos Gervásio e Protásio, na Basília de Santo Ambrósio, Milão

Os escritos de Ambrósio guardam atualidade na Igreja que a eles em várias épocas tem recorrido. As suas obras são citadas em documentos doutrinais e pontifícios até hoje. Pio XII escora-se em Ambrósio na sua Encíclica Sacra Virginitas, de 25 de março de 1954, citando todas as obras do santo sobre o assunto.

Nos documentos do Concílio Vaticano II Ambrósio é reiteradamente citado e invocado como fundamento. Ao menos cinco vezes na Constituição Dogmática Lumen Gentium e ainda na Constituição Gaudium et Spes e na Dei Verbum é mencionado, o Concílio recorre também a ele nos Decretos Ad gentes, Perfectas caritatis e Optatam totius para confirmação da sua doutrina.

Também o Papa Paulo VI nele se apoia para escrever a Constituição Apostólica Poenitemini e na Exortação Apostólica O Culto à Virgem Maria, de 24 de março de 1973. Estes e outros documentos eclesiásticos demonstram a sua atualidade dentro do magistério da Igreja Católica.

Bento XVI discorrendo sobre ele diz que Ambrósio: "Trouxe para o ambiente latino a meditação das Escrituras, iniciando no Ociente a prática da lectio divina, que orientou a sua pregação e os seus escritos, que brotam precisamente da escuta (…) da Palavra de Deus. (…) Com ele os catecúmenos aprendiam primeiro a arte de viver bem para preparar-se depois para os grandes mistérios de Cristo e sua pregação partia da leitura dos Livros Sagrados, para viver de conformidade com a revelação divina."

"Nessa leitura (…) onde o coração se esforça por compreender a palavra de Deus, se entrevê o método da catequese ambrosiana: a Escritura intimamente assimilada, sugere os conteúdos que se devem anunciar para converter os corações. (…) A catequese é pois, inseparável do testemunho de vida."[33]

Referências

  1. a b c d e f Attwater & John 1993.
  2. a b   "St. Ambrose". Enciclopédia Católica. (1913). Nova Iorque: Robert Appleton Company. 
  3. Greenslade, Stanley Lawrence (1956), Early Latin theology: selections from Tertullian, Cyprian, Ambrose, and Jerome, Library of Christian classics, 5, Westminster: John Knox Press, p. 175 
  4. Paredi 1964, p. 380.
  5. (em Italian) Santi Beati, IT, http://www.santiebeati.it/dettaglio/90298 
  6. Smith, Philip (1867). "St. Ambrosius". Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology 1. Boston: Little, Brown and Company. 139–40. 
  7. Wilken, Robert (2003), The Spirit of Early Christian Thought, New Haven, p. 218 
  8. a b Butler 1991, p. 407.
  9. Schaff, ed., Letter of Basil to Ambrose, Christian Classics Ethereal library, http://www.ccel.org/ccel/schaff/npnf208.ix.cxcviii.html, visitado em 2012-12-08 
  10. a b c d Butler 1991, p. 408.
  11. "De Abrahamo," ix. 84, xiv. 451
  12. "Epistolæ," xl. xvi. 1101 et seq.
  13. The Cambridge Ancient History, p. 106 
  14. MacCulloch, Diarmaid (2009), Christianity, Viking, p. 300 
  15. Ambrose of Milan (August 388). News. AMBROSE OF MILAN, "Letters about a Synagogue Burning" (August, 388). Council of Centers on Jewish-Christian relations. Página visitada em September 25, 2013.
  16. Byfield (2003) pp. 92–4
  17. a b MacMullen (1984) p. 100
  18. Roldanus (2006) p. 148
  19. Hellemo (1989) p. 254
  20. King (1961) p. 78
  21. of Hippo, Augustine, Epistle to Januarius, II, section 18 
  22. of Hippo, Augustine, Epistle to Casualanus, XXXVI, section 32 
  23. Ambrósio, CSEL 64, 139
  24. Ambrósio, De Mysteriis, 59, PG 16, 410
  25. Ambrósio, De Spiritu Sancto, III, 11,79-80
  26. Ambrósio, Expositio in Lucam 2, 17; PL 15, 1640
  27. De virginibus ("Sobre as Virgens"); De virginitate
  28. Tierney, Brian; Painter, Sidney. In: Brian. Western Europe in the Middle Ages, 300–1475. 3rd ed. New York, NY: Alfred A Knopf, 1978. p. 35. ISBN 0-394-32180-4
  29. a b Agostinho, Confissões livro 6, capítulo 3.
  30. Fenton, James. "Read my lips", The Guardian, July 28, 2006.
  31. Gavrilov, AK (1997), "Techniques of Reading in Classical Antiquity", Classical Quarterly 47: 56–73, esp. 70–71, http://www.jstor.org/pss/639597 
  32. Burnyeat, MF (1997), "Postscript on silent reading", Classical Quarterly 47: 74–76, http://www.jstor.org/pss/639598 
  33. Audiência geral, 24 de outubro de 2007, Vatican Information Service Num. 181.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

  • Hexameron, De paradiso, De Cain, De Noe, De Abraham, De Isaac, De bono mortis – ed. C. Schenkl 1896, Vol. 32/1 (In Latin)
  • De Iacob, De Ioseph, De patriarchis, De fuga saeculi, De interpellatione Iob et David, De apologia prophetae David, De Helia, De Nabuthae, De Tobia – ed. C. Schenkl 1897, Vol. 32/2
  • Expositio evangelii secundum Lucam – ed. C. Schenkl 1902, Vol. 32/4
  • Expositio de psalmo CXVIII – ed. M. Petschenig 1913, Vol. 62; editio altera supplementis aucta – cur. M. Zelzer 1999
  • Explanatio super psalmos XII – ed. M. Petschenig 1919, Vol. 64; editio altera supplementis aucta – cur. M. Zelzer 1999
  • Explanatio symboli, De sacramentis, De mysteriis, De paenitentia, De excessu fratris Satyri, De obitu Valentiniani, De obitu Theodosii – ed. Otto Faller 1955, Vol. 73
  • De fide ad Gratianum Augustum – ed. Otto Faller 1962, Vol. 78
  • De spiritu sancto, De incarnationis dominicae sacramento – ed. Otto Faller 1964, Vol. 79
  • Epistulae et acta – ed. Otto Faller (Vol. 82/1: lib. 1-6, 1968); Otto Faller, M. Zelzer ( Vol. 82/2: lib. 7-9, 1982); M. Zelzer ( Vol. 82/3: lib. 10, epp. extra collectionem. gesta concilii Aquileiensis, 1990); Indices et addenda – comp. M. Zelzer, 1996, Vol. 82/4

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]

  • H. Wace and P. Schaff, eds, A Select Library of Nicene and Post–Nicene Fathers of the Christian Church, 2nd ser., x [Contains translations of De Officiis (under the title De Officiis Ministrorum), De Spiritu Sancto (On the Holy Spirit), De excessu fratris Satyri (On the Decease of His Brother Satyrus), Exposition of the Christian Faith, De mysteriis (Concerning Mysteries), De paenitentia (Concerning Repentance), De virginibus (Concerning Virgins), De viduis (Concerning Widows), and a selection of letters]
  • St. Ambrose "On the mysteries" and the treatise on the sacraments by an unknown author, translated by T Thompson, (London: SPCK, 1919) [translations of De sacramentis and De mysteriis; rev edn published 1950]
  • S. Ambrosii De Nabuthae: a commentary, translated by Martin McGuire, (Washington, D.C. : The Catholic University of America, 1927) [translation of On Naboth]
  • S. Ambrosii De Helia et ieiunio: a commentary, with an introduction and translation, Sister Mary Joseph Aloysius Buck, (Washington, DC: The Catholic University of America, 1929) [translation of On Elijah and Fasting]
  • S. Ambrosii De Tobia: a commentary, with an introduction and translation, Lois Miles Zucker, (Washington, DC: The Catholic University of America, 1933) [translation of On Tobit]
  • Funeral orations, translated by LP McCauley et al., Fathers of the Church vol 22, (New York: Fathers of the Church, Inc., 1953) [by Gregory of Nazianzus and Ambrose],
  • Letters, translated by Mary Melchior Beyenka, Fathers of the Church, vol 26, (Washington, DC: Catholic University of America, 1954) [Translation of letters 1-91]
  • Saint Ambrose on the sacraments, edited by Henry Chadwick, Studies in Eucharistic faith and practice 5, (London: AR Mowbray, 1960)
  • Hexameron, Paradise, and Cain and Abel, translated by John J Savage, Fathers of the Church, vol 42, (New York: Fathers of the Church, 1961) [contains translations of Hexameron, De paradise, and De Cain et Abel]
  • Saint Ambrose: theological and dogmatic works, translated by Roy J. Deferrari, Fathers of the church vol 44, (Washington: Catholic University of American Press, 1963) [Contains translations of The mysteries, (De mysteriis) The holy spirit, (De Spiritu Sancto), The sacrament of the incarnation of Our Lord, (De incarnationis Dominicae sacramento), and The sacraments]
  • Seven exegetical works, translated by Michael McHugh, Fathers of the Church, vol 65, (Washington: Catholic University of America Press, 1972) [Contains translations of Isaac, or the soul, (De Isaac vel anima), Death as a good, (De bono mortis), Jacob and the happy life, (De Iacob et vita beata), Joseph, (De Ioseph), The patriarchs, (De patriarchis), Flight from the world, (De fuga saeculi), The prayer of Job and David, (De interpellatione Iob et David).]
  • Homilies of Saint Ambrose on Psalm 118, translated by Íde Ní Riain, (Dublin: Halcyon Press, 1998) [translation of part of Explanatio psalmorum]
  • Ambrosian hymns, translated by Charles Kraszewski, (Lehman, PA: Libella Veritatis, 1999)
  • Commentary of Saint Ambrose on twelve psalms, translated by Íde M. Ní Riain, (Dublin: Halcyon Press, 2000) [translations of Explanatio psalmorum on Psalms 1, 35-40, 43, 45, 47-49]
  • On Abraham, translated by Theodosia Tomkinson, (Etna, CA: Center for Traditionalist Orthodox Studies, 2000) [translation of De Abraham]
  • De officiis, edited with an introduction, translation, and commentary by Ivor J Davidson, 2 vols, (Oxford: OUP, 2001) [contains both Latin and English text]
  • Commentary of Saint Ambrose on the Gospel according to Saint Luke, translated by Íde M. Ní Riain, (Dublin: Halcyon, 2001) [translation of Expositio evangelii secundum Lucam]
  • Ambrose of Milan: political letters and speeches, translated with an introduction and notes by JHWG Liebschuetz, (Liverpool: Liverpool University Press, 2005) [contains Book Ten of Ambrose’s Letters, including the oration on the death of Theodosius I; Letters outside the Collection (Epistulae extra collectionem); Letter 30 to Magnus Maximus; The oration on the death of Valentinian II (De obitu Valentiniani).]
  • Attwater, Donald; John, Catherine Rachel (1993), The Penguin Dictionary of Saints (3rd ed.), New York: Penguin Books, ISBN 0-14-051312-4 .
  • Butler (1991), Walsh, Michael, ed., Lives of the Saints, New York: HarperCollins Publishers .
  • von Campenhausen, Hans; Hoffman, Manfred, trans. (1964), Men Who Shaped the Western Church, New York: Harper and Row .
  • Deferrari, Roy J., ed. (1954–72), The Fathers of the Church, 26, 42, 44, 65, New York: Fathers of the Church .
  • Dudden, F. Homes (1935), The Life and Times of St. Ambrose, Oxford: Clarendon Press .
  • Gilliard, Frank D. (1984), "Senatorial Bishops in the Fourth Century", Harvard Theological Review 77 (2): 153–75 .
  • King, N. Q. (1960), The Emperor Theodosius and the Establishment of Christianity, Philadelphia: Westminster Press .
  • MacCulloch, Diarmaid (2009), Christianity, London: Viking Penguin 
  • McLynn, Neil B. (1994), Ambrose of Milan: Church and Court in a Christian Capital, The Transformation of the Classical Heritage, 22, Berkeley: University of California Press .
  • Paredi, Angelo; Costelloe, Joseph, trans. (1964), Saint Ambrose: His Life and Times, Notre Dame, IN: University of Notre Dame Press .
  • Paulinus; Lacy, John A., trans. (1952), Life of St. Ambrose by Paulinus., New York: Fathers of the Church .
  • "Ambrose", Patron Saints Index, SPQN, http://saints.sqpn.com/saint-ambrose-of-milan/, visitado em 2012-12-08 .
  • Este artigo incorpora texto da Catholic Encyclopedia, publicação de 1913 em domínio público.
  • Predefinição:EB1911

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ambrose
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ambrósio