Bronquite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bronquite crônica)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bronquite
A figura A mostra a localização dos pulmões e dos brônquios. A figura B mostra os brônquios normais. A figura C mostra os brônquios durante um episódio de bronquite.
Especialidade Infectologia, pneumologia
Sintomas Tosse com muco, respiração sibilante, falta de ar, desconforto no peito[1]
Tipos Bronquite aguda, bronquite crónica[1]
Frequência Aguda: ~5% das pessoas em cada ano[2][3]
Crónica: ~5% das pessoas[3]
Classificação e recursos externos
CID-10 J20-J21
CID-9 490-491
DiseasesDB 29135
MedlinePlus 001087
eMedicine article/807035 article/297108
MeSH D001991
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Bronquite é a inflamação dos brônquios, as vias aéreas de grande e médio calibre nos pulmões.[1] Os sintomas mais comuns são tosse com escarro, respiração sibilantes, falta de ar e desconforto no peito.[1] Existem dois tipos de bronquite: aguda e crónica.[1]

A bronquite aguda geralmente manifesta-se por tosse com a duração de cerca de três semanas.[4] Mais de 90% dos casos são causados por uma infeção viral.[4] Os vírus podem ser transmitidos por via aérea, ao tossir, ou por contacto direto com o vírus.[1] Entre os fatores de risco estão a exposição do fumo do tabaco, poeiras e outros tipos de poluição do ar.[1] Uma minoria de casos é causada por poluição do ar ou bactérias como a Mycoplasma pneumoniae ou Bordetella pertussis.[4][5] O tratamento de bronquite aguda geralmente consiste em repouso e medicamentos para alívio dos sintomas e febre, como paracetamol e anti-inflamatórios não esteroides.[6][7]

A bronquite crónica define-se por tosse produtiva com duração superior a três ou mais meses por ano e durante pelo menos dois anos.[8] A maior parte das pessoas com bronquite crónica tem doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).[9] A causa mais comum é o tabagismo. Fatores de risco como a poluição do ar e fetores genéticos têm também influência, ainda que em menor escala.[10] O tratamento consiste em deixar de fumar, vacinação, reabilitação pulmonar e em muitos casos broncodilatadores de inalação oral.[11] Algumas pessoas podem necessitar de oxigenoterapia ou transplante de pulmão.[11]

A bronquite aguda é uma das doenças mais comuns em todo o mundo.[6][12] Em cada ano, cerca de 5% dos adultos e 6% das crianças apresentam pelo menos um episódio da doença.[2][13] Em 2010, a DPOC afetava cerca de 329 milhões de pessoas, ou cerca de 5% da população mundial.[3] Em 2013, foi a causa de 2,9 milhões de mortes, um aumento em relação aos 2,4 milhões em 1990.[14]

Bronquite aguda[editar | editar código-fonte]

Bronquite aguda é frequentemente causada por vírus[15] que infectam o epitélio dos brônquios, resultando em inflamação e aumento da secreção de muco. Tosse, um sintoma comum de bronquite aguda, desenvolve-se em uma tentativa de expulsar o excesso de muco dos pulmões. Outros sintomas comuns incluem dor de garganta, corrimento e congestão nasal (coriza), baixo grau de febre, pleurisia, mal-estar, e a produção de catarro.[16]

Ela geralmente se desenvolve durante o curso de uma infecção respiratória, como a gripe comum. Cerca de 90% dos casos de bronquite aguda é causada por vírus, incluindo o rinovírus, adenovírus e influenza. Bactérias, incluindo Mycoplasma pneumoniae, Chlamydophila pneumoniae e Bordetella pertussis, representam cerca de 10% dos casos.[16]

Em casos raros, a bactéria "Bordetella pertussis" que causa a coqueluche também pode causar bronquite aguda.[17]

O Tratamento para bronquite aguda é principalmente sintomático. Anti-inflamatórios podem ser usados ​​para tratar a febre e dor de garganta. Descongestionantes podem ser úteis em pacientes com congestão nasal, e expectorantes pode ser utilizado para soltar muco e catarro. Mesmo sem tratamento, a maioria dos casos de bronquite aguda resolve rapidamente.[16]

Apenas cerca de 5-10% dos casos de bronquite são causadas por uma infecção bacteriana. A maioria dos casos de bronquite são causadas por uma infecção viral e são limitadas e se resolvem em poucas semanas.[18] Como a maioria dos casos de bronquite aguda é causada por vírus, os antibióticos não devem ser usados, uma vez que são eficazes apenas contra as bactérias. Uso de antibióticos em pacientes sem infecções bacterianas promove o desenvolvimento de bactérias resistentes aos antibióticos , o que pode levar a uma maior morbidade e mortalidade . No entanto, mesmo em casos de bronquite viral, os antibióticos podem ser indicados em alguns pacientes, a fim de prevenir a ocorrência de infecções bacterianas secundárias.

Bronquite crônica[editar | editar código-fonte]

Bronquite crônica, um tipo de doença pulmonar obstrutiva crônica, é definida por uma tosse produtiva de pelo menos três meses de duração por ano (não necessariamente consecutivos) por 2 anos ou mais.[19] Outros sintomas podem incluir chiado e falta de ar, especialmente durante exercícios físicos. A tosse é muitas vezes pior logo depois de acordar, e o catarro produzido pode ter uma cor amarela ou verde, podendo apresentar estrias de sangue.[16]

A bronquite crônica é causada por uma lesão recorrente ou irritação do epitélio respiratório dos brônquios , resultando em crônica a inflamação , edema (inchaço), e aumento da produção de muco pelas células caliciformes.[16] O fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões é parcialmente bloqueada devido do muco inchaço e extra nos brônquios ou devido a reversível broncoespasmo.[20]

Maioria dos casos de bronquite crônica são causados ​​por fumar cigarros ou outras formas de tabaco. Inalação crônica de vapores irritantes ou poeira de exposição ocupacional ou a poluição do ar também pode ser causador. Cerca de 5% da população tem bronquite crônica, e é duas vezes mais comum em mulheres que em homens.[16]

A bronquite crônica é tratada com os sintomas. Inflamação e edema do epitélio respiratório pode ser reduzida com inalado corticosteróides . Chiado e falta de ar pode ser tratada através da redução broncoespasmo (estreitamento reversível dos brônquios de menor devido à constrição do músculo liso ) com broncodilatadores inalatórios, como β-adrenérgicos agonistas (por exemplo, salbutamol ) e inalados anticolinérgicos (por exemplo, brometo de ipratrópio ). Hipoxemia também pouco oxigênio no sangue, pode ser tratada com oxigênio suplementar.[16] No entanto, a suplementação de oxigênio pode resultar em diminuição do impulso respiratório, levando a níveis sanguíneos aumentados de dióxido de carbono e subseqüente acidose respiratória .

O método mais eficaz de prevenir bronquite crônica e outras formas de DPOC é evitar fumar cigarros e outras formas de tabaco.[16]

Sinais e sintomas de bronquite[editar | editar código-fonte]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Examinando o doente, o médico pode notar roncos e outras alterações na auscultação do tórax com o estetoscópio. A história clínica irá definir se o caso é agudo ou crônico.[21] O médico poderá também solicitar exames complementares, tais como:

  • Radiografia do tórax para concluir se a doença se agravou para pneumonia.
  • Exame do escarro para a identificação do germe envolvido.
  • Análise do sangue poderão identificar que sinalizem infecção viral ou bacteriana.
  • Espirometria, que mede a capacidade e função pulmonar.[21]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

Com a presença de partículas ou gases nocivos acontece uma inflamação crônica que aumenta a produção de muco, que fica acumulado nos brônquios e o corpo não consegue eliminá-lo. As inflamações são recorrentes.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Para começar o tratamento, é importante eliminar o cigarro (caso o doente seja tabagista), e repousar para evitar respirar em ambientes de gás tóxico e poluição. Para quem já tem a doença há um tempo considerável, deixar o fumo não vai fazer com que a doença regrida, mas desacelerará o seu avanço.[22]

Agentes Mucolíticos e Fluidificantes diminuem a viscosidade do catarro e assim evitam que com a secagem da secreção forme obstruções nos brônquios. Com a diminuição da viscosidade da secreção, as vias respiratórias ficam menos congestionadas, e assim há uma melhora significante da respiração.[22]

Exercícios da terapia de reabilitação fazem com que o paciente seja capaz de utilizar a sua energia melhor ou de uma forma em que haja menor gasto de oxigênio.

A oxigenoterapia (uso de oxigênio em casa), quando necessária, também pode melhorar os sintomas, além de aumentar a expectativa de vida.

Corticóides (medicamentos utilizados para controlar a inflamação crônica dos brônquios) minimizam os sintomas.

Além disso, antibióticos ajudam muito nos casos de exacerbação da doença, quando resultam de uma infecção bacteriana nos brônquios.

Broncodilatadores[editar | editar código-fonte]

Os broncodilatadores melhoram o fluxo de ar nesta doença, aliviando a falta de ar e a sibilância. Podem ser utilizados através de nebulizações, nebulímetros (semelhantes à "bombinha" da Asma), cápsulas de inalar, comprimidos, xaropes, etc. O meio mais prático é o uso dos nebulímetros pois estes podem ser utilizados tanto em casa quanto fora, além de apresentarem menor freqüência de efeitos indesejáveis.

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Na bronquite crônica, é importante a vacinação anual contra o vírus causador da gripe, uma vez que esta pode piorar a doença. Com este mesmo objetivo, é indicado também o uso da vacina contra o pneumococo, que é a principal bactéria causadora de infecções respiratórias, entre elas a pneumonia, e é claro, a própria bronquite crônica. A vacinação deve ser feita uma única vez e, em casos específicos, pode ser repetida depois de cinco anos.

Tabaco[editar | editar código-fonte]

Uma das principais medidas preventivas a serem tomadas é não fumar. O médico pode oferecer ao seu paciente auxílio neste sentido, podendo indicar medicações auxiliares. A reposição de nicotina por gomas, adesivos ou outros recursos podem ser utilizados.

Também pode ser indicado o uso de bupropiona, um medicamento que tem o efeito de diminuir os sintomas de abstinência ao fumo.

Referências

  1. a b c d e f g «What Is Bronchitis?». 4 de agosto de 2011. Consultado em 1 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  2. a b Wenzel, RP; Fowler AA, 3rd (16 de novembro de 2006). «Clinical practice. Acute bronchitis.». The New England Journal of Medicine. 355 (20): 2125–30. PMID 17108344. doi:10.1056/nejmcp061493 
  3. a b c Vos T, Flaxman AD, Naghavi M, Lozano R, Michaud C, Ezzati M, Shibuya K, Salomon JA, Abdalla S, Aboyans V, et al. (dezembro de 2012). «Years lived with disability (YLDs) for 1160 sequelae of 289 diseases and injuries 1990–2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010». Lancet. 380 (9859): 2163–96. PMID 23245607. doi:10.1016/S0140-6736(12)61729-2 
  4. a b c Albert, RH (1 de dezembro de 2010). «Diagnosis and treatment of acute bronchitis.». American Family Physician. 82 (11): 1345–50. PMID 21121518 
  5. «What Causes Bronchitis?». 4 de agosto de 2011. Consultado em 1 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  6. a b Tackett, KL; Atkins, A (dezembro de 2012). «Evidence-based acute bronchitis therapy.». Journal of pharmacy practice. 25 (6): 586–90. PMID 23076965. doi:10.1177/0897190012460826 
  7. «How Is Bronchitis Treated?». 4 de agosto de 2011. Consultado em 1 de abril de 2015.. Cópia arquivada em 2 de abril de 2015 
  8. Vestbo, Jørgen (2013). «Diagnosis and Assessment» (PDF). Global Strategy for the Diagnosis, Management, and Prevention of Chronic Obstructive Pulmonary Disease. [S.l.]: Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease. pp. 9–17 
  9. Reilly, John J.; Silverman, Edwin K.; Shapiro, Steven D. (2011). «Chronic Obstructive Pulmonary Disease». In: Longo, Dan; Fauci, Anthony; Kasper, Dennis; Hauser, Stephen; Jameson, J.; Loscalzo, Joseph. Harrison's Principles of Internal Medicine 18th ed. [S.l.]: McGraw Hill. pp. 2151–9. ISBN 978-0-07-174889-6 
  10. Decramer M, Janssens W, Miravitlles M (abril de 2012). «Chronic obstructive pulmonary disease». Lancet. 379 (9823): 1341–51. PMID 22314182. doi:10.1016/S0140-6736(11)60968-9 
  11. a b Rabe KF, Hurd S, Anzueto A, Barnes PJ, Buist SA, Calverley P, Fukuchi Y, Jenkins C, Rodriguez-Roisin R, van Weel C, Zielinski J (setembro de 2007). «Global strategy for the diagnosis, management, and prevention of chronic obstructive pulmonary disease: GOLD executive summary». Am. J. Respir. Crit. Care Med. 176 (6): 532–55. PMID 17507545. doi:10.1164/rccm.200703-456SO 
  12. Braman, SS (janeiro de 2006). «Chronic cough due to acute bronchitis: ACCP evidence-based clinical practice guidelines.». Chest. 129 (1 Suppl): 95S-103S. PMID 16428698. doi:10.1378/chest.129.1_suppl.95S 
  13. Fleming, DM; Elliot, AJ (março de 2007). «The management of acute bronchitis in children.». Expert opinion on pharmacotherapy. 8 (4): 415–26. PMID 17309336. doi:10.1517/14656566.8.4.415 
  14. GBD 2013 Mortality and Causes of Death, Collaborators (17 de dezembro de 2014). «Global, regional, and national age-sex specific all-cause and cause-specific mortality for 240 causes of death, 1990–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013.». Lancet. 385: 117–71. PMC 4340604Acessível livremente. PMID 25530442. doi:10.1016/S0140-6736(14)61682-2 
  15. Portal São Francisco. «Bronquite.». Consultado em 17 de janeiro de 2012. 
  16. a b c d e f g h Cohen, Jonathan and William Powderly. Infectious Diseases. 2nd ed. Mosby (Elsevier), 2004. "Chapter 33: Bronchitis, Bronchiectasis, and Cystic Fibrosis"
  17. Bronquite Aguda - Causas, Sintomas, Tratamento, Prevencão in Índice de Saúde, 06 de Julho de 2013
  18. Hueston WJ (1997). «Antibiotics: neither cost effective nor 'cough' effective». The Journal of Family Practice. 44 (3). pp. 261–5. PMID 9071245 
  19. "CDC Definition of Chronic Bronchitis from NIOSH HAZARD REVIEW, Health Effects of Occupational Exposure to Respirable Crystalline Silica"
  20. "Ross and Wilson: Anatomy and Physiology (tenth edition)"
  21. a b Banco de Saúde. «Bronquite (aguda e crônica)». Consultado em 17 de janeiro de 2012. 
  22. a b Mariana Araguaia. «Bronquite: Sintomas e Tratamento da Bronquite». Brasil Escola. Consultado em 17 de janeiro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]