Jordi Cruijff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jordi Cruijff
Cruyff, Jordi.jpg
Informações pessoais
Nome completo Johan Jordi Cruijff
Data de nasc. 9 de fevereiro de 1974 (46 anos)
Local de nasc. Amsterdã, Países Baixos
Altura 1,84 m
destro
Informações profissionais
Equipa atual Shenzhen FC
Posição Ex-meia
Função Treinador
Clubes de juventude
1981–1988
1988–1992
Ajax
Barcelona
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1992–1995
1994–1996
1996–2000
1999
2000–2003
2003–2004
2004–2006
2006–2008
Barcelona B
Barcelona
Manchester United
Celta de Vigo (emp.)
Alavés
Espanyol
Metalurh Donetsk
Valletta
0051 000(16)
0054 000(11)
0058 0000(8)
0008 0000(1)
0107 000(11)
0030 0000(3)
0028 0000(0)
0016 000(10)
Seleção nacional
1995–2004
1996
Catalunha
Países Baixos
00009 000(2)
00009 000(1)
Times/Equipas que treinou
2009–2010
2010–2012
2012–2017
2017–2018
2018–2019
2020
2020–
Valletta (assistente)
Larnaca (diretor de futebol)
Maccabi Tel Aviv (diretor de futebol)
Maccabi Tel Aviv
Chongqing Dangdai Lifan
Equador
Shenzhen FC

Johan Jordi Cruijff (Amsterdã, 9 de fevereiro de 1974) é um treinador e ex-futebolista neerlandês que atuava como meio-campista. Atualmente comanda o Shenzhen FC.

História por trás do nome[editar | editar código-fonte]

Filho do lendário Johan Cruijff, que o batizou com um nome catalão para homenagear a Catalunha, pátria do time em que jogava, o Barcelona, cujo nacionalismo era oprimido no governo do General Francisco Franco (que morreria no ano seguinte).

Jordi, "Jorge" em catalão, é o nome do santo padroeiro da Catalunha, e Jordi Cruijff só pôde ser batizado assim em sua terra natal[carece de fontes?], os Países Baixos, já que manifestações culturais de etnias não-espanholas (como também a basca) eram proibidas pela ditadura de Franco.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

O fato de ser filho de Johan Cruijff lhe permitiu ingressar nas categorias juvenis do Ajax e do Barcelona, ex-clubes do pai. Entraria para o time principal do Barcelona em 1994, tendo um começo positivo. Entretanto, perdeu espaço na equipe após a saída de seu pai do cargo de técnico. Em seu último jogo na equipe, entretanto, inspirou uma virada para 3 a 2 do clube para cima do Celta de Vigo.

Jordi iria em 1996 para o Manchester United. Apesar de ter marcado dois gols nas três primeiras partidas, lesões não lhe permitiram se firmar na equipe. Saiu da equipe em maio de 2000, com a conquista do Campeonato Inglês (pela terceira vez). Rodaria por Alavés, Espanyol e o time B do Barcelona. Em 2006, foi para o Metalurh Donets'k, dando encerrada a carreira na equipe ucraniana, em 2008, porém, em 2009 foi anunciado como jogador-assistente do clube maltês Valletta. Pelo clube maltês, sagrou-se vice-campeão da liga, marcando 10 gols em 16 jogos.

Como técnico[editar | editar código-fonte]

No dia 13 de janeiro de 2020 foi anunciado como novo técnico da Seleção Equatoriana.[1] Em julho, no entanto, pediu demissão do cargo sem ter comandado um treino sequer.[2]

Seleções Nacionais[editar | editar código-fonte]

Já enfrentou duas vezes a Seleção Brasileira, ambas em amistosos em que jogou pela Seleção da Catalunha. Por seu país natal, realizou suas 9 partidas do ano de 1996, tendo participado da Eurocopa daquele ano.

No jogo contra a Escócia, na Eurocopa 1996.

Referências

  1. «Equador apresenta novo escudo e Jordi Cruyff como treinador». GloboEsporte.com. 13 de janeiro de 2020. Consultado em 28 de junho de 2020 
  2. «Sem comandar um treino sequer, Jordi Cruyff pede demissão do comando da seleção do Equador». GloboEsporte.com. 23 de julho de 2020. Consultado em 13 de agosto de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]