Visual Studio Code

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Visual Studio Code
Captura de tela
Visual Studio Code rodando no Windows 7, com a função "Search" ativada
Desenvolvedor Microsoft
Plataforma IA-32, x64
Lançamento 29 de abril de 2015 (3 anos)
Versão estável 1.20.1 (13 de fevereiro de 2018; há 0 dia[1][2][3]) [+/-]
Versão em teste [+/-]
Idioma(s) inglês, francês, alemão, italiano, japonês, coreano, russo, espanhol, chinês (tanto simplificado como tradicional)
Linguagem TypeScript, JavaScript, CSS
Sistema operacional Windows 7 ou versão posterior, OS X 10.10 ou versão posterior, Linux
Gênero(s) editor de código-fonte, depurador
Licença
Tamanho
  • Windows: 32,8 MB
  • Debian, Ubuntu: 34,1 MB
  • Fedora, Red Hat: 50,4 MB
  • macOS: 51,8 MB
Página oficial code.visualstudio.com

O Visual Studio Code é um editor de código-fonte / IDE de mínimos recursos desenvolvido pela Microsoft para Windows, Linux e macOS. Ele inclui suporte para depuração, controle Git incorporado, realce de sintaxe, complementação inteligente de código, snippets e refatoração de código. Ele também é customizável, fazendo com que os usuários possam mudar o tema do editor, teclas de atalho e preferências. Ele é um software livre e de código aberto,[7][8] apesar do download oficial estar sob uma licença proprietária.[6]

O Visual Studio Code é baseado no Electron, uma framework que é usada para desenvolver aplicativos Node.js para o desktop rodando no motor de layout Blink. Apesar de usar o Electron como framework,[9] o software não usa o Atom e em seu lugar emprega o mesmo componente editor (codenomeado "Monaco") usado no Visual Studio Team Services (anteriormente chamado de Visual Studio Online).[10]

História[editar | editar código-fonte]

O Visual Studio Code foi anunciado, com uma versão de previsão lançada, em 29 de abril de 2015 pela Microsoft na conferência Build de 2015.[11]

Em 18 de novembro de 2015, o Visual Studio Code foi lançado sob a licença MIT e o seu código-fonte foi postado no GitHub. Suporte para extensões também foi anunciada.[7]

Em 14 de abril de 2016, o Visual Studio Code concluiu o estágio de previsão pública e foi lançado para a web.[12]

Recursos[editar | editar código-fonte]

O Visual Studio Code é um editor de código-fonte / IDE de mínimos recursos. Ele suporta um número de linguagens de programação e um conjunto de recursos que podem ou não estarem disponíveis para a dada linguagem, como mostrado na tabela a seguir. Muitos dos recursos do Visual Studio Code features não são expostos através de menus ou da interface de usuário. Ao invés disso, elas estão acessíveis através da paleta de comandos ou por meio de um arquivo.json (como as preferências do usuário).[13] A paleta de comandos é uma interface de linha de comandos. No entanto, ele desaparece se o usuário clicar em qualquer lugar fora dele ou pressiona uma combinação de teclas no teclado para interagir com algo fora dela. Isso também é válido para comandos de time-taking. Quando isso acontece, o comando em andamento é cancelado.

No papel de um editor de código fonte, o Visual Studio Code permite alterar a página de código na qual o documento atual é salvo, o caractere que identifica quebra de linha (uma escolha entre CR e CRLF), e a linguagem de programação do documento ativo.

Recursos dependentes de linguagem[13]
Recursos Linguagens
Realce de sintaxe Batch, C++, Clojure, CoffeeScript, DockerFile, Elixir, F#, Go, Pug template language,[14][15] Java, HandleBars, INI, Lua, Makefile, Objective-C, Perl, PowerShell, Python, R, Razor, Ruby, Rust, SQL, Visual Basic, XML
Snippets Groovy, Markdown, Nim,[16] PHP, Swift
Complementação inteligente de código CSS, HTML, JavaScript, JSON, Less, Sass, TypeScript
Refatoração C#, TypeScript
Depuração

O Visual Studio Code pode ser estendido através de plugins,[17] disponíveis através de um repositório central. Isso inclui adições ao editor[18] e suporte para linguagens de programação.[13] Uma característica notável é a capacidade de criar extensões que analisam código, como linters e ferramentas para análise estática, usando o Language Server Protocol.[19]

Coleta de dados[editar | editar código-fonte]

O Visual Studio Code coleta dados de uso e os envia para a Microsoft, apesar deste recurso poder ser desabilitado pelo usuário.[20] Os dados são compartilhados entre afiliadas e subsidiárias controladas pela Microsoft e com a aplicação da lei por declaração de privacidade.[21]

Performance[editar | editar código-fonte]

O Visual Studio Code tem um uso muito alto de CPU apenas para mostrar o cursor intermitente.[22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ji m (8 de fevereiro de 2018). «Visual Studio Code 1.20 Released with Great Updates» (em inglês). UbuntuHandbook. Consultado em 11 de fevereiro de 2018 
  2. «January 2018 (version 1.20)» (em inglês). Visual Studio Code. Consultado em 11 de fevereiro de 2018 
  3. «Release 1.20.1 · Microsoft/vscode» (em inglês). GitHub. 13 de fevereiro de 2018. Consultado em 14 de fevereiro de 2018 
  4. «LICENSE.txt». github.com/Microsoft/vscode (em inglês). Microsoft. 17 de novembro de 2015 
  5. «Download Visual Studio Code». code.visualstudio.com (em inglês). Microsoft. Consultado em 16 de agosto de 2016 
  6. a b «Microsoft Software License Terms». code.visualstudio.com (em inglês). Microsoft. Consultado em 16 de agosto de 2016 
  7. a b «Visual Studio now supports debugging Linux apps; Code editor now open source» (em inglês). Ars Technica. Consultado em 18 de novembro de 2015 
  8. Lardinois, Frederic (29 de abril de 2015). «Microsoft Launches Visual Studio Code, A Free Cross-Platform Code Editor For OS X, Linux And Windows» (em inglês). TechCrunch 
  9. «Microsoft's new Code editor is built on Google's Chromium» (em inglês). Ars Technica. Consultado em 18 de novembro de 2015 
  10. «Monaco Editor». microsoft.github.io/monaco-editor (em inglês) 
  11. Montgomery, John (29 de abril de 2015). «BUILD 2015 News: Visual Studio Code, Visual Studio 2015 RC, Team Foundation Server 2015 RC, Visual Studio 2013 Update 5» (em inglês) 
  12. «Visual Studio Code editor hits version 1, has half a million users» (em inglês). Ars Technica. 15 de abril de 2016 
  13. a b c «Language Support in Visual Studio Code» (em inglês). Visual Studio Code. 10 de outubro de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  14. «pugjs.org» 
  15. «standalone-languages/jade.ts». Microsoft/vscode GitHub repository (em inglês). Microsoft. 13 de novembro de 2015 
  16. «Nim Wiki: Editor Support» (em inglês) 
  17. «Extending Visual Studio Code» (em inglês). Visual Studio Code. 10 de outubro de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  18. «Managing Extensions in Visual Studio Code» (em inglês). Visual Studio Code. 10 de outubro de 2016. Consultado em 12 de outubro de 2016 
  19. «Creating Language Servers for Visual Studio Code» (em inglês). Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  20. «Visual Studio Code FAQ» (em inglês). Consultado em 4 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de agosto de 2016. VS Code collects usage data and sends it to Microsoft to help improve our products and services. Read our privacy statement to learn more. If you don’t wish to send usage data to Microsoft, you can set the telemetry.enableTelemetry setting to false. 
  21. «Microsoft Enterprise and Developer Privacy Statement». Consultado em 4 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2016 
  22. «Blinking Cursor Devours CPU Cycles in Visual Studio Code Editor» (em inglês) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata