Óscar Carmona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Óscar Carmona
Óscar Carmona
Presidente de  Portugal
Período de governo 16 de Novembro de 1926 - 18 de Abril de 1951
Antecessor(a) Gomes da Costa
Sucessor(a) Craveiro Lopes
Presidente do Ministério de  Portugal
Período de governo 9 de Julho de 1926 - 18 de Abril de 1928
Antecessor(a) Gomes da Costa
Sucessor(a) José Vicente de Freitas
Vida
Nome completo António Óscar de Fragoso Carmona
Nascimento 24 de Novembro de 1869
Lisboa, Reino de Portugal Portugal
Morte 18 de Abril de 1951 (81 anos)
Lisboa,  Portugal
Dados pessoais
Primeira-dama Maria do Carmo Ferreira da Silva Carmona
Partido Nenhum, depois União Nacional
Profissão Marechal do Exército

António Óscar de Fragoso Carmona ComCComAGCAComSE (Lisboa, 24 de Novembro de 1869Lisboa, 18 de Abril de 1951) foi um militar e governante português, como presidente do Ministério e presidente da República Portuguesa (terceiro da Ditadura e primeiro do Estado Novo).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estudou no Colégio Militar em Lisboa entre 1882 e 1888 e na Escola do Exército entre 1889 e 1892, de onde saiu como oficial de Cavalaria.

Republicano, iniciado na Maçonaria,[1] foi nomeado pelo governo revolucionário republicano, a 15 de Outubro de 1910, membro da Comissão de Reestruturação do Exército.

Foi instrutor da Escola Central de Oficiais (1913–1914); Director da Escola Prática de Cavalaria de Torres Novas (1918–1922); Comendador da Ordem Militar de Avis (15 de Fevereiro de 1919); Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (28 de Fevereiro de 1919); Comendador da Ordem Militar de Cristo (28 de Junho de 1919);[2] Comandante da IVª Divisão situada em Évora (1922–1925); ministro da Guerra no governo de Ginestal Machado entre 15 de Novembro e 18 de Dezembro de 1923; Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis (5 de Outubro de 1925).[2]

Na sequência do golpe militar de 28 de Maio de 1926 — de que foi um dos líderes — foi ministro da Guerra entre 9 de Julho e 29 de Novembro, ministro dos Negócios Estrangeiros entre 3 de Junho a 6 de Julho de 1926, pasta que acumulou com a de presidente do Ministério — após o derrube do general Gomes da Costa — a partir de 9 de julho de 1926. Foi nomeado presidente da República interino em 26 de Novembro de 1926. Eleito em 1928, ainda durante a Ditadura Militar, dando início ao período denominado Ditadura Nacional e, já na vigência da Constituição de 1933, em 1935, 1942 e 1949, não concluindo o último mandato por ter falecido no decurso do mesmo. Tendo atingido o posto de General em 1922, foi-lhe atribuído o título honorífico de marechal do exército em 1947.

A 25 de Abril de 1930 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem dos Santos Maurício e Lázaro de Itália.[2]

Faleceu a 18 de abril de 1951 e ficou no jazigo familiar do cemitério da Ajuda. Em 1966 o seu corpo fora solenemente trasladado da Sala do Capítulo do Mosteiro dos Jerónimos para o Panteão Nacional da Igreja de Santa Engrácia, Lisboa, por ocasião da sua inauguração.[3] A cerimónia ocorreu no dia 5 de dezembro, conjuntamente com a trasladação de outras ilustres figuras portuguesas.

Notas

  1. Foi iniciado no triângulo n.º 1, de Chaves, entre 1894 e 1906, não tendo ultrapassado o grau de aprendiz. Abandonou a maçonaria, tendo, em 1935, assinado a lei que a ilegalizou em Portugal. Cf. MARQUES, A. H. de Oliveira.Dicionário de Maçonaria Portuguesa. Lisboa: Editorial Delta, 1986, vol I, col. 272-273.
  2. a b c http://www.ordens.presidencia.pt/
  3. Óscar Carmona (em inglês) no Find a Grave.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Óscar Carmona

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Manuel Gomes da Costa
Presidente do Ministério de Portugal
19261928
Sucedido por
José Vicente de Freitas