Between the Buttons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Between the Buttons
Álbum de estúdio de The Rolling Stones
Lançamento Reino Unido 20 de janeiro de 1967
Estados Unidos 11 de fevereiro de 1967
Gravação 3–11 Agosto, 8–26 Novembro e 13 de dezembro de 1966
Gênero(s) Rock
Música psicodélica
Pop barroco
Art Rock
Duração 38:51
Formato(s) LP
Gravadora(s) Decca Records
London Records
Produção Andrew Loog Oldham
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de The Rolling Stones
Último
Último
Aftermath
(1966)
Their Satanic Majesties Request
(1967)
Próximo
Próximo


Between the Buttons é o quinto álbum de estúdio britânico da banda de rock inglesa The Rolling Stones e foi lançado em 20 de Janeiro de 1967, no Reino Unido. O álbum foi lançado em 11 de fevereiro de 1967, nos Estados Unidos, sendo seu sétimo álbum americano. É tido como a continuação do ambicioso Aftermath, de 1966.

Com "Ruby Tuesday", alcançando # 1, Between the Buttons foi # 2 nos Estados Unidos, sendo disco de ouro e chegando a # 3 no Reino Unido.

Em agosto de 2002 ambas as edições do Between the Buttons foram reeditados em CD remasterizado e SACD digipak pela ABKCO Records.

Em 2003, o álbum foi # 355 na lista dos 500 maiores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone.[1]

Em 2011, o líder do The Beach Boys, Brian Wilson, em entrevista a série de vídeos On the Record, citou Between the Buttons como sendo seu disco favorito.

Gravação e lançamento[editar | editar código-fonte]

Gravado em dois estúdios, em Los Angeles, agosto de 1966, e Londres em novembro do mesmo ano, Between the Buttons captura o período em que o The Rolling Stones estavam se movendo mais para o território do art rock e para longe de suas raízes do R&B. Com o lançamento de The Beach Boys Today!, Pet Sounds do The Beach Boys, Revolver do The Beatles, e Blonde on Blonde de Bob Dylan bem como seu próprio álbum Aftermath, em 1966, os parâmetros do rock haviam se ampliado consideravelmente.

Bem como Aftermath e todos os outros discos dos Stones pré-Their Satanic Majesties Request, Between the Buttons tem algumas diferenças nas versões do Reino Unido e Estados Unidos. A edição do Reino Unido (que tem como produtores Andrew Loog Oldham e The Rolling Stones) foi lançada em janeiro de 1967 pela Decca Records, simultaneamente com o single, "Let's Spend the Night Together" b/w "Ruby Tuesday". Devido à prática comum na indústria fonográfica britânica, ao contrário do que acontece nos Estados Unidos, o single não aparece no álbum. O álbum foi bem recebido pela crítica e pelo público, alcançando # 3 no Reino Unido.

Nos Estados Unidos, "Let's Spend the Night Together" e "Ruby Tuesday" foram colocados no álbum no lugar de "Back Street Girl" e "Please Go Home", que seriam incluídas no lançamento americano seguinte, a coletânea Flowers).

Com "Ruby Tuesday", alcançando # 1, Between the Buttons foi # 2 nos Estados Unidos, sendo disco de ouro.

Além disso, Between the Buttons foi o último álbum produzido por Andrew Loog Oldham, com quem The Rolling Stones teriam uma queda criativa, em meados de 1967. Na verdade, a influência de Oldham é mais evidente aqui do que em álbuns anteriores, ele emprega técnicas de Phil Spector, em "Yesterday's Papers", "My Obsession", e "Complicated".

Jones continuou seus experimentos com instrumentos exóticos neste álbum, tocando órgão e xilofone elétrico, vibrafone, acordeão, kazoo, marimba, theremin e cravo. Keith Richards se ocupou em um trabalho de guitarra distintivo em "My Obsession", "Connection", "All Sold Out", "Please Go Home" e "Miss Amanda Jones".

O momento da gravação marca o aprofundamento dos membros da banda no uso excessivo de drogas, especialmente alucinógenos como LSD. Na época, os jovens "rebeldes" acreditavam que o uso de psicotrópicos abriria a mente para novas idéias e expandiria seus limites. Quem mais foi afetado por esse excessivo estilo de vida, regrado a "viagens no ácido", festas, sexo e rock foi Brian Jones, que tinha chegado ao seu auge musical e que só iria decair a partir daí.

No ano seguinte ao seu lançamento, Between the Buttons de alguma forma tornou-se esquecido. Hoje, porém, muitos críticos e fãs apreciam as qualidades ecléticas do álbum com sua riqueza de jóias obscuras, tornando-se um álbum único lançado no catálogo dos Rolling Stones, onde mais ou menos abandonaram o blues dos álbuns anteriores e se tornaram compositores mais consistentes do que os seus esforços anteriores.

Capa[editar | editar código-fonte]

Sobre a capa, o fotógrafo Gered Mankowitz disse: "Nós levamos os Stones no carro de Andrew (Oldham) para a Primrose Hill, ao norte de Londres. Quando chegamos ao topo da montanha, um bem conhecido rapaz de Londres chamado Maxie - um protótipo de hippie - estava sozinho tocando flauta. Mick caminhou até ele e lhe ofereceu um baseado e sua única resposta foi: 'Ah... café da manhã! '"

Citações[editar | editar código-fonte]

Sobre o disco Keith Richards disse em 2002: "Between The Buttons foi o primeiro disco que fizemos quando não estávamos na estrada. Porém, todos estavam muito doidos. Para nós, foi como um novo começo. Mas nem todo mundo estava bem. Brian começava a ficar esquisito na época". Sobre Let's Spend The Night Together ele disse: "Eu toquei piano nessa, depois eu pus a guitarra no overdubb. Para mim, a canção era uma progressão de Have You Seen Your Mother Baby, pois os acordes e a estrutura da música são os mesmos. Eu as escrevi no piano"

Bill Wyman disse em 1990: "As sessões eram presididas por vários amigos de Mick, Keith e Brian; incluindo Marianne Faithfull, Anita Pallenberg, Prince Stanislaus Klossowski, Spanish Tony Sanchez, o fotógrafo Michael Cooper, Robert Fraser, Jimi Hendrix e os comediantes Peter Cook e Dudley Moore"

Sobre Yesterday's Papers Mick Jagger disse em 1967: "Foi a primeira música que escrevi sozinho para os Rolling Stones". Em 1974, sobre o álbum, ele disse: "É um álbum de que nunca gostei. "Back Street Girl" é a única canção decente do disco. O resto é mais ou menos porcaria. "Connection" também é boa"

Faixas (versão britânica)[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas de autoria de Mick Jagger e Keith Richards

Lado A
  1. "Yesterday's Papers" – 2:04
  2. "My Obsession" – 3:17
  3. "Back Street Girl" – 3:27
  4. "Connection" – 2:08
  5. "She Smiled Sweetly" – 2:44
  6. "Cool, Calm & Collected" – 4:17
Lado B
  1. "All Sold Out" – 2:17
  2. "Please Go Home" – 3:17
  3. "Who's Been Sleeping Here?" – 3:55
  4. "Complicated" – 3:15
  5. "Miss Amanda Jones" – 2:47
  6. "Something Happened to Me Yesterday" – 4:55

Faixas (versão americana)[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas de autoria de Mick Jagger e Keith Richards

Lado A
  1. "Let's Spend the Night Together" – 3:38
  2. "Yesterday's Papers" – 2:01
  3. "Ruby Tuesday" – 3:16
  4. "Connection" – 2:08
  5. "She Smiled Sweetly" – 2:45
  6. "Cool, Calm & Collected" – 4:18
Lado B
  1. "All Sold Out" – 2:18
  2. "My Obsession" – 3:20
  3. "Who's Been Sleeping Here?" – 3:57
  4. "Complicated" – 3:18
  5. "Miss Amanda Jones" – 2:47
  6. "Something Happened to Me Yesterday" – 4:56

Pessoal[editar | editar código-fonte]

The Rolling Stones

Músicos adicionais
  • Jack Nitzsche - piano, cravo, percussão
  • Ian Stewart - piano e órgão

Notas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de The Rolling Stones é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.