Undercover (álbum)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Undercover
Álbum de estúdio de The Rolling Stones
Lançamento 7 de novembro de 1983[1]
Gravação 11 de novembro - 17 de dezembro de 1982
maio de 1983
junho - 1 de agosto de 1983
Gênero(s) Hard rock[1]
Rock and roll[1]
Duração 45:00
Formato(s) LP
Gravadora(s) Rolling Stones Records
Virgin Records
Produção The Glimmer Twins e Chris Kimsey
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de The Rolling Stones
Último
Último
Tattoo You
(1981)
Dirty Work
(1986)
Próximo
Próximo


Undercover é o décimo sétimo álbum de estúdio da banda de rock inglesa The Rolling Stones e foi lançado em 1983.

Após o seu álbum anterior, Tattoo You, de 1981, que foi principalmente formado por colagens a partir de uma seleção de outtakes, Undercover foi seu primeiro lançamento todo de material recém-gravado na década de 1980. Foi produzido pelos Glimmer Twins (Mick e Keith) e Chris Kimsey, que também foi responsável pela engenharia de som e pelas mixagens. A pré-produção do álbum teve início em um estúdio desconhecido em Paris, entre outubro e novembro de 1982. Foi gravado nos estúdios Pathé Marconi, França (entre novembro de '82 a março de '83) e no Compass Point Studios, Bahamas (entre maio e junho de '83). Os overdubbs e mixagens foram feitos no The Hit Factory, em Nova Iorque.

Com o advento da geração MTV, os Rolling Stones tentaram reinventar-se para uma nova era. Undercover foi lançado pela Rolling Stones Records (WEA/EMI) no dia 7 de novembro de 1983, com uma crítica entusiástica por parte da revista Rolling Stone, e atingiu o # 3 no Reino Unido e # 4 nos Estados Unidos. Foi uma decepção, no entanto, quebrando uma seqüência de oito álbuns # 1 (excluindo coletâneas e discos ao vivo) nos Estados Unidos e por não gerar qualquer single de enorme sucesso.

Em 1994, Undercover foi remasterizado e relançado pela Virgin Records e novamente em 2009 pela Universal Music.

História[editar | editar código-fonte]

Devido aos recentes avanços na tecnologia de gravação, Mick Jagger e Keith Richards (também conhecidos como The Glimmer Twins) convidaram Chris Kimsey para a produção do próximo álbum, o primeiro produtor de fora que os Rolling Stones tinham utilizado desde Jimmy Miller. A gravação começou com um número instrumental chamado "Cellophane Trousers" que foi gravado em novembro de 1975 durante as sessões do álbum "Black And Blue", de 1976, (e que pode ser encontrado em vários bootlegs das sessões do álbum), então em novembro de 1982, três meses após o término da turnê que promovia Tattoo You foi escrita uma letra e a faixa foi gravada. Em pouco tempo, tornou-se o single "Too Tough". Eles começaram a gravar no Pathé Marconi Studios, em Paris, França. Depois de tirar férias, eles completaram o álbum em Nova Iorque, no verão seguinte.

A gravação de Undercover foi um processo árduo, principalmente porque Jagger e Richards começaram a discordar muito sobre os rumos da banda. Jagger estava bem ciente de novos estilos e queria manter o som dos Stones atual e experimental, enquanto Richards estava aparentemente mais focado no rock e em bandas de blues de raiz. Como resultado, houve atrito e a tensão entre os dois homens-chave do The Rolling Stones só iria aumentar ao longo dos próximos anos, atingindo seu auge durante as gravações do álbum seguinte, Dirty Work, de 1986, onde rumores sobre o fim da banda eram comuns.

As letras em Undercover estão entre as mais macabras de Mick Jagger, com aparência horrível, muito encontrada no single e hit Top 10 "Undercover of the Night", uma faixa rara política sobre a América do Sul, bem como "Tie You Up (The Pain Of Love)", e "Too Much Blood", uma tentativa de Jagger em incorporar as tendências contemporâneas da dance music.

Musicalmente, Undercover parece um duelo entre hard rock, reggae e new wave, refletindo a guerra pela liderança da banda, travada entre Jagger e Richards na época. "Pretty Beat Up" é uma composição de Ronnie Wood e Jagger e Richards relutaram antes de colocá-la no álbum. Undercover foi lançado em Novembro de 1983 e atingiu o # 3 no Reino Unido e # 4 nos Estados Unidos. Foi uma decepção, no entanto, quebrando uma seqüência de oito álbuns # 1 (excluindo coletâneas e discos ao vivo) (excluindo coletâneas e discos ao vivo) nos Estados Unidos e por não gerar qualquer single de enorme sucesso.

"Think I'm Going Mad" foi a primeira faixa gravada durante as sessões Emotional Rescue, em 1979. Ela finalmente foi lançada como o B-side de "She Was Hot". Infelizmente, ela foi deixada de fora da coletânea Rarities 1971-2003 e nunca apareceu em CD.

Legado[editar | editar código-fonte]

Undercover continua a dividir os críticos e fãs. Apesar de ter sido largamente elogiado na imprensa (a revista Rolling Stone deu-lhe quatro estrelas e meia), muitos fãs chegaram a considerá-lo um dos lançamentos mais fracos do The Rolling Stones, uma posição defendida pelo próprio Jagger em entrevistas posteriores. Embora alguns críticos tendam a culpar a então contemporânea produção e o ecletismo, deve notar-se que grande parte do álbum é composta de hard-rocks ( "She Was Hot", "Too Tough", "All The Way Down "," It Must Be Hell ").

Uma grande parte da tensão durante a gravação do álbum resultou do fato de que Keith Richards ter abandonado (em certa medida) seu estilo de vida destrutivo da década anterior e, assim, procurar um papel mais ativo na direção criativa da banda, que havia sido deixada a cargo apenas de Jagger. Tal como acontece com diversos registros dos Stones nos dias de hoje, a análise crítica recente tem sido mais gentil, observando o ecletismo do álbum e sordidez como um reflexo das brigas entre Jagger e Richards.

Apesar de dividir críticos e fãs, o álbum ainda é um dos lançamentos mais populares e mais obscuros dos Stones.

Capa[editar | editar código-fonte]

A arte da capa foi coberta com adesivos na edição de vinil original, que quando eram removidos mostravam outras formas geométricas.

Citações[editar | editar código-fonte]

Sobre o disco Keith Richards disse em 1983: "É uma reflexão dos tempos atuais. Esta foi minha primeira reação com a coisa. Olhe para fora de sua casa. Olhe as manchetes. Eu acho que Mick, ou eu, ou qualquer um, ficaria feliz se não fossemos bombardeados com essas notícias, mas estamos vivendo num mundo real. De certa forma, esse álbum é uma espécie de irmão de "Gimme Shelter" e talvez Beggar's Banquet, ou uma mistura.

Sobre as músicas do álbum Jagger disse em 1983: "Liricamente, eu o escrevi inteiramente na França. Todas as músicas. Eu escrevi quase todas as letras. Na verdade, todas essas músicas são novas. Foram todas escritas esse ano, ano passado, num curto período de tempo quando as gravamos. Todas são novas e nenhuma delas vem de sessões anteriores." e "Quando começamos a escrever o álbum, Keith e eu nos reunimos mais cedo e alugamos um estúdio de oito canais aqui em Paris. E eu disse, 'Você tem alguma ai, Keith?’ e tocamos bateria - bem, nós tocamos guitarra e tínhamos que conhecer o material de cada um, que foi escrito nos últimos meses passados. Então, quando tínhamos a banda inteira no estúdio, nós tínhamos um bocado de canções, que são a maioria das músicas que estão no álbum".

O produtor Chris Kimsey disse na época: "Os Stones atraem um monte de gente quando estão gravando, um monte de noites são como shows, pois um monte de gente aparece. Especialmente em Paris, onde tem um monte de garotas que chegam para dançar e isso é divertido. A energia de Keith está bastante alta atualmente - ele fica horas no estúdio, compondo e vindo sempre com novos riffs. E isso inspira Mick".

Sobre a canção "Undercover of The Night" Mick disse: "Charlie e eu estávamos em um quarto, algum pequeno estúdio em algum lugar, e lá havia uma grande bateria que alguém havia esquecido um tímpano. Eu tinha uma guitarra e foi assim que começou bom-pidibom-pidibom-pidibom".

Sobre a música "Too Tough" Jagger disse: "Woody faz esse solo, uma espécie de solo heavy metal de guitarra. Eu gosto dessa".

Sobre "All The Way Down" ele afirmou: "Bem, essa nasceu bem 'tímida' mas depois se tornou mais séria - sobre essa garota que eu costumo me encontrar que me põe no 'mau' caminho (risadas)". Sobre "Wanna Hold You" Keith disse: "Essa vem de certa noite em que aluguei um porão de um cara que tinha um estúdio embaixo de sua casa. Eu estava em Paris e me juntei a esse cara, e Mick apareceu por lá, ficamos por lá umas duas ou três noites. E essa música apareceu em uma dessas noites".

Faixas[editar | editar código-fonte]

Todas as músicas são de autoria de Mick Jagger/Keith Richards, exceto onde indicado.

  1. "Undercover of the Night" – 4:31
  2. "She Was Hot" – 4:40
  3. "Tie You Up (The Pain of Love)" – 4:16
  4. "Wanna Hold You" – 3:52
  5. "Feel On Baby" – 5:03
  6. "Too Much Blood" – 6:14
  7. "Pretty Beat Up" (Mick Jagger/Keith Richards/Ronnie Wood) – 4:03
  8. "Too Tough"– 3:52
  9. "All the Way Down" – 3:12
  10. "It Must Be Hell" – 5:03

Referências

  1. a b c Lançamento e género Allmusic. Visitado em 5 de abril de 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de The Rolling Stones é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.