Dirty Work (álbum de The Rolling Stones)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dirty Work
Álbum de estúdio de The Rolling Stones
Lançamento 24 de março de 1986
Gravação 8 de abril – 17 de junho e 16 de julho – 17 de agosto de 1985
Gênero(s) Hard rock[1]
Rock and roll[1]
Duração 40:03
Formato(s) LP
Gravadora(s) Rolling Stones Records
Virgin Records
Produção Steve Lillywhite e The Glimmer Twins
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de The Rolling Stones
Último
Último
Undercover
(1983)
Steel Wheels
(1989)
Próximo
Próximo
Singles de Dirty Work
  1. "Harlem Shuffle"
    Lançamento: 28 de fevereiro de 1986
  2. "One Hit (to the Body)"
    Lançamento: 9 de maio de 1986


Dirty Work é o 20º álbum de estúdio da banda de Rock britânica The Rolling Stones. Foi lançado em 24 de março de 1986 sob o selo Rolling Stones Records pela CBS Records.

Gravação[editar | editar código-fonte]

As sessões para Dirty Work, o primeiro álbum sob contrato de gravação dos Rolling Stones com a CBS Records, começaram em abril de 1985 em Paris, prosseguindo por dois meses antes de uma pequeno intervalo. Após este, mais um mês de gravação final entre julho e agosto de 1985 , com a participação ilustre de Jimmy Page, ex-Led Zeppelin, na faixa “One Hit (to The Body)’’. Após o fim das gravações o co-produtor Steve Lillywhite supervisionou várias semanas de mixagens e criação de remixes de 12 polegadas.

Keith disse que cada canção deste álbum foi estruturado para que pudesse ser tocada ao vivo, com vista a turnê para divulgar o álbum. Então, Mick decidiu que ele não ia fazer uma turnê depois de tudo, o que Keith não aceitou bem. Mas esta foi só uma de muitas discordâncias que permearam a relação de Jagger e Richards durante e após a gravação deste álbum.

Terceira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Em verdade, Mick Jagger tinha lançado meses antes seu primeiro álbum solo, She’s the Boss, para grande aborrecimento de Keith Richards, pois Jagger, que sonhava havia anos em produzir seu álbum solo, havia priorizado de tal forma esse trabalho e sua carreira particular, que não se empenhou devidamente no trabalho com a banda, chegando muitas vezes a se ausentar das gravações de Dirty Work. Muitas sessões do álbum foram feitas apenas com Keith, Ronnie, Bill e Charlie, sem a participação de Mick, o qual teve que adicionar depois as partes vocais faltantes. Jagger se envolveu tão menos na produção de ‘’Dirty Work’’, que este foi o primeiro álbum desde Sticky Fingers de 1971 em que ele não tocou uma única guitarra em nenhuma faixa. Também foi o primeiro álbum dos Rolling Stones com duas faixas com Richards nos vocais ("Too Rude" e "Tonight Sleep").

Quatro dos oito composições originais do álbum são creditadas a Jagger, Richards e Wood, e outra para Jagger, Richards e Chuck Leavell, além do cover “Harlem Shuffle”. Só três composições são creditadas apenas aos The Glimmer Twins, Jagger e Richards. Trata-se do menor número de composições exclusivas da dupla em qualquer álbum dos Rolling Stones desde ‘’Out of Our Heads de 1965, outro indício da distância entre ambos.

Jagger estava investindo todas suas forças na construção de sua carreira solo. Além do primeiro álbum solo, começaria a gravar o segundo já em novembro, e ainda investia em uma carreira como Ator de Cinema, estrelando o filme Running Out of luck, lançado no ano seguinte, 1987. Keith, em sua biografia “Life” acusou nessas escolhas de Jagger, uma postura arrogante de quem estaria se achando melhor e mais talentoso que seus companheiros de banda, e, por isso, menosprezando o trabalho com o grupo. Outra característica de Jagger que incomodou Keith, foram as vezes em que o vocalista tratava seus colegas como se fosse chefe deles, dando ordens, e não buscando consenso. Todas essas discordâncias, confessadas em “Life”, criaram essa crise no coração da banda.

Por isso, a gravação do álbum, e, a bem da verdade, a própria relação dos integrantes da banda estava negativamente permeada pelo clima pesado entre The Glimmer Twins. A divisão entre Jagger e Richards se tornou pública a partir de 13 julho de 1985, quando Mick realizou uma apresentação sozinho no show beneficente Live Aid, enquanto Richards e Wood apareceram no mesmo show, tocando com Bob Dylan. Depois disso, relatos não oficiais de bastidores falavam sobre os desentendimentos, cada vez mais sérios, entre os líderes dos Stones, relatos os quais prosseguiram durante a época do lançamento do álbum e após, só aumentando pelo restante da década. Essa fase conturbada no relacionamento dos The Glimmer Twins foi sarcasticamente chamada, na imprensa musical especializada, de “Terceira Guerra Mundial”. Por sinal, os Rolling Stones não fizeram nenhuma turnê após o lançamento tanto dos álbuns Undecover, de 1983, como deste. Coincidentemente, no vídeo-clipe de “One Hit (to The Body)”, Jagger e Richards parecem trocar golpes. Alguns boatos, nunca confirmados, falaram que em certos momentos mais agudos, ambos não dividiam o mesmo local, e que, até mesmo, Mick e Keith teriam chegado às vias de fato. A banda em si, permaneceu inativa pelos anos seguintes, sendo que em 1987 Jagger lançou Primitive Cool, e em 1988, Keith também deu início a sua carreira solo, lançando o seu primeiro álbum solitário, Talk is Cheap. Muitos fãs temeram que a banda pudesse chegar ao seu fim, com uma separação dos membros.

O inferno de Watts[editar | editar código-fonte]

O envolvimento de Charlie Watts nas sessões de gravação também foi limitado. Se a década de 70 ficou marcada pelo vício sem limites de um decadente Keith, durante os anos 80 foi o baterista Charlie Watts quem se afundou no vício, prejudicando sua produtividade com a banda, ainda que isto não tenho sido tão notório e gritante quanto foi com Richards. Em 1994 Watts disse em uma entrevista ao programa “60 Minutes” que, durante os anos 80, ele era viciado em heroína e álcool, e que este foi o motivo de haver bateristas substitutos creditados tanto em Undercover , como nesse Dirty Work. Steve Jordan e Anton Fig tocam bateria em algumas faixas, e até Ronnie Wood toca bateria em "Sleep Tonight". Jagger viria a citar o estado pessoal de Watts como uma das razões pelas quais ele vetou uma turnê de ‘’Dirty Work , preferindo começar a trabalhar em seu segundo álbum.

A morte de Ian Stewart[editar | editar código-fonte]

Em 12 de dezembro, durante a produção do álbum, Ian Stewart, pianista de longa data da banda, e gerente de turnê, morreu de um súbito ataque cardíaco na idade de 47 anos. Stewart foi um músico fundador da banda, e só não era o “sexto Stone”, por uma decisão empresarial imposta aos jovens músicos ainda no começo da carreira. Andrew Loog Oldham justificou que seis rostos na capa de um disco seria gente demais pra os fãs se lembrarem. Assim, Stu, o “Stone feio” virou músico de apoio. Como um tributo ao velho amigo falecido, uma faixa escondida de Stewart tocando “Key to The Highway” de “Big Bill Broonzy” foi adicionada para fechar o álbum.

Outtakes e versões demo[editar | editar código-fonte]

Gravações desprezadas e versões demo de sessões de ‘’Dirty Work’’ saíram em várias gravações piratas adiquiridas pelos fãs, e incluem músicas inéditas como: "Strictly Memphis"; "You're Too Much" (Keith Richards no vocal); "Treat Me Like a Fool" (Richards no vocal); "She Never Listens to Me" (Richards no vocal); "Loving You Is Sweeter Than Ever" (Hunter / Wonder); "Love Deep" (Richards no vocal); "What Am I Going to Do With Your Love" e "Crushed Pearl" (Richards no vocal).

Arte e embalagem[editar | editar código-fonte]

A versão original de vinil de Dirty Work veio embalada em papel celofane vermelho escuro. Rompendo com a tradição dos Rolling Stones, Dirty Work foi o primeiro de seus álbuns de estúdio a trazer em seu encarte a letra das canções, isto apenas na versão americana do álbum, aparentemente por insistência do então distribuidora CBS Records. Também foi incluída uma história em quadrinhos, elaborado por Mark Marek, chamado "Dirty Workout”.

Lançamento e recepção[editar | editar código-fonte]

Em março de 1986, o Single "Harlem Shuffle" foi lançado alcançando # 13 no Reino Unido e 5º single mais vendido nos Estados Unidos, isso tudo sem ter recebido a mesma quantidade de exposição e promoção dada a Singles anteriores. Foi a única música do álbum a fazer sucesso nas rádios. O álbum Dirty Work foi lançado uma semana depois de "Harlem Shuffle," atingindo em seu auge, a 4ª posição entre os discos mais vendidos, tanto no Reino Unido quanto nos EUA (se tornando Disco de Platina lá), mas a reação da crítica foi menos entusiasta, com alguns pensando que Jagger estava guardando o melhor material para seus discos. No entanto, o renomado crítico musical Robert Christgau considerou o álbum “... um desafio que não buscava simplesmente ser multi-platinado ou com pretensões meia-boca, mas, ao contrário disso, ele é honesto e faz você gostar dele.” Interessante foi a crítica lançada em 2004 pela revista ‘’Stylus Magazine 's" avaliando o álbum como "... um esfarrapado e envergonhado triunfo, de longe, o álbum dos Stones mais interessante, desde Some Girls em todos os níveis: lírico, conceitual, instrumental ...” contendo "... o som de guitarra mais venenoso da carreira dos Stones, e os vocais mais comprometidos de Jagger...”

Em 1994 Dirty Work foi remasterizado e relançado pela Virgin Records, e novamente em 2009 pela Universal Music.


Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "One Hit (to the Body)" (Jagger/Richards/Wood) – 4:44
  2. "Fight" (Jagger/Richards/Wood) – 3:09
  3. "Harlem Shuffle" (Relf/Nelson) – 3:24
  4. "Hold Back" (Jagger/Richards) – 3:53
  5. "Too Rude" (Roberts) – 3:11
  6. "Winning Ugly" (Jagger/Richards) – 4:32
  7. "Back to Zero" (Jagger/Richards/Leavell) – 4:00
  8. "Dirty Work" (Jagger/Richards/Wood) – 3:53
  9. "Had It with You" (Jagger/Richards/Wood) – 3:19
  10. "Sleep Tonight" (Jagger/Richards) – 5:11
  11. (faixa escondida) (Broozy/Segar) – 0:33 (gravação não creditada da canção "Key to the Highway" interpretada por Ian Stewart, que morreu em 12 de Dezembro de 1985 logo após a conclusão do álbum)

Referências

  1. a b Género Allmusic. Visitado em 5 de abril de 2010.
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de The Rolling Stones é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.