Carlos Gardel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Carlos Gardel
Gardel color.jpg
Informação geral
Nome completo Charles Romuald Gardès
Também conhecido(a) como El Zorzal Criollo, El Morocho del Abasto, El Mago, El Rey del Tango, El Mudo
Nascimento 11 de dezembro de 1890 ou 1887 ?
Origem França Toulouse, França ou
Uruguai Tacuarembó, Uruguai (?)
País  Argentina Naturalizado
Data de morte 24 de junho de 1935 (44 anos)1935
Medellín,  Colômbia
Gênero(s) Tango, Milonga
Instrumento(s) Voz, guitarra, piano, acordeão
Por una cabeza
.

Carlos Gardel (Tacuarembó ou Toulouse, 11 de dezembro de 1890Medellín, 24 de junho de 1935) foi o mais famoso dos cantores de tango argentino, país ao qual chegou aos dois anos de idade.

Seu lugar de nascimento constitui uma questão controversa. Alguns sustentam que Gardel teria nascido no interior do Uruguai no departamento de Tacuarembó baseando-se em alguns documentos e matérias jornalísticas de época. seria filho do líder político local Carlos Escayola e de Maria Lelia Oliva, que tinha 13 anos. Outros dizem que Gardel teria nascido na cidade francesa de Toulouse como Charles Romuald Gardès, filho de pai ignorado e de Berthe Gardès (1865-1943). Gardel era esquivo sobre o tema e quando indagado dizia: "Nasci em Buenos Aires aos dois anos e meio de idade".

Cantor e ator celebrado em toda a América Latina pela divulgação do tango. Inicia-se como cantor ainda jovem com o nome artístico de El Morocho, apresentando-se em cafés dos subúrbios da capital argentina. Sua primeira interpretação formal se dá no Teatro Nacional da Avenida Corrientes, no qual também se apresenta Don José Razzano, com quem forma uma parceria por vários anos. Pela sensualidade de sua voz, que se presta muito bem à interpretação da milonga – gênero precursor do tango – torna-se conhecido a partir de "Mi noche triste" 1917.

Foi uma das primordiais influências de Amália Rodrigues.

Carreira musical[editar | editar código-fonte]

Teve como importante parceiro musical o paulistano Alfredo Le Pera. Gravou mais de novecentas canções, entre tangos, fox-trots, fados, pasodobles e músicas folclóricas, vendendo milhares de discos na América Latina e Europa. Entre suas interpretações mais famosas estão:

  • Mi noche triste (1917)
  • Margot (1921)
  • Mano a mano (1927)
  • Esta noche me emborracho (1928)
  • Chorra (1928)
  • Adiós muchachos (1928)
  • Seguí mi consejo (1929)
  • Yira…yira (1930)
  • Desdén (1930)
  • Tomo y obligo (1931)
  • Lejana tierra mía (1932)
  • Silencio (1932)
  • Amores de estudiante (1933)
  • Golondrina (1933)
  • Melodía de arrabal (1933)
  • Guitarra guitarra mía (1933)
  • Cuesta abajo (1934)
  • Mi Buenos Aires querido (1934)
  • Soledad (1934)
  • Volver (1934)
  • Por una cabeza (1935)
  • Sus ojos se cerraron (1935)
  • Volvió una noche (1935)
  • El día que me quieras (1935)

Carreira cinematográfica[editar | editar código-fonte]

Trabalhou como ator em alguns filmes pela Paramount, entre eles:

  • Flor de Durazno (1917) (filme mudo)
  • Encuadre de canciones (1930) (primeiro filme falado da América do Sul)
  • Luces de Buenos Aires (1931) (filmado em Paris)
  • La casa es seria (1931)
  • Espérame (1932)
  • Melodía de arrabal (1932)
  • Cuesta abajo (1934)
  • El tango en Broadway (1934)
  • El día que me quieras (1935)
  • Tango Bar (1935)
  • The Big Broadcast Of (1936)
Estátua de Gardel (Buenos Aires)
Fileteado Elvio Gervasi Gardel.jpg

Gardel no Turfe[editar | editar código-fonte]

O Turfe Foi uma das grandes paixões de Gardel. O profundo carinho que sentia pelos cavalos de corrida, por seu amigo Irineo Leguisamo, pelos irmãos Torterolo, por Francisco Maschio, pelo pessoal dos studs, pelos hipódromos e pelos guichês de apostas, está refletido nos seus tangos. Apenas um tango tem sua assinatura, com versos de Alfredo Le Pera : Por Una Cabeza. Outros tangos pertencentes a outros autores , foram cantados por Gardel sobre este tema. É importante destacar a interpretação de Gardel ma milonga de Francisco Martino La Catedrática - conhecida como Soy una fera,ainda que com letra reformada. E no tango Uno y Uno de Luis trverso e Julio F. Pollero. Também podem ser mencionados em sua discografia de temas turfísticos o tango de Carlos Dedico, Germán Ziclis e Salvador Merico chamado Paquetín, Paquetón e o tango Bajo Belgrano de Francisco García Jiménez e Anselmo Aieta. No turfe acima de tudo, em seus diversos papéis de proprietário e de apostador Gardel era feliz naquele meio . Visitava diariamente o Stud Yeruá de seu amigo , treinador Francisco Maschio , para falar com seu cavalinho ( de nome Lunático ), com os peões, com o jóquei Leguisamo. Bom amigo de todos, foi um aficcionado em grau superlativo das carreiras de cavalos.

Morte[editar | editar código-fonte]

Gardel morreu num desastre de avião durante uma turnê, em Medellín, na Colômbia. Nesse acidente morreu também seu parceiro Alfredo Le Pera. Seus restos mortais encontram-se no cemitério de La Chacarita, na capital argentina. Em 2003, por proposta do governo uruguaio[1] a voz de Gardel foi gravada pela Unesco no Programa Memória do Mundo.[2]

Referências

  • Julián y Osvaldo Barsky (2004), Gardel la biografía, Editorial Taurus, Buenos Aires.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. Algumas músicas cantadas por Carlos Gardel
  2. Página argentina que afirma que Gardel nasceu na França.