Clindamicina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estrutura química de Clindamicina
Clindamicina
Star of life caution.svg Aviso médico
Nome IUPAC (sistemática)
(2S,4R)-N-((1R)-2-chloro-
1-((3R,4R,5S,6R)-3,4,5-trihydroxy-
6-(methylthio)-tetrahydro-2H-pyran-2-yl)propyl)-
1-methyl-4-propylpyrrolidine-2-carboxamide
Identificadores
CAS 18323-44-9
ATC J01FF01
PubChem 29029
DrugBank APRD00566
Informação química
Fórmula molecular C18H33N2ClO5S 
Massa molar 424.98 g/mol
Farmacocinética
Biodisponibilidade 90% (oral)
4–5% (tópico)
Metabolismo Hepático
Meia-vida 2–3 horas
Excreção Renal
Considerações terapêuticas
Administração Oral, IV, tópico
DL50  ?

A Clindamicina é um fármaco da classe das lincosaminas que age inibindo a síntese proteica bacteriana. Atua como um agente bacteriostático, penetra no meio intracelular. A clindamicina possui atividade imunoestimuladora, pois potencializa a opsonização e acelera a quimiotaxia e fagocitose dos leucócitos.

É um antibiótico geralmente empregado no tratamento de infecções superficiais da pele, como a acne, infecções com bactérias anaeróbias e gram-positivas, mas também utilizada contra algumas doenças causadas por protozoários, como a malária. Também pode ser útil contra algumas infecções causadas pelo Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA, Staphylococcus epidermidis, estreptococos beta-hemolíticos dos grupos A, B, C; estreptococos alfa- hemolíticos e pneumococo.

A reação adversa mais severa da clindamicina é a diarreia associada ao Clostridium difficile (a causa mais comum de colite pseudomembranosa). Embora este efeito adverso ocorre em quase todos os antibióticos, incluindo os beta-lactâmicos, ele está associado classicamente ao uso da clindamicina.

A clindamicina é bastante ativa contra: Corynebacterium diphteriae, Campylobacter jejuni, Anaeróbios da microbiota bucal e orofaríngea. Não apresenta atividade contra: Meningococo, Gonococo, Enterococo, bacilos gram-negativos entéricos, Bordetella pertussis, Moraxella catarrhalis, Mycoplasma pneumoniae, Haemophilus influenzae, Chlamidia trachomatis, Clostridium difficile.

Farmacocinética e metabolismo[editar | editar código-fonte]

É absorvida por via oral e parenteral. Pode ser ingerida concomitantemente com os alimentos, sem prejuízo à sua absorção. Distribui-se amplamente pelos tecidos. Não atravessa satisfatoriamente a barreira hematoencefálica. Atravessa a barreira placentária. Apresenta elevada concentração no tecido ósseo e articular. Atravessa as membranas celulares atingindo elevadas concentrações no meio intracelular. É metabolizada no fígado.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Não atinge níveis terapêuticos no sistema nervoso central.

Eliminação[editar | editar código-fonte]

A Clindamicina tem metabolização hepática e eliminação do metabólitos pela urina, bile e fezes.

Efeitos adversos[editar | editar código-fonte]

Precauções[editar | editar código-fonte]

  • Evitar a toma no caso de alergia à clindamicina e lincomicina.
  • As mulheres grávidas ou a amamentar não devem tomar este antibiótico.
  • Devem ser tomadas precauções no caso de insuficiência hepática ou renal grave


Ícone de esboço Este artigo sobre fármacos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.