Django Unchained

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Django Unchained
Django Libertado (PT)
Django Livre (BR)
Pôster oficial do filme.
 Estados Unidos
2012 • cor • 165[1] [2] [3] min 
Direção Quentin Tarantino
Produção Stacey Sher
Reginald Hudlin
Pilar Savone
Roteiro Quentin Tarantino
Elenco Jamie Foxx
Christoph Waltz
Leonardo DiCaprio
Kerry Washington
Samuel L. Jackson
Walton Goggins
Dennis Christopher
James Remar
Michael Parks
Don Johnson
Gênero Ação
Drama
Faroeste
Idioma Inglês
Cinematografia Robert Richardson
Edição Fred Raskin
Estúdio A Band Apart
Distribuição The Weinstein Company (América do Norte)
Columbia Pictures (Mundialmente)
Lançamento Estados Unidos 25 de dezembro de 2012
Brasil 18 de janeiro de 2013
Portugal 24 de janeiro de 2013
Orçamento US$ 100 milhões
Receita US$ 425.368.238[4]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Django Unchained (no Brasil, Django Livre; em Portugal, Django Libertado) é um filme de aventura e faroeste estadunidense de 2012 escrito e dirigido por Quentin Tarantino. O filme é estrelado Jamie Foxx, Christoph Waltz, Leonardo DiCaprio, Kerry Washington e Samuel L. Jackson. O filme foi lançado em 25 de dezembro de 2012 (Dia de Natal), na América do Norte.[5] [6]

Situado na era antes da guerra do Deep South e Velho Oeste, o filme acompanha um escravo liberto (Foxx), que caminha por todo os Estados Unidos com um caçador de recompensas (Waltz) em uma missão para resgatar sua esposa (Washington) de um fazendeiro cruel (DiCaprio).

O filme recebeu críticas muito positivas e foi nomeado para cinco prêmios no Oscar 2013, incluindo Melhor Filme. Christoph Waltz recebeu vários prêmios por sua atuação, e ganhou o Globo de Ouro, BAFTA e seu segundo Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. Seu primeiro Oscar foi para outro filme de Tarantino de 2009, Inglourious Basterds, poucos atores ganharam mais de uma vez nesta categoria.[7] Tarantino ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Original, seu segundo Oscar nesta categoria para a qual ele venceu pela primeira vez em 1995. para co-escrever Pulp Fiction, assim como o Globo de Ouro e o BAFTA. O filme arrecadou mais de $425 milhões de dólares nos cinemas em todo o mundo, tornando-o filme de maior bilheteria de Tarantino até hoje.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Django (Jamie Foxx) é um escravo que tem seu destino completamente alterado quando é comprado pelo Dr. King Schultz (Christoph Waltz), alemão caçador de recompensas que se esconde atrás de um disfarce de dentista. A aquisição feita por Schultz, no entanto, não é aleatória: ele precisa da ajuda de Django para identificar seus próximos alvos.

Em contrapartida, Schultz promete libertar Django assim que a missão for cumprida. Depois de ser tornar um homem livre, Django continua na estrada com Schultz, de quem agora é parceiro, até que é chegada a hora do grande desafio: enfrentar o poderoso Calvin Candie (Leonardo DiCaprio) para libertar sua esposa, Broomhilda (Kerry Washington).

O filme é um clássico ‘tarantinesco’: mistura faroeste, lendas alemãs, referências pop, cenas divertidas e litros de sangue para contar a história de um homem que já passou uma temporada no inferno e que agora quer reencontrar seu grande amor e se vingar dos seus opressores.

Durante a longa jornada de Django, vemos sua transformação de escravo submisso, assustado e compassivo em um homem seguro, frio e, muitas vezes, cruel, que faz o que tem que ser feito para alcançar seus objetivos. Uma peça crucial dessa metamorfose é, sem dúvida, Schultz, um cara impiedoso com bandidos, mas que, no fundo, era um coração mole que não suportava ver inocentes sofrendo e que tinha nojo da escravidão.

A amizade de Django e Schultz é incrivelmente sólida e verdadeira. Vale destacar as atuações inspiradas do sempre ótimo Christoph Waltz, do fazendeiro arrogante vivido por DiCaprio e do escravo racista e invejoso interpretado por Samuel L. Jackson.[8]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Jamie Foxx, Christoph Waltz, Kerry Washington e Samuel L. Jackson em Paris na premiere do filme na França, Janeiro de 2013.

Outros papéis incluem Russ Tamblyn como Filho de um Pistoleiro, Amber Tamblyn, como Filha de um Filho de um Pistoleiro, Bruce Dern como Velho Homem Carrucan, M. C. Gainey como Big John Brittle, Cooper Huckabee como Lil Raj Brittle, Doc Duhame como Ellis Brittle, Jonah Hill como Bag Head #2, e Lee Horsley como Xerife Gus (Snowy Snow). Zoë Bell, Michael Bowen, Robert Carradine, Jake Garber, Ted Neeley, James Parks, e Tom Savini interpretam perseguidores de Candyland, enquanto Michael Parks, John Jarratt, e Quentin Tarantino interpretam os funcionários da LeQuint Dickey Mining Co. employees. Tarantino participa como Robert, um membro de um grupo de aprendizes da Ku Klux Klan.

Produção[editar | editar código-fonte]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Tarantino em Paris na premiere do filme na França, Janeiro de 2013

Em 2007, Tarantino discutiu uma idéia para uma forma de western spaghetti nos Estados Unidos pré-Guerra Civil Deep South, que ele chamou de "um sul" (a southern), dizendo que ele queria “Quero criar filmes que lidem com o horrível passado de escravatura da América mas fazê-los como western spaghetti”, esclareceu, acrescentando que, sendo cinema de género, “enfrentarão tudo aquilo com que a América nunca se defrontou por sentir vergonha disso, e outros países não tratam sobre isso porque não sentem que tenham direito a fazê-lo."[9] Tarantino explicou mais tarde a gênese da idéia, "Sim e não. A ideia de fazer um spaghetti western é anterior, me acompanha há mais de dez anos e talvez tenha me acompanhado desde sempre, mas começou a nascer efetivamente há uns sete ou oito anos. Foi precedida pelo meu desejo de escrever um livro sobre o outro Sergio (Corbucci). Revi seus filmes, fiz anotações. O meu Django começou a tomar forma. E já nasceu um ex-escravo. Estava num hotel no Japão, promovendo Bastardos Inglórios, quando a cena inicial me veio inteira. A fila de escravos, a explosão de violência, até o cavalo do dr. Schultz. Falei com os produtores e, neste sentido, sim, o filme foi consequência do sucesso de Bastardos. Eles toparam na hora".[10]

Tarantino terminou o roteiro em 26 de abril de 2011, e entregue a versão final a The Weinstein Company.[11] Em outubro de 2012, frequente colaborador de Tarantino RZA disse que ele e Tarantino tinham a intenção de fazer um crossover entre Django Unchained com o filme de RZA The Man with the Iron Fists. O crossover teria visto uma versão mais jovem do personagem do blacksmith de RZA que iria aparecer como um escravo em um leilão. No entanto, conflitos de agenda impediram a participação de RZA.[12]

Uma inspiração para o filme é o spaghetti western de 1966 Django de Corbucci, cuja estrela Franco Nero tem uma breve aparição em Django Unchained.[13] Outra inspiração é o filme de 1975 Mandingo, sobre um escravo treinado para lutar contra outros escravos.[14] Tarantino incluiu cenas na neve como uma homenagem a The Great Silence.[15] "Silenzio ocorre na neve. Gostei da ação na neve tanto, Django Unchained tem uma seção de neve grande no meio", disse Tarantino em entrevista.[15]

Título[editar | editar código-fonte]

O título Django Unchained alude os títulos do filme Django de 1966 de Corbucci; Hercules Unchained, o título americano para o filme italiano épico de fantasia de 1959 Ercole e la regina di Lidia, que lida com a fuga do herói mítico da escravidão a um mestre ímpios, e Angel Unchained, o filme de motociclista estadunidense de 1970 que lida com uma vingança exigente de um motociclista em um grande grupo de rednecks.[16] [17]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Entre aqueles considerados para o papel-título de Django, Michael K. Williams e Will Smith foram mencionados como possibilidades, mas, no final, Jamie Foxx foi escalado para o papel.[18] [19] Smith disse mais tarde que ele recusou o papel porque ele "não foi a liderança".[20] Franco Nero, o Django original a partir do filme italiano de 1966, foi espalhado boatos para o papel de Calvin Candie,[21] mas em vez disso foi dada uma aparição como um personagem menor. Nero sugeriu que ele interpretasse um cavaleiro misterioso que assombra Django em visões, e é revelado em um flashbacks fim para ser o pai de Django; Tarantino optou por não usar a idéia.[22] Kevin Costner estava em negociações para participar como Ace Woody[23] mas desistiu devido a conflitos de agenda.[24] Kurt Russell foi lançado como alternativa[25] mas também mais tarde deixou o papel[25] Quando Kurt Russell abandonou, o papel de Ace Woody não foi reformulado; vez o personagem foi fundido com o personagem de Walton Goggins, Billy Bater.[26]

Jonah Hill foi oferecido o papel de Scotty Harmony , um jogador que perde Broomhilda para Candie em um jogo de pôquer,[27] mas recusou devido a conflitos de agenda com The Watch.[28] [29] Sacha Baron Cohen também foi oferecido o papel, mas recusou-se a fim de aparecer em Les Misérables. Nem Scotty nem o jogo de pôquer aparecem no corte final do filme.[27] Em 15 de junho de 2012, foi anunciado que Hill havia se tornado disponível para se juntar ao elenco, mas em um papel diferente.[30] Em 4 de abril de 2012, Joseph Gordon-Levitt anunciou que ele seria incapaz de aparecer no filme por causa de um compromisso antes de fazer sua estréia como diretor em Don Jon. Gordon-Levitt , explicou, "Eu teria adorado, amado por ter feito isso. Ele é um dos meus cineastas favoritos".[31]

Figurino[editar | editar código-fonte]

Traje manobrista de Django foi inspirado na pintura a óleo O Garoto Azul de Thomas Gainsborough de 1770.

Em uma entrevista em janeiro de 2013, com a Vanity Fair, a figurinista Sharen Davis disse que muito do guarda-roupa do filme foi inspirado por westerns spaghetti e outras obras de arte. Para guarda-roupa de Django, Davis e Tarantino assistiram a série de TV Bonanza e se refere a ele com freqüência. A dupla chegou a contratar o chapeleiro que projetou o chapéu usado pelo show do Little Joe, interpretado por Michael Landon. Davis descreveu o olhar de Django como um "rock-n-roll assumindo o personagem" . Óculos de sol de Django foram inspiradas pelo personagem de Charles Bronson em The White Buffalo (1977). Davis usou a pintura a óleo de 1770 de Thomas Gainsborough do menino azul como uma referência para roupa do manobrista de Django.[32]

Na cena final, Broomhilda usa um vestido semelhante ao da personagem de Ida Galli em Blood for a Silver Dollar (1965). Davis disse que a idéia de fantasia de Calvin Candie veio em parte de Rhett Butler, e que a assinatura de olhar de Don Johnson de Miami Vice inspirou sua cor creme terno de linho (Big Daddy's) no filme. Casaco de chinchila faux de King Schultz foi inspirado de Telly Savalas em Kojak. Davis também revelou que muitas de suas idéias do traje de não fazer o corte final do filme, deixando alguns personagens inexplicáveis ​​, como rastreador de Zoë Bell, que tinha a intenção de deixá-la bandana para revelar uma mandíbula ausente.[32]

Filmagem[editar | editar código-fonte]

A filmagem principal de Django Unchained começou na Califórnia em novembro de 2011,[33] em Wyoming, em fevereiro de 2012,[34] e no National Historic Landmark Evergreen Plantation em Wallace, Luisiana, fora de Nova Orleans, em março 2012.[35] A filme foi rodado no formato anamórfico em filme de 35 mm.[36] Apesar de originalmente escrita, uma sub-trama centrada em Zoë Bell mascarada de perseguidora foi cortada, e manteve-se desempenhos vivos, devido a limitações de tempo.[37] Depois de 130 dias de filmagem, o filme embrulhado a filmagem principal no final de julho de 2012. [38]

Edição[editar | editar código-fonte]

Django Unchained foi o primeiro filme de Tarantino não editado por Sally Menke, que morreu em 2010. A edição fora por sua vez manipulada por Fred Raskin, que havia trabalhado como editor assistente no filme de Tarantino Kill Bill.[39]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

O filme apresenta tanto original, bem como faixas de música existentes. Faixas compostas especialmente para o filme incluem "100 Black Coffins" de Rick Ross e produzido e cantado por Jamie Foxx, "Who Did That To You?" de John Legend, "Ancora Qui", de Ennio Morricone e Elisa Toffoli, e "Freedom", de Anthony Hamilton e Elayna Boynton.[40] O tema, "Django", também foi a música tema do filme de 1966.[41] Músico Frank Ocean escreveu uma canção original para a trilha sonora do filme, mas ele foi rejeitado por Tarantino, que explicou que "Ocean escreveu uma balada fantástica que foi verdadeiramente encantadora e poética em todos os sentidos, só não era uma cena para ele".[42] Frank Ocean publicado mais tarde a canção, intitulada Wiseman, em seu blog Tumblr. O filme também apresenta algumas peças famosas da música clássica western, como Für Elise de Beethoven (que ainda não foi descoberto em 1858) e Dies irae do Verdi's Requiem. Tarantino afirmou que ele evita o uso de escores completa da música original: "Eu só não gosto da idéia de dar tanto poder a qualquer um em um dos meus filmes"[43] [44] Álbum da trilha sonora do filme foi lançado em 18 de dezembro de 2012.Predefinição:Carece de fontes?

Recepção[editar | editar código-fonte]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

O filme foi aclamado pela crítica e já recebeu uma classificação de 88% no Rotten Tomatoes, baseado em 245 opiniões críticas com uma classificação média de 8 dos 10. Estados de consenso do site: "Corajoso, sangrento, e estilisticamente ousado, Django Unchained é outra obra-prima incendiária de Quentin Tarantino."[45] Metacritic, que atribui uma pontuação média ponderada de 100 a opiniões de críticos convencionais, que dá ao filme uma pontuação de 81, indicando "aclamação universal".[46]

Roger Ebert do Chicago Sun-Times deu ao filme quatro estrelas de quatro e disse: "O filme oferece uma sequência sensacional após o outro, tudo definido em torno desses dois personagens intrigantes, que parecem opostos, mas compartilham questões pragmáticas, financeiras e pessoais."[47] Peter Bradshaw, crítica de cinema do The Guardian, agraciado o filme com cinco estrelas, escrevendo: "Eu só posso dizer que Django oferece, indiscrinadamente, em especial narcótico e prazer delirante que Tarantino ainda sabe como confeccionar no cinema, algo a ver com a manipulação de superfícies. É como insalubre, deplorável e delicioso como um cigarro proibido."[14] Escrevendo para o The New York Times, crítico A. O. Scott compararou Django ao filme anterior de Tarantino Inglourious Basterds: "Como Inglourious Basterds, Django Unchained é loucamente divertido, descaradamente irresponsável e também eticamente sério de uma forma que é totalmente coerente com a sua brincadeira." Scott disse que Django é "um filme perturbador e importante sobre a escravidão e do racismo."[48] Parmita Borah, em EF News International, escreveu: "Ao contrário de outros filmes de Tarantino, Django Unchained tem uma narrativa linear, com excepção de algumas cenas de flashback."[49] O cineasta Michael Moore elogiou Django, twittando que o filme "é uma das melhores sátiras de filmes de todos os tempos. Um filme americano raro sobre a escravidão e as origens da nossa história racista doente".[50]

Ao contrário, Owen Gleiberman, crítico de cinema para a revista Entertainment Weekly, escreveu que "Django não é quase o filme que foi Inglourious. É menos inteligente, e ele não tem personagens principais o suficiente - Ou o suficiente de engenhosidade estrutural marca registrada de Tarantino - para ganhar seu tempo de execução de duas hora e 45 minutos".[51] Em sua revisão para a Indy Week, David Fellerath escreveu: "Django Unchained mostra sinais de que Tarantino fez pouco de pesquisa além das repetidas visões do spaghetti western Django de 1966 de Sergio Corbucci e um blaxploitation de 1975 chamado Boss Nigger, escrito e estrelado por Fred Williamson".[52] Escrevendo para o The New Yorker Anthony Lane, disse que estava "perturbado pelos [fãs de Tarantino] gritos de riso triunfante, na seleção que participei, como uma mulher branca fiquei encantada com as armas do Django". [53]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

O cineasta Spike Lee, em entrevista à Vibe, disse que não iria ver o filme, explicando, "Não posso comentar mais porque não vou assistir ao filme. Tudo o que posso dizer é que ele é desrespeitoso aos meus ancestrais. Mas esse sou eu... não estou falando por mais ninguém. A escravidão nos Estados Unidos não foi um western spaghetti de Sergio Leone, mas um Holocausto. Meus ancestrais foram escravos, roubados da África. Eu os honrarei". Logo após, um fã comentou que filmes são apenas entretenimento e que não devem ser levados tão a sério, Lee respondeu, "Errado. O Nascimento de Uma Nação resultou em linchamentos de negros. A mídia é poderosa. NÃO DURMA. ACORDE, CARA", concluiu, referindo-se ao controverso épico de 1915 dirigido por D. W. Griffith.[54] Louis Farrakhan, o líder do Nation of Islam, interpretou o filme como "preparação para a guerra racial".[55]

Referências

  1. 'Django Unchained' Slavery Depictions Not Nearly As Bad As Real History Says Quentin Tarantino Huffingtonpost.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  2. 'Django Unchained' Is Officially 2 Hours & 45 Minutes; Quentin Explains Why Frank Ocean's Song Doesn't Make The Cut | The Playlist Blogs.indiewire.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  3. DJANGO UNCHAINED (18) British Board of Film Classification (17 de dezembro de 2012). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  4. Django Unchained (2012) Box Office Mojo IMDB. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  5. Raup, Jordan (14 de junho de 2011). Quentin Tarantino's 'Django Unchained' Sets 2012 Release Date TheFilmStage.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  6. Tarantino's 'Django Unchained' Set for Christmas Day 2012 Release RopeofSilicon.com Rope of Silicon LLC (14 de junho de 2011). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  7. "Christoph Waltz Wins The Academy Award For Best Actor In A Supporting Role", Stories99, 25 de fevereiro de 2013.
  8. Django Livre (2012) - Filme - Cineplayers (em português). Visitado em 5 de dezembro de 2013.
  9. O excêntrico Quentin Tarantino festeja seu 49º aniversário Universia (27 de março de 2012). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  10. Luiz Carlos Merten (3 de janeiro de 2013). Quentin Tarantino: 'O cinema me permite reescrever a história' Estadão. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  11. Child, Ben (5 de maio de 2011). Tarantino's Django Unchained script: The word is out The Guardian. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  12. Lyttleton, Oliver (22 de outubro de 2012). RZA Would Have Played His Character From 'The Man with the Iron Fists' In 'Django Unchained' IndieWIRE. Visitado em 17 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013.
  13. Child, Ben (7 de junho de 2012). Django Unchained trailer: will Tarantino be a slave to the dialogue? Guardian.co.uk. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  14. a b Bradshaw, Peter (12 de dezembro de 2012). Django Unchained – first look review. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  15. a b Edwards, Gavin (30 de dezembro de 2012). Quentin Tarantino: my inspiration for Django Unchained The Guardian. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  16. Zach Baron, "Cinemetrics: Quentin Tarantino's History Lesson: The hilarious but painfully dark truths of 'Django Unchained'", Grantland.com, 21 de dezembro de 2012.
  17. Pack, Howery (26 de dezembro de 2012). ''In honor of "Django Unchained," a look at a dozen spaghetti Westerns worth your time'&#39 Dallas Morning News. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  18. Dwyer, Sean (22 de junho de 2011). Will Smith Out, Jamie Foxx in for Django Unchained FilmJunk.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  19. Eisenberg, Eric (16 de novembro de 2011). Michael K. Williams Can't Do Django Unchained, Has A Role in Snitch with the Rock. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  20. Will Smith on why he rejected Django 3 News NZ (26 de março de 2013).
  21. Laster, Ryan (6 de maio de 2011). Quentin Tarantino wants Will Smith for lead in DJANGO UNCHAINED If It's Movies. Visitado em 17 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013.
  22. Lyman, Eric J. (1 de janeiro de 2013). Original 'Django' Franco Nero on His Iconic Character and the Film's Legacy (Q&A) hollywoodreporter.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  23. Franklin, Garth (18 de julho de 2011). Kevin Costner Joins Tarantino's "Unchained" Dark Horizons. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  24. Enk, Brian (15 de setembro de 2011). Kevin Costner Frees Himself From 'Django Unchained' NextMovie.com MTV Networks. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  25. a b Yamato, Jen (30 de setembro de 2011). Kurt Russell to Replace Kevin Costner in Tarantino's Django Unchained Movieline.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  26. Rich, Katey (10 de maio de 2012). Walton Goggins Will Absorb Kurt Russell's Role in Django Unchained no. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  27. a b The Deadline Team (27 de dezembro de 2012). OSCARS Q&A: Sacha Baron Cohen Deadline.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  28. Virtel, Louis (10 de novembro de 2011). Jonah Hill was Offered a Part in Tarantino's Django Unchained, But... Movieline.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  29. Holmes, Matt (11 de novembro de 2011). Jonah Hill Turned Down Quentin Tarantino's DJANGO UNCHAINED What Colture! Obsessed with Film LTD. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  30. Goldberg, Matt (15 de junho de 2012). Jonah Hill Joins Django Unchained Collider.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013. Cópia arquivada em 17 de dezembro de 2013.
  31. O'Connell, Sean. Joseph Gordon-Levitt Exits 'Django Unchained,' Opts To Direct His Own Film Instead ScreenCrush.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  32. a b Hanel, Marnie (4 de janeiro de 2013). From Sketch to Still: The Spaghetti-Western Wit of Sharen Davis’s Django Unchained Costumes Vanity Fair. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  33. Sandle, Tim (27 de janeiro de 2012). Django Unchained: new Tarantino movie begins shooting. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  34. Tarantino wraps up Wyoming filming for new movie Associated Press (15 de fevereiro de 2012). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  35. Christine (25 de fevereiro 2012). Título não preenchido, favor adicionar OnLocationsVacations.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  36. Nicoletti, Karen (24 de fevereiro de 2012). Oscar Chat: A Conversation With Best Cinematography Nominees Jeff Cronenweth and Robert Richardson Movieline.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  37. Fox, Jesse David (28 de janeiro de 2012). Zoe Bell Explains What Was Up With Her Masked Character From Django Unchained Vulture. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  38. Thompson, Anne (25 de julho de 2012). Tarantino Officially Wraps 'Django Unchained,' Hits the Editing Room IndieWire. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  39. Chitwood, Adam (16 de novembro de 2011). Quentin Tarantino May Have Found His Editor and Director of Photography for Django Unchained Collider.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  40. ‘Django Unchained’ Soundtrack Details Film Music Reporter (28 de novembro de 2012). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  41. Randy Lewis, "Quentin Tarantino discusses the music of 'Django Unchained'", Los Angeles Times, 25 de dezembro de 2012.
  42. Quentin Tarantino reveals why Frank Ocean was scrapped from 'Django Unchained' soundtrack NME (1 de dezembro de 2012). Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  43. Milian, Mark (22 de agosto de 2009). Quentin Tarantino's method behind 'Inglourious Basterds' soundtrack mix-tape The Los Angeles Times. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  44. Mayrand, Alain (29 de outubro de 2009). Tarantino on Composers Getting the Score. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  45. Django Unchained Rotten Tomatoes Flixster. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  46. Django Unchained Metacritic CBS Interactive. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  47. Ebert, Roger (7 de janeiro de 2013). Faster, Quentin! Thrill! Thrill! blogs.suntimes.com. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  48. Scott, A. O. (24 de dezembro de 2012). The Black, The White and the Angry The New York Times. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  49. Borah, Parmita (29 de janeiro de 2013). Django Unchained Eastern Fare. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  50. 'Django Unchained' was more than a role for Kerry Washington DecaPost.com (31 de dezembro de 2012).
  51. Gleiberman, Owen (25 de dezembro de 2012). Django Unchained Entertainment Weekly. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  52. Fellerath, David (26 de dezembro de 2012). Django Unchained Indy Week. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  53. “Les Misérables,” “Django Unchained,” and “Amour.” The New Yorker. 7 de janeiro de 2013.
  54. Érico Borgo (24 de dezembro de 2012). Spike Lee critica Django Livre de Quentin Tarantino Omelete UOL. Visitado em 17 de dezembro de 2013.
  55. Farrakhan on 'Django Unchained': 'It's Preparation for Race War' Fox Nation (11 de janeiro de 2013).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]