Eleições parlamentares no Brasil em 2010

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
2006 Brasil 2014
Eleições parlamentares no Brasil em 2010
3 de outubro de 2010
Henrique Eduardo Alves.jpg
Líder Fernando Ferro Henrique Eduardo Alves Duarte Nogueira
Partido PT PMDB PSDB
Votos 16.289.199 12.537.252 11.477.380
Porcentagem 16,9% 13% 11,9%

As eleições parlamentares no Brasil em 2010 ocorreram no domingo, 3 de outubro, como parte das eleições gerais daquele ano. Nesta data, foram definidos os novos ocupantes de 54 dos 81 assentos do Senado Federal e de todos os 513 assentos da Câmara dos Deputados. O pleito foi marcado pelo avanço do bloco Lulista, reunido ao redor da coalizão governista Para o Brasil seguir mudando. Por outro lado, a coalizão de oposição O Brasil pode mais perdeu o controle de quantia significativa dos assentos em ambas as casas.

Informação[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Constituição Federal, cada estado é representado por três Senadores eleito pela maioria dos votos. Eles são eleitos diretamente para um mandato de oito anos, sem limite no número de mandatos. Alternadamente, um terço (27) e dois terços (54) dos assentos são colocados em disputa a cada quatro anos. Em 2006, um terço dos assentos foram colocados em disputa e, assim sendo, em 2010 foram dois terços, o que correspondeu a dois Senadores eleitos por cada estado e pelo Distrito Federal.

A Câmara dos Deputados representa o povo de cada estado e do Distrito Federal, e seus membros são eleitos pelo sistema de representação proporcional, uma vez que o princípio do federalismo é adotado como forma de governo no país. Os deputados federais são eleitos diretamente para um mandato de quatro anos, sem limite no número de mandatos. Cada estado tem direito a um número diferente de deputados federais, dependendo de seu número de habitantes.

Resultado[editar | editar código-fonte]

Em 2010, 22 dos 27 partidos políticos do Brasil conseguiram eleger ao menos um representante na Câmara, enquanto 15 deles foram capazes de eleger ao menos um Senador.

Como resultado da chamada "onda vermelha",[1] o Partido dos Trabalhadores (PT) se tornou o maior partido da Câmara pela primeira vez na história, devendo eleger o próximo presidente da casa.[2] Os partidos que integraram sua coalizão, Para o Brasil seguir mudando, elegeram 311 deputados.[3] O único partido da coalizão que perdeu assentos na Câmara foi o Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), enquanto o Partido da República (PR) teve o maior ganho, elegendo 16 deputados a mais que em 2006.[3] No Senado, a coalizão governista conquistou 39 assentos, contra 10 da oposição liderada pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).[4] O PT atingiu uma votação histórica na casa, elegendo 12 Senadores e se tornando o segundo maior partido do Senado pela primeira vez, atrás apenas do PMDB.[4] Os outros partidos da coalizão não tiveram ganhos significativos no Senado, com exceção do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), que conseguiu eleger a primeira Senadora comunista da história (Vanessa Grazziotin do Amazonas).[5]

O bloco de oposição, por outro lado, sofreu grandes perdas em ambas as casas. O Democratas (DEM), atualmente segundo maior partido no Senado, caiu para a quarta posição, mantendo o controle de apenas seis assentos a partir de 2010, mesma quantidade que o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), da mesma coalizão.[4] O partido também obteve uma enorme derrota na Câmara, perdendo 22 assentos, seguido de seu principal aliado, o PSDB, que perdeu 13.[3] No total, os partidos que integraram a coalizão O Brasil pode mais perderam o controle de 44 assentos na Câmara[3] e 11 no Senado.[4] Membros influentes da oposição durante o governo Lula, como Arthur Virgílio, Heráclito Fortes, Marco Maciel e Tasso Jereissati não conseguiram se reeleger e não servirão mais à população de seus estados no Congresso Nacional.[6]

Dentre os outros partidos de oposição, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) conseguiu eleger dois Senadores, conquistando um assento a mais do que a atual legislatura.[4] Também manteve seus três assentos na Câmara.[3] O Partido Verde (PV) ganhou dois assentos extras na Câmara,[3] apesar de ter perdido seu único assento no Senado.[4]

Por partido[editar | editar código-fonte]

Coalizão Partidos Câmara Senado
Votos % de votos Assentos % de assentos +/– Votos % de votos Assentos eleitos Assentos totais % de assentos +/–
Governista
Para o Brasil
seguir mudando
  PT 16.289.199 16,9 88 17,1 +5 39.410.141 23,1 11 14 17,3 +7
  PMDB 12.537.252 13,0 79 15,3 –10 23.998.949 14,1 16 20 24,6 +3
  PR 7.311.655 7,6 41 7,9 +16 4.649.024 2,7 3 4 4,9
  PSB 6.851.053 7,1 34 6,6 +7 6.129.463 3,6 3 3 3,7
  PDT 4.854.602 5,0 28 5,4 +4 2.431.940 1,4 2 4 4,9 –2
  PSC 3.072.546 3,2 17 3,3 +8 1.247.157 0,7 1 1 1,2
  PCdoB 2.748.290 2,8 15 2,9 +2 12.561.716 7,4 1 2 2,4 +1
  PRB 1.633.500 1,7 8 1,5 +7 3.332.886 2,0 1 1 1,2 –1
  PTC 595.431 0,6 1 0,1 –2 282.629 0,2 0 0 0,0
  PTN 182.926 0,2 0 0,0 6.013 0,0 0 0 0,0
Total 56.076.454 58,1 311 60,6 +37 94.049.918 55,2 39 50 61,7 +8
Oposição
O Brasil
pode mais
  PSDB 11.477.380 11,9 53 10,3 –13 30.903.736 18,1 5 11 13,5 –5
  DEM 7.301.171 7,6 43 8,3 –22 10.225.883 6,0 2 6 7,4 –7
  PTB 4.038.239 4,2 21 4,0 –2 7.999.589 4,7 1 6 7,4 –1
  PPS 2.536.809 2,6 12 2,3 –10 6.766.517 4,0 1 1 1,2 +1
  PMN 1.086.705 1,1 4 0,7 +1 241.321 0,1 1 1 1,2 +1
  PTdoB 642.422 0,7 3 0,5 +2 1.480.846 0,9 0 0 0,0
Total 27.082.726 28,0 136 26,5 –44 57.617.892 33,8 10 25 30,8 –11
Partidos Independentes   PP 6.330.062 6,6 41 7,9 9.170.015 5,4 3 4 4,9 +3
Partidos Independentes de oposição   PV 3.710.366 3,8 15 2,9 +2 5.047.797 3,0 0 0 0,0 –1
Partidos Independentes de oposição   PSOL 1.142.737 1,2 3 0,5 3.041.854 1,8 2 2 2,4 +1
Governista
Fora de coalizão
  PHS 764.412 0,8 2 0,3 305.793 0,2 0 0 0,0
Governista
Fora de coalizão
  PSL 499.963 0,5 1 0,1 +1 446.517 0,3 0 0 0,0
Governista
Fora de coalizão
  PRTB 307.925 0,3 2 0,3 +2 74.478 0,0 0 0 0,0
Governista
Fora de coalizão
  PRP 307.188 0,3 2 0,3 +2 0 0,0 0 0 0,0
Outros 358.178 0,4 0 0,0 677.309 0,4 0 0 0,0
Votos válidos 96.580.011 100,0 513 100,0 170.431.573 100,0 45 81 100,0
Fontes: Câmara, Senado

Por bancadas[editar | editar código-fonte]

Composição das bancadas no Congresso
Nacional após as eleições de 2010*
Câmara
Bloco governista:
359 / 513

Bloco de oposição:

136 / 513

Partido Verde:

15 / 513

PSOL:

3 / 513


Senado
Bloco governista:
54 / 81

Bloco de oposição:

25 / 81

PSOL:

2 / 81


(*) Projeções. Nem todos partidos
formam uma bancada coesa.

Ver também[editar | editar código-fonte]

References[editar | editar código-fonte]