Federação Espírita Brasileira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2015). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Federação Espírita Brasileira (FEB), fundada em 1884, é uma entidade de utilidade pública[1] que constitui-se na mais importante e influente organização representativa do Espiritismo no Brasil e em quase todos os países em que o movimento espírita está presente.[2] [3] Através de expoentes espíritas notórios, principalmente o Dr. Bezerra de Menezes, a FEB logo consolidou no Brasil a formatação do Espiritismo enquanto religião.[3] [4] Em diversos países, a federação fornece amplo apoio à médiuns, palestrantes e outras organizações espíritas, publica e traduz livros na temática e promove ações de caridade.[2] A FEB é a associação representante do Brasil junto ao Conselho Espírita Internacional (CEI).

Missão[editar | editar código-fonte]

Conforme definido em seus estatutos,[5] a FEB se propõe a:[6]

Art. 1º − A Federação Espírita Brasileira, fundada a 2 janeiro de 1884, na cidade do Rio de Janeiro, é uma sociedade civil religiosa, educacional, cultural e filantrópica com personalidade jurídica e que tem por objeto e fins:

I – O estudo, a prática e a difusão do Espiritismo em todos os seus aspectos, com base nas obras de Allan Kardec, que constituem a Codificação Espírita;

II – A prática da caridade espiritual, moral e material por todos os meios ao seu alcance, dentro dos princípios da Doutrina Espírita, desenvolvendo, para tanto, atividades nas áreas assistencial, cultural, beneficente e filantrópica;

III – A união solidária das sociedades espíritas e a unificação do movimento espírita.

Parágrafo único – Os objetivos e finalidades do Centro fundamentam-se na Doutrina Espírita codificada por Allan Kardec e nas obras que, seguindo seus princípios e diretrizes, lhe são complementares e subsidiárias.

A difusão da doutrina é feita principalmente pela publicação de obras espíritas - mais de 39 milhões de livros de 160 autores. A prática é materializada na oferta de serviços assistenciais que visam beneficiar aqueles que buscam conforto espiritual e material. O estudo é promovido atualmente através do programa de Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE).

Ainda no tocante às atividades de divulgação, a FEB edita a revista Reformador, um dos periódicos mais antigos em circulação no país, produz os programas de rádio Brasil Espírita e de televisão Terceira Revelação, transmitidos para todo o território brasileiro.

Apesar do caráter de divulgação, não se constitui em órgão de centralização hierárquico das casas espíritas, já que estas são livres para organizarem-se e desenvolver as próprias atividades e estudos. As casas espíritas são livres para se filiar se assim o desejarem, sendo o único pré-requisito para se constituir um centro espírita, o estudo da codificação de Allan Kardec e das inúmeras obras psicografadas no Brasil, em especial pelo médium Francisco Cândido Xavier.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

As raízes do órgão federativo nacional remontam à publicação, no Rio de Janeiro, então Capital do Império, a 21 de janeiro de 1883, do periódico "Reformador", por iniciativa e às expensas de Augusto Elias da Silva, fotógrafo português radicado no Brasil, e cuja direção intelectual ficou a cargo do Major Francisco Raimundo Ewerton Quadros. Recorde-se que, naquele mesmo ano, o mesmo Elias da Silva promoveu um encontro fraternal de líderes espíritas, em virtude das divergências que grassavam entre os integrantes das instituições espíritas na Capital, à época - o Grupo dos Humildes, a Sociedade Acadêmica Deus, Cristo e Caridade, o Centro da União Espírita do Brasil e o Grupo Espírita Fraternidade.

A fundação[editar | editar código-fonte]

A sede atual da FEB.

Conjugados esses fatores, em reunião promovida por Elias da Silva, a 1 de janeiro de 1884, fundou-se a Federação Espírita Brasileira, estando presentes, além de Augusto Elias da Silva, Francisco Raimundo Ewerton Quadros, Manoel Fernandes Filgueiras, João Francisco da Silveira Pinto, Maria Balbina da Conceição Batista, Matilde Elias da Silva, Luis Móllica, Elvira P. Móllica, José Agostinho Marques Porto, Francisco Antônio Xavier Pinheiro, Manoel Estêvão de Amorim e Quádrio Léo.

No dia seguinte (2 de janeiro), foi eleita e empossada a sua primeira Diretoria, assim constituída: Major Ewerton Quadros, presidente; Fernandes Filgueiras, vice-presidente; Silveira Pinto, secretário; Elias da Silva, tesoureiro; e Xavier Pinheiro, arquivista. A instituição ficou inicialmente sediada na própria residência de Elias da Silva, o sobrado à rua da Carioca, 120.

As primeiras décadas[editar | editar código-fonte]

Em seu ano de fundação, a Federação Espírita Brasileira logo iniciou um trabalho social caritativo.[7] Porém, nos seus anos iniciais, a FEB também vivenciou diversas dificuldades quer de ordem administrativo-financeira quer ideológica, no plano interno, e as turbulências políticas e sociais da Capital do país, no plano externo. Como exemplo das primeiras, registrava-se uma cisão no movimento, entre os chamados "laicos" ou "científicos", liderados pelo professor Afonso Angeli Torteroli; e os "religiosos" ou "místicos", liderados pelo Dr. Bezerra de Menezes.[4] [3] Como exemplo das segundas, após a Abolição da Escravatura (1888) sucedeu-se a Proclamação da República Brasileira (1889) e as comoções vividas pela República da Espada, entre as quais a Segunda Revolta da Armada (1893). Tais circunstâncias resultaram no abandono da FEB por grande parte dos seus membros iniciais, deixando a sobrevivência da instituição a cargo de alguns poucos colaboradores.

Sucedeu a Ewerton Quadros, em 1889, o médico Dr. Adolfo Bezerra de Menezes. À frente da instituição, Bezerra consolidou a vertente "religiosa" do Espiritismo como fortemente a mais expressiva no Brasil.[3] [4] Inicialmente instituiu o estudo sistematizado de O Livro dos Espíritos nas reuniões públicas realizadas no salão da Federação. Em 1890 foi instituído o "Serviço de Assistência aos Necessitados", importante base para a atuação dos médiuns receitistas na instituição. Bezerra foi sucedido no início de 1895 por Júlio César Leal. Vindo este a renunciar após sete meses de gestão, Bezerra aceitou ser reconduzido, reassumindo a Presidência da Federação a 3 de agosto de 1895, cargo que exerceu até à sua morte em 1900. Durante este mandato, foi inaugurada a livraria da FEB (31 de março de 1897), responsável pela edição, distribuição e divulgação da literatura espírita. Até pelo menos 1910, porém, todos os "clássicos do Espiritismo" lançados pela Livraria da Federação foram editados pela empresa editorial H. Garnier, reconhecida pelo esmero na edição de livros.

Após uma dezena de mudanças de endereços desde a sua fundação, a sede própria da Federação foi inaugurada a 10 de dezembro de 1911, na antiga rua do Sacramento (atual Av. Passos, 28-30), no Rio de Janeiro, por Leopoldo Cirne. No ano seguinte (1912), a 3 de maio, era inaugurado na FEB o Curso Gratuito de Esperanto.

As décadas de 1930 e de 1940[editar | editar código-fonte]

Em 1932, a FEB publicou o seu primeiro grande sucesso editorial: o "Parnaso de Além-Túmulo", que alcançou grande repercussão junto à imprensa e à opinião pública brasileira. O formato da obra não era novo: seguia os moldes de outra obra cujos direitos a instituição já possuía - Do País da Luz (4 vol.) -, coletânea de mensagens (textos, cartas e poemas) majoritariamente de autores renomados da literatura portuguesa, desencarnados, recebidos na primeira década do século XX pelo médium português Fernando de Lacerda. A autoria dos textos no Parnaso, recebidos pela mediunidade psicográfica do então jovem Francisco Cândido Xavier era predominantemente de figuras da literatura brasileira.

No ano de 1936 registrou-se a criação do Departamento de Esperanto na FEB.

Às vésperas da implantação do Estado Novo (Brasil), em 1937, no dia 27 de outubro, as dependências da FEB foram fechadas pela polícia, vindo as suas portas a ser reabertas três dias mais tarde, por determinação do Dr. Macedo Soares, então Ministro da Justiça.

O período seria marcado, ainda, pela abertura, em 1944, do famoso processo movido pela viúva do escritor Humberto de Campos contra a FEB e Francisco Cândido Xavier, visando receber direitos autorais pretendidos sobre as mensagens psicografadas supostamente atribuídas ao seu finado marido. A partir de então, a entidade passaria a se utilizar do pseudônimo "Irmão X".

Após o término da Segunda Guerra Mundial, a instituição trouxe à luz a primeira edição de O Livro dos Espíritos em Esperanto (1946). Dois anos mais tarde, em 9 de setembro de 1948 inaugurou o seu Departamento Editorial e Gráfico.

O Pacto Áureo[editar | editar código-fonte]

O evento que marcou o final da década de 1940 foi a assinatura, a 5 de outubro de 1949, do chamado "Pacto Áureo", considerado o mais importante documento do Espiritismo no país, por significar a unificação do movimento espírita a nível nacional, por coordenação da 'FEB'.

Em decorrência da assinatura do documento, instala-se a 2 de janeiro de 1950, no Rio de Janeiro, o Conselho Federativo Nacional da FEB (CFN), congregando os representantes das Federações Espíritas Estaduais signatárias. Em função desse esforço, parte para a Região Nordeste do Brasil, a chamada "Caravana da Fraternidade", integrada, entre outros, por Artur Lins de Vasconcelos Lopes, Carlos Jordão da Silva e Leopoldo Machado. Como resultado, ampliou-se o número das federações estaduais adesas.

De JK aos nossos dias[editar | editar código-fonte]

Finalmente, em 1960, no contexto da transferência da Capital do país do Rio de Janeiro para Brasília, o então Presidente da República, Juscelino Kubitschek, declarou a FEB como entidade de Utilidade Pública.[1]

Em 1967, a instituição inaugurou a Seção Brasília, no Distrito Federal (3 de outubro).

Uma década mais tarde, (1977), a FEB instituiu a Campanha de Evangelização da Infância e da Juventude, e publicou "Adequação dos Centros Espíritas para o Melhor Atendimento de suas Finalidades". Essa obra foi seguida, em 1980 pela "Orientação aos Centros Espíritas".

Em 1984 a FEB institui a campanha do Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita (ESDE), lançou o "Manual de Administração dos Centros Espíritas" e transferiu a sua sede para Brasília, em edifício próprio.

Em 1990 foram lançadas as campanhas "Em Defesa da Vida" e "Viver em Família", e lançadas as obras "Comunicação Social Espírita" e "Assistência e Promoção Social Espírita".

O ano de 1996 foi marcado pelo lançamento da página da FEB na internet, em quatro idiomas: português, inglês, francês e espanhol.

Consta-se que em 2006 a FEB estava fornecendo assistência social filantrópica a aproximadamente mil famílias e mantendo uma creche para 800 crianças em Santo Antônio do Descoberto, Goiás.[7]

Lista de presidentes[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

A FEB já editou mais de 10 milhões de livros de Allan Kardec. Das obras psicografadas pela mediunidade de Francisco Cândido Xavier, mais conhecido como Chico Xavier, foram ultrapassados os 15,5 milhões de exemplares. Destes, Nosso Lar (ditado pelo Espírito André Luiz) é o mais lido, tendo superado a marca de 1,5 milhão de exemplares.

Entidades Federativas Estaduais ligadas à FEB[editar | editar código-fonte]

Em cada estado brasileiro e no Distrito Federal há uma instituição que, de forma autônoma e independente, integra a Federação Espírita Brasileira para atuação mais direta em apoio aos centros espíritas:

  • Conselho Espírita do Estado do Rio de Janeiro (CEERJ)
  • Federação Espírita Amazonense (FEA)
  • Federação Espírita Catarinense (FEC)
  • Federação Espírita de Rondônia
  • Federação Espírita do Amapá
  • Federação Espírita do Distrito Federal (FEDF)
  • Federação Espírita do Estado da Bahia (FEEB)
  • Federação Espírita do Estado de Alagoas
  • Federação Espírita do Estado de Goiás - fundada em 3 de setembro de 1951
  • Federação Espírita do Estado de Sergipe (FEES) - fundada em 5 de novembro de 1950
  • Federação Espírita do Estado do Acre
  • Federação Espírita do Estado do Ceará (FEEC)
  • Federação Espírita do Estado do Espírito Santo (FEEES)
  • Federação Espírita do Estado do Tocantins (FEETINS)
  • Federação Espírita do Estado Mato Grosso (FEEMT)
  • Federação Espírita do Maranhão (FEMAR) - fundada em 30 de setembro de 1930
  • Federação Espírita do Mato Grosso do Sul (FEMS)
  • Federação Espírita do Paraná (FEP)
  • Federação Espírita do Rio Grande do Norte (FERN)
  • Federação Espírita do Rio Grande do Sul (FERGS)
  • Federação Espírita Paraibana (FEPB)
  • Federação Espírita Pernambucana (FEP)
  • Federação Espírita Piauiense (FEPI)
  • Federação Espírita Roraimense
  • União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo (USE-SP)
  • União Espírita Mineira (UEM)
  • União Espírita Paraense (UEP)

Entidades Especializadas de Âmbito Nacional[editar | editar código-fonte]

A FEB realiza trabalhos em conjunto com as seguintes entidades especializadas, que fazem parte de seu Conselho Federativo:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b DECRETO No 47.695, DE 21 DE JANEIRO DE 1960 - JUSCELINO KUBITSCHEK
  2. a b LEWGOY, Bernardo. A transnacionalização do espiritismo kardecista brasileiro: uma discussão inicial. Relig. soc. [online]. 2008, vol.28, n.1 [cited 2014-09-05], pp. 84-104. ISSN 0100-8587. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-85872008000100005.
  3. a b c d ARRIBAS, Célia da Graça. A Doutrina Espírita na formação da diversidade religiosa brasileira. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, 2011. Acessado em: 03 de março de 2015.
  4. a b c Tiago Cordeiro. Allan Kardec e o espiritismo, uma religião bem brasileira (14/10/2014). Aventuras na História - Guia do Estudante. Página visitada em 18/11/2014.
  5. Ver Página da FEB
  6. Apoio Jurídico - Modelo de Estatuto da FEB: MODELO DE ESTATUTO DE UM CENTRO ESPÍRITA - De acordo com o novo código civil e a lei nº 10.825/2003.
  7. a b MENDONÇA, Martha. O novo espiritismo. Revista Época (ed. 424), 03/07/2006. Visto em 26/11/2013.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARRIBAS, Célia da Graça. Afinal, espiritismo é religião?: A doutrina espírita na formação da diversidade religiosa brasileira. São Paulo: Ed. Alameda, 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]