O Livro dos Espíritos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Livro dos Espíritos
Le Livre des Esprits
Le Livre des Esprits 2.jpg
Publicação do Livro dos Espíritos de 1860 em Paris
Autor (es) Allan Kardec
Idioma francês
País  França
Assunto Doutrina Espírita
Género Filosofia Espiritualista
Série Obras básicas do espiritismo
Lançamento 18 de abril de 1857
Edição portuguesa
Edição brasileira
Tradução Renata Barbosa da Silva
Simone T. Nakamura Bele da Silva
Editora Petit Editora
Cronologia
Último
Último
O Livro dos Médiuns
(1861)
Próximo
Próximo

O Livro dos Espíritos (em língua francesa, Le Livre des Esprits) é o primeiro livro sobre a Doutrina Espírita, publicado pelo educador francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, sob o pseudônimo Allan Kardec. É uma das obras básicas do espiritismo.

História[editar | editar código-fonte]

A obra veio a público em 18 de abril de 1857, lançada no Palais Royal, em Paris, na forma de perguntas e respostas, originalmente compreendendo 501 itens. Foi fruto dos estudos de Kardec sobre os fenômenos das mesas girantes, difundidos por toda a Europa em meados do século XIX, e que, segundo muitos pesquisadores da época, possuíam origem mediúnica. Foi o primeiro de uma série de cinco livros editados pelo pedagogo sobre o mesmo tema.

As médiuns que serviram a esse trabalho foram inicialmente as jovens Caroline e Julie Boudin (respectivamente, com 16 e 14 anos à época), às quais mais tarde se juntou Celine Japhet (com 18 anos à época) no processo de revisão do livro. Após o primeiro esboço, o método das perguntas e respostas foi submetido à comparação com as comunicações obtidas por outros médiuns franceses, num total de "mais de dez", nas palavras de Kardec, cujos textos psicografados contribuíram para a estruturação do texto.

Segundo Canuto de Abreu, na página VII de O Primeiro Livro dos Espíritos, a segunda edição francesa foi lançada em 18 de março de 1860, tendo o Livro dos Espíritos, naquela reimpressão, sido revisto quase "como trabalho novo, embora os princípios não hajam sofrido nenhuma alteração, salvo pequeníssimo número de exceções, que são antes complementos e esclarecimentos que verdadeiras modificações" (1). Para esta revisão, Kardec manteve contato com grupos espíritas de cerca de 15 países da Europa e das Américas. Nesta segunda edição é que aparecem 1018 perguntas e respostas, sendo que algumas edições atuais trazem 1019 perguntas, acréscimo que, segundo a FEB (Federação Espírita Brasileira), foi devido ao Codificador não ter numerado a pergunta imediatamente após a 1010, aquela que seria a 1011. Assim sendo, o livro teria, na prática, 1019 e não, 1018 perguntas.

Características[editar | editar código-fonte]

A obra se divide em quatro "livros", como comumente se dividiam as obras filosóficas à época, que abordam respectivamente:

  • Das causas primárias - abordando as noção de divindade, Criação e elementos fundamentais do Universo.
  • Do mundo dos Espíritos - analisando a noção de Espírito e toda a série de imperativos que se ligam a esse conceito, a finalidade de sua existência, seu potencial de auto-aperfeiçoamento, sua pré e sua pós-existência e ainda as relações que estabelece com a matéria.
  • Das leis morais - trabalhando com o conceito de Leis de ordem Moral a que estaria submetida toda a Criação, quais sejam as leis de: adoração, trabalho, reprodução, conservação, destruição, sociedade, progresso, igualdade, liberdade e justiça, amor e caridade.
  • Das esperanças e consolações - concluindo com ponderações acerca do futuro do homem, seu estado após a morte, as alegrias e obstáculos que encontra no além-túmulo.

1018 ou 1019 perguntas?[editar | editar código-fonte]

A obra apresenta 1018 ou 1019 perguntas? A dúvida é suscitada pela comparação entre as diversas traduções e edições para a língua portuguesa, a partir de um lapso na segunda edição da obra em língua francesa, onde encontra-se ausente a questão número 1011. De fato, após a pergunta número 1010, segue-se uma assinalada apenas com travessão e outra com o número 1012. Nas edições da Federação Espírita Brasileira, a tradução de Guillon Ribeiro, ao atingir o número 1010, interrompe a numeração das perguntas sem número, que vinha fazendo até então com letras, e opta por manter a mesma falha, deixando a questão entre a 1010 e a 1012, e as demais questões não numeradas por Allan Kardec, apenas com o travessão original. Pela mesma editora, a tradução de Evandro Noleto Bezerra opta por enumerar a pergunta entre a 1010 e a 1012 com o número 1011. Nas edições da Livraria Allan Kardec Editora (LAKE), a tradução de Herculano Pires apresenta variações, conforme o ano de impressão, o que pode sugerir uma interferência da editora. As edições de 1989 e 2002 apresentam a questão como "1010-a", mas, a de 1989 apresenta a questão sem número entre a 1012 e a 1013 como "1012", gerando um total de 1019 questões, ao passo que, na edição de 2002, essa mesma questão sem número é numerada como "1011-a", o que conduz a um total de apenas 1018 questões. Carece de Fontes.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Em setembro de 1861 o Sr. Lachâtre encomendou, de Barcelona, 300 volumes de obras espíritas, dentre as quais O Livro dos Espíritos. Ao chegarem, os livros foram apreendidos pelo bispo local, num episódio que ficou conhecido como Auto de fé de Barcelona. A sentença foi executada a 9 de outubro, data que marca a intolerância religiosa, reagindo contra a divulgação da Doutrina Espírita.

A 1 de maio de 1864 a Igreja Católica incluiu a obra no "Index Librorum Prohibitorum" - o catálogo das obras cuja leitura é vedada aos seus fiéis.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

REFERENCIAS:

(1) ABREU, Canuto. O Primeiro Livro dos Espíritos. São Paulo: Companhia Editora Ismael, 1957.