Granulócito eosinófilo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Eosinófilo visto no sangue periférico
Hematopoiese em humanos.

Granulócitos eosinófilos, geralmente chamados de eosinófilos (ou, menos comumente, acidófilos), são células do sistema imune responsáveis pela ação contra parasitas multicelulares e certas infecções nos vertebrados. Junto com os mastócitos, também controlam mecanismos associados com a alergia e asma. Desenvolvem-se na medula óssea (hematopoiese) antes de migrar para o sangue periférico.

Tais células são eosinofílicas (possuem "afinidade por ácido") - normalmente transparentes, aparecem de cor vermelho-tijolo após coloração com a eosina, um corante vermelho e ácido. A coloração fica concentrada em pequenos grânulos no citoplasma celular, que contêm vários mediadores químicos, como a histamina e proteínas como a peroxidase de eosinófilos, ribonuclease (RNase), desoxirribonucleases, lipase, plasminogênio, e a proteína básica maior. Estes mediadores são liberados por um processo chamado degranulação após a ativação do eosinófilo, e são tóxicos para os tecidos do parasita e hospedeiro.

Em indivíduos normais eosinófilos constituem cerca de 1-6% das células brancas do sangue, e têm cerca de 12-17 micrômetros de tamanho. Em condições normais são encontrados na medula óssea, na junção entre o córtex e medula do timo, no trato gastrointestinal, ovário, útero, baço e linfonodos, mas não em órgãos como o pulmão, pele e esôfago. A presença de eosinófilos no último desses órgãos está associado a algumas doenças. Eosinófilos persistem na circulação por 8-12 horas, e podem sobreviver nos tecidos por um período adicional de 8-12 dias, na ausência de estimulação.

Morfologia Celular[editar | editar código-fonte]

Quando visualizadas no esfregaço do sangue periférico, os eosinófilos apresentam tamanho que varia entre 12-17 µm

Desenvolvimento, migração e ativação[editar | editar código-fonte]

Eosinófilos desenvolvem e amadurecem na medula óssea. Diferenciam-se a partir de células precursoras mielóides em resposta às citocinas interleucina 3 (IL-3), interleucina 5 (IL-5), e fator de estímulo de colônias de granulócitos macrófagos (GM-CSF). Eosinófilos produzem e armazenam muitas proteínas do grânulo secundário antes da sua saída da medula óssea. Após a maturação, circulam no sangue e migram para locais de inflamação nos tecidos, ou para os locais de infecção por helmintos, em resposta a citocinas como CCL11 (eotaxina-1), CCL24 (eotaxina-2), CCL5 (RANTES), e leucotrienos como o leucotrieno B4 (LTB4).

Nos locais de infecção são ativados por citocinas tipo 2 e por um subconjunto específico das células T helper (Th2).

Se desenvolvem em aproximadamente uma semana, circulam com meia vida de 8 a 18 horas e se aderem nos tecidos (principalmente mucosas), ondem vivem por várias semanas. Para cada 1 eosinófilo circulante existe cerca de 300 a 500 nos tecidos.

Função[editar | editar código-fonte]

Na sequência de ativação, eosinófilos funções efetoras incluem a produção de:

  • proteínas catiônica do grânulo e a sua libertação pela degranulação.
  • espécies reativas de oxigênio, como superóxido, peróxido e ácido (hipobromito hipobromoso, que é preferencialmente produzido pela peroxidase de eosinófilos).
  • Mediadores lipídicos como os eicosanóides dos leucotrienos (por exemplo, LTC4, LTD4, LTE4) e prostaglandinas (eg, PGE2) famílias. Enzimas, como a elastase.
  • Fatores de crescimento como o TGF beta, VEGF e PDGF. [9] [10]
  • Citocinas como a IL-1, IL-2, IL-4, IL-5, IL-6, IL-8, IL-13 e TNF alfa [11].

Além disso, os eosinófilos desempenham um papel na luta contra as infecções virais, o que é evidente a partir da abundância de RNAses que eles contêm dentro de seus grânulos, e na remoção de fibrina durante a inflamação. Juntamente com basófilos e mastócitos, são importantes mediadores das respostas alérgicas e patogênese da asma e estão associados com a severidade da doença. Eles lutam também contra a colonização de helmintos (verme) e podem estar ligeiramente em número elevado na presença de certos parasitas. Os eosinófilos também estão envolvidos em muitos outros processos biológicos, incluindo o desenvolvimento pós-púberes da glândula mamária, ciclismo estro, a rejeição do enxerto e neoplasias. Eles também têm sido recentemente implicados na apresentação de antígenos às células T.

Degranulação[editar | editar código-fonte]

Seguindo a ativação de um estímulo imunológico, eosinófilos sofrem degranulação para liberar uma série de grânulos citotóxicos proteínas catiônicas que são capazes de induzir lesão tecidual e disfunção. Estes incluem:

  • Proteína básica principal (MBP)
  • Proteína catiônica eosinofílica (ECP)
  • Peroxidase eosinofílica (EPO)
  • Neurotoxina derivada de eosinófilos (EDN)

Eosinofilia[editar | editar código-fonte]

Um aumento de eosinófilos, isto é, a presença de mais de 500 eosinófilos/microlitro de sangue é chamado de eosinofilia, e é geralmente visto em pessoas com uma infestação parasitária no intestino, doença do colágeno (como a artrite reumatóide), doenças malignas tais como a doença de Hodgkin, doenças de pele extensas (como dermatite esfoliativa), doença de Addison, no epitélio escamoso do esôfago, no caso de esofagite de refluxo, a esofagite eosinofílica, e com o uso de certas drogas como a penicilina. Em 1989, suplementos contaminados com L-triptofano causou uma forma mortal de eosinofilia conhecida como síndrome de eosinofilia-mialgia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [1]-Imagem de um eosinófilo