Le fabuleux destin d'Amélie Poulain

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
este artigo contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Le fabuleux destin d'Amélie Poulain
O Fabuloso destino de Amélie (PT)
O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (BR)
 França
2001 • cor • 122 min 
Direção Jean-Pierre Jeunet
Roteiro Guillaume Laurant
Elenco Audrey Tautou
Mathieu Kassovitz
Rufus
Lorella Cravotta
Serge Merlin
James Debbouze
Género Comédia romântica
Idioma francês
Página no IMDb (em inglês)

Le fabuleux destin d'Amélie Poulain (no Brasil, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain[1] ; pt: O Fabuloso Destino de Amélie), é um filme francês dirigido por Jean-Pierre Jeunet em 2001.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O filme conta a história de Amélie, uma menina que cresceu isolada das outras crianças. Isso porque seu pai achava que Amélie possuia uma anomalia no coração, já que este batia muito rápido durante os exames mensais que o pai fazia na menina. Na verdade, Amélie ficava nervosa com este raro contato físico com o pai. Por isso, e somente por isso, seu coração batia mais rápido que o normal. Seus pais, então, privaram Amélie de frequentar escola e ter contato com outras crianças. Sua mãe, que era professora, foi quem a alfabetizou até falecer quando Amélie ainda era menina. Sua infância e a morte prematura de sua mãe influenciaram fortemente o desenvolvimento de Amélie e a forma como ela se relacionava com as pessoas e com o mundo depois de adulta.

Após sua maioridade, mudou-se do subúrbio para o bairro parisiense de Montmartre, onde começou a trabalhar como garçonete. Certo dia, encontra no banheiro de seu apartamento uma caixinha com brinquedos e figurinhas pertencentes ao antigo morador do apartamento. Decide procurá-lo e entregar o pertence ao seu dono, Dominique, anonimamente. Ao notar que ele chora de alegria ao reaver o seu objeto, a moça fica impressionada e remodela sua visão do mundo.

A partir de então, Amélie se engaja na realização de pequenos gestos a fim de ajudar e tornar mais felizes as pessoas ao seu redor. Ela ganha aí um novo sentido para sua existência. Em uma destas pequenas grandes ações ela encontra um homem. E então seu destino muda para sempre.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

  • Cinco indicações ao Oscar, nas seguintes categorias: Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia, Melhor Som e Melhor Roteiro Original.
  • Uma indicação ao Globo de Ouro, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.
  • Ganhou dois prêmios no BAFTA, nas seguintes categorias: Melhor Roteiro Original e Melhor Desenho de Produção. Foi ainda indicado em outras 7 categorias: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Audrey Tautou), Melhor Filme Estrangeiro, Melhor Fotografia, Melhor Trilha Sonora e Melhor Edição.
  • Recebeu treze indicações ao César, nas seguintes categorias: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Audrey Tautou), Melhor Ator Coadjuvante (Rufus e James Debbouze), Melhor Atriz Coadjuvante (Isabelle Nanty), Melhor Fotografia, Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Desenho de Produção, Melhor Trilha Sonora, Melhor Som e Melhor Roteiro.
  • Ganhou o Prêmio da Audiência no Festival Internacional de Edimburgo.
  • Ganhou o Prêmio do Público no Festival de Cinema de Toronto.
  • Recebeu uma indicação ao Grande Prêmio Cinema Brasil, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.
  • Ganhou o Prêmio Adoro Cinema 2002 de Melhor Atriz Revelação (Audrey Tautou).

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora de Yann Tiersen. CD editado por Victoire Productions-Labels/Virgin France, 2001.

  1. J'y suis jamais allé (1:34)
  2. Les jours tristes (Instrumental) (3:03)
  3. La valse d'Amélie (versão original) (2:15)
  4. Comptine d'une autre été: l'après-midi (2:20)
  5. La noyée (2:03)
  6. L'autre valse d'Amélie (1:33)
  7. Guilty (Al Bowlly) (3:13)
  8. À quai (3:32)
  9. Le moulin (4:27)
  10. Pas si simple (1:52)
  11. La valse d'Amélie (versão orquestrada) (2:00)
  12. La valse des vieux os (2:20)
  13. La dispute (4:15)
  14. Si tu n'étais pas là (Fréhel) (3:29)
  15. Soir de fête (2:55)
  16. La redécouverte (1:13)
  17. Sur le fil (4:23)
  18. Le banquet (1:31)
  19. La valse d'Amélie (Piano) (2:38)
  20. La valse des monstres (3:39)
  21. L'Autre Valse d'Amélie (Version Quatuor à Cordes) (1:41) (edição limitada francesa)
  22. Les Deux Pianos (1:58) (edição limitada francesa)
  23. Comptine d'un autre été (02:00) (edição limitada francesa)
  24. La Maison (02:03) (edição limitada francesa)

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Na maioria da apresentação dos personagens, aparece o que eles mais gostam. Em um seleto grupo, também é demonstrado o que é desgostado.
  • Destaque à Fotografia do filme, que brilha em diversas cenas, que poderiam ser comuns e até inúteis, se não fosse a iluminação. Uma das que merecem ser lembradas é a dos casais tendo orgasmo e as da infância de Amélie, tal como a estação de trem e depedências do apartamento, magnificamente e instigante aos olhos. Um efeito de fotografia usado no filme é a sobreposição das cores vermelho e verde, que disputavam a atenção do espectador em diversas cenas. Segundo o diretor, essas cores características foram inspiradas pelos trabalhos do pintor brasileiro Juarez Machado, além de ser uma referência à obra de Vincent van Gogh.

Referências

  1. O Fabuloso Destino de Amélie Poulain. Filmow, página visitada dia 14 de abril de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]