Marco Antonio Villa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Marco Antonio Villa
Marco Antonio Villa em outubro de 2012
Nascimento São José do Rio Preto, São Paulo
Ocupação historiador

Marco Antonio Villa é um historiador brasileiro,mestre em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1989) e doutor em História Social pela USP (1993). É professor aposentado da Universidade Federal de São Carlos.[1]

Villa nasceu em São José do Rio Preto no interior de São Paulo, passou a adolescência no ABC e aos 17 anos mudou-se para a capital paulista. Inicialmente estudou Economia na PUC quando prestou vestibular para História na USP.[2]

Opiniões e críticas[editar | editar código-fonte]

Identificado com posições políticas conservadoras, Marco Antonio Villa tem se notabilizado pelos seus posicionamentos.

Em 2011, ao ver que o site do Superior Tribunal de Justiça denominava os valores recebidos pelos ministros como “remuneração paradigma”, Villa ficou indignado. “Gosto da expressão paradigma, que para um simples mortal seria chamado antigamente de salário”, reclamou. “O valor é baixo, R$ 25 mil. Todo aposentado ganha isso no Brasil e a gente sabe”, completou o historiador."[3]

Criticou ainda o assistencialismo[4] e mais recentemente o Movimento Passe Livre, que considera vândalo, fascista, ultra-esquerdista e sem qualquer relação com as manifestações ocorridas nos anos 60, 70, as Diretas Já ou as favoráveis ao impeachment de Fernando Collor.[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. CNPq, [ http://lattes.cnpq.br/4631349579867358 Marco Antonio Villa]
  2. [Antunes Viviani, Ana Elisa] (13/02/2008). "" (pdf). Secretaria Municipal de Cultura da cidade de São Paulo - Memórias (depoimento do historiador, professor e pesquisador, Marco Antonio Villa para o Projeto Memória Oral da instituição Biblioteca Mário de Andrade).
  3. Anderson Nogueira Scardoelli (27/11/2011). “Aqui não é debate eleitoral”, diz apresentadora do ‘Jornal da Cultura’ para acabar com discussão de comentaristas Portal Comunique-se. Visitado em 29/08/2014.
  4. Instituto Millenium (31/08/2012). O historiador Marco A. Villa critica o assistencialismo eleitoreiro: “Sob o controle dos vereadores o centro social transforma-se numa espécie de escritório eleitoral” Instituto Millenium. Visitado em 06/08/2013.
  5. Marco Antonio Villa (13/06/2013). Passe livre, fascismo e oportunismo político Veja.com. Visitado em 06/08/2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]