É de Casa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
É de Casa
Informação geral
Formato Programa de variedades
Gênero Revista eletrônica
Duração 180 minutos
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Boninho
Câmera Multicâmera
Apresentador(es) Ana Furtado (2015 - presente)
André Marques (2015 - presente)
Cissa Guimarães (2015 - presente)
Patrícia Poeta (2015 - presente)
Zeca Camargo (2015 - presente)
Ricardo Pereira (2019-presente)
Narrador(es) McKeidy Lisita (2015 - presente) (chamadas)
Tema de abertura "Passe em Casa" (instrumental), Tribalistas
Tema de encerramento Instrumental
Compositor da música-tema Arnaldo Antunes
Empresa(s) de produção Central Globo de Produção
Localização Rio de Janeiro, RJ
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Globo
Formato de exibição 1080i (HDTV)
Formato de áudio Estéreo
Transmissão original 8 de agosto de 2015 – presente
N.º de episódios Vários
Cronologia
Programas relacionados Mais Você
Bem Estar

É de Casa é um programa de televisão brasileiro apresentado por Zeca Camargo, Patrícia Poeta, Ana Furtado, André Marques, Cissa Guimarães e Ricardo Pereira[1] dirigido por Boninho e exibido pela Rede Globo nas manhãs de sábado, desde 8 de agosto de 2015.[2][3]

Conceito[editar | editar código-fonte]

Originalmente, a cada programa, dos seis apresentadores, duas duplas se revezavam na apresentação do programa, onde são dadas informações jornalísticas, dicas de estilo de vida, assuntos que ocorreram durante a semana, além de participações de convidados especiais. O telespectador também pode participar do programa através do aplicativo móvel e das redes sociais.[4] O cenário do programa é dividido em cômodos, dando a informalidade de uma casa onde todos podem participar e interagir.

História[editar | editar código-fonte]

O programa substituiu em sua faixa horária a TV Globinho, que exibia desenhos animados e filmes, sendo o último programa com conteúdo infantil da emissora,[5] com o objetivo de preencher uma lacuna de programação adulta nas manhãs de sábado.[6]

Em 23 de agosto de 2016 é anunciado que Tiago Leifert sairá do programa para apresentar o Big Brother Brasil.[7][8] Com a saída de Leifert, a Rede Globo optou por não procurar um substituto para o apresentador, alegando que o programa já possui número suficiente de apresentadores.[9]

Em 2017, ícone da cozinha italiana, o chef Roberto Ravioli passou a integrar o time de apresentadores do programa 'É De Casa', da Globo. Ele terá um quadro fixo intitulado 'Toque do Ravioli' no qual vai ensinar receitas simples, além de mostrar a história que existe por trás das hortaliças e legumes que são transformados em pratos preparados diretamente da cozinha do programa. A cada sábado, um ingrediente diferente vira protagonista.

Em 23 de março de 2019, Ricardo Pereira estreou como apresentador do programa no lugar de Tiago Leifert.

Audiência[editar | editar código-fonte]

Na prévia de audiência de sua estreia, o programa É de Casa obteve cinco pontos na Grande São Paulo, ficando em segundo lugar, atrás do SBT.[10] Apesar das críticas e audiência em baixa, os executivos da Globo acreditaram que o programa faria sucesso como o "Encontro" e consideraram que a queda de audiência já era esperada devido a mudança do público infantil para o adulto.[11] Porém, a baixa audiência prosseguiu e em 10 de outubro o programa completou a décima derrota seguida para o SBT, fato raro para a Globo,[12] agravada pelo fato de que antes do programa a Globo liderava a audiência com 6,5 pontos, contra 4,9 e 4,6 pontos da segunda e da terceira emissora e desde a estreia do É de Casa, o programa permaneceu consistentemente em segundo lugar - 5,9 pontos - contra os 6,6 da primeira colocada.[13] Em 2015, a maior audiência do programa foi em 21 de novembro: 7,2 pontos, o que deixou o programa com a liderança, ainda que apertada, diante dos dois principais concorrentes no horário.[14]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Após sua estreia, ainda que tenha sido elogiado o fato de substituir conteúdo "enlatado" pelo conteúdo próprio ao vivo,[15] o programa recebeu críticas pelo excesso de apresentadores — seis —[16] os quais, com exceção de Tiago Leifert e de Cissa Guimarães, estavam na "geladeira",[17] a previsibilidade de conteúdo e a longa duração.[18]

Equipe[editar | editar código-fonte]

Apresentadores[editar | editar código-fonte]

Nome 2015 2016 2017 2018 2019
Ana Furtado
André Marques
Cissa Guimarães
Patrícia Poeta
Zeca Camargo
Tiago Leifert
Ricardo Pereira

Repórteres[editar | editar código-fonte]

Nome 2019
Marcela Monteiro

Colunistas[editar | editar código-fonte]

Nome Coluna 2015 2016 2017 2018 2019
Peter Paiva Artesanato
Caio Braz Moda
Flávia Piña Moda
Alexandre Rossi Pet
Roberto Ravioli Culinária

Lu Gastal

Murilo Soares

Referências

  1. «Novo programa matinal da Globo terá seis apresentadores, afirma jornal». 23 de maio de 2015 
  2. «É de Casa: programa matinal fala sobre a vida em casa; saiba tudo». Consultado em 5 de julho de 2015 
  3. «Tudo sobre É de Casa | gshow». Gshow. Consultado em 5 de julho de 2015 
  4. «"É De Casa" terá jornalismo e usará segunda tela para interagir com o público». 27 de julho de 2015. Consultado em 29 de julho de 2015 
  5. PADIGLIONE, Cristina (2 de agosto de 2015). «Estreia do 'É de Casa' na Globo encerra último suspiro da programação infantil no canal». O Estado de São Paulo. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  6. VILLALBA, Patrícia (1 de agosto de 2015). «Globo mistura 'Mais Você' e 'Encontro' no novo 'É de Casa'». Veja. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  7. «Tiago Leifert assume o 'BBB', e Pedro Bial ganha novo programa na Globo». Consultado em 23 de agosto de 2016 
  8. «Pedro Bial deixa o comando do 'BBB' e Tiago Leifert assume reality». 22 de agosto de 2016. Consultado em 23 de agosto de 2016 
  9. «Tiago Leifert não vai ganhar substituto no "É De Casa"» 
  10. FELTRIN, Eduardo (8 de agosto de 2015). «Ibope prévio: "É de Casa" perde para SBT e derruba Globo». UOL. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  11. «Globo aposta que 'É de Casa' fará sucesso como 'Encontro'». Consultado em 24 de agosto de 2015 
  12. «"É De Casa" sofre a 10ª derrota consecutiva para o SBT | Bastidores da TV». Bastidores da TV. Consultado em 16 de outubro de 2015 
  13. FELTRIN, Ricardo (31 de outubro de 2015). «Após estreia na Globo do "É de Casa", ibope do SBT cresce 34% 2». UOL. Consultado em 31 de outubro de 2015 
  14. «"É De Casa" registra maior audiência em dois meses». Bastidores da TV. 18 de janeiro de 2016. Consultado em 6 de fevereiro de 2016 
  15. BRINCO, Henrique (9 de agosto de 2015). «"É de Casa" é bom, mas precisa superar alguns problemas». RD1. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  16. FISCHER, Neuber (8 de agosto de 2015). [“É de Casa” é bom, mas precisa superar alguns problemas «É de Casa prioriza apresentadores em detrimento da informação»] Verifique valor |URL= (ajuda). Observatório da Televisão. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  17. iG Gente (23 de junho de 2015). «Saíram da geladeira: Patrícia Poeta e mais famosos que voltam à TV». iG. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  18. «Seis detalhes da estreia polêmica do 'É na Casa' na Globo». Sala de TV (Terra). 9 de agosto de 2015. Consultado em 10 de agosto de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Televisão no Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.