Bengasi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Benghazi)
Ir para: navegação, pesquisa
Bengasi

بنغازي

—  Bangazi  —
Centro de Bengasi
Centro de Bengasi
Bengasi está localizado em: Líbia
Bengasi
Localização de Bengasi na Líbia
Coordenadas 32° 07' N 20° 04' E
País  Líbia
Região Cirenaica
Distrito Benghazi
Área
 - Total 314 km²
Altitude 2 m
População (2011)
 - Total 631,555
    • Densidade 2,000 hab./km²
Código de área (+218) 61

Bengasi ou Bengazi (em árabe: بنغازي transl. Binġāzī;[1] árabe líbio: Loudspeaker.svg? [bənˈʁɑːzi]; em italiano: Bengasi; em turco: Bingazi; também Banghāzī,[2] Binghāzī,[3] e, na Antiguidade, Berenice[4] e Hespérides - Euesperides[5]) é a segunda maior cidade da Líbia, principal cidade (e capital) da região da Cirenaica e capital provisória do governo interino do país.[6] Sua região metropolitana (que inclui as cidades meridionais de Gimeenis e Suluq) também é um dos distritos da Líbia. Seu porto localiza-se no mar Mediterrâneo.

Durante o período monárquico da história da Líbia, Bengasi gozou de um status de semi-capital, juntamente com Trípoli, possivelmente porque o rei Idris I costumava residir na cidade vizinha de Al Bayda', e a família real dos Senussi em geral eram mais associados com a Cirenaica que com a região da Tripolitânia. Bengasi até hoje tem instituições e organizações normalmente associadas normalmente com uma capital nacional; isto cria uma atmosfera constante de rivalidade e questões sensíveis entre Bengasi e Trípoli e, por extensão, entre as duas regiões (Cirenaica e Tripolitânia). A população de todo o distrito, que era de 500.120 habitantes de acordo com o censo de 1995, aumentou para 670.797 no censo de 2006.

Em fevereiro de 2011 protestos em massa contra o governo de Muammar al-Gaddafi foram realizados na cidade.[7] Em 21 daquele mês, a cidade foi conquistada por forças contrárias a Gaddafi e deixou de ser controlada pelo governo central.[8]

História[editar | editar código-fonte]

A antiga cidade de Cirene

A moderna Bengási, no Golfo de Sidra, situa-se um pouco mais a sudoeste do local onde foi construída a antiga cidade grega de Berenice, tradicionalmente fundada em 446 a.C., por um irmão do rei de Cirene, e que obteve o nome após a sua reconstrução no século III a.C. em homenagem a Berenice (Berenike), filha de Magas, rei de Cirene, e esposa de Ptolemeu III Evérgeta I, governante do Egito. À nova cidade deu-se mais tarde o nome de Hespérides, em referência as Hespérides, as guardiãs do mítico paraíso ocidental. O nome pode também se referir aos verdes oásis nas áreas mais baixas da planície costeira próxima. Bengási mais tarde tornou-se uma cidade romana e prosperou por 600 anos. A cidade substituiu Cirene e Barca como o principal centro da Cirenaica após o século III e durante os ataques persas, mas quando os árabes chegaram, em 642-643, ela transformou-se em uma insignificante aldeia entre magníficas ruínas.

No ano de 1200, o pequeno povoado surgiu como um importante parceiro comercial entre os mercadores genoveses e as tribos do interior do país. Nos mapas do século XVI, aparece o nome de Marsa ibn Ghazi. Bengási tinha a localização de porto estratégico, muito útil para ser ignorado pelos Otomanos.

E foi em 1578 que os turcos invadiram Bengási, sendo governada de Trípoli pelos Karamanlis de 1711 a 1835, quando passou diretamente para o governo otomano até 1911. Sob o domínio otomano, Bengási era a mais empobrecida de suas províncias. Não havia estradas pavimentadas nem serviço de telégrafo, e o porto estava tão assoreado que não permitia mais a acesso de navios. Pescadores de esponja gregos e italianos trabalhavam em suas águas territoriais. Em 1858 e novamente em 1874, Bengási foi devastada pela peste bubônica.

Em 1911, Bengási foi invadida pelos italianos. A população local da Ciranica sob a liderança do Omar al-Mucktar resistiu à ocupação italiana. Em 1931, o patriota líbio Omar al-Mucktar foi enforcado em Souluk, uma aldeia na parte oeste de Bengási, terminando de vez com a resistência libiana. Bengási sofreu pesados bombardeios durante a Segunda Guerra Mundial, sendo mais tarde reconstruída com a riqueza do petróleo das recentes jazidas descobertas no país, tornando-se um dos cartões de visita da moderna Líbia.

Características[editar | editar código-fonte]

Bengási é um importante porto do mar Mediterrâneo e um grande centro comercial da Líbia. De modo geral, a cidade não possui pontos de grande interesse histórico ou arquitetônico, com exceção das ruínas de antigos edifícios que se encontram nas proximidades da zona portuária. Apesar disso, é ponto de referência para a visitação de alguns dos pontos turísticos mais atrativos do país, tais como as Montanhas Verdes e as praias que se situam ao redor da cidade.

Referências

  1. «بنغازي: Libya». Geographical Names. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  2. «Banghāzī: Libya». Geographical Names. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  3. «Binghāzī: Libya». Geographical Names. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  4. «Berenice: Libya». Geographical Names. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  5. «Hesperides: Libya». Geographical Names. Consultado em 27 de fevereiro de 2011 
  6. «Libya's ex-justice minister forms interim government in Benghazi». Haaretz. 26 de fevereiro de 2011. Consultado em 26 de fevereiro de 2011 
  7. 'FB and Twitter got us from Tahrir Square to Libya', Benghazi After Gaddafi
  8. http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-12307698
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Líbia, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bengasi