Casa de Württemberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Casa de Württemberg
Haus Württemberg
Estado Reino de Württemberg
Título Conde de Württemberg
Duque de Württemberg
Elector de Württemberg
Rei de Würtemberg
Rei da Lituânia
Origem
Fundador Conrado I de Würtemberg
Fundação 1081
Casa originária Saliana¹
Etnia Caucasiana
Soberania
Pretendente Carlos Maria
Linhagem secundária
Teck
Urach
¹ Não confirmado

A casa de Württemberg (que deu seu nome ao Reino de Württemberg, e por consequência ao estado alemão de Baden-Württemberg), tem sua origem entorno da dinastia saliana. A origem de Luxemburgo, de longo curso, é altamente improvável.

História[editar | editar código-fonte]

Palácio de Altshausen, residência da família Württemberg.

Por volta de 1080, o Conrado de Württemberg, provavelmente descentende do Conrado de Caríntia (dinastia saliana), se instala na região de Estugarda ao converter-se o herdeiro da Casa de Beutelsbach e constrói o castelo de Württemberg. Em 1143, os Württemberg obtiveram o título de Condes. Seu domínio, que originalmente incluía o território que rodeava o castelo, cresceu em forma sustentada, sobre tudo através da compra de propriedades de famílias empobrecidas, como as de Tubinga.

Por causa da Dieta de Worms, o conde Everardo foi gratificado pelo imperador Maximiliano I com o título de Conde em 1495. De 1534 a 1537, o duque Ulrich introduziu a Reforma Protestante e converteu o seu ducado em um território protestante importante onde era o chefe da Igleja.

Quando no século XVIII se extinguiu o ramo masculino protestante, outra linha sucedeu com o duque Carlos Alexandre de Württemberg, um soberano católico. Os duques católicos então cederam o comando eclesiástico às famílias mais importantes de Württemberg[necessário esclarecer]. Um príncipe protestante só regressou ao governo com a ascensão do duque Frederico I de Württemberg em 1797.

Armas da Casa de Wurtemberg forjadas no portal do parque do palácio de Altshausen
Brasão da Casa de Württemberg

Reino de Württemberg[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Reino de Württemberg

Em maio de 1803, as reformas políticas de Napoleão Bonaparte convertem a Federico, por então seu aliado, em príncipe-eleitor recebendo os senhorios seculares mediadas que permitem expandir significativamente seu país. Em 1 de janeiro de 1806, Federico recebe o título de rei e com ele novos territórios, e em 1807, para estreitar ainda mais sua aliança com o Império Francês, celebrou o matrimônio deu sua filha, a princesa Catarina de Württemberg (1783-1835) com Jerónimo Bonaparte, irmão mais novo de Napoleão Bonaparte.

Em 1828, o rei Guilherme I de Württemberg promulgou uma nova norma de sucessão e estabeleceu os direitos e deveres da família soberana. A primogenitura masculina era estabelecida junto à exigência de matrimônios com famílias de igual dignidade.

Abdicação[editar | editar código-fonte]

Ao terminar a Primeira Guerra Mundial extinguiu-se o Império Alemão e o rei Guilherme II de Württemberg foi o último monarca a reinar. Em novembro de 1918, após abdicar, ele assumiu o título de Duque de Würtemberg e em 1919 entregou o palácio Altshausen, próximo de Ravensburg, a seu presuntivo herdeiro, o duque Alberto. Após sua morte, em outubro de 1921, sua fortuna e reivindicações ao trono passam para outra linhagem, convertido ao catolicismo no século XIX.[necessário esclarecer]

Linhas da Casa de Würtemberg[editar | editar código-fonte]

Guilherme II de Württemberg (1848-1921), último rei de Würtemberg.

Todas as linhas descendem de Frederico Eugénio II, Duque de Württemberg (1732-1797):

  1. A primeira linha, chamada ramo maior, descendentes de Frederico I de Württemberg. Se extinguiu com o rei Guilherme II de Württemberg em 1921.
  2. A segunda linha, chamada Teck, descendente do duque Luís de Württemberg (1756-1817). Se extingüiu com Jorge Cambridge, segundo marquês de Cambridge em 1981. Não se considerou dinástica pelo matrimônio morganático do duque Alexandre de Württemberg (1804–1885) com a condessa Claudine Rhédey von Kis-Rhéde. Uma linha feminina descendente deste ramo inclui a rainha Isabel II do Reino Unido.
  3. A terceira linha, chamada Carlsruhe, descendente do duque Eugénio Frederico de Württemberg (1758-1822). Se extinguiu com Nicolau de Württemberg em 1903.
  4. A quarta linha, chamada Urach, descendente de Guilherme Frederico de Württemberg (1761-1830). Este ramo se há conservado, mas como o ramo Teck, não se considera dinasta pela década de 1860. O atual chefe deste ramo é Wilhelm Albert, Duque de Urach.
  5. A quinta linha, chamada Altshausen, descendente de Alexandre de Württemberg (1771-1833). O atual pretendente ao trono do Reino de Württemberg, Carlos Maria, pertence a ela.

Através dos matrimônios de seus membros femininos, os Würtemberg estão presentes em numerosas famílias reais, imperiais, ducadas e principescas como a Casa de Bourbon, Casa de Liechtenstein, Casa d'Orléans, Casa de Windsor.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

O atual pretendente ao trono é o duque Carlos Maria de Würtemberg que nasceu em 1936, descendente do quinto ramo da família. Está casado com Diane d'Orléans. Sem embargo, o chefe do Ramo maior da Casa de Würtemberg (quarta linha) é o duque Carlos Anselmo de Württemberg-Urach nascido em 1955.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Casa de Württemberg
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.