Denis Mandarino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Denis Mandarino
Denis Mandarino self portraite.jpg
Autorretrato do artista (2006), acrílico sobre tela, 70 x 50 cm.
Informação geral
Nome completo Denis Garcia Mandarino
Nascimento 7 de maio de 1964 (51 anos)
Origem São Paulo São Paulo, SP
País Brasil Brasil
Gênero(s) Música brasileira, Clássico, World music, Experimental, Blues-rock, Instrumental
Ocupação(ões) Artista plástico,[1] compositor,[2] escritor
Instrumento(s) violão, guitarra, baixolão, mandolin[2]
Modelos de instrumentos Variax, Sugiyama, Yamaha, Godin, Tagima de 12 cordas, iGuitar Brian Moore, Fender e Ibanez.
Extensão vocal Baritenor
Período em atividade 1983 - presente
Outras ocupações Professor universitário, arranjador[3] e Produtor multimídia[4]
Gravadora(s) Independente[5]
Afiliação(ões) Versatilismo,[6] figurativismo[7] arte contemporânea[8]
Página oficial http://www.denismandarino.com
Mandarino assinatura.jpg

Denis Mandarino (São Paulo, 7 de maio de 1964) é um compositor, escritor, artista plástico e geômetra brasileiro.[5]

Escreveu em 1995 a Teoria da Percepção Quadridimensional,[9] na qual afirma que os conceitos por detrás da perspectiva renascentista envolvem quatro dimensões, em vez da tridimensionalidade que comumente lhe é atribuída.[10]

Desenvolveu, em 1997, a perspectiva quadridimensional,[1] na qual representa-se a visão panorâmica de um observador em movimento.

Em 2007, propôs o versatilismo[11] por meio de um manifesto literário.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendente de espanhóis por parte de mãe '(Diva Garcia)' e de italianos por parte de pai '(Dino Mandarino)',[12] estudou violão clássico no Conservatório Musical Maraiza (1978-1983).[2] [13] Cursou o Bacharelado em Pintura e Licenciatura em Artes Plásticas na Belas Artes de São Paulo (1984-1989).[7] Estudou regência coral e estética com o maestro e compositor Hans-Joachim Koellreutter.[2] Concluiu o mestrado e o doutorado na Universidade Mackenzie (1995)[7] na área de Comunicação e artes.[14] Leciona desde 1987.[15]

Versatilismo[editar | editar código-fonte]

Logotipo versatilista
Ver artigo principal: Manifesto Versatilista

Em 2007, propôs o versatilismo,[16] um movimento artístico, por meio de um manifesto literário,[17] com a intenção de libertar o artista das análises especializadas e promover a prática da arte como forma de autoconhecimento[18] e aprimoramento espiritual.

No corpo do texto estão presentes os seguintes princípios estéticos e proposições:

  1. a vida eterna, a existência de Deus e do espírito
  2. a desvinculação da prática artística do mercado de arte e do egocentrismo
  3. a busca de expressões artísticas que promovam o homem e a sociedade, respeitando o presente nível de consciência do artista
  4. a alteração constante do nível de consciência e a aprendizagem como processo infinito
  5. a ausência de concursos de arte[19]
  6. o questionamento do papel do crítico de arte, pela impossibilidade de o homem avaliar o seu semelhante de forma isenta e atemporal.[20]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Trilogia de contos (2007-2009).

Escreveu a trilogia de contos versatilistas,[21] composta por:

E o romance:

Princípios estéticos[editar | editar código-fonte]

No segundo livro da trilogia, Encontro Com o Destino, estão presentes princípios estéticos que se mostram consonantes com o conjunto de ideias do versatilismo. Como os conceitos são proferidos por um dos personagens (Harton), não é possível afirmar categoricamente que sejam ditames morais compartilhados pelo autor. Tais princípios podem ser entrevistos na cena 55 do citado:

  • Ao longo do processo de desenvolvimento artístico, o indivíduo vê sua produção próxima dos contornos vagos e metafóricos, para numa segunda etapa se voltar para o exato e o conciso, buscando num terceiro momento a união desses elementos, aparentemente, imiscíveis, não importando a ordem em que ocorram;
  • A aclamação popular é vista como posição a ser tratada com seriedade e cautela, por não ser fácil ao homem comum manter-se como modelo de conduta, enfatizando-se ainda que uma maior visibilidade gera um maior compromisso social;
  • A notoriedade pública é considerada como um meio para que o indivíduo tenha acesso a muitos e, desse modo, possa influenciá-los de maneira positiva. Como explicação para o significado de "maneira positiva", o personagem diz que se o artista levar os seus seguidores para escolhas de sofrimento e desespero, seria melhor que este nada tivesse realizado nesse campo; o que se afina com uma máxima sobrevinda do pensamento cristão;[25]
  • O texto exibe uma preocupação premente com o conteúdo da mensagem, sem que se abandone o esmero da forma. É possível entender tal zelo depois da explanação de que o domínio da técnica pode gerar o belo, para o bem ou para o mal.

Poesias[editar | editar código-fonte]

Em análise estrita, as poesias do autor são voltadas às suas músicas. Há a preeminência da prosa sobre o verso. Parte da produção, como livros, pinturas e composições musicais, é homônima, evidenciando correlação intencional entre as linguagens. As canções têm letras de conteúdo: romântico, político, humorístico,[26] educativo, surreal, duplo sentido, medieval, espiritualista etc., o que dificulta um enquadramento estilístico.[27]

Das músicas publicadas, quatro letras foram escritas originalmente em inglês, sendo elas: You Can Live (Você Pode Viver), Meeting With Destiny (canção homônima do livro Encontro Com o Destino), Another One (Um Outro) e Four Minutes (Quatro Minutos).

Artes plásticas[editar | editar código-fonte]

Série: Cenas Urbanas, acrílico sobre tela.

Nas artes plásticas, a produção abrange: o desenho, a pintura e a arte digital (pintura digital,[28] modelagem 3D,[29] ilustração vetorial[30] e digigravura). O figurativismo é uma característica que pode ser encontrada com frequência nos retratos, naturezas mortas, paisagens e nús artísticos. Segundo a Modern Art Community, depois de passar quatro anos escrevendo a Teoria da Percepção Quadridimensional, Mandarino desenvolveu um processo de perspectiva de quatro dimensões, onde o observador não é um elemento estático.[1] [31]

Retrato da irmã do artista. 200 x 120 cm, óleo sobre tela.
Avó do artista (detalhe), 50 x 70 cm, óleo sobre tela.

Exposições e prêmios[editar | editar código-fonte]

Percepção quadridimensional[editar | editar código-fonte]

Figura 1. A projeção central, que foi a base da perspectiva renascentista, faz com que um observador fixo "enxergue" retas paralelas em tamanho reduzido (no quadro).

A teoria da percepção quadridimensional, escrita em 1995, sob o título de O Tempo na Arte Pictórica, desenvolve-se no capítulo Crítica da Teoria das Projeções. Mandarino argumenta[33] que o observador pontual fixo, postulado na perspectiva renascentista, sugeria ser possível representar algo próximo da visão humana (figura 1), mas que na realidade tais processos deveriam ter gerado desenhos curvilíneos, parecidos com as imagens produzidas por uma máquina fotográfica (figura 2).[34]

Figura 2. Um ponto fixo de visão deveria projetar, no quadro, retas paralelas no formato de curvas, pois tudo diminui à medida que se afasta do observador (como nas fotografias).

Em Novas Interfaces em Comunicação e Audiovisual lê-se: "Vale acrescentar, como um exemplo que sempre afetou os nossos álbuns de família, que uma imagem fotográfica, por se aproximar do ponto fixo, arredonda o que está sendo retratado, fazendo com que uma pessoa pareça maior do que realmente o é."[35]

Figura 3. A percepção humana se dá no tempo (observador em movimento), portanto o quadro de visão será curvo, para uma distância focal constante.

O fato de que tudo diminui, ao se afastar do observador, implica que as perspectivas centrais não poderiam ter as verticais e horizontais como retas paralelas entre si.[36] Junto com outros fatores fisiológicos e psicofisiológicos, somente a observação no espaço-tempo é capaz de produzir imagens naturalistas. Em se considerando uma distância focal constante, o quadro de projeção deixaria de ser plano e se tornaria curvo (figura 3). Na última página do referido capítulo[33] encontra-se a seguinte afirmação: "A intenção da representação gráfica dos períodos compreendidos entre o Renascimento e o final do século XIX era tridimensional, porém, inconscientemente, eles (os artistas) trabalharam com o tempo em suas representações."

Em resumo: "Conclui-se que o sistema de perspectiva surgido no Renascimento foi uma manifestação inconsciente da quadridimensão e que a representação tridimensional teria um caráter curvilíneo e, portanto, totalmente diferente do que comumente se lhe atribui."[37]

Perspectiva quadridimensional[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Perspectiva quadridimensional

O processo de perspectiva quadridimensional, criado com base na teoria da Percepção quadridimensional, foi usado pela primeira vez no quadríptico "Observação no Tempo", de 1997,[38] que é a representação plana de um tipo de realidade aumentada, ou seja, uma cena com diferentes pontos de vista, que são "capturados" por um observador móvel (o desenhista) e que pode ser feita em superfície plana ou curvilínea.[1]

A terminologia foi dada pelo próprio autor: Cquote1.png Em tempo: Inspirado pela teoria da percepção quadridimensional, desenvolvi um processo de perspectiva que nomeei de perspectiva quadridimensional. Cquote2.png [39] Apesar da semelhança entre os nomes, os textos tratam de assuntos diferentes.[40]

Quadríptico: Observação no tempo (1997), acrílico sobre tela, 240 x 160 cm. Processo de perspectiva quadridimensional.[40]

Ao ser analisada, com o auxílio do computador, a pintura Observação no Tempo exibe as seguintes particularidades:[40]

1. a representação tem vários pontos de fuga, resultado que só pode ser conseguido por alguém que rotacione a cabeça, ou que se movimente de um lado para o outro durante o processo de observação (na paisagem fictícia há 9 pontos de fuga);
2. a possibilidade de existir diversas linhas de horizonte, o que indica que o observador movimentou-se também no sentido vertical, alterando a sua altura em relação ao chão (linha de terra);
3. o desenho pretende ter a abrangência de uma objetiva grande-angular, sem as curvaturas provocadas por esse tipo de lente fotográfica;
4. além das telas planas tradicionais, esse tipo de perspectiva permite a utilização de suportes curvos (cilindros, esferas, calotas e etc.).
Estudo da perspectiva com 9 pontos de fuga. O nono ponto está fora dos limites da tela.[38]

Ainda segundo o autor, todos os processos de perspectiva, desde o Renascimento, são artificiais e não passam de diferentes formas de representação. A perspectiva 4D é tão somente mais um sistema com vantagens em algumas situações e desvantagens em outras.

Em O Processo no Desenho Projetivo, de (1995), lê-se: Cquote1.png O Processo (de perspectiva) é um produto criativo que estabelece o limite de suas próprias leis (regras). Cquote2.png [41]

Geometria[editar | editar código-fonte]

Superfície capazoide[editar | editar código-fonte]

Em 2011, fora do âmbito do desenho projetivo e da perspectiva, classificou a superfície capazoide como um elemento da geometria espacial, a qual, à época, ainda não havia sido catalogada.[42] Trata-se de um lugar geométrico tridimensional, cujos pontos são capazes de "enxergar" um segmento de reta num determinado ângulo. Esse segmento é o eixo de revolução de um arco capaz, origem da nomenclatura. Num caso extremo, quando o capazoide é de 90º, ele assume a forma de uma superfície esférica, excetuando-se os pontos extremos do segmento observado, que não pertencem ao capazoide.

Produção musical[editar | editar código-fonte]

Multi-instrumentista de cordas,[2] compositor e arranjador, venceu por duas vezes o Concurso Nacional de Violão Isaías Sávio.[43] Estudou estética e regência coral com o maestro Hans-Joachim Koellreutter[44] e especializou-se no instrumento com Toninho Ciardulo, no Centro Livre de Aprendizagem Musical - CLAM, depois de se formar em violão clássico no Conservatório Musical Maraiza.[5]

Capa do álbum Volume 1 (2003).

É autor de 12 álbuns com a participação dos músicos:

  • Bateria: Sandro Haick,[45] Valter Cândido,[46] Ademir Dancona,[47] Rafael Blekic e Raul Fischer;
  • DJ e sequenciamento rítmico: Robson Romano;[48]
  • Teclado: Lilian Blessa e Augusto Pizzolato;
  • Guitarra, Moog e Violoncelo: Joel Doc Oliveira;
  • Baixo: Fabio Matano, Leonardo Marcondes e Maurício Brotinho;
  • Gaita: Rodrigo Gouveia;
  • Cajon: Eduardo Ramos;
  • Violão: Gabriel Mandarino;
  • Vozes: Samia Stuart Fakih, Roberto Labate,[47] Olga Giudice Brañas, Anelyse Brañas,[47] Cibele Luko,[49] Lauro Capellari, Juliana Andrade e Nestor Panetta.
Retrato da cantora Samia, acrílico sobre tela.
Sala de concerto, acrílico sobre tela.

Na área musical podem ser encontrados princípios do versatilismo, pois cada álbum tem a sua história e, nos opus de autoria, as músicas não aparentam um vínculo entre si; o que levou o compositor a dizer: "-Proponho a revisão constante de conceitos. Vario tanto que muitas vezes não sou reconhecido nem pelo meu próprio público." [2] Essa liberdade de expressão remete às suítes barrocas[50] cujas danças se sucediam sem a necessidade, ou intenção, de inter-relacionarem-se. No Renascentieval, um álbum temático, as peças lembram os estilos renascentistas ou medievais, seja pela poesia, pela melodia, pela harmonia, pelos instrumentos ou pelo arranjo, mas não formam uma unidade estilística dentro do conjunto, são peças individuais. Como essa característica se repete ao longo do trabalho, reafirmam-se as intenções dispostas no Manifesto Versatilista.[19]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Lista de álbuns autorais:[51]

Artigos[editar | editar código-fonte]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Modelado em Rhinoceros 3D, materiais e iluminação com Flamingo.[29]

Análises acadêmicas[editar | editar código-fonte]

Galeria multimídia[editar | editar código-fonte]





Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

Produtor na área de multimeios,[4] desenvolveu projetos de Internet art[8] e trilhas sonoras.[64] Como professor,[65] foi divulgador[54] de métodos de comunicação não-verbal,[66] técnicas para o desenvolvimento da criatividade,[67] psicologia da percepção, fundamentos matemáticos do belo[68] e formas de manipulação subliminar.[69] Através de oficinas de computação gráfica[70] [71] e edição audiovisual destacava a importância da interdisciplinaridade entre as linguagens.[67]

Modelos vivos[editar | editar código-fonte]

Guardiões[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f Escrito por Ana Luiza Amaral. «Músicos do Brasil: Uma Enciclopédia Instrumental». Verbete Denis Mandarino. Consultado em 01/09/2011. 
  2. Faculdades Integradas Rio Branco. «Professor do curso de Design integra Dicionário Houaiss». Fundação de Rotarianos. Consultado em 22 de junho de 2012. 
  3. a b c d Elisabete Almeida (03 de setembro de 2012). «A grande mancada no Brasil é a falta do incentivo correto à educação e à cultura». Alô Artista. Consultado em 04 de setembro de 2012. 
  4. a b c Instituto Cultural Cravo Albin. «Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira». Consultado em 02/11/2011. 
  5. Richard Coen. «Denis Mandarino Manifesto». Rich-coen.com. Consultado em 15 de julho de 2012 (em inglês). 
  6. a b c d e f g Espaço Cultural Citibank (1996). «Arte & Estilo». Departamento Cultural do Citibank Club. Consultado em 22 de agosto de 2012. 
  7. a b Desing24Horas.com (2013). «Deixa Disso - Making Of de um projeto de Internet Art». Multimídia. Consultado em 13-08-2013. 
  8. Design 24 Horas, Percepção quadridimensional (2013), página visitada em 28 de setembro de 2015.
  9. O Tempo na Arte Pictórica. Tese/dissertação/monografia, São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo: 1995 (Acervo 44591)
  10. Universidade Cruzeiro do Sul (07/06/2013). «Saiba mais sobre o Manifesto Versatilista...». Notícias. Consultado em 08/06/2013. 
  11. Folha de S.Paulo (17 de novembro de 2002). «Mortes». Cotidiano. Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  12. Conservatório Musical Maraiza. «Histórico». 2012. Consultado em 15 de novembro de 2012. 
  13. Aloizio Mercadante Oliva (04 de fevereio de 2012). «Homologação de diplomas do curso de Mestrado e Doutorado em Comunicação e Artes da Universidade Presbiteriana Mackenzie (ISSN 1677-7042)». Diário Oficial da União (01/02/2013). Consultado em 04 de fevereiro de 2013. 
  14. a b c Dados biográficos e de produção [1], acessado em 29/06/2011.
  15. Design 24 Horas (26-05-2013). «Manifesto versatilista (entrevista)». Podcast. Consultado em 28 de Maio de 2013. 
  16. Ademir Dancona. «Movimento versatilista». Consultado em 18 de maio de 2012. 
  17. Faculdades Integradas Rio Branco (30 de agosto de 2012). «Portal destaca trabalho do professor Denis Mandarino». Acontece Notícias. Consultado em 06 de setembro de 2012. 
  18. a b c Luko, C. S. (2011). Reflexões sobre o Manifesto Versatilista: O artista e sua consciência Universidade de São Paulo [S.l.] p. 27.  Ligação externa em |title= (Ajuda)
  19. Iervolino, A. F. (2012). «A Criatividade nos Cursos de Design» (PDF). Artigo Cientifico UOL. Consultado em 24 de setembro de 2013. 
  20. Mandarino (2015). «Denis Mandarino and APIS design integrado». Amazon.com. Consultado em 12/02/2016. 
  21. Denis Mandarino (2007). «A Busca de Cada Um (ISBN 9788576510864)». Editora Plêiade. Consultado em 20/04/2012. 
  22. Ibidem _______ (2008). «Encontro com o Destino (ISBN 9788576510901)». Editora Plêiade. Consultado em 20/04/2012. 
  23. Ibidem __________ (2009). «Além do quarto elemento (ISBN 9788576510871)». Editora Plêiade. Consultado em 20/04/2012. 
  24. Marcos 9,41-50. «Liturgia diária comentada». Consultado em 29/06/2011. 
  25. «Essa é pra casar». Mellho, frases do autor. Consultado em 21-03-2012. 
  26. Letra Club, Poesias, página visitada em 28 de setembro de 2015.
  27. Rádio MEC, Retrato digital do Maestro Koellreutter, página visitada em 28 de setembro de 2015.
  28. a b Mandarino (2012). «Rodas». website do artista. Consultado em 11 de setembro de 2012. 
  29. Pitoresco (07 de maio de 2012). «A Arte dos Grandes Mestres». Retrato vetorizado de Gisele Bündchen. Consultado em 20 de julho de 2012. 
  30. FRB, Professor tem trabalho publicado em livro internacional (2013), página visitada em 28 de setembro de 2015.
  31. Revista Ponte Aérea (1993). «Exposição Permanente nas Salas Vips Diners». Consultado em 25 de agosto de 2012. 
  32. a b Desenho Projetivo e Geometria Descritiva, cap. 4, 1996. [2], acessado em 29/06/2011.
  33. a b Monografias.com, Percepção Quadridimensional, acessado em 13/11/2011
  34. Paulo Pires da Costa Durão (org.) (2010). Novas Interfaces em Comunicação e Audiovisual Lexia [S.l.] pp. p.25. ISBN 978-85-63557-90-2. 
  35. Vários autores (2011). Novas Interfaces em Comunicação e Audiovisual Lexia [S.l.] p. 128. 978-85-63557-90-2. 
  36. Alô Artista.net (2012). «Percepção quadridimensional». Consultado em 03/02/2013. 
  37. a b Design24horas.com.br (3 de junho de 2014). «Perspectiva Quadridimensional (video)». Consultado em 4 de junho de 2014. 
  38. Durão, Paulo (organizador) (2011). Novas Interfaces em Comunicação e Audiovisual Lexia [S.l.] p. 24. 
  39. a b c d Denis Mandarino (agosto de 1997). «A perspectiva quadridimensional». Webartigos.com. Consultado em julho de 2012. 
  40. Denis Mandarino (1995). O Processo no Desenho Projetivo Universidade Presbiteriana Mackenzie [S.l.] p. 119. p.113. 
  41. Net Saber. «Superfície capazoide». Consultado em 30/05/2013. 
  42. Concurso Nacional de Violão Isaías Sávio, Faculdades Marcelo Tupinambá, XIII (1985) e XIV (1986).
  43. Academia Brasileira de Letras, Série “Música de Câmara na ABL” homenageia os 100 anos de nascimento do professor e compositor Hans Joachim Koellreutter, página visitada em 04 de setembro de 2015.
  44. «SandroHaick.com». Consultado em 03/04/2012. 
  45. «Mustang68». Consultado em 03/04/2012. 
  46. a b c Faculdades Rio Branco (2013). «Professor divulga vídeos de Internet Art». Acontece. Consultado em 31/08/2013. 
  47. Overmundo. «Reciclotropicodelia #1 mini-album/coletânea: versões & remixes». Consultado em 27 de maio de 2012. 
  48. Design 24 Horas (13 de maio de 2015). «Produções Audiovisuais Para a Educação Infantil». design24horas.com.br. Consultado em 26 de maio de 2015. 
  49. Imogen Holst (1987). ABC da Música Martins Fontes, São Paulo [S.l.] capítulo 39. 
  50. «Discografia do autor». Consultado em 30 de agosto de 2012. 
  51. Webartigos.com (12 de julho de 2011). «Superfície Capazoide». Consultado em 27 de junho de 2012. 
  52. Denis Mandarino (27/08/2011). «A divisão áurea por detrás do olhar de Mona Lisa». AloArtista.net. Consultado em 31 de junho de 2012. 
  53. a b Denis Mandarino (Outubro de 2012). «Escolhas feitas por prazer». AloArtista.net. Consultado em 21 de dezembro de 2012. 
  54. Estante virtual (1993). «Atelier: Comunicação e Arte». Consultado em 01 de outubro de 2012. 
  55. Editora Plêiade (2001). «Desenho Projetivo & Geometria Descritiva». Consultado em 03-05-2012. 
  56. Fundação Biblioteca Nacional, Editora Plêiade, São Paulo, página visitada em 20/04/2012.
  57. Matriz curricular do curso de química, Unversidade Mackenzie, São Paulo, página visitada em 30/11/2012.
  58. FAU (2011). «Graduação: Projeto de Produto» (PDF). Universidade Presbiteriana Mackenzie. Consultado em 30 de agosto de 2012. 
  59. Faculdades Integradas Rio Branco - Fundação de Rotarianos de São Paulo. «Professor é autor de livros na área de design». 14/03/2011. Consultado em 20/04/2012. 
  60. Biblio1 (2010). «CAD: exercícios técnicos e criativos». Consultado em 19 de julho de 2013.  ISBN 13:9788591104109
  61. ECA-USP (23.08.2012). «Concurso para o cargo de professor doutor» (PDF). Diário Oficial Poder Executivo. Consultado em 30 de agosto de 2012. 
  62. Universidade Federal do Pará (Setembro de 2009). «Projeto pedagógico do curso de engenharia de materiais». Ementas das disciplinas (Campus Universitário de Marabá). Consultado em 23 de setembro de 2012. 
  63. SENAI, [3] Trilha Sonora, p. 4 (branca), acessado em 17/07/2011.
  64. Universidade Gama Filho. «Design estratégico». Consultado em 15 de novembro de 2012. 
  65. Revista Fator (25 de outubro de 2011). «12ª Semana de Educação». Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  66. a b Josyane Lannes Florenzano de Souza (22 de agosto de 2011). «Professor Mandarino faz palestra sobre Criatividade na Comunicação». FAPSP. Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  67. Virgínia Cardia Cardoso (2007). «Anais da I Semana da Matemática, a matemática em outros pontos de vista». UniABC. Consultado em 23 de setembro de 2012. 
  68. Universidade Cruzeiro do Sul (24 de setembro de 2012). «Semana da arquitetura e design 2012» (PDF). Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  69. Rio Branco (2010). «Feira Guia do Estudante». Acontece. Consultado em 20 de setembro de 2012. 
  70. FMU (03 de novembro de 2009). «Modelagem automotiva» (PDF). Consultado em 20 de setembro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons