Edivaldo Martins da Fonseca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Edivaldo
Informações pessoais
Nome completo Edivaldo Martins da Fonseca
Data de nasc. 13 de abril de 1962
Local de nasc. Volta Redonda, RJ[1][2], Brasil
Nacionalidade brasileiro
Falecido em 13 de janeiro de 1993 (30 anos)
Local da morte Boituva, SP, Brasil
Altura 1,73m[1]
Apelido Papagaio, Pepe Legal
Informações profissionais
Posição Atacante
Clubes de juventude
Usipa
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1982
1983
1984–1987
1987–1990
1990
1991
1992
1992
1993
Atlético Mineiro
Taquaritinga
Atlético Mineiro
São Paulo
Puebla
Palmeiras
Atlético Mineiro
Gamba Osaka
Taquaritinga
00075 000(26)
00032 000(11)
00022 000(10)
00053 000(12)
00012 0000(2)
00012 0000(0)
00008 0000(0)
00000 0000(0)
00000 0000(0)
Seleção nacional
1986–1989 Brasil 00003 0000(0)

Edivaldo Martins da Fonseca ou simplesmente Edivaldo (Ipatinga, 13 de abril de 1962Boituva, 14 de janeiro de 1993), foi um futebolista brasileiro que atuava como Atacante. Faleceu em desastre de automóvel na rodovia Castelo Branco, em São Paulo.[2]

Iniciou sua trajetoria futebolística na Usipa em Ipatinga, Minas Gerais. Nos anos 1980, foi ponta-esquerda do Taquaritinga (SP), Atlético Mineiro e São Paulo, sendo levado por Telê Santana para compor a equipe que disputou a Copa de 1986, no México. Jogou também no Puebla do México, no Palmeiras e no Gamba Osaka do Japão, antes de voltar ao Taquaritinga em 1993.[3]

Chamado de "Papagaio" e de "Pepe Legal", era um ótimo finalizador, principalmente em chutes de fora da área, e conquistou os títulos mineiros de 1985 e 1986 e os paulistas de 1987 e 1989.

Depois de despontar nas categorias de base da USIPA, o ponta-esquerda alcançou projeção no Atlético Mineiro, antes de defender o São Paulo, Guarani de Campinas, Palmeiras, Corinthians, América de Puebla (México) e Seleção Brasileira. Nos anos 80, foi ponta-esquerda do Taquaritinga (SP), Atlético Mineiro e São Paulo, sendo levado por Telê Santana para compor a equipe que disputou a Copa do Mundo de 1986, no México. Jogou também no Puebla Fútbol Club do México, Sport Recife e no Palmeiras. Chamado de Papagaio e de Pepe Legal, era um ótimo finalizador, principalmente em chutes de fora da área, e conquistou os títulos mineiros de 1985 e 1986 e os paulistas de 1987 e 1989. Na copa de 1986, Edivaldo participou da delegação Brasileira composta por: Carlos, Edson, Edinho, Junior, Casagrande, Careca, Julio César, Alemão, Branco, Sócrates, Elzo, Oscar, Falcão, Muller, Zico, Paulo Victor, Josimar, Mauro Galvão, Silas, Valdo e Leão, Técnico Tele Santana.

Fim de dezembro de 1992, Edivaldo estava muito feliz após assinar contrato com o Panasonic, do Japão. Edivaldo faleceu no dia 14 de janeiro de 1993 em um desastre de automóvel na Rodovia Castelo Branco, cidade de Boituva no estado de São Paulo. Vários atletas interroperam suas férias para acompanhar seu sepultamento no cemitério senhora da paz em Ipatinga.

Morte[editar | editar código-fonte]

Em 13 de janeiro de 1993, 3 meses antes de completar 31 anos, o jogador sofreu um acidente fatal na rodovia Castelo Branco, no município paulista de Boituva. Familiares do atacante processaram a Fiat, entendendo que o acidente foi causado por uma falha no Tempra de Edivaldo.[2]

Referências

  1. a b «Perfil de Edivaldo». Transfermarkt. Consultado em 19 de agosto de 2018 
  2. a b c «Edivaldo... Ex-ponta do São Paulo». Terceiro Tempo. Consultado em 19 de agosto de 2018 
  3. «Todos os Brasileiros de 1986». Folha de São Paulo. Consultado em 19 de agosto de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bandeira de BrasilSoccer icon Este artigo sobre um futebolista brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.