Império Marata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Império Maratha)
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde julho de 2017)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Império Marata

Confederação Marata • मराठा साम्राज्य • Marāṭhā Sāmrājya

Flag of the Mughal Empire.svg
Blank.png
16741818 
British Raj Red Ensign.svg
Bandeira
Bandeira
India1760 1905.jpg
Mapa político da Índia em 1760, com o Império Marata a amarelo
Continente Ásia
Região Subcontinente indiano
Capitais Raigad
Gingee
Satara
Pune
Países atuais  Índia
Paquistão
Idiomas marata, sânscrito
Moeda rupia, paisa, mohor, shivrai

Marata


Forma de governo monarquia
Chhatrapati
•  1645–1680   Shivaji
•  1803–1818   Pratap Singh

Período histórico Idade Moderna e Idade Contemporânea
•  1845   Estabelecimento de um Hindavi Swarajya (auto-governo) por Shivaji, líder da resistência ao sultão de de Bijapur
•  21 de abril
de 1674
  Coroação de Shivaji
•  1683   Ataque a Goa por Sambhaji
•  1737   Conquista de Salsete, a última possessão portuguesa em Bombaim
•  1739   Conquista de Baçaim aos portugueses, após um cerco de três anos
•  1775–1782   Primeira Guerra Anglo-Marata
•  1803–1805   Segunda Guerra Anglo-Marata
•  1816   Início da terceira guerra anglo-marata
•  1818   A derrota retumbante na guerra, põr fim definitivo ao império
•  1818   O marajá de Satara, último monarca marata nominal, torna-se vassalo dos britânicos

Área
 •   2 800 000 km²

O Império Marata (em marata: मराठा साम्राज्य; transl.: Marāṭhā Sāmrājya) foi um estado hindu localizado geograficamente na atual Índia, que existiu entre 1674 e 1818.

História[editar | editar código-fonte]

Após muitos anos de resistência e guerrilha contra o Sultanato de Bijapur e o Império Mogol, o líder marata Shivaji funda um reino independente em 21 de abril de 1674, com capital em Raigad. Shivaji morre em 1680 deixando um reino de grande dimensão mas vulnerável. Os Mogois invadem o reino e dão início a uma longa, mas infrutífera, guerra de 27 anos, entre 1681 e 1707. Shahu, neto de Shivaji, foi imperador do reino até 1749. Durante o seu reinado, Shahu nomeou um peshwa (primeiro-ministro), como chefe do governo sob certas condições. Após a morte de Shahu, os peshwas tornam-se os líderes de facto do império entre 1749 e 1761, enquanto os sucessores de Shivaji continuavam como os governadores em nome, na sua sede em Satara. Ocupando um largo território, o império Marata manteve as forças britânicas nas zonas limítrofes durante todo o século XVIII, até ao início dos conflitos entre os peshwas e os sardar (comandantes do exército), que causaram o declínio do império.

O Império Marata atingiu o seu auge no século XVIII no governo de Shahu e do peshwa Baji Rao I. A derrota na Terceira Batalha de Panipat, em 1761, impediu a expansão do império na região noroeste e reduziu os poder dos peshwas. Em 1761, após várias derrotas na guerra Panipat, os peshwas lentamente foram perdendo o controlo do se reino. Muitos sardar como Shinde, Holkar, Gaikwad, PantPratinidhi, Bhosale de Nagpur, Pandit de Bhor, Patwardhan e Newalka, começaram a desenvolver esforços no intuito de se tornarem reis das suas próprias regiões. No entanto, no governo do peshwa Madhavrao, a autoridade no norte da Índia foi restabelecida, 10 anos após a Batalha de Panipat.[necessário esclarecer] Após a morte de Madhavrao, o império entrou em declínio, com o poder político a ser partilhado por cinco dinastias marata: os peshwas de Pune; os Sindhias de Malwa e Gwalior; os Holkars de Indore; os Bhonsles de Nagpur; e os Gaekwads de Baroda. A rivalidade entre os Sindhia e os Holkar dominaram as relações do império até ao início do século XIX, tal como os conflitos com os britânicos e com a britânicos, nas três guerras anglo-maratas. Na terceira guerra anglo-marata, o último peshwa, Baji Rao II, foi derrotado pelos britânicos em 1818. A maior parte do Império Marata foi então absorvida pelos britânicos, tendo alguns dos estados maratas continuado como estados principescos vassalos dos britânicos e semi-independentes, até à independência da Índia em 1947.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • James Grant Duff - A History of the Mahrattas, 3 vols. London, Longmans, Rees, Orme, Brown, and Green (1826) ISBN 81-7020-956-0
  • Bombay University - Maratha History
  • Ranade, Mahadev Govind, Rise of the Maratha Power (1900); (re-impresso em 1999) ISBN 81-7117-181-8
  • Samant, S. D. - Vedh Mahamanavacha
  • Kasar, D.B. - Rigveda to Raigarh making of Shivaji the great, Mumbai: Manudevi Prakashan (2005)
  • Apte, B.K. (editor) - Chhatrapati Shivaji: Coronation Tercentenary Commemoration Volume, Bombaim: Universidade de Bombaim (1974-75)
  • Desai, Ranjeet - Shivaji the Great, Janata Raja (1968), Pune: Balwant Printers - English Translation of popular Marathi book.
  • Pagdi, Setu Madhavrao - Hindavi Swaraj Aani Moghul (1984), Girgaon Book Depot, Marathi book
  • Deshpande, S.R. - Marathyanchi Manaswini, Lalit Publications, Marathi book
  • Suryanath U. Kamath (2001). A Concise History of Karnataka from pre-historic times to the present, Jupiter books, MCC, Bangalore (re-impresso em 2002), OCLC: 7796041.
  • Charles Augustus Kincaid - History of the Maratha People
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre o Império Marata
Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Flag of IndiaHourglass icon   Este artigo sobre história da Índia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.