Jürgen Kohler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jürgen Kohler
Jürgen Kohler
Kohler em 2005
Informações pessoais
Nome completo Jürgen Kohler
Data de nasc. 6 de outubro de 1965 (56 anos)
Local de nasc. Lambsheim, Alemanha Ocidental
Nacionalidade alemão
Altura 1,86 m
destro
Informações profissionais
Clube atual Viktoria Köln
Posição ex-zagueiro
Função treinador
Clubes de juventude
1975–1981
1982–1983
Jahn Lambsheim
Waldhof Mannheim
Clubes profissionais
Anos Clubes
1983–1987
1987–1989
1989–1991
1991–1995
1995–2002
Waldhof Mannheim
Colônia
Bayern de Munique
Juventus
Borussia Dortmund
Seleção nacional
1983–1984
1985–1987
1986–1998
Alemanha Sub-18
Alemanha Sub-21
Alemanha
Times/Equipas que treinou
2002–2003
2005–2006
2008
2013–2015
2015–2016
2016–2017
2018–
Alemanha Sub-21
Duisburg
Aalen
Wirges
Hauenstein
VfL Alfter
Viktoria Köln Sub-19

Jürgen Kohler (Lambsheim, 6 de outubro de 1965) é um treinador e ex-futebolista alemão que atuava como zagueiro. Atualmente comanda o time Sub-19 do Viktoria Köln.

Carreira como jogador[editar | editar código-fonte]

Começou nas categorias de base de Jahn Lambsheim e Waldhof Mannheim, profissionalizando-se em 1983 por este último, onde jogaria por quatro temporadas, despertando interesse do Köln, que o contrataria em 1987.

Na equipe da Renânia do Norte-Vestfália, atuaria em 101 jogos (marcou três gols) até 1989, quando seria contratado pelo Bayern de Munique, mostrando novamente suas habilidades como zagueiro, jogando 73 partidas e marcando sete gols.

Deixaria a Alemanha em 1991, após sua contratação por parte da Juventus.[1] Pela Velha Senhora ganharia três títulos, sendo a Copa da UEFA de 1992–93 a conquista mais relevante.[2]

Sua volta ao futebol alemão deu-se em 1996. Kohler assinou com o Borussia Dortmund, clube onde ganharia a maior parte de seus títulos (quatro no total). A maior conquista de Kohler por clubes foi a Copa Intercontinental de 1997, quando o Dortmund bateria o Cruzeiro por 2 a 0 (gols de Michael Zorc e Heiko Herrlich).[3]

Depois do título da Bundesliga de 2001–02, Kohler anunciou sua aposentadoria aos 36 anos. A despedida, no entanto, não foi honrosa: levou cartão vermelho ao cometer um pênalti na decisão da Copa da UEFA (atual Liga Europa) contra o Feyenoord, que foi, ainda, a 500ª partida do zagueiro como atleta profissional.[4]

No entanto, ele retomaria a carreira de jogador em 2009, aos 43 anos de idade, atuando em apenas um amistoso pelo Alemannia Adendorf, time que disputa a Kreisliga C (11ª divisão alemã).

Carreira como treinador[editar | editar código-fonte]

Depois de deixou a carreira como jogador, tornou-se diretor do Bayer Leverkusen em 31 de março de 2003, deixando o posto em 29 de junho de 2004. Em 17 de dezembro de 2005, foi anunciado como treinador do Duisburg.

No dia 31 de agosto de 2006, Kohler negou uma proposta para assumir a Seleção da Costa do Marfim. Voltaria a comandar equipes em 2008, quando assinou com o Aalen, onde ficou por alguns meses, sendo afastado por problemas cardíacos. Recuperado, Kohler voltou como diretor esportivo da equipe, mas deixou o cargo em 2009.

Após um período como diretor-esportivo do Waldhof Mannheim, seu primeiro clube na carreira de jogador, Kohler voltou ao banco de reservas em 2013, assumindo o Wirges. Entre 2015 e 2016, o ex-zagueiro exerceu a função no SC Hauenstein, da quinta divisão germânica.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Como jogador[editar | editar código-fonte]

Bayern de Munique
Juventus
Borussia Dortmund
Seleção Alemã

Prêmios individuais[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Stefano Bedeschi (7 de outubro de 2013). «Gli eroi in bianconero: Jürgen KOHLER» (em italiano). Tutto Juve. Consultado em 26 de abril de 2022 
  2. Murillo Moret. «O campeão mundial Jürgen Kohler foi pilar da Juve nos anos 1990». Calciopédia. Consultado em 19 de setembro de 2021 
  3. Ricardo Setyon (3 de dezembro de 1997). «Cruzeiro de 'aluguel' fracassa no Japão». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de setembro de 2021 
  4. Jon Brodkin (9 de maio de 2002). «Feyenoord fired by Van Hooijdonk» (em inglês). The Guardian. Consultado em 26 de abril de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]